RIPEAM

Report
MARINHA DO BRASIL
DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS
CONVENÇÃO SOBRE O REGULAMENTO
INTERNACIONAL PARA EVITAR
ABALROAMENTOS NO MAR, 1972
INCORPORANDO AS ALTERAÇÕES ADOTADAS PELAS RESOLUÇÕESª
A.464 (XII), A.626 (15), A.678 (16), A.736 (18),EA.910
A.910(22)
(22)e A.
e A.1004
1004(25)
(25)
(RIPEAM-72)
RIO DE JANEIRO
2011
2007
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
1ª edição 1982
1ª reimpressão 1984
2ª reimpressão 1987
3ª reimpressão 1989
2ª edição 1989
3ª edição 1991
1ª reimpressão 1991
4ª edição 1992
1ª reimpressão 1993
2ª reimpressão 1994
3ª reimpressão 1995
4ª reimpressão 1996
5ª edição 2003
2.000 exemplares
6ª edição 2004
1.300 exemplares
7ª edição 2007
2.000 exemplares
8ª edição 2008
1.250 exemplares
9ª edição 2010
2.000 exemplares
10ª edição 2011
5.000 exemplares
Fotos: Arquivo/ Diretoria de Portos e Costa e Agência Vale
2
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
MARINHA DO BRASIL
DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS
CONVENTION ON THE INTERNATIONAL
REGULATIONS FOR PREVENTING
COLLISIONS AT SEA, 1972
INCORPORATING AMENDMENTS ADOPTED BY RESOLUTIONS
A.464 (XII), A.626 (15), A.678 (16), A.736 (18), A.910(22) and A.1004(25)
(COLREG-72)
RIO DE JANEIRO
2011
3
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
Ist edition 1982
Ist reprinting 1984
2nd reprinting 1987
3rd reprinting 1989
2nd edition 1989
3rd edition 1991
Ist reprinting 1991
4th edition 1992
Ist reprinting 1993
2nd reprinting 1994
3rd reprinting 1995
4th reprinting 1996
5th edition 2003
2.000 copies
6th edition 2004
1.300 copies
7 th edition 2007
2.000 copies
8thedition 2008
1.250 copies
9thedition 2010
2.000 copies
10th editon 2011
5.000
4.000 copies
4
PREÂMBULO
, 2001 e 2007.
agora 2007.
22
22
22
22
24
28
28
28
28
28
30
30
32
34
38
38
38
38
40
40
40
40
42
44
44
46
46
46
48
48
50
52
54
56
58
58
60
60
62
62
62
62
64
68
68
70
70
72
86
88
94
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
PREAMBLE
The “Convention on the International Regulations for Preventing
Collisions at Sea” (COLREG), known in Brazil as “RIPEAM”, has
been adopted at IMO on 20 October 1972 and entered into force,
internationally, on 15 July 1977.
COLREG/RIPEAM is composed of 38 regulations, 4 annexes and
65 amendments 1981, 1987, 1989, 1993, 2001 and 2007.
now of 2007.
One of the chief innovations of COLREG/RIPEAM, 1972, has
been the recognition given to the traffic separation schemes (TSS),
through Regulation 10, where there is a guidance concerning safe
speed, risk of collision and how to conduct the vessel when
operating in, or near, traffic separation schemes (TSS).
Regulation 1 prescribes that the regulations shall apply to all vessel
upon the high seas and in any navigable waters leading to high seas.
Regulation 2 covers the responsability of the Master, Shipowner
and Crew of the vessel for complying with the Regulations.
DISCLAIMER
“The translation of the Convention on International
Regulations of Preventing Collisions at Sea, 1972
(COLREG), has been done with the agreement of the
International Maritime Organization (IMO). IMO
does not, however, accept any responsability for the
Portuguese translation and, in case of doubt, the text of
the official English IMO publication shall prevail”.
8
TABLE OF CONTENTS
CONVENTION ON THE INTERNATIONAL REGULATIONS FOR
PREVENTING COLLISIONS AT SEA, 1972 ............................................................
13
INTERNATIONAL REGULATIONS FOR PREVENTING COLLISIONS
AT SEA, 1972 ............................................................................................................
23
PART A GENERAL
RULE 1 Application ................................................................................................
RULE 2 Responsability ...........................................................................................
RULE 3 General Definitions ..................................................................................
23
23
25
PART B STEERING AND SAILING RULES ............................................................
29
SECTION I CONDUCT OF VESSELS IN ANY CONDITION OF VISIBILITY ......
29
RULE 4 Application ................................................................................................
RULE 5 Look-Out ...................................................................................................
RULE 6 Safe Speed .................................................................................................
RULE 7 Risk of Collision ........................................................................................
RULE 8 Action to avoid Collision ..........................................................................
RULE 9 Narrow Channels ......................................................................................
RULE 10 Traffic Separation Schemes .....................................................................
29
29
29
31
31
33
35
SECTION II CONDUCT OF VESSELS IN SIGHT OF ONE ANOTHER ...............
39
RULE 11- Application ...............................................................................................
RULE 12 Sailing Vessels ..........................................................................................
RULE 13 Overtaking ...............................................................................................
RULE 14 Head-on Situation ....................................................................................
RULE 15 Crossing Situation ....................................................................................
RULE 16 Action by Give-way Vessel .......................................................................
RULE 17 Action by Stand-on Vessel ........................................................................
RULE 18 Responsabilities between Vessels .............................................................
39
39
39
41
41
41
41
43
SECTION III CONDUCT OF VESSELS IN RESTRICTED VISIBILITY ................
45
RULE 19 Conduct of Vessels in Restricted Visibility ...............................................
45
PART C LIGHTS AND SHAPES ..............................................................................
47
RULE 20 Application ...............................................................................................
RULE 21 Definitions ................................................................................................
RULE 22 Visibility of Lights ....................................................................................
47
47
49
9
RULE 23 Power-driven Vessels underway ..............................................................
RULE 24 Towing and Pushing .................................................................................
RULE 25 Sailing Vessels underway and Vessels under Oars ..................................
RULE 26 Fishing Vessels .........................................................................................
RULE 27 Vessels not under Command or Restricted in their Ability
to Manoeuvre ............................................................................................................
RULE 28 Vessels Constrained by their Draught .....................................................
RULE 29 Pilot Vessels .............................................................................................
RULE 30 Anchored Vessels and Vessels Aground ...................................................
RULE 31 Seaplanes .................................................................................................
49
51
53
55
57
59
59
61
61
PART D SOUND AND LIGHT SIGNALS
RULE 32
RULE 33
RULE 34
RULE 35
RULE 36
RULE 37
Definitions ...............................................................................................
Equipment for Sound Signals ..................................................................
Manoeuvring and Warning Signals .........................................................
Sound Signals in restricted Visibility .......................................................
Signals to attract Attention ......................................................................
Distress Signals .......................................................................................
63
63
63
65
69
69
PART E EXEMPTIONS
RULE 38 Exemptions ..............................................................................................
71
ANNEX
I POSITIONING AND TECHNICAL DETAILS OF LIGHTS AND
SHAPES ....................................................................................................................
II ADDITIONAL SIGNALS FOR FISHING VESSELS FISHING IN CLOSE
PROXIMITY .............................................................................................................
III TECHNICAL DETAILS OF SOUND SIGNAL APPLIANCES ...........................
IV DISTRESS SIGNALS ..........................................................................................
10
73
87
89
95
CONVENÇÃO SOBRE O REGULAMENTO INTERNACIONAL
PARA EVITAR ABALROAMENTOS NO MAR, 1972
As Partes da presente Convenção;
DESEJANDO manter um alto nível de segurança no mar;
ATENTAS à necessidade de revisão e atualização do Regulamento
Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar anexo ao Ato Final da
Conferência Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1960;
HAVENDO CONSIDERADO esse Regulamento à luz dos esenvolvimentos
desde a sua aprovação.
ACORDARAM como segue:
ARTIGO I
Obrigações Gerais
As Partes da presente Convenção se comprometem a levar a efeito as Regras e
outros Anexos que constituem o Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos
no Mar, 1972, (a seguir referido como “o Regulamento”) anexo à presente.
ARTIGO II
Assinatura, Ratificação, Aceitação,
Aprovação e Adesão
1. A presente Convenção permanecerá aberta para assinatura até 1º de junho de 1973,
após o que permanecerá aberta para adesão.
2. Estados-Membros das Nações Unidas, ou de qualquer das Agências Especializadas,
ou a Agência Internacional de Energia Atômica, ou Partes do Estatuto da Corte
Internacional de Justiça, podem tornar-se Partes da presente Convenção através
de:
a) assinatura sem reservas para ratificação, aceitação ou aprovação;
b)
assinatura sujeita a ratificação, aceitação ou aprovação, seguida de ratificação,
aceitação ou aprovação; ou
c) adesão.
3. A ratificação, a aceitação, a aprovação ou a adesão será efetivada pelo depósito de
um instrumento pertinente junto à Organização Marítima Internacional (a seguir
referida como “a
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
13
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
Organização”) que informará aos Governos dos Estados que assinaram a
presente Convenção ou a ela aderiram, sobre o depósito de cada instrumento e a
data desse depósito.
ARTIGO III
Aplicação Territorial
1. As Nações Unidas, nos casos em que elas forem a autoridade administrativa de um
território, ou qualquer Parte Contratante responsável pelas relações internacionais
de um território, podem, em qualquer época, através de notificação escrita dirigida ao
Secretário-Geral da Organização (a seguir referido como “o Secretário-Geral”),
estender a aplicação da presente Convenção a esse território.
2. A presente Convenção se estenderá, a partir da data do recebimento da notificação
ou de outra data especificada na notificação, ao território pertinente.
3. Qualquer notificação feita de acordo com o parágrafo 1 deste Artigo pode ser
retirada com relação a qualquer território mencionado nessa notificação e a
extensão desta Convenção a esse território cessará sua aplicação após um ano ou
período maior, conforme pode ser especificado na ocasião da retirada.
4. O Secretário-Geral informará a todas as Partes Contratantes sobre a notificação de
qualquer extensão ou retirada de qualquer extensão comunicada de acordo com este
Artigo.
ARTIGO IV
Entrada em Vigor
1. (A) A presente Convenção entrará em vigor doze meses após a data em que pelo
menos 15 Estados, cujas frotas mercantes conjuntas venham a constituir pelo menos
65% do número ou da arqueação da frota mundial de embarcações de arqueação
bruta igual ou superior a 100, se tornarem Partes da mesma, prevalecendo destas
duas a condição que primeiro for alcançada.
(b) Não obstante as provisões do subparágrafo (a) deste parágrafo, a presente
Convenção não entrará em vigor antes de 1º de janeiro de 1976.
2. A entrada em vigor para Estados que ratifiquem, aceitem, aprovem ou adiram a esta
Convenção de acordo com o Artigo II, após as condições estabelecidas no
subparágrafo 1 (a) terem sido satisfeitas e antes da Convenção haver entrado em
vigor, será na data de entrada em vigor da Convenção.
3.
A entrada em vigor para Estados que ratifiquem, aceitem, aprovem ou adiram, após
a data na qual esta Convenção entrar em vigor, será na data de depósito de um
instrumento de acordo com o Artigo II.
4. Após a data de entrada em vigor de uma emenda a esta Convenção de acordo com o
parágrafo 4 do Artigo VI, qualquer ratificação, aceitação, aprovação ou adesão se
aplicará à Convenção como emendada.
14
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
15
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
5.
Na data de entrada em vigor desta Convenção, o Regulamento substitui e anula o
Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar, 1960.
6.
O Secretário-Geral informará aos Governos dos Estado que assinaram ou aderiram
a esta Convenção sobre a data de sua entrada em vigor.
ARTIGO V
Conferência para Revisão
1.
A Organização poderá convocar uma Conferência para o propósito de revisão desta
Convenção ou do Regulamento ou ambos.
2.
A Organização convocará uma Conferência das Partes Contratantes para o
propósito de revisão desta Convenção ou do Regulamento ou de ambos, a
requerimento de pelo menos um terço das Partes Contratantes.
ARTIGO VI
Emendas ao Regulamento
1.
Qualquer emenda ao Regulamento proposta por uma Parte Contratante será
considerada na Organização a pedido desta Parte.
2.
Caso seja adotada por maioria de dois terços dos votantes presentes no Comitê de
Segurança Marítima da Organização, tal emenda será comunicada a todas as Partes
Contratantes e Membros da Organização, pelo menos seis meses antes da sua
consideração pela Assembléia da Organização. Qualquer Parte Contratante que não
seja Membro da Organização terá direito à participação quando da consideração da
emenda pela Assembléia.
3.
Caso seja adotada por maioria de dois terços dos votantes presentes na Assembléia,
a emenda será comunicada pelo Secretário-Geral a todas Partes Contratantes, para
sua aceitação.
4. Tal emenda entrará em vigor em data a ser determinada pela Assembléia por
ocasião de sua adoção, a não ser que, em data anterior à determinada pela
Assembléia, à mesma ocasião, mais de um terço das Partes Contratantes notifiquem
a Organização sobre suas objeções à emenda. O estabelecimento pela Assembléia
das datas a que se refere o mesmo parágrafo será feito por maioria de dois terços
dos votantes presentes à mesma.
5. Toda emenda, ao entrar em vigor, substituirá e anulará qualquer provisão anterior à
qual se refira, para todas as partes Contratantes que não apresentarem objeções à
emenda.
6.
O Secretário-Geral informará todas as Partes Contratantes e Membros da
Organização sobre qualquer demanda e comunicação, de acordo com o presente
Artigo, bem como sobre a data em que qualquer emenda entrará em vigor.
16
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
17
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
ARTIGO VII
Denúncia
1.
A presente Convenção poderá ser denunciada por uma Parte Contratante em
qualquer época, após decorridos cinco anos a partir da data em que a Convenção
houver entrado em vigor para esta Parte.
2. A denúncia será efetivada mediante o depósito de um instrumento pertinente na
Organização. O Secretário-Geral informará a todas as demais Partes Contratantes
sobre o recebimento do instrumento de denúncia e sobre a data de seu depósito.
3. Uma denúncia terá efeito por um ano, ou período maior que poderá ser especificado
no instrumento, após o seu depósito.
ARTIGO VIII
Depósito e Registro
1.
A presente Convenção e o Regulamento serão depositados na Organização, e o
Secretário-Geral expedirá cópias autênticas certificadas dos mesmos a todos os
Governos de Estados que tenham assinado esta Convenção ou a ela aderido.
2. Quando da entrada da presente Convenção em vigor, seu texto será transmitido
pelo Secretário-Geral ao Secretariado das Nações Unidas, para registro e publicação
de acordo com o Artigo 102 da Carta das Nações Unidas.
ARTIGO IX
Idiomas
A presente Convenção é instituída, juntamente com o Regulamento, em um
único exemplar redigido nos idiomas inglês e francês, sendo ambos os textos
igualmente autênticos. Serão preparadas e depositadas, juntamente com o original
assinado, traduções oficiais nos idiomas russo e espanhol.
EM TESTEMUNHO DO QUE, os abaixo-assinados., devidamente autorizados
para tanto, por seus respectivos Governos, assinaram a presente Convenção.
CONCLUÍDO EM LONDRES, aos vinte de outubro de mil novecentos e
setenta e dois.
* A Lista de assinaturas não é reproduzida.
18
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
19
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
20
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
21
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
REGULAMENTO INTERNACIONAL PARA EVITAR
ABALROAMENTOS NO MAR, 1972
PARTE A - GENERALIDADES
REGRA I
Aplicação
(a) Estas Regras se aplicarão a todas as embarcações em alto mar e em todas as
águas a este ligadas, navegáveis por navios de alto-mar.
(b) Nenhuma disposição destas Regras deve prejudicar o cumprimento de disposições
de regras especiais baixadas pela autoridade competente sobre navegação nos
ancoradouros, portos, rios, lagos ou vias de navegação interior ligadas ao alto mar
e navegáveis por navios de alto-mar. Tais regras especiais deverão ser, tanto quanto
possível, concordantes com as presentes Regras.
(c) Nenhuma disposição destas Regras deve prejudicar o cumprimento de disposições
de quaisquer regras especiais baixadas pelo Governo de qualquer Estado, referentes
às luzes adicionais de posição ou sinalização, marcas ou sinais adicionais de apito
para navios de guerra ou embarcações navegando em comboio, ou referente às
luzes adicionais de posição ou sinalização, ou marcas para embarcações de pesca
engajadas na pesca em flotilha. Estas luzes adicionais de posição ou sinalização,
marcas ou sinais sonoros adicionais serão, tanto quanto possível, tais que não possam ser confundidos com qualquer luz, marca ou sinal autorizado em qualquer
parte destas Regras.
(d) A Organização poderá adotar esquemas de separação de tráfego para atender ao
propósito destas Regras.
(e) Sempre que o Governo interessado houver determinado que uma embarcação de
construção especial ou destinada a fins especiais não possa cumprir iteiramente as
disposições de quaisquer destas Regras, no que se refere ao número, posição,
alcance ou setor de visibilidade de luzes ou marcas, bem como ao posicionamento e
características de equipamentos de sinalização sonora, tal embarcação deverá
obedecer a outras disposições referentes ao número, posição, alcance ou setor de
visibilidade de luzes ou marcas, bem como posicionamento e c aracterísticas de
equipamentos de sinalização sonora, como houver sido determinado por aquele
Governo, tão próximo quanto possível das disposições destas regras, para essa
embarcação.
REGRA 2
Responsabilidade
(a) Nada nestas Regras dispensará qualquer embarcação ou seu proprietário, seu
comandante ou sua tripulação das consequências de qualquer negligência no
cumprimento destas Regras ou na negligência de qualquer precaução
reclamada ordinariamente pela prática marinheira ou pelas circunstâncias especiais
do caso.
22
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
23
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(b) Ao interpretar e cumprir estas Regras, deverão ser levados na devida conta todos os
perigos à navegação e de colisão e todas as circunstâncias especiais,
inclusive as limitações das embarcações envolvidas, os quais poderão tornar um
afastamento destas Regras necessário para evitar perigoimediato.
REGRA 3
Definições Gerais
Para o propósito destas Regras, exceto onde o texto o indique de modo
diferente:
(a) A palavra “embarcação” designa qualquer tipo de embarcação, inclusive
embarcações sem calado, naves de vôo rasante e hidroaviões utilizados ou capazes
de serem utilizados como meio de transporte sobre a água.
(b) O termo “embarcação de propulsão mecânica” designa qualquer embarcação
movimentada por meio de máquinas ou motores.
(c) O termo “embarcação a vela” designa qualquer embarcação sob vela desde que sua
máquina de propulsão, se houver, não esteja em uso.
(d) O termo “embarcação engajada na pesca” designa qualquer embarcação pescando
com redes, linhas, redes de arrasto ou qualquer outro equipamento de pesca que
restringe sua manobrabilidade, mas não inclui uma embarcação pescando de corrico
ou com outros equipamentos de pesca que não restrigem sua manobrabilidade.
(e) A palavra “hidroavião” designa qualquer aeronave projetada para manobra sobre a
água.
(f) O termo “embarcação sem governo” designa uma embarcação que, por alguma
circunstância excepcional, se encontra incapaz de manobrar como determinado por
estas Regras e, portanto, está incapacitada de se manter fora da rota de outra
embarcação.
(g) O termo “embarcação com capacidade de manobra restrita” designa uma
embarcação que, devido à natureza de seus serviços, se encontra restrita em sua
capacidade de manobrar como determinado por estas Regras e, portanto, está
incapacitada de se manter fora da rota de outra embarcação.
O termo “embarcação com capacidade de manobra restrita” compreende, mas não
se limita aos seguintes casos:
(i) as embarcações engajadas em serviços de colocacão, manutenção ou retirada
de sinais de navegação, cabos ou tubulações submarinas;
(ii) as embarcações engajadas em serviços de dragagem, levantamentos
hidrográficos ou oceanográficos ou trabalhos submarinos;
(iii) as embarcações engajadas em reabastecimento ou transferência de pessoas,
provisões ou carga em viagem;
(iv) as embarcações engajadas em lançamentos ou recolhimentos de aeronaves;
(v) as embarcações engajadas em operações de remoção de minas;
(vi) as embarcações engajadas em operação de reboque, que, por natureza,
dificilmente permitem ao rebocador e a seu reboque desviarem-se do seu
rumo.
24
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
25
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(h) O termo “embarcação restrita devido a seu calado” designa uma embarcação de
propulsão mecânica que, devido a seu calado em relação à profundidade e largura
de água navegável disponível, está com severas restrições quanto à sua capacidade
de se desviar do rumo que está seguindo.
(i) O termo “em movimento” se aplica a todas as embarcações que não se encontram
fundeadas, amarradas à terra ou encalhadas.
(j) As palavras “comprimento” e “boca” de uma embarcação designam seu
comprimento de roda a roda e sua largura máxima.
(k) Duas embarcações são consideradas “no visual” quando uma pode ser observada
pela outra visualmente;
(l) O termo “visibilidade restrita” designa qualquer condição na qual a visibilidade é
prejudicada por nevoeiro, névoa, nevada, chuvas pesadas, tempestades de areia ou
qualquer causa semelhante.
(m) O termo “wing-in-ground (wig) craft” (nave de vôo rasante), significa uma nave
multimodal que, em seu principal modo de operação, voa próximo à superfície
utilizando a ação do efeito superfície.
26
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
27
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
PARTE B - REGRAS DE GOVERNO E DE NAVEGAÇÃO
SEÇÃO I - Condução de embarcações em qualquer condição
devisibilidade
REGRA 4
Aplicação
As Regras desta Seção se aplicam em qualquer condição de visibilidade.
REGRA 5
Vigilância
Toda embarcação deverá manter, permanentemente , vigilância apropriada,
visual e auditiva, bem como, através de todos os meios apropriados às circunstâncias
e condições predominantes, a fim de obter inteira apreciação da situação e do risco de
colisão.
REGRA 6
Velocidade de Segurança
Toda embarcação deverá navegar permanentemente a uma velocidade segura,
de forma a lhe possibilitar a ação apropriada e eficaz para evitar colisão, bem como
para ser parada a uma distância apropriada às circunstâncias e condições predominantes.
Os seguintes fatores deverão estar entre aqueles a serem considerados ao
determinar-se a velocidade de segurança:
(a) por todas embarcações:
(i) o grau de visibilidade;
(ii) a densidade do tráfego, inclusive as concentrações de pesqueiros ou
quaisquer outras embarcações;
(iii) a capacidade de manobra da embarcação, com atenção especial quanto à sua
distância de parada e às suas qualidades de giro nas condições predominantes;
(iv) a presença, à noite, de luzes, tais como luzes da costa ou reflexos das luzes
da própria embarcação;
(v) o estado do vento, do mar e das correntes, bem como a proximidade de
perigos à navegação;
(vi) o calado da embarcação em relação à profundidade disponível.
(b) adicionalmente, por navios que utilizam radar:
(i) as características, eficiência e limitações do equipamento radar;
(ii) quaisquer restrições impostas pela escala de distância radar em uso;
(iii) o efeito do estado do mar, condições meteorológicas e outras fontes de
interferência na detecção radar;
28
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
29
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(iv) a possibilidade de que embarcações pequenas, gelo e outros objetos
flutuantes não sejam detectados pelo radar a uma distância adequada;
(v) o número, a posição e o movimento de embarcações detectadas pelo radar;
(vi) a determinação mais exata da visibilidade que é possível quando o radar é
usado para determinar a distância de embarcações ou outros objetos nas
vizinhanças.
REGRA 7
Risco de Abalroamento
(a) Toda embarcação deverá utilizar todos os meios apropriados às circunstâncias e
condições predominantes, a fim de determinar se existe risco de abalroamento. Em
caso de dúvida, deve-se presumir que tal risco existe.
(b) Deverá ser feito uso apropriado do equipamento radar, se existente e operativo,
inclusive efetuando varreduras de longa distância a fim de se obter alarme
antecipado de risco de abalroamento e plotagem radar ou observação si stemática
equivalente de objetos detectados.
(c) Não devem ser feitas suposições com bases em informações insuficientes,
especialmente informação radar de baixa confiabilidade.
(d) Por ocasião da determinação de existência de risco de abalroamento as seguintes
considerações deverão estar entre aquelas levadas em conta:
(i)
deve ser presumido que tal risco existe caso a marcação de uma embarcação
que se aproxima não se altere de modo apreciável;
(ii) as vezes tal risco pode existir mesmo quando for observada apreciável
variação na marcação, particularmente quando da aproximação de uma
embarcação muito grande ou um reboque, ou quando da aproximação de uma
embarcação à distância muito próxima.
REGRA 8
Manobras Para Evitar Abalroamentos
(a) Qualquer manobra para evitar um abalroamento deve ser realizada de acordo com
as regras desta parte e, se a situação permitir, ser positiva, bem como ser realizada
com ampla antecedência e levando em conta a observância dos bons princípios de
arinharia.
(b) Toda alteração de rumo e/ou de velocidade para evitar um abalroamento deve,se
as circunstâncias do caso permitirem, ser ampla o suficiente para ser aparentemente
clara para a outra embarcação que esteja observando visualmente ou pelo radar;
devem ser evitadas pequenas alterações sucessivas de rumo e/ou velicidade.
(c) Caso haja suficiente espaço, somente a alteração do rumo pode ser a manobra mais
eficaz para evitar uma situação de aproximação excessiva, desde que esta seja feita
com boa antecedência, seja substancial e não resulte em nova situação de
proximidade excessiva.
(d) A manobra executada para evitar um abalroamento com outra embarcação deve ser
tal que resulte numa passagem a distância segura. A eficácia da manobra deverá ser
cuidadosamente verificada, até que a outra embarcação tenha finalmente passado e
esteja safa.
30
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
31
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(e) Caso necessário, para evitar um abalroamento ou permitir mais tempo para
avaliação da situação, uma embarcação deve diminuir sua velocidade ou cortar seu
seguimento, parando ou invertendo seus meios de propulsão.
(f) (I) Uma embarcação que, em virtude de quaisquer destas Regras, for obrigada a
não interferir com a passagem ou passagem em segurança de outra
embarcação, quando as circunstâncias do caso o exigirem, deverá manobrar
com bastante antecedência de modo a deixar suficiente espaço para a passagem
em segurança da outra embarcação.
(ii) Uma embarcação que estiver obrigada a não interferir com a passagem ou a
passagem em segurança de outra embarcação, não estará dispensada dessa
obrigação se, ao aproximar-se da outra embarcação, houver risco de
abalroamento e deverá ao manobrar, respeitar integralmente as Regras desta
parte.
(iii) Uma embarcação cuja passagem não deva ser impedida, continua plenamente
obrigada a cumprir as Regras desta parte quando as duas embarcações se
aproximam uma da outra, de modo a envolver risco de abalroamento.
REGRA 9
Canais Estreitos
(a) Uma embarcação que estiver navegando ao longo de um canal estreito ounuma via
de acesso deverá se manter tão próxima quanto seja possível e seguro do limite
exterior desse canal ou via de acesso que estiver a seu boreste.
(b) Embarcações de menos de 20 metros de comprimento ou embarcações a vela não
deverão interferir na passagem de outra embarcação que só possa navegar com
segurança dentro de um canal estreito ou via de acesso.
(c) As embarcações engajadas na pesca não deverão interferir na passagem de
qualquer outra embarcação que estiver navegando dentro de um canal estreito ou
via de acesso.
(d) Uma embarcação não deverá cruzar um canal estreito ou via de acesso quando, ao
fazê-lo, interferir na passagem de outra embarcação que só possa navegar com
segurança dentro desse canal ou via de acesso.Esta última embarcação poderá fazer
uso do sinal sonoro disposto na Regra 34 (d) caso tenha dúvida sobre a intenção da
embarcação que cruza o canal ou via de acesso.
(e) (I) Quando uma ultrapassagem em um canal estreito ou via de acesso só for possível
se a embarcação alcançada manobrar para permitir uma ultrapassagem segura, a
embarcação que pretende ultrapassar deverá indicar esta intenção emitindo o
sinal sonoro apropriado disposto na Regra 34 (c) (I). A embarcação alcançada
deverá, caso esteja de acordo com a ultrapassagem, emitir o sinal sonoro
apropriado disposto na Regra 34 (c) (II) e manobrar de modo a permitir a
ultrapassagem em segurança. Em caso de dúvida, poderá emitir os sinais sonoros
dispostos na Regra 34 (d).
(II)Esta Regra não dispensa a embarcação que alcança de sua obrigação como
disposto na Regra 13.
(f) Quando uma embarcação estiver se aproximando de uma curva ou de uma área de
um canal estreito ou via de acesso onde outras embarcações possam estar ocultas
devido a obstáculos, deverá navegar com atenção e cuidado redobrados, bem como
emitir o sinal sonoro apropriado disposto na regra 34 (e).
32
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
33
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(g)
Toda embarcação deverá, se as circunstâncias o permitirem, evitar fundear em um
canal estreito.
REGRA 10
Esquemas de Separação de Tráfego
(a) Esta Regra se aplica aos esquemas de separação de tráfego adotados pela
Organização e não dispensa qualquer navio de sua obrigação perantequalquer outra
regra.
(b) Uma embarcação que estiver usando um esquema de separação de tráfego deverá:
(i) seguir na via de tráfego apropriada e na direção geral do fluxo de tráfego para
essa via;
(ii) manter-se tão longe quanto possível de uma linha ou zona de separação de
tráfego;
(iii) normalmente, entrar e sair de uma via de tráfego em seus terminais, mas,
caso seja necessário entrar ou sair de uma via de tráfego ao longo de sua
extensão por qualquer de seus dois lados, isso deverá ser feito com o menor
ângulo possível em relação à direção geral do fluxo de tráfego.
(c) Uma embarcação deve evitar tanto quanto possível cruzar vias de tráfego,mas se
obrigada a isso, deverá fazê-lo tomando o rumo mais próximo possível da
perpendicular à direção geral do fluxo do tráfego.
(d) (i) Uma embarcação não deverá usar uma zona de tráfego costeiro quando ela
puder usar com segurança a via de tráfego apropriada dentro do esquema de
separação de tráfego adjacente. Não obstante, embarcações de menos de 20
metros de comprimento, embarcações a vela e barcos engajados na pesca
poderão usar a zona de tráfego costeiro.
(ii) Apesar do estabelecido acima, uma embarcação poderá usar uma zona de
tráfego costeiro quando partindo ou demandando um porto, uma instalação
ou estrutura em mar aberto, posto da praticagem, ou qualquer outro lugar
situado na zona de tráfego costeiro, ou ainda, para evitar perigo iminente.
(e) Normalmente, uma embarcação não deverá entrar em uma zona de separação ou
cruzar uma linha de separação, a menos que esteja cruzando, entrando ou saindo de
uma via de separação de tráfego, exceto:
(i) em caso de emergência, a fim de evitar perigo imediato;
(ii) para engajar na pesca dentro da zona de separação.
(f) Quando navegando em áreas próximas das extremidades de esquemas de separação
de tráfego, uma embarcação o fará com cuidado redobrado.
(g) Tanto quanto possível, uma embarcação deverá evitar fundear em um esquema de
separação de tráfego ou em áreas próximas de suas extremidades.
(h) Uma embarcação que não estiver se utilizando de um esquema de separação de
tráfego deve evitá-lo com uma margem tão grande quanto possível.
(i) Uma embarcação engajada na pesca não deve interferir na passagem de qualquer
outra embarcação navegando ao longo de uma via de tráfego.
34
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
35
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(j) Um navio de comprimento inferior a 20m ou um navio a vela não devem dificultar
a passagem segura de uma embarcação de propulsão mecânica navegando ao longo
de uma via de tráfego.
(k) Uma embarcação com capacidade de manobra restrita, quando engajada em
operação para preservação da segurança da navegação num esquema de separação
de tráfego, está dispensada do cumprimento desta Regra na medida necessária para
a execução da operação.
(l) Uma embarcação com capacidade de manobra restrita, engajada em operação de
lançamento, reparo ou recolhimento de cabo submarino dentro do esquema de
separação de tráfego, está dispensada do cumprimento desta Regra na medida
necessária para a execução da operação.
36
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
37
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
REGRA 11
Aplicação
REGRA 12
Embarcação a Vela
(a) quando duas embarcações a vela se aproximam uma da outra de maneira a envolver
risco de abalroamento, uma delas deverá se manter fora do caminho da outra, como
segue:
(i) quando cada uma das embarcações tiver o vento soprando de bordo diferente
a embarcação que recebe o vento por bombordo deverá se manter fora do
caminho da outra;
(ii) quando ambas as embarcações tiverem o vento soprando do mesmo bordo, a
embarcação que estiver a barlavento deverá se manter fora do caminho da
que estiver a sotavento;
(iii) quando uma embarcação com o vento a bombordo avistar outra embarcação
a barlavento e não puder determinar com segurança se essa outra embarcação
recebe o vento por bombordo ou por boreste, ela deverá se manter fora do
caminho dessa embarcação.
(b) Para os fins de aplicação da presente Regra, será considerado bordo debarlavento o
bordo oposto ao qual se encontra carregada a vela grande ou, no caso de
embarcações armadas com velas redondas, o bordo oposto àquele onde se encontra
amurada a maior vela latina.
REGRA 13
Ultrapassagem
(a) Quaisquer que sejam as disposições contidas nas Regras da Parte B, Seções I e II,
toda embarcação que esteja ultrapassando outra deverá manterse fora do caminho
dessa outra.
(b) Deverá ser considerada uma embarcação alcançando outra, toda embarcação que se
aproximar de outra, vinda de uma direção de mais de 22,5 graus para ré do través
dessa última, isto é, que se ache numa posição tal em relação à embarcação
alcançada que, durante a noite, só poderá ver a luz de alcançado (ou de popa)
dessa outra, sem avistar nenhuma de suas luzes de bordo.
(c) Quando houver dúvida se uma embarcação está alcançando outra, ela deverá
considerar a situação como tal e manobrar de acordo.
(d)
38
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
39
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
REGRA 14
Situação de Roda a Roda
(a) Quando duas embarcações à propulsão mecânica estiverem se aproximando em
rumos diretamente opostos ou quase diretamente opostos, em condições que
envolvam risco de abalroamento, cada uma deverá guinar para boreste, de forma
que a passagem se dê por bombordo uma da outra.
(b) Deve-se considerar a existência de tal situação quando as embarcações se avistam
uma à proa da outra ou em marcações próximas da proa, de tal modo que, durante a
noite, uma verá as luzes dos mastros da outra enfiadas ou quase enfiadas e/ou as
luzes de ambos os bordos e, durante o dia uma embarcação observe o correspondente aspecto da outra embarcação.
(c) Quando houver dúvida sobre a existência de tal situação, a embarcação em dúvida
deverá considerá-la como existente e manobrar de acordo.
REGRA 15
Situação de Resumos Cruzados
Quando duas embarcações de propulsão mecânica navegam em rumos que se
cruzam em situação que envolva risco de abalroamento, a embarcação que avista a outra
por boreste deverá se manter fora do caminho dessa e, caso as circunstâncias o
permitam, evitará cruzar sua proa.
REGRA 16
Ação da Embarcação Obrigada a Manobrar
Toda embarcação obrigada a se manter fora do caminho de outra embarcação
deverá, tanto quanto possível, manobrar antecipada e substancialmente a fim de se
manter bem safa da outra.
REGRA 17
Ação da Embarcação que tem Preferência
(i) Quando uma embarcação for obrigada a manobrar, a outra deverá manter seu
rumo e sua velocidade.
(ii) Entretanto, a embarcação que tem preferência poderá manobrar para evitar
um abalroamento, tão logo lhe pareça que a embarcação obrigada a manobrar
não está manobrando apropriadamente em cumprimento a estas Regras.
(b) Quando, por qualquer motivo, a embarcação que deve manter seu rumo e
sua velocidade se encontrar tão próximo que um abalroamento não possa ser
evitado, unicamente pela manobra da embarcação obrigada a manobrar, ela deverá
manobrar da melhor maneira para auxiliar a evitar o abalroamento.
(c) Uma embarcação de propulsão mecânica que, em situação de rumos cruzados,
manobrar de acordo com o subparágrafo (a) (II) desta Regra para evitar um
abalroamento com outra embarcação de propulsão mecânica, não deverá, se as
condições do caso o permitirem, guinar para bombordo para outra embarcação que
se encontre a seu bombordo.
(a)
40
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
41
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(d) Esta Regra não dispensa a embarcação obrigada a manobrar de sua obrigação de se
manter fora do caminho da outra.
REGRA 18
Responsabilidade entre Embarcações
Exceto quando disposto em contrário pelas Regras 9, 10 e 13:
(a) Uma embarcação de propulsão mecânica em movimento, deverá manter-se fora do
caminho de:
(i) uma embarcação sem governo;
(ii) uma embarcação com capacidade de manobra restrita;
(iii) uma embarcação engajada na pesca;
(iv) uma embarcação a vela.
(b) Uma embarcação a vela em movimento deverá manter-se fora do caminho de:
(i) uma embarcação sem governo;
(ii) uma embarcação com capacidade de manobra restrita;
(iii) uma embarcação engajada na pesca.
(c) Uma embarcação engajada na pesca em movimento deverá, tanto quanto possível,
manter-se afastada do caminho de:
(i) uma embarcação sem governo;
(ii) uma embarcação com capacidade de manobra restrita.
(d)
(i)
Toda embarcação que não uma embarcação sem governo ou uma
embarcação com capacidade de manobra restrita deverá, se as circunstâncias
do caso o permitirem, evitar interferir com a passagem segura de uma
embarcação restrita devido ao seu calado, exibindo os sinais da Regra 28.
(ii) Uma embarcação restrita devido ao seu calado deverá navegar com cuidado
redobrado, levando em plena conta suas condições especiais.
(e)
De modo geral, um hidroavião sobre a àgua deverá se manter bem afastado de
todas embarcações e evitar interferir com a sua navegação . Entretanto, nas
circunstâncias em que existir risco de abalroamento, ele deverá cumprir as Regras
desta Parte.
(f)
(i) Uma nave de vôo rasante quando estiver decolando, e voando próximo à
superfície, deve manter-se bem afastada de todas as outras embarcações e
evitar interferir com a sua navegação.
(ii) Uma nave de vôo rasante operando na superfície da água deverá cumprir as
regras desta parte como se fosse uma embarcação de propulsão mecânica.
42
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
43
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
REGRA 19
Condução de Embarcações em Visibilidade Restrita
(a) Esta Regra se aplica à embarcação fora do visual uma da outra, quando
navegando dentro ou próximo de uma área de visibilidade restrita.
(b) Toda embarcação deve seguir em velocidade segura, adaptada às circunstâncias e
condições de restrita visibilidade predominantes. Uma embarcação de propulsão
mecânica deverá ter suas máquinas prontas para manobra imediata.
(c) Toda embarcação deve prestar a devida atenção às circunstâncias e condições de
restrita visibilidade predominantes quando do cumprimento das Regras da Seção I
desta Parte.
(d) Uma embarcação que detectar a presença de outra embarcação, apenas pelo radar,
deve determinar se está se desenvolvendo uma situação de grande proximida de
e/ou risco de abalroamento. Caso assim seja, ela deverá manobrar para evitá-los
com antecedência; se esta manobra consistir de uma alteração do rumo, o seguinte
deve ser evitado, desde que possível:
(i) uma alteração do rumo para bombordo, para uma embarcação por anteavante do través, exceto se esta for alcançada em uma ultrapassagem;
(ii) uma mudança de rumo em direção a uma outra embarcação que se encontra
no través ou por ante-a ré do través.
(e) Exceto quando houver sido determinado que não existe risco de abalroamento,
toda embarcação que ouvir o sinal de cerração de outra aparentemente por ante-avante de seu través, ou que não possa evitar uma situação de grande proximidade
com outra embarcação por ante-a-vante de seu través, deve reduzir sua velocidade
ao mínimo que lhe permita manter seu rumo. Caso necessário, deverá retirar todo
seu seguimento e em todos os casos navegar com extrema cautela até que passe o
perigo de abalroamento.
44
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
45
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
REGRA 20
Aplicação
(a) As Regras desta Parte se aplicam em todas as condições de tempo.
.
(b) As Regras referentes às luzes se aplicam do pôr ao nascer do Sol e, durante esse
período, não devem ser exibidas outras luzes, exceto aquelas que não possam ser
confundidas com as luzes especificadas nestas Regras, que não prejudiquem sua
visibilidade ou suas características distintivas ou interfiram na manutenção de
vigilância apropriada.
(c) As luzes prescritas nestas Regras, se instaladas, também serão exibidas entre o
nascer e o pôr-do-sol em visibilidade restrita e poderão ser exibidas em todas as
demais circunstâncias quando parecer necessário.
(d) As Regras referentes a marcas se aplicam ao período diurno.
(e) As luzes e marcas especificadas nestas Regras devem estar de acordo com as
disposições do Anexo I a este Regulamento.
REGRA 21
Definições
(a) “Luz de mastro” significa uma luz branca continua, situada sobre o eixo
longitudinal da embarcação, visível em um setor horizontal de 225 graus desde a
proa até 22,5 graus por ante-a-ré do través em ambos os bordos da embarcação.
(b) “Luzes de bordos” significam luzes contínuas, uma verde a boreste e uma
encarnada a bombordo, visíveis em setores horizontais de 112,5 graus desde a proa
até 22,5 graus por ante-a-ré do través de seu respectivo bordo. Em embarcações de
comprimento inferior a 20 metros, as luzes de bordos podem ser combinadas em
uma única lanterna instalada sobre o eixo longitudinal da embarcação.
(c) “Luz de alcançado” significa uma luz branca contínua situada tão próximo quanto
possível da popa, visível num setor horizontal de 135 graus, e posicionada de modo
a projetar sua luz sobre um setor de 67,5 graus, de cada bordo, a partir da popa.
(d) “Luz de reboque” significa uma luz amarela com as mesmas características da luz
de alcançado, definidas no parágrafo (c) desta Regra.
(e) “Luz circular” significa uma luz contínua visível num arco de horizonte de 360
graus.
(f) “Luz intermitente” significa uma luz com lampejos em intervalos regulares de
frequência igual ou superior a 120 lampejos por minuto.
46
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
47
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
REGRA 22
Visibilidade das Luzes
As Luzes prescritas nesta Regras devem ter uma intensidade como especificado
na Seção 8 do Anexo I a este Regulamento, de modo a serem visíveis nas seguintes
distâncias mínimas:
(a) Em embarcações de comprimento igual ou superior a 50 metros:
- luz de mastro, 6 milhas;
-luzes de bordos, 3 milhas;
-luz de alcançado, 3 milhas;
-luz de reboque, 3 milhas;
-luz circular branca, encarnada, verde ou amarela, 3 milhas.
(b) Em embarcações de comprimento igual ou superior a 12 metros, porém inferior a
50 metros:
- luz de mastro, 5 milhas; quando o comprimento da embarcação for inferior a 20
metros, 3 milhas;
-luzes de bordos, 2 milhas;
-luz de alcançado, 2 milhas;
-luz de reboque, 2 milhas;
-luz circular branca, encarnada, verde ou amarela, 2 milhas.
(c) Em embarcações de comprimento inferior a 12 metros:
-luz de mastro, 2 milhas;
-luzes de bordos, 1 milha;
-luz de alcançado, 2 milhas;
-luz de reboque, 2 milhas;
-luz circular branca, encarnada, verde ou amarela, 2 milhas.
(d) Em embarcações ou objetos parcialmente submersos e difíceis de serem avistados,
sendo rebocados;
- luz circular branca, 3 milhas.
REGRA 23
Embarcação de Propulção Mecânica em Movimento
(a) Uma embarcação de propulsão mecânica em movimento deve exibir:
(i) uma luz de mastro a vante;
(ii) uma segunda luz de mastro, à ré e mais alta que a de vante; uma embarcação
de comprimento inferior a 50 metros não é obrigada a exibir esta segunda luz
de mastro, mas poderá fazê-lo;
(iii) luzes de bordos;
(iv) uma luz de alcançado.
(b) Uma embarcação de colchão de ar, quando operando sem calado, deve exibir, além
das luzes prescritas no parágrafo (a) desta Regra, uma luz circular intermitente
amarela.
48
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
49
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(c) Uma nave de vôo rasante somente quando estiver decolando, amerrisando e em vôo
próximo à superfície, deverá exibir, além das luzes prescritas no parágrafo (a) desta
Regra, uma luz circular intermitente encarnada, de alta intensidade.
(d)
(i)
Uma embarcação de propulsão mecânica com menos de 12 metros de
comprimento pode, ao invés das luzes no parágrafo (a) desta Regra, exibir
uma luz circular branca e luzes de bordos;
(ii) Uma embarcação de propulsão mecânica com menos de 7 metros de
comprimento, cuja velocidade máxima não exceda 7 nós pode, ao invés das
luzes prescritas no parágrafo (a) desta Regra, exibir uma luz circular banca e
deve, se possível, também exibir luzes de bordos;
(iii) A luz de mastro ou luz circular branca em uma embarcação de propulsão
mecânica com menos de 12 metros de comprimento pode ser deslocada do
eixo longitudinal da embarcação se a adaptação no eixo não for possível,
desde que as luzes de bordos estejam combinadas em uma lanterna que
deverá estar localizada no eixo longitudinal da embarcação ou colocada o
mais próximo possível da mesma linha longitudinal sobre a qual se encontra
a luz de mastro ou a luz circular branca.
REGRA 24
Reboque e Empurra
(a) Quando rebocando, uma embarcação de propulsão mecânica deve exibir:
(i) em lugar da luz prescrita na Regra 23 (a) (I) ou (a) (II), duas luzes de mastro,
em linha vertical. Quando o comprimento do reboque, medido a partir da
popa do rebocador até a popa do rebocado for superior a 200m, três dessas
luzes em linha vertical.
(ii) luzes de bordos;
(iii) luz de alcançado;
(iv) luz de reboque, em linha vertical, acima da luz de alcançado;
(v) quando o comprimento de reboque for superior a 200 metros, uma marca em
forma de losango, situada onde melhor pos-sa ser vista.
(b) Quando uma embarcação empurradora e uma embarcação empurrada estão
rigidamente ligadas entre si, formando uma unidade integrada, elas devem ser
consideradas como uma só embarcação de propulsão mecânica e exibir as luzes
prescritas na Regra 23.
(c) Uma embarcação de propulsão mecânica empurrando ou rebocando a contrabordo,
exceto no caso de uma unidade integrada, deve exibir:
(i) em lugar da luz prescrita na Regra 23 (a) (I) ou (a) (II), duas luzes de mastro,
em linha vertical;
(ii) luzes de bordos;
(iii) luz de alcançado.
(d) Uma embarcação de propulsão mecânica, à qual se apliquem os parágrafos (a) ou
(c) desta Regra, deverá também cumprir a Regra 23 (a) (II).
50
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
51
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(e) Uma embarcação, ou um objeto sendo rebocado, outros que os mencionados no
parágrafo (g) desta Regra, deve exibir:
(i) luzes de bordos;
(ii) luz de alcançado;
(iii) quando o comprimento do reboque for superior a 200 metros, uma marca em
forma de losango onde melhor possa ser vista.
(f) sempre que qualquer número de embarcações, rebocadas a contrabordo ou
empurradas em um só grupo, deva esse grupo exibir as luzes como uma única
embarcação:
(i) uma embarcação empurrada adiante que não seja parte de uma unidade
integrada deve exibir, no extremo de vante, luzes de bordo;
(ii) uma embarcação rebocada a contrabordo deve exibir uma luz de alcançado e
no extremo de vante, luzes de bordos.
(g) Uma embarcação ou um objeto parcialmento submerso, difícil de ser avistado, ou
uma combinação de tais embarcações ou objetos sendo rebocados, deve exibir:
(i) se com menos de 25 metros de boca , uma luz circular branca sobre ou
próxima à extremidade de vante e uma sobre ou próxima à extremidade de
vante e uma sobre ou próxima à extremidade de ré, exceto para os
“dracones”, que estão dispensados de exibir a luz sobre ou próxima da
extremidade de vante;
(ii) se com 25 metros ou mais de boca, duas luzes circulares brancas adicionais,
colocadas nas bordas ou em suas proximidades;
(iii) se com mais de 100 metros de comprimento, luzes circulares brancas
adicionais entre as luzes prescritas nos subparágrafos (I) e (II), de modo que
a distância ente as luzes não exceda a 100 metros;
(iv) uma marca em forma de losango na extremidade de ré ou próximo à
extremidade de ré da última embarcação ou objeto sendo rebocado e, se o
comprimento do reboque exceder a 200 metros, uma marca adicional em
forma de losango, onde melhor possa ser vista, localizada o mais avante
possível.
(h) Quando, por uma razão justificada, for impraticável a uma embarcação ou a um
objeto sendo rebocado exibir as luzes ou marcas prescritas no parágrafo (e) ou (g)
desta Regra, devem ser tomadas todas as medidas possíveis para iluminar a
embarcação ou o objeto rebocado, ou, pelo menos, para indicar sua presença.
(I) Quando, por uma razão justificada, for impraticável a uma embarcação que
normalmente não efetua operações de reboque exibir as luzes prescritas nos
parágrafos (a) ou (c) desta Regra, tal embarcação não será obrigada a exibir essas
luzes quando rebocando uma outra embarcação em perigo ou necessitando de
socorro. Todas as medidas possíveis devem ser tomadas para indicar da forma
autorizada na Regra 36, a natureza da ligação entre a embarcação de reboque e a
embarcação rebocada, em particular iluminandose o cabo de reboque.
REGRA 25
Embarcações a Vela em Movimento e Embarcações a Remo
(a) Uma embarcação a vela em movimento deve exibir:
(i) luzes de bordos;
(ii) luz de alcançado.
52
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
53
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(b) Em uma embarcação a vela de comprimento inferior a 20 metros, as luzes
prescritas no parágrafo (a) desta Regra podem ser exibidas por meio de uma
lanterna combinada, instalada no ou próximo do tope do mastro, onde melhor p ossa
ser vista.
(c) Além das luzes prescritas no parágrafo (a) desta Regra, uma embarcação a vela em
movimento pode exibir, no, ou próximo do tope do mastro, onde melhor possam ser
vistas, duas luzes circulares dispostas em linha vertical, sendo a superior encarnada
e a inferior verde, mas estas luzes não poderão ser usadas juntamente com a
lanterna combinada, permitida no parágrafo (b) desta Regra.
(d)
(i) Uma embarcação a vela de comprimento inferior a 7 metros deve, se possível,
exibir as luzes prescritas nos parágrafos (a) ou (b) desta Regra, mas, caso não
o faça, deve ter sempre pronta uma lanterna elétrica ou uma lanterna a óleo
acesa, exibindo luz branca, que será mostrada com tempo suficiente para
evitar um abalroamento.
(ii) Uma embarcação a remo pode exibir as luzes prescritas nesta Regra para
embarcações a vela, mas, caso não o faça, deve ter sempre pronta uma
lanterna elétrica ou uma lanterna a óleo acesa, exibindo luz branca, que será
mostrada com o tempo suficiente para evitar um abalroamento.
(e) Uma embarcação navegando a vela, quando também usando sua propulsão
mecânica, deve exibir a vante, onde melhor possa ser vista, uma marca em forma de
cone, com o vértice para baixo.
REGRA 26
Embarcações de Pesca
(a) Uma embarcação engajada na pesca, em movimento ou fundeada, deve exibir
apenas as luzes e as marcas prescritas nesta Regra.
(b) Uma embarcação engajada na pesca de arrasto, pelo que se entende o arrastar
através da água uma rede ou outro dispositivo usado como aparelho de pesca, deve
exibir:
(i) duas luzes circulares dispostas em linha vertical, sendo a superior verde e a
inferior branca, ou uma marca composta por dois cones unidos por seus
vértices, dispostos na vertical;
(ii) uma luz de mastro, por ante-a-ré e acima da luz circular verde; uma
embarcação de comprimento inferior a 50 metros não será obrigada a exibir
esta luz de mastro, mas poderá fazê-lo;
(iii) quando com seguimento, além das luzes prescritas neste parágrafo, luzes de
bordo e uma luz de alcançado.
(c) Uma embarcação engajada na pesca, que não seja de arrasto, deve exibir:
(i) duas luzes circulares dispostas em linha vertical, sendo a superior encarnada
e a inferior branca, ou uma marca composta por dois cones unidos por seus
vértices dispostos na vertical;
54
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
55
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(ii) quando o equipamento de pesca se estender a mais de 150 metros, medidos
horizontalmente a partir da embarcação, uma luz circular branca ou um cone
com o vértice para cima, na direção do aparelho;
(iii) quando com seguimento, além das luzes prescritas neste parágrafo, luzes de
bordos e uma luz de alcançado.
(d) Os sinais adicionais descritos no Anexo II a estas regras se aplicam às embarcações
engajadas em pesca a pequena distância de outras embarcações também engajadas
na pesca.
(e) Quando não engajada na pesca, uma embarcação de pesca não deve exibir as luzes
e marcas prescritas nesta Regra, mas apenas aquelas prescritas para uma
embarcação de seu comprimento.
REGRA 27
Embarcações sem Governo ou com Capacidade de Manobra Restrita
(a) Uma embarcação sem governo deve exibir:
(i)
duas luzes circulares encarnadas dispostas em linha vertical, onde melhor
possam ser vistas;
(ii) duas esferas ou marcas semelhantes dispostas em linha vertical, onde melhor
possam ser vistas;
(iii) quando com seguimento , além das luzes prescritas neste parágrafo, luzes de
bordos e uma luz de alcançado.
(b) Uma embarcação com capacidade de manobra restrita, exceto uma embarcação
engajada em operações de remoção de minas, deve exibir:
(i)
três luzes circulares dispostas em linha vertical, onde melhor possam ser
vistas. As luzes superior e inferior deverão ser encarnadas e a do meio
branca;
(ii) três marcas dispostas em linha vertical,onde melhor possam ser vistas, sendo
a superior e a inferior esferas e a do meio uma marca em forma de losango;
(iii) quando com seguimento, além das luzes prescritas no subparágrafo (I), luz ou
luzes de mastro, luzes de bordos e uma luz de alcançado;
(iv) quando fundeada, além das luzes ou marcas prescritas nos subparágrafos (I) e
(II), a luz, luzes ou marcas prescritas na Regra 30.
(c) Uma embarcação de propulsão mecânica, engajada em uma operação de reboque,
com restrição severa em sua capacidade de alterar o rumo do dipositivo do reboque,
deve, além das luzes ou marcas prescritas na Regra 24 (a), exibir as luzes ou
marcas prescritas nos subparágrafos (b) (I) e (II) desta Regra.
56
_____________________________________________________________________________ RIPEAM -72
57
Marinha do Brasil - Diretoria de Portos e Costas ________________________________________________
(d) Uma embarcação engajada em operações submarinas ou de dragagem, com
capacidade de manobra restrita, deve exibir as luzes e marcas prescritas nos
subparágrafos (I), (II) e (III) desta Regra , e quando existir uma obstrução deve
exibir adicionalmente:
(i) duas luzes circulares encarnadas ou duas esferas, dispostas em linha vertical
para indicar o bordo onde se encontra a obstrução;
(ii) duas luzes circulares verdes ou duas marcas, em forma de losango, dispostas
em linha vertical para indicar o bordo pelo qual outra embarcação poderá
passar;
(iii) quando fundeada, deverá exibir as luzes ou marcas prescritas neste parágrafo
em lugar das prescritas na Regra 30.
(e) Sempre que o porte de uma embarcação engajada em operações submarinas tornar
impraticável a exibição de todas as luzes e marcas prescritas no parágrafo (d) desta
Regra, deve exibir:
(i) três luzes circulares, em linha vertical, onde possam melhor ser vistas. As
luzes superior e inferior devem ser encarnadas e a central deve ser branca;
(ii) uma réplica exata da bandeira “A” do Código Internacional de Sinais,
altura mínima de 1 metro. Devem ser tomadas precauções a fim de assegura
sua visibilidade em todos os setores.
(f) Uma embarcação engajada em operações de remoção de minas deve, além das
luzes prescritas para embarcação de propulsão mecânica na Regra 23, ou as luzes
ou a marca para uma embarcação fundeada prescritas, como apropriado, na Regra
30, exibir três luzes circulares verdes ou três esferas. Uma dessas luzes ou marcas
deverá ser exibida próxima do tope do mastro de vante e as outras duas, uma em
cada lais da verga do mesmo mastro. Estas luzes ou marcas indicam que é perigoso
a outra embarcação aproximar-se a menos de 1.000 metros da embarcação que está
efetuando a remoção de minas.
(g) Embarcações de comprimento inferior a 12 metros, exceto aquelas engajadas em
operações submarinas, não serão obrigadas a exibir as luzes e as marcas prescritas
nesta Regra.
(h) Os sinais prescritos nesta Regra não são sinais de embarcações em perigo e
necessitando de assistência. Tais sinais constam do Anexo IV, deste Regulamento.
REGRA 28
Embarcações Restritas devido ao seu Calado
Uma embarcação restrita devido ao seu calado pode, além das luzes prescritas para
embarcações de propulsão mecânica na Regra 23, exibir três luzes circularesencarnadas
dispostas em linha vertical, ou uma marca constituída por um cilindro, onde melhor
possam ser vistas.
REGRA 29
Embarcações de Praticagem
(a) Uma embarcação engajada em serviço de praticagem deve exibir:
(i) duas luzes circulares dispostas em linha vertical, a superior branca e a
inferior encarnada, situadas no ou próximo do tope do mastro;
58
59
(ii) quando em movimento, adicionalmente, luzes de bordos e uma luz de
alcançado;
(iii) quando fundeada, além das luzes prescritas no subparágrafo (I), a luz, as
luzes ou marca prescritas na Regra 30 para embarcações fundeadas.
(b) Quando não engajadas em serviços de praticagem, uma embarcação de praticagem
deve exibir as luzes ou marcas prescritas para uma embarcação semelhante de seu
comprimento.
REGRA 30
Embarcações Fundeadas ou Encalhadas
(a) Uma embarcação fundeada deve exibir, onde melhor possam ser vistas:
(i) na parte de vante, uma luz circular branca ou uma esfera;
(ii) na/ou próximo da popa e a um nível mais abaixo que a luz requerida pelo
subparágrafo (I), uma luz circular branca.
(b) Uma embarcação de comprimento inferior a 50 metros pode exibir uma luz circular
branca onde melhor possa ser vista, em lugar das luzes prescritas no parágrafo (a)
desta Regra.
(c) Uma embarcação fundeada pode, e uma embarcação de comprimento igual ou
superior a 100 metros deve, utilizar ainda todas as luzes de fainas, ou
equivalentes, disponíveis, para iluminar seus conveses.
(d) Uma embarcação encalhada deve exibir as luzes prescritas no parágrafo (a) ou (b)
desta Regra e, adicionalmente, onde melhor possam ser vistas:
(I) duas luzes circulares encarnadas dispostas em linha vertical;
(II) três esferas dispostas em linha vertical;
(e) Uma embarcação de comprimento inferior a 7 metros não será obrigada a exibir as
luzes ou marca prescritas nos parágrafos (a) e (b) desta Regra quando fundeada fora
de/ou das proximidades de um canal estreito, uma via de acesso, um fundeadouro
ou rotas normalmente utilizadas por outras embarcações.
(f) Uma embarcação com menos de 12 metros de comprimento, quando encalhada, não
será obrigada a exibir as luzes ou marcas prescritas nos subparágrafos (d) (I) e (II)
desta Regra.
REGRA 31
Hidroaviões
Quando for impossível para um hidroavião ou para uma nave de vôo rasante exibir
as luzes e marcas com as características ou nas posições prescritas nas Regras desta
parte, ela deverá exibir luzes e marcas com características, e em posições, tão
semelhantes quanto possível.
60
61
REGRA 22
Definições
(a) A palavra “apito” significa qualquer dispositivo de sinalização sonora capaz de
produzir os sons curtos e longos prescritos e que atenda às especificações contidas
no Anexo III a este Regulamento.
(b) O termo “apito curto” significa um som de duração aproximada de 1 segundo.
(C) O termo “apito longo”significa um som de duração de 4 a 6 segundos.
REGRA 33
Equipamentos para Sinais Sonoros
(a) Uma embarcação de comprimento igual ou superior a 12 metros deverá ser
equipada com um apito; uma embarcação de comprimento igual ou superior a 20
metros, deverá ser equipada com um sino, além de um apito; e uma embarcação de
comprimento igual ou superior a 100 metros, deverá, além disto, ser dotada de um
gongo, cujo tom e som não possam ser confundidos com o do sino. O apito, o sino
e o gongo deverão aten-der às especificações contidas no Anexo III deste
regulamento. O sino, ou o gongo, ou ambos, podem ser substituidos por outros
equipamentos que possuam respectivamente as mesmas características sonoras,
desde que o acionamento m anual dos sinais prescritos seja sempre possível.
(b) Uma embarcação de comprimento inferior a 12 metros não será obrigada a ter os
equipamentos de sinalização sonora prescritos no parágrafo (a) desta Regra, mas se
não os tiver, deverá possuir dispositivos capazes de produzir um sinal sonoro eficaz.
REGRA 34
Sinais de Manobra e Sinais de Advertência
(a) Quando as embarcações estão no visual umas das outras, uma embarcação de
propulsão mecânica que esteja manobrando como autorizado ou determinado nestas
Regras deve indicar essa manobra através dos seguintes sinais de seu apito:
-um apito curto para indicar “estou guinando para boreste”;
-dois apitos curtos para indicar “estou guinando para bombordo”;
-três apitos curtos para indicar “estou dando a ré”;
(b) Qualquer embarcação pode suplementar os sinais de apito prescritos no parágrafo
(a) desta Regra com sinais luminosos, repetidos apropriadamente durante a
execução da manobra;
(i) estes sinais luminosos terão os seguintes significados:
- um lampejo para indicar “estou guinando para boreste”;
- dois lampejos para indicar “estou guinando para bombordo”;
- três lampejos para indicar “estou dando a ré”;
62
63
(ii) a duração de cada lampejo deve ser de cerca de um segundo; o intervalo de
tempo entre cada lampejo deve ser de cerca de um segundo; e o intervalo de
tempo entre sinais sucessivos não deve ser inferior a dez segundos;
(iii) quando instalado, este sinal deve ser constituído por uma luz circular branca
visível à distância mínima de 5 milhas e deve atender às provisões do Anexo
I deste Regulamento.
(c) Quando, no visual uma da outra, em um canal estreito ou via de acesso:
(i) uma embarcação que tem a intenção de ultrapassar outra deve, de acordo com
a Regra 9 (e) (I), indicar sua intenção pelos seguintes sinais de seu apito:
- dois apitos longos seguidos de um apito curto para indicar:
“tenho a intenção de ultrapassá-lo por seu boreste”;
- dois apitos longos seguidos por dois apitos curtos para indicar:
“tenho a intenção de ultrapassá-lo por seu bombordo”;
(ii) a embarcação a ser ultrapassada, quando manobrar de acordo com a Regra 9
(e) (I), deve indicar sua concordância através do seguinte sinal de seu apito:
- um apito longo, um curto, um longo e um curto, nesta ordem.
(d) Quando embarcações, no visual uma da outra , se aproximam e, por qualquer
motivo, uma das embarcações não consegue entender as intenções da manobra da
outra, ou está em dúvida quanto à suficiência da manobra empreendida pela outra
para evitar abalroamento, a embarcação em dúvida deve indicar imediatamente esta
dúvida através de pelo menos cinco apitos curtos e rápidos. Este sinal pode ser
suplementado com um sinal luminoso composto de um mínimo de cinco lampejos
curtos e rápidos.
(e) Quando uma embarcação estiver se aproximando de uma curva ou de uma área de
um canal estreito ou via de acesso onde outras embarcações podem estar ocultas
devido a obstáculos, ela deve soar um apito longo. Este sinal deve ser respondido
com um apito longo por qualquer embarcação que o tenha ouvido, que se esteja
aproximando do outro lado da curva ou detrás da obstrução.
(f) Se uma embarcação estiver equipada com apitos distanciados de mais de 100
metros entre si, apenas um único deverá ser usado, para emitir sinais de manobra e
sinais de advertência.
REGRA 35
Sinais Sonoros em Visibilidade Restrita
Dentro ou nas proximidades de uma área de visibilidade restrita, seja dia ou noite,
os sinais prescritos nesta Regra devem ser usados como se seguem:
(a) uma embarcação de propulsão mecânica com seguimento deve soar, em intervalos
não superiores a 2 minutos, um apito longo;
64
65
(b) uma embarcação de propulsão mecânica sob máquinas, mas parada e sem
seguimento, deve soar, intervalos não superiores a 2 minutos, dois apitos longos
sucessivos separados por intervalos de cerca de 2 segundos;
(c) uma embarcação sem governo, uma embarcação com capacidade de manobra
restrita, uma embarcação restrita devido a seu calado, uma embarcação a vela, uma
embarcação engajada na pesca e uma embarcação rebocando ou empurrando outra
embarcação devem, em lugar dos sinais prescritos nos parágrafos (a) ou (b) desta
Regra, soar, a intervalos não superiores a 2 minutos, três apitos sucessivos, sendo o
primeiro longo e os dois seguintes, curtos;
(d) uma embarcação em operação de pesca, quando fundeada, e uma embarcação com
capacidade de manobra limitada, quando realizando seu trabalho em fundeio,
deverão, ao invés dos sinais prescritos no parágrafo (g) desta Regra, emitir sinal
sonoro prescrito no parágrafo (c) desta Regra;
(e) uma embarcação rebocada ou, se houver mais de uma embarcação rebocada, a
última do reboque, se guarnecida, deve soar, a intervalos não superiores a 2
minutos, quatro apitos sucessivos, sendo o primeiro longo e os três seguintes curtos.
Se possível este sinal deve ser soado imediatamente após o sinal emitido pelo
rebocador;
(f) quando um embarcação empurradora e uma embarcação empurrada por anteavante estão ligadas rigidamente, formando uma unidade integrada, elas devem ser
consideradas como uma embarcação de propulsão mecânica e devem emitir os
sinais prescritos nos parágrafos (a) ou (b) desta Regra;
(g) uma embarcação fundeada deve soar rapidamente o sino durante cerca de 5
segundos, a intervalos não superiores a um minuto. Em uma embarcação de
comprimento igual ou superior a 100 metros, o sino deve ser soado a vante e,
imediatamente após o sino, deve ser soado rapidamente o gongo, à ré, durante cerca
de 5 segundos. Além disso, uma embarcação fundeada pode soar três apitos
sucessivos, sendo um curto, um longo e um curto, para indicar sua posição e
advertir uma embarcação que se aproxima quanto à possibilidade de um
abalroamento;
(h) uma embarcação encalhada deve soar o sino e, se determinado, o gongo, como
prescrito no parágrafo (g) desta Regra, e, além disso, deve emitir três batidas de
sino separadas e distintas, imediatamente antes e após as batidas rápidas do sino.
Pode, adicionalmente, emitir um sinal de apito apropriado;
(i) uma embarcação de comprimento igual ou superior a 12 metros, mas inferior a 20
metros, não deverá ser obrigada a soar os sinais de sino prescritos nos parágrafos
(g) e (h) desta Regra. Entretanto, se não o fizer, deverá emitir algum outro sinal
sonoro eficiente, a intervalos não superiores a 2 minutos.
(j) uma embarcação de comprimento inferior a 12 metros não é obrigada a emitir os
sinais supramencionados, mas, se não o fizer, deve emitir outros sinais sonoros
eficazes, a intervalos não superiores a 2 minutos;
66
67
(k) uma embarcação de praticagem, quando engajada em serviço de praticagem, pode,
além dos sinais prescritos nos parágrafos (a), (b) ou (g) desta Regra, soar um sinal
de identificação formado por quatro apitos curtos.
REGRA 36
Sinais Para Chamar a Atenção
Caso seja necessário atrair a atenção de outra embarcação, qualquer embarcação
pode emitir sinais sonoros ou luminosos que não possam ser confundidos com qualquer
outro sinal autorizado nestas Regras , ou pode dirigir o facho de seu holofote sobre a
direção do perigo, de tal maneira que não perturbe qualque embarcação. Qualquer luz
destinada a atrair a atenção de uma outra embarcação deverá ser tal que não possa ser
confundida com qualquer outra de auxilio à navegação. Para os fins desta Regra, a
utilização de luzes intermitentes de grande intensidade ou de luzes rotativas, tais c omo
as luzes estroboscópicas, devem ser evitadas.
REGRA 37
Sinais de Perigo
Quando uma embarcação se encontra em perigo e necessita de auxílio deverá usar
ou exibir os sinais descritos no Anexo IV a este Regulamento.
68
69
REGRA 38
Isenções
Desde que atenda ao determinado no Regulamento Internacional Para Evitar
Abalroamentos no Mar, 1960, qualquer embarcação (ou classe de embarcações) cuja
quilha foi batida, ou que se encontra em estágio de construção correspondente, antes da
data de entrada em vigor desde Regulamento, pode ser isentada de cumpri-lo como
segue:
(a) até quatro anos após a data de entrada em vigor deste Regulamento, da instalação
de luzes com os alcances prescritos na Regra 22;
(b) até quatro anos após a data de entrada em vigor do presente Regula mento, da
instalação de luzes com as especificações de cor como prescrito na Seção 7 do
Anexo I deste Regulamento;
(c) Isenção permanente do reposicionamento das luzes, resultante da conversão do
sistema britânico para o sistema métrico e do arredondamento das medidas;
(d)
(i) Isenção permanente do reposicionamento das luzes do mastro de embarcações
de comprimento inferior a 150 metros, resultante das prescrições da Seção 3
(a) do Anexo I deste Regulamento;
(ii) até nove anos após a data de entrada em vigor deste Regulamento, do
reposicionamento das luzes de mastro de embarcações de comprimento igual
ou superior a 150 metros, resultantes das prescrições da Seção 3 (a) do Anexo I
deste Regulamento.
(e) até nove anos após a data de entrada em vigor deste Regulamento, do
reposicionamento das luzes de mastro, resultante das prescrições da Seção 2 (b) do
Anexo I deste Regulamento;
(f) até nove anos após a data de entrada em vigor deste Regulamento, do
reposicionamento das luzes de bordos, resultantes das prescrições das Seções 2 (g)
e 3 (b) do Anexo I deste Regulamento;
(g) até nove anos após a data de entrada em vigor deste Regulamento, das
especificações do material de sinalização sonora prescritas no Anexo III deste
Regulamento;
(h) isenção permanente do reposicionamento das luzes circulares decorrentes da
prescrição da Seção 9 (b) do Anexo I deste Regulamento.
70
71
O termo “altura acima do casco” signific a a altura acima do convés corrido
superior. Essa altura deverá ser medida na vertical, a partir da posição da luz.
(a) Em uma embarcação de comprimento igual ou superior a 20 metros, as luzes de
mastros devem ser posicionados como se segue:
(i) a luz de mastro de vante ou , se houver apenas uma luz de mastro, esta, a uma
altura acima do casco não inferior a 6 metros, e, caso a boca da embarcação
exceda 6 metros, a uma altura acima do casco não inferior à boca, não sendo
necessário, entretanto, que esta luz seja posicionada a uma altura acima do
casco superior a 12 metros;
(ii) quando houver duas luzes de mastro, a de ré deve estar posicionada a uma
altura pelo menos 4,5 metros verticalmente mais alta que a de vante.
(b) A separação vertical das luzes de mastro de embarcações de propulsão mecânica
deve ser tal que, em todas as condições normais de compasso, a luz de ré seja vista
sobre e separada da luz de vante a uma distância de 1000 metros da proa, quando
vistas do nível do mar;
(c) A luz de mastro de uma embarcação de propulsão mecânica de comprimento igual
ou superior a 12 metros, mas inferior a 20 metros, deve ser posicionada a uma
altura não inferior a 2,5 metros acima do nível da borda;
(d) Uma embarcação de propulsão mecânica de comprimento inferior a 12 metros pode
ter sua luz mais alta posicionada a uma altura inferior a 2,5 metros acima do nível
da borda. Entretanto, quando além das luzes de bordos e da luz de alcançado ou da
luz circular prescrita na Regra 23 (c) (I) tiver uma luz de mastro, essa luz de mastro
ou luz circular deverá ser posicionada em uma altura de pelo menos 1 metro acima
das luzes de bordos;
(e) Uma das duas ou três luzes de mastro prescritas para uma embarcação de propulsão
mecânica, quando engajada em reboque ou empurra de outra embarcação, deve ser
posicionada no mesmo local da luz do mastro de vante ou da luz do mastro de ré,
desde que, se colocada no mastro de ré, a luz inferior do mastro de ré esteja pelo
menos 4,5 metros mais elevada do que a luz do mastro de vante.
72
73
(f)
(i)
a luz ou as luzes de mastro prescritas na Regra 23 (a) deverão ser
posicionadas de modo a ficarem acima e livres de todas as demais luzes e
obstruções, exceto no caso descrito no subparágrafo (II);
(ii) quando for impraticável a colocação das luzes circulares previstas na Regra
27 (b) (I) ou na Regra 28, abaixo das luzes do mastro, elas podem ser
posicionadas acima da luz ou das luzes do mastro de ré ou, sobre um plano
vertical, entre a luz ou as luzes do mastro de vante e a luz ou luzes do mastro
de ré, desde que, neste último caso, sejam cumpridas as prescrições da Seção
3 (c) deste Anexo.
(g) A luzes de bordos de uma embarcação de propulsão mecânica devem ser
posicionadas a uma altura acima do casco não superior a três quartos da altura da
luz de mastro de vante. Não devem ser posicionadas tão baixo que possam sofrer
interferência das luzes de convés.
(h) Quando as luzes de bordos de uma embarcação de propulsão mecânica de
comprimento inferior a 20 metros forem combinadas em uma única lanterna, esta
será posicionada a pelo menos 1 metro abaixo da luz de mastro;
(i) Quando as Regras prescreverem duas ou três luzes posicionadas em linha vertical,
seu espaçamento deve ser como segue:
(i) em embarcações de comprimento igual ou superior a 20 metros, o espaçamento
destas luzes não deve ser inferior a 2 metros e, exceto quando for necessária uma
luz de reboque, a altura acima do casco da luz inferior não deve ser menor que 4
metros;
(ii) em embarcações de comprimento inferior a 20 metros, o espaçamento destas
luzes não deve ser inferior a 1 metro e, exceto quando for necessária uma luz de
reboque, a altura acima do nível da borda da luz inferior não deve ser menor que
2 metros;
(iii) quando forem usadas três luzes, o espaçamento entre elas deve ser igual.
(j) A luz inferior das luzes circulares prescritas para um embarcação, quando engajada
na pesca, deve ser posicionada a uma altura acima das luzes de bordos não inferior
ao dobro do espaçamento entre as duas luzes verticais;
(k) quando forem usadas duas luzes de fundeio, a de vante, prescrita na Regra 30 (a) (I)
deve ser posicionada pelo menos 4,5 metros acima da de ré. Em uma embarcação
de comprimento igual ou superior a 50 metros, a luz de fundeio de vante deve ser
posicionada a uma altura acima do casco não inferior a 6 metros.
(a) Quando forem prescritas duas luzes de mastro para embarcações de propulsão
mecânica, a distância horizontal entre elas não deve ser inferior à metade do
comprimento da embarcação, mas não necessita ser superior a 100 metros. A luz de
mastro de vante não deve ser posicionada a uma distância da roda de proa superior
a um quarto do comprimento da embarcação;
(b) Em uma embarcação de propulsão mecânica de comprimento igual ou superior a 20
metros, as luzes dos bordos não devem ser posicionadas adiante das luzes de
mastro de vante. Elas devem ser posicionadas nos bordos ou próximas deles;
74
75
(c) Quando as luzes prescritas na Regra 27 (b) (I) ou na Regra 28 são posicionadas
verticalmente entre a luz ou luzes do mastro de vante e a luz ou luzes do mastro de
ré, estas luzes circulares devem ser colocadas a uma distância horizontal não
inferior a 2 metros do eixo longitudinal da embarcação, no sentido transversal;
(d) Quando somente uma luz de mastro for prevista para embarcação de propulsão
mecânica, essa luz deve ficar situada à vante do meio do navio, exceto para
embarcações de menos de 20 metros, que não precisam exibir essa luz nessa
posição, mas devem exibí-la o mais à vante que for possivel.
(a) A luz indicadora da direção em que se encontra disparado o aparelho de pesca de
uma embarcação engajada na pesca, como prescrito na Regra 26 (c) (II), deve ser
posicionada a uma distância horizontal de 2 a 6 metros das duas luzes circulares
encarnada e branca. Sua altura não deve ser superior à da luz circular branca
prescrita na Regra 26 (c) (I) e não deve ser inferior à das luzes dos bordos;
(b) As luzes e marcas empregadas por uma embarcação engajada em operações de
dragagem ou submarinas para indicar o bordo obstruído e/ou o bordo de passagem
livre, como prescrito na Regra 27 (d) (I) e (II), devem ser exibidas a uma
distância horizontal máxima praticável mas, em nenhum caso, a menos de 2 metros
das luzes e marcas prescritas na Regra 27 (b) (I) e (II). Em nenhum caso a mais alta
destas luzes ou marcas deve ser posicionada a uma altura maior que a mais baixa
das três luzes ou marcas previstas na Regra 27 (b) (I) e (II).
As luzes de bordos das embarcações de comprimento igual ou superior a 20
metros devem ser dotadas, pela parte interna da embarcação, de anteparas pintadas com
tinta preta fosca, de acordo com os requisitos da Seção 9 deste Anexo. As luzes de
bordos das embarcações com menos de 20 metros de comprimento, se necessário para
atender aos requisitos de Seção 9 deste Anexo, devem ser dotadas, pela parte interna da
embarcação, com anteparas pintadas com tinta preta fosca. Com uma lanterna
combinada, usando um só filamento vertical e uma divisão muito estreita entre as
seções verde e encarnada, não há necessidade de anteparas externas.
(a) As marcas devem ser pretas e devem ter as seguintes dimensões:
(i) uma esfera deve ter diâmetro não inferior a 0,6 metro;
(ii) um cone deve ter o diâmetro da base de pelo menos 0,6 metro e a altura igual
ao seu diâmetro;
(iii) um cilindro deve ter o diâmetro de pelo menos 0,6 metro e a altura igual ao
dobro de seu diâmetro;
(iv) uma marca em forma de losango deve consistir de dois cones como definidos
em (II) acima, possuindo uma base comum.
76
77
(b) A distância vertical entre as marcas deve ser no mínimo de 1,5 metro;
(c) Em uma embarcação de comprimento inferior a 20 metros podem ser usadas
marcas de dimensões menores, mas proporcionais ao porte da embarcação,
podendo o espaçamento ser reduzido de forma correspondente.
A cromaticidade de todas as luzes de navegação deve estar de acordo com os
padrões abaixo, que se encontram dentro dos limites indicados pelo diagrama de
cromaticidade para cada cor pela Comissão Internacional de Iluminação (CIE).
Os limites de zona de cada cor são dados pelas coordenadas dos vértices dos
ângulos, que são os seguintes:
(i) Branco
x
0,525
y
0,382
0,525
0,440
0,452
0,440
0,310
0,348
(ii) Verde
x
y
0,028
0,385
0,009
0,723
0,300
0,511
0,203
0,356
(iii) Encarnado
x
0,680
y
0,320
0,660
0,320
0,735
0,265
0,721
0,259
(iv) Amarelo
x
0,612
y
0,382
0,618
0,382
0,575
0,425
0,575
0,406
0,310
0.283
0,443
0,382
(a) A intensidade luminosa mínima das luzes deve ser calculada pela fórmula:
6
2
-D
I = 3,43 x 10 x T x D x K , onde:
I é a intensidade luminosa em candelas, nas condições de serviço.
T é o fator - limite 2 x 10-7 lux,
D é a distância de visibilidade (alcance luminoso da luz) em milhas marítimas,
K é o coeficiente de transmissibilidade da atmosfera. Para as luzes prescritas, o valor de
K deve ser 0,8, correspondendo à visibilidade meteorológica de cerca de 13 milhas
marítimas.
(b) A tabela a seguir fornece uma seleção dos valores obtidos pela fórmula:
78
6
2
I = 3,43 x 10 x T x D x K
I
T
D
K
79
-D
Nota:Deve-se limitar a intensidade luminosa máxima das luzes de navegação, a fim
de evitar reflexos excessivos. Para esse fim não será usado um controle
variável da intensidade da luminosidade.
(a)
(i)
As luzes de bordos instaladas nas embarcações devem exibir a intensidade
mínima requerida para vante. As intensidades têm que diminuir até atingirem
valor praticamente nulo entre 1 grau e 3 graus além dos setores prescritos.
(ii) Para as luzes de alcançado e para as luzes de mastro, assim como para as
luzes de bordos no limite do setor de visibilidade situado a 22,5 graus por
ante-a-ré do través, as intensidades mínimas requeridas devem ser mantidas
sobre o arco do horizonte até 5 graus dentro dos limites dos setores prescritos
na Regra 21. A partir de 5 graus dentro dos setores prescritos, a intensidade
pode decrescer de 50% até os limites prescritos; deve decrescer
continuamente para alcançar valor praticamente nulo a não mais de 5 graus
além dos setores prescritos.
(b)
(i)
(ii)
Luzes circulares devem ser posicionadas de modo a não serem obscurecidas
por mastros, mastaréus ou estruturas em setores angulares superiores a 6
graus, exceto as luzes de fundeio, prescritas na Regra 30, que não necessitam
ser posicionadas a alturas impraticáveis acima do casco.
Se for impraticável cumprir com o paragrafo (b) (I) acima exibindo apenas
uma luz circular, então deverão ser usadas duas luzes circulares de tal modo
que pareçam uma só a uma distância de uma milha.
(a) Os setores verticais das luzes elétricas, uma vez instalados, com exceção de
embarcações a vela em movimento, devem assegurar:
(i)
que pelo menos a intensidade mínima requerida seja mantida em todos os
ângulos de 5 graus acima a 5 graus abaixo da horizontal;
(ii) que pelo menos 60% da intensidade mínima requerida sejam mantidos de 7,5
graus acima a 7,5 graus abaixo da horizontal.
80
81
(b) No caso de embarcações a vela em movimento, os setores verticais de luzes
elétricas, uma vez instalados, devem assegurar:
(i)
que pelo menos a intensidade mínima requerida seja mantida em todos os
ângulos de 5 graus acima a 5 graus abaixo da horizontal;
(ii) que pelo menos 50% da intensidade mínima requerida sejam mantidos de 25
graus acima a 25 graus abaixo da horizontal.
(c) No caso de luzes que não sejam elétricas, estas especificações devem ser
cumpridas tanto quanto possível.
As luzes não elétricas devem estar tanto quanto possível de acordo com as
intensidades mínimas, como especificado na Tabela da Seção 8 deste Anexo.
Não obstante as prescrições do parágrafo 2 (f) deste Anexo, a luz de manobra
descrita na Regra 34 (b) deve ser posicionada no mesmo plano longitudinal da luz ou
luzes do mastro e, onde praticável, a uma altura mínima de 2 metros verticalmente
acima da luz de mastro de vante, desde que ela não fique verticalmente a menos de 2
metros acima ou abaixo da luz de mastro de ré. Em uma embarcação equipada com
apenas uma luz de mastro, a luz de manobra, se instalada, deve ser posicionada onde
melhor possa ser vista, distanciada verticalmente no mínimo 2 metros da luz de mastro.
(a) A luz do mastro principal de embarcação de alta velocidade pode ser instalada a
uma altura relativa à boca da embarcação menor do que a prescrita no parágrafo 2
(a) (I) deste Anexo, desde que o ângulo da base do triângulo isósceles, formado
pelas luzes laterais e a do mastro principal, não seja inferior a 27 graus, quando esta
estiver sendo vista em sua elevação mínima.
(b) Em embarcação de alta velocidade de comprimento igual ou superior a 50 metros,
a separação vertical entre a luz do mastro de vante e a do mastro principal, de 4,5
metros, prescrita no parágrafo 2 (a) (II) deste Anexo pode ser alterada, desde que
esta distância não seja inferior ao valor estabelecido pela seguinte fórmula:
C
82
C
83
A construção de luzes e marcas e a instalação de luzes a bordo da embarcação
devem satisfazer a autoridade competente do Estado cuja bandeira a embarcação estiver
autorizada a arvorar.
84
85
As luzes aqui mencionadas, caso exibidas em consequência da Regra 26 (d),
devem ser posicionadas onde melhor possam ser vistas. Devem ser separadas de no
mínimo 0,9 metro, mas a um nível mais abaixo que as luzes prescritas na Regra 26 (b)
(I) e (c) (I). As luzes devem ser circulares e visíveis à distância de pelo menos 1 milha,
mas a distância menor que as luzes prescritas por estas Regras para embarcações de
pesca.
(a) Embarcações de 20 metros ou mais, quando engajadas em pesca de arrasto, seja
usando aparelho para peixes demersos ou pesca pelágica, devem exibir:
(i) quando lançando suas redes: duas luzes brancas em linha vertical;
(ii) quando recolhendo suas redes: uma luz branca sobre uma luz encarnada em
linha vertical;
(iii) quando a rede se prendeu a uma obstrução: duas luzes encarnadas em linha
vertical.
(b) Embarcações de 20 metros ou mais, engajadas em pesca de arrasto conjugado pode
exibir:
(i) à noite, um farol dirigido para vante e na direção da outra embarcação do par;
(ii) quando lançando ou recolhendo suas redes ou quando suas redes se prendem
a uma obstrução as luzes prescritas em 2 (a) acima.
(c) Uma embarcação de 20 metros ou mais, engajada em pesca de arrasto, usando
aparelho para peixes demersos ou pesca pelágica, ou engajadas aos pares em pesca
de arrasto conjugado, pode exibir as luzes prescritas nos parágrafos (a) e (b) acima,
como apropriado.
As embarcações engajadas na pesca com rede de cerco (traineiras) podem exibir
duas luzes amarelas, em linha vertical. Estas luzes devem lampejar alternadamente a
cada segundo e com períodos iguais de lampejo ou ocultação. Estas luzes podem ser
exibidas apenas quando a embarcação está tolhida por seu aparelho de pesca.
86
87
A frequência fundamental do sinal deve situar-se entre os limites de 70 a 700 Hz.
O alcance audível do sinal de um apito deve ser determinado pelas frequências acima,
que podem incluir a frequência fundamental e/ou uma ou mais frequências mais altas
dentro dos limites de 180 a 700 Hz (+/- 1% ) para uma embarcação de comprimento
igual ou superior a 20 metros ou 180 - 2100 Hz ( +/- 1% ) para uma embarcação de
comprimento inferior a 20 metros e que produzam os níveis de pressão sonora
especificados no parágrafo 1 (c) abaixo.
A fim de assegurar uma grande variedade de características de apitos, a frequência
fundamental de um apito deve estar situada entre os seguintes limites:
(i) 70 a 200 Hz, para uma embarcação de comprimento igual ou superior a 200
metros;
(ii) 130 a 350 Hz, para uma embarcação de comprimento igual ou superior a 75
metros, mas inferior a 200 metros;
(iii) 250 a 700 Hz, para uma embarcação de comprimento inferior a 75 metros.
Um apito instalado numa embarcação deve produzir, na direção da sua intensidade
máxima e à distância de 1 metro, um nível de pressão sonora, na banda de pelo menos
1/3 de oitava dentro dos limites de frequências de 180 a 700 Hz ( +/- 1% ) para uma
embarcação de comprimento igual ou superior a 20 metros ou de 180 a 2100 Hz
( +/- 1% ) para uma embarcação de comprimento inferior a 20 metros, de valor não
inferior ao apropriado, fornecido na tabela a seguir:
88
89
O nível de pressão sonora de um apito direcional não deve ser mais de 4 dB menor
do que o nível prescrito de pressão sonora sobre o eixo em qualquer direção do plano
horizontal em ± 45 graus do eixo. Em qualquer outra direção no plano horizontal, o
nível de pressão sonora não deve ser mais de 10 dB menor do que o nível prescrito de
pressão sobre o eixo, de forma que o alcance em qualquer direção seja pelo menos a
metade do alcance no eixo para vante. O nível de pressão sonora deve ser medido na
banda de 1/3 (um terço) de oitava que determine o alcance sonoro.
Quando um apito direcional for o único apito existente a bordo, ele deve ser
instalado com sua intensidade máxima dirigida para vante.
Um apito deve ser posicionado tão alto como possível a bordo, a fim de reduzir
interferências ao som emitido por parte de obstruções, bem como para minimizar o
risco de lesões do aparelho auditivo do pessoal. O nível de pressão sonora do próprio
apito de uma embarcação em postos de escuta não deve exceder 110 dB (A) e, se
possível, deve ser inferior a 100 dB (A).
Se, em uma embarcação, forem instalados apitos distanciados de mais de 100
metros entre si, deve haver um arranjo para que eles não sejam soados simultaneamente.
Caso o campo sonoro de um apito singelo ou de um dos apitos referidos na
alínea (f) acima, for possível de apresentar uma zona de nível de sinal grandemente
reduzido devido à presença de obstruções, é recomendado instalar um sistema
combinado de apitos, a fim de eliminar essa redução. Para os propósitos destas Regras,
um sistema combinado de apitos deve ser considerado como um apito singelo. Os
apitos de um sistema combinado devem ser posicionados de maneira que a distância
que os separa não seja superior a 100 metros e deve haver um arranjo para que sejam
soados simultaneamente. A frequência de qualquer um dos apitos deve diferir da dos
outros, de pelo menos 10 Hz.
90
91
Um sino ou gongo, ou outro equipamento que possua características sonoras
semelhantes, deve produzir um nível de pressão sonora de pelo menos 110 db a uma
distância de 1 metro da fonte emissora.
Os sinos e gongos devem ser fabricados com material resistente à corrosão e
projetados para fornecer um som claro. O diâmetro da boca do sino não deve ser
inferior a 300 mm para embarcações de comprimento igual ou superior a 20 metros.
Quando possível, é recomendável a utilização de um badalo acionado mecanicamente,
para assegurar uma força constante, mas a sua operação manual deverá ser possível.
A massa do badalo não deve ser inferior a 3% da massa do sino.
A construção de aparelhos de sinalização sonora, seu desempenho e sua instalação
a bordo da embarcação devem satisfazer a autoridade apropriada do Estado cuja
bandeira a embarcação estiver autorizada a arvorar.
92
93
1 - Os seguintes sinais, usados ou exibidos em conjunto ou separadamente, indicam
perigo e necessidade de auxílio:
(a) um tiro de canhão ou outro sinal explosivo, soado em intervalos de cerca de um
minuto;
(b) um toque continuo de qualquer aparelho de sinalização de cerração;
(c) foguetes ou granadas lançando estrelas encarnadas, disparados um de cada vez, em
intervalos curtos;
(d) um sinal emitido por qualquer método de sinalização constituído pelo grupo ...---...
(SOS) do Código Morse;
(e) um sinal emitdo por radiotelefonia, constituído pela palavra falada “Mayday”;
(f) o sinal de perigo do Código Internacional de Sinais indicado por N.C.;
(g) um sinal constituído por uma bandeira quadrada, tendo acima ou abaixo uma esfera
ou qualquer coisa semelhante a uma esfera;
(h) chamas a bordo da embarcação (provenientes da queima de um barril de alcatrão,
óleo, etc.);
(i) um foguete luminoso com pára-quedas ou uma tocha manual, exibindo luz
encarnada;
(j) um sinal de fumaça desprendendo fumaça de cor alaranjada;
(k) movimentos lentos para cima e para baixo com os braços esticados para os lados;
(l) um alerta de perigo por meio de Chamada Seletiva Digital (DSC), transmitindo em:
(i) VHF canal 70, ou
(ii) MF/HF nas frequências de 2187,5 kHz; 8414,5 kHz; 4207,5 kHz; 6312
kHz; 12577 kHz ou 16804,5 kHz;
(m) um alerta de perigo do navio para terra, transmitido pelo Inmarsat do navio ou por
outro provedor de serviço móvel por satélite da estação terrena de navio;
(n) sinais transmitidos por radiobalizas de emergência indicadoras de posição.
(o) sinais aprovados transmitidos por sistemas de radiocomunicação,
respondedores radar de embarcações de sobrevivência.
incluindo
2 – É proibida a utilização ou a exibição de qualquer dos sinais acima, ou de outros
sinais que possam ser confundidos com qualquer deles, exceto com a finalidade de
indicar perigo e necessidade de auxílio.
3 - Chama-se atenção para as seções pertinentes do Código Internacional de Sinais,
para o Manual Internacional Maritimo e Aeronautico de Buscas e Salvamento
(IAMSAR) Resolução A.894 (21), e para os seguintes sinais:
(a)
(b)
um pedaço de lona de cor laranja, com um circulo e um quadrado preto ou
outros símbolos apropriados (para identificação aérea);
um corante de água.
94
Annex IV
Distress signals
1
The following signals, used or exhibited either together or separately,
indicate distress and need os assistance:
(a) a gun or other explosive signal fired at intervals of about a minute;
(b) a continuous sounding with any fog-signalling apparatus;
rockets or shells, throwing red stars fired one at a time at short
intervals;
(d) a signal made by any signalling method consisting of the group ...---...
(SOS) in the Morse Code;
(e) a signal sent by radiotelephony consisting of the spoken word
“MAYDAY”;
(f)
the International Code Signal of distress indicated by N.C.;
(g) a signal consisting of a square flag having above or below it a ball or
anything resembling a ball;
(h) flames on the vesel (as from a burning tar barrel, oil barrel, etc.);
(i)
a rocket parachute flare or a hand-flare showing a red light;
(j)
a smoke signal giving off orange-coloured smoke;
(k) slowly and repeatedly raising and lowering arms outstretched to
each side;
(l)
a distress alert by means of digital selective calling (DSC)
transmitted on:
(i) VHF chanel 70, or
(ii) MF/HF on the frequences 2187,5 kHz, 8414,5 kHz, 4207,5
kHz, 6312 kHz, 12577 kHz or 16804,5 kHz.
(m) a ship-to shore distress alert transmitted by the ship`s Inmarsat or
other mobile satellite service provider ship earth station;
(n) signals transmitted by emergency positioning-indicating radio beacons;
(o) approved signals transmitted by radiocomunications systems, including,
survival craft radar transponders.
2
The use or exhibition of any of the foregoing signals, except for the purpose
of indicating distress and need of assistance and the use of other signals which may
be confused with any os the above signals, is prohibited.
3
Attention is drawn to the relevant sections of the international Code of
signals, the International Aeronautical and Maritime Search and Rescue Manual,
Volume III and the following signals:
(a) a piece of orange-coloured canvas with either a black square and circle
or other apropriate symbol (for identification from the air);
(b) a dye marker.
95
96
97
98
REGULAMENTO INTERNACIONAL PARA EVITAR ABALROAMENTOS NO MAR
(RIPEAM - 72, com as emendas de 1981, 1987, 1989, 1993 e 2001)
O quadro “Regras de Governo e Navegação”, não é parte integrante,
convencionada, do “Regulamento Internacional para Evitar
Abalroamentos no Mar”. Ele procura visualizar algumas “Regras de
Governo e Navegação” do RIPEAM-72, mas não substitui este
Regulamento nem dispensa o pleno conhecimento da totalidade de
suas Regras.
Regras 13(a) e (b)
Regras 9(a) e (b)
Regras 14(a)
A
A
º
2,5
11
REGRAS DE GOVERNO E NAVEGAÇÃO
A
B-Guinará
C-Guinará
CANAIS ESTREITOS
B
A
CANAL
D-Guinará
C
B
D
ULTRAPASSAGEM
A-Guinará
B-Guinará
B
A
A
C
D-Guinará
A-Guinará
A
A
SITUAÇÃO DE RUMOS CRUZADOS
Quando duas embarcações de propulsão mecânica navegam em rumos que se cruzam em
situação que envolva risco de abalroamento, a embarcação que vista a outra por boreste deverá
se manter fora do caminho dessa e, caso as circunstâncias o permitam, evitará cruzar sua proa.
A-Guinará
A
G
F
D
E
Regra 15
G-Guinará
A
O quadro “Sinais Sonoros e Luminosos”, não é parte integrante, convencionada,
do “Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar”. Ele procura
visualizar algumas “Regras de Sinais Sonoros e Luminosos” do RIPEAM-72, mas
não substitui este Regulamento nem dispensa o pleno conhecimento da totalidade
de suas Regras. Todas as especificações sobre posicionamento e detalhes técnicos
de sinais sonoros e luminosos devem ser obtidas no Anexo I e III ao RIPEAM.
Regras 34 (a) e (b)
O quadro “Luzes e Marcas”, não é parte integrante, convencionada, do
“Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar”. Ele procura
visualizar algumas “Regras sobre Luzes e Marcas” do RIPEAM-72, mas não
substitui este Regulamento nem dispensa o pleno conhecimento da totalidade
de suas Regras. Todas as especificações sobre posicionamento e detalhes
técnicos de luzes e marcas devem ser obtidas no Anexo I ao RIPEAM.

similar documents