a epífise

Report
PROGRAMA DE ESTUDO SISTEMATIZADO DO CEFAK
SUBPROGRAMA DE ESTUDOS SEQUENCIAIS - PES
2ª REUNIÃO DE ESTUDO
TEMA: A PREPARAÇÃO DO PSICÓGRAFO
E FUNÇÕES DA EPÍFISE
1
CAPÍTULOS
I e II
2
• Local: Centro Espírita na crosta terrestre;
• Orientador: Alexandre;
• Serviço: Comunicação com mentores;
• Descrição do ambiente:
Dezoito pessoas encarnadas e os demais
desencarnados;
Almas sofredoras e necessitadas;
Grupos exibiam características próprias.
3
FENÔMENOS LUMINOSOS NA
CONCENTRAÇÃO DE PENSAMENTOS
Encarnados:
• Rigorosa concentração de pensamento,
elevado a objetivos altos e puros;
• Cada qual emitia raios luminosos, muito
diferentes entre si, na intensidade e na cor.
 Confundiam-se a distância de 60 cm dos
corpos físicos e estabeleciam uma corrente de
força diversa de energia de nossa esfera.
4
FENÔMENOS LUMINOSOS NA
CONCENTRAÇÃO DE PENSAMENTOS
Encarnados:
• Despejava elementos vitais, à maneira de fonte
miraculosa com origem nos corações e nos
cérebros humanos;
• União de energia formava precioso armazém
de benefícios para os infelizes extremamente
apegados a sensações fisiológicas.
5
DIFICULDADES DE ENCONTRAR
MÉDIUM PREPARADOS
• Seis espíritos comunicantes;
• Apenas um médium em condições de atender;
• Somente mensagem que se relacione com
interesse coletivo.
6
CONDIÇÕES PRÓPRIAS QUE O MÉDIUM
DEVE ESTABELECER
• Renúncia de si mesmo com abnegação e
humildade;
• Necessita calar para que outros falem;
• Dar de si próprio para que os outros recebam;
• Servir de ponte onde se encontram interesses
diferentes;
• Responsável pelos recursos interiores:
tolerância, humildade, disposição fraterna,
paciência e amor cristão.
7
•
•
•
•
•
VISÃO ESPIRITUAL DO ORGANISMO
DO PSICÓGRAFO
Glândulas transformaram-se em núcleo
luminosos, à guisa de perfeita oficinas elétricas;
Os condutores medulares formavam extenso
pavio, sustentando a luz mental em enormes
proporções;
Cérebro mostrava fulgurações nos desenhos
caprichosos;
Lobos cerebrais lembravam correntes
dinâmicas;
Células corticais e fibras nervosas constituíam
elementos delicadíssimos de condução de
energias.
8
VISÃO ESPIRITUAL DO ORGANISMO
DO PSICÓGRAFO
• Sob a luz mental indefinível a epífise emitia
raios azulados e intensos;
• Todo centro glandular era uma potência
elétrica.
9
A IMPROVISAÇÃO DO ESTADO
RECEPTIVO
• Transmitir mensagem edificante demanda
esforço, boa vontade, cooperação e propósito
consciente;
• O serviço não é automático requer muita
compreensão, oportunidade e consciência;
• Há improvisação no estado receptivo?
 De nenhum modo. A preparação espiritual
deve ser incessante. Qualquer incidente pode
perturbar-lhe o aparelhamento sensível.
10
COOPERAÇÃO MAGNÉTICA ESPIRITUAL
AO ORGANISMO DO MÉDIUM ANTES DA
COMUNICAÇÃO
• Antes da reunião o servidor já foi objeto de
nossa atenção especial para que os pensamentos
grosseiros não lhe pesem no campo íntimo;
• As células nervosas receberam novo
coeficiente magnético para que não haja perdas
lamentáveis do tigróide (corpúsculos de Nissl);
• O campo autômato do coração recebeu auxílios
energéticos e sistema central atendido, para que
não se comprometesse a saúde;
11
COOPERAÇÃO MAGNÉTICA ESPIRITUAL
AO ORGANISMO DO MÉDIUM ANTES DA
COMUNICAÇÃO
• O vago foi defendido contra qualquer choque
das vísceras;
• Glândulas suprarenais receberam acréscimo de
energia para produção de adrenalina a fim de
atender dispêndio eventual das reservas
nervosas.
12
ATUAÇÃO DOS ESPÍRITOS NO PROCESSO
DA COMUNICAÇÃO
• Enlaçou-o com o braço esquerdo e alçando a mão
até o cérebro do rapaz, tocava-lhe o centro da
memória com a ponta dos dedos como a recolher o
material de lembranças do companheiro. Pouco a
pouco vi que a luz mental do comunicante se
misturava às irradiações do trabalhador encarnado.
• Alexandre colocou a destra sobre o lobo frontal do
colaborador humano, como a controlar as fibras
inibidoras evitando as interferências do aparelho
mediúnico.
13
Médiuns Escreventes ou Psicógrafos
“Os que têm a faculdade de escreverem, eles mesmos,
sob a influência dos Espíritos”
(O Livro dos Médiuns, 2ª Parte cap. XVI)
“
(...) a escrita manual é a mais cômoda e a mais
completa. (...) De outra parte, a faculdade de escrever,
para um médium, é a mais suscetível de se desenvolver
pelo exercício.”
(O Livro dos Médiuns, 2ª Parte cap. XV)
14
Médiuns Escreventes ou Psicógrafos
Médiuns mecânicos: “...o médium não tem a menor
consciência do que escreve; a inconsciência absoluta,
neste caso, constitui o que se chamam os médiuns
passivos ou mecânicos”
(O Livro dos Médiuns, 2ª Parte cap. XV)
Médiuns Intuitivos: “O Espírito estranho, neste caso,
não atua sobre a mão para fazê-la escrever,(...) age
sobre a alma, com a qual se identifica. A alma, sob esse
impulso, dirige a mão e a mão dirige o lápis. (...) Nesta
situação, o médium tem a consciência daquilo que
escreve, embora não seja seu próprio pensamento...”
(O Livro dos Médiuns, 2ª Parte cap. XV)
15
Médiuns Escreventes ou Psicógrafos
Médiuns Semi-mecânicos: “...sente uma impulsão
dada à sua mão, malgrado seu, mas, ao mesmo tempo,
tem a consciência do que escreve, à medida que as
palavras se formam.”
(O Livro dos Médiuns, 2ª Parte cap. XV)
Médiuns inspirados: “...é uma variedade de
mediunidade intuitiva, com a diferença de que (...) é
ainda mais difícil distinguir o pensamento próprio do que
é sugerido.”
(O Livro dos Médiuns, 2ª Parte cap. XV)
16
17
A EPÍFISE (PINEAL)
• É a glândula da vida mental;
• É a fonte criadora e válvula de escapamento.
• Aos 14 anos, aproximadamente, reabre seus
mundos maravilhosos de sensações e impressões
na esfera emocional – decorrendo daí que a
criatura entrega-se à recapitulação da
sexualidade, examina o inventário de suas
paixões vividas noutra época, que reaparecem
sob fortes impulsos.
18
A EPÍFISE
• Desata, de certo modo, os laços divinos da
Natureza, os quais ligam as existências umas às
outras, na sequência de lutas pelo
aprimoramento da alma e deixa entrever a
grandeza das faculdades criadoras de que a
criatura se acha investida.
• Segregando delicadas energias psíquicas, a
glândula pineal conserva ascendência em todo o
sistema endocrínico.
• Ligada à mente, comanda as forças
subconscientes, sob a determinação direta da
vontade.
19
A EPÍFISE
• As redes nervosas constituem-lhe os fios
telegráficos para ordens imediatas a todos os
departamentos celulares. Sob sua direção. Efetuamse os suprimentos de energias psíquicas a todos os
armazéns autônomos dos órgãos.
• Segregando “unidades-força” pode ser comparada
a poderosa usina, que deve ser aproveitada e
controlada, no serviço de iluminação, refinamento e
benefício da personalidade e não relaxada em gasto
excessivo do suprimento psíquico, nas emoções de
baixa classe.
20
A EPÍFISE
• As glândulas genitais acham-se absolutamente
controladas pelo potencial magnético de que a
epífise é a fonte fundamental.
• As glândulas genitais segregam os hormônios
do sexo, mas a glândula pineal segrega
“hormônios psíquicos” ou “unidades-força” que
vão atuar de maneira positiva nas energias
geradoras. Os cromossomos da bolsa seminal não
lhe escapam à influenciação absoluta e
determinada.
21
A EPÍFISE
Recrear-se no charco das sensações inferiores, à
maneira dos suínos, é retê-la nas correntes
tóxicas dos desvarios de natureza animal, e, na
despesa excessiva de energias sutis, muito
dificilmente consegue o homem levantar-se do
mergulho terrível nas sombras, mergulho que se
prolonga além da morte corporal. Em vista disso,
é indispensável cuidar atentamente da economia
de forças, em todo serviço honesto de
desenvolvimento das faculdades superiores.
22
A EPÍFISE
• Do lastimável menosprezo a esse potencial
sagrado, decorrem os dolorosos fenômenos da
hereditariedade fisiológica, que deveria
constituir, invariavelmente, um quadro de
aquisições abençoadas e puras. A perversão do
nosso plano mental consciente, em qualquer
sentido da evolução, determina a perversão de
nosso psiquismo inconsciente, encarregado da
execução dos desejos e ordenações mais
íntimas.
23
A EPÍFISE
• A vontade desequilibrada desregula o foco de
nossas possibilidades criadoras. Daí procede a
necessidade de regras morais para quem, de fato,
se interessa pelas aquisições eternas nos
domínios do Espírito. Renúncia, abnegação,
continência sexual, disciplina emotiva, não
representam meros preceitos de feição religiosa.
São providências de teor científico para
enriquecimento efetivo da personalidade.
24
A EPÍFISE
• Seria mais interessante encerrar todas as
experiências do sexo, sepultar as possibilidades
do renascimento carnal? – Semelhante indagação
é improcedente. Ninguém deve agir contra a lei.
• O uso respeitável do patrimônio da vida, a
união enobrecedora, a aproximação digna,
constituem programa de elevação. É portanto
indispensável distinguir entre harmonia e
desequilíbrio, evitando o estacionamento em
desfiladeiros fatais.
25
“Utiliza-te das tuas forças
mediúnicas para gerar simpatia,
recuperar vidas e resgatar danosos
comportamentos, adquirindo
alegria de viver por todo o bem que
possas fazer, ou por facultar aos
Benfeitores da Humanidade as
realizações dignificantes por teu
intermédio.”
Joanna de Ângelis
26

similar documents