Características da arquitetura gótica

Report
IDADE MÉDIA
O REINO DA RELIGIÃO
A Idade Média compreende o milênio entre os
séculos V e XV, aproximadamente desde a queda
de Roma até o Renascimento.
Durante a Idade Média a arte se manteve ligada
à religião. Preocupava-se em transmitir valores
religiosos através da técnica dos afrescos nas
grandes decorações murais.
As obras expressavam esse sentimento místico
dos artistas.
Em 800 os bárbaros destruíram o que levara três mil anos para
ser construído. No período compreendido entre os séculos IV e
XV, o homem em comunhão com a sua cultura, participou de
guerras “santas” e “bárbaras” e institucionalizou o assassinato
em nome de Deus, criado a Santa Inquisição. Através dela, ele
promoveu a “caça às bruxas”, perseguiu pessoas simples, de
pouca fé, ou nobres que tentavam, pela ciência, provar que a
Terra não era o centro do Universo.
PONTOS DE LUZ
- na arte e na arquitetura – desde o esplendor da corte
bizantina, em Constantinopla, até a imponência das
catedrais góticas.
As conquistas, as invasões e as derrotas mudaram a
geografia, a cultura e a arte.
A partir de 313, o cristianismo tornou-se a religião oficial do
Império Romano. Com isso, a ARTE se tornou a expressão da devoção à
religião e da devoção ao Império e, com o apoio do Estado, muitas igrejas
foram construídas. aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Em sua decoração, não usavam mais as esculturas por as
considerarem pagãs. Em seu lugar, surgiram os afrescos, as miniaturas, as
iluminuras e os mosaicos, ricamente trabalhados com cenas de anjos,
santos e imperadores
TRÊS FATORES IMPORTANTES:
• Liderança cultural se deslocou do norte do
Mediterrâneo para França, Alemanha e Ilhas
Britânicas;
• O Cristianismo triunfou sobre o paganismo e o
barbarismo;
• A ênfase se deslocou do aqui e agora para o
além.
CARACTERÍSTICAS
O Foco cristão se dirigia para a salvação e a vida
eterna, desaparecendo o interesse pela representação
realista do mundo.
Os nus foram proibidos.
Os ideais greco-romanos de proporções harmoniosas
e equilíbrio entre corpo e mente desapareceram.
A arte se tornou serva da Igreja.
Os teólogos
acreditavam que os cristãos
aprenderiam a apreciar a beleza divina através da beleza
material, e o resultado foi uma profusão de mosaicos,
pinturas e esculturas.
TRÊS FORAM OS PRINCIPAIS ESTILOS
DA ÉPOCA:
ARTE BIZANTINA
ARTE ROMÂNICA
ARTE GÓTICA
ARTE BIZANTINA
O bizantino refere-se ao período de 330 d.C.
(Constantino transferiu o trono do Império Romano
para Bizâncio) até a queda da cidade nas mãos dos
turcos, em 1453.
Enquanto Roma era devastada pelos bárbaros e
declinava, Bizâncio se tornou o centro de uma brilhante
civilização (combinava a arte primordial cristã com a
predileção grega oriental pela riqueza das cores e da
decoração).
Uma de suas maiores formas de arte foi o
MOSAICO (séc. V e VI). Também os ícones tiveram
importância neste período.
MOSAICOS
O mosaico consiste na colocação, lado a lado, de pequenos
pedaços de pedras de cores diferentes sobre uma superfície de gesso
ou argamassa, de acordo com um desenho previamente escolhido. A
seguir, a superfície recebia uma solução de cal, areia e óleo que
preenchia os espaços vazios, fixando melhor os pedacinhos de pedra.
Principal tema: RELIGIÃO.
As figuras humanas são chapadas, rígidas, simetricamente
colocadas. As figuras eram altas, esguias, as faces amendoadas, olhos
enormes com expressão solene. Os artesãos não tinham o menor
interesse em demonstrar perspectiva ou volume.
Os prédios de Igrejas eram enormes e espaçosos, decorados com
ouro, pinturas e mosaicos.
Justiniano e seu séquito c.547d.C.
San Vitale, Ravena.
Justiniano e sua corte - Mosaico do século
VI dC - Igreja de San Vitale - Ravena - Itália
Mosaico em Ravena, Itália.
Theodora e seu séquito. c.547
d.C. San Vitale, Ravena, Itália.
ÍCONES
Eram pequenos painéis de madeira com
imagens pintadas, supostamente com poderes
sobrenaturais.
As imagens de santos e seres sagrados são
rígidas, em pose frontal, geralmente com olhar
fixo.
Ícone (Greece, c. 1150-1200)
Ícone - Madona e Filho, de
Berlinghiero, inicio do sec XII.
PINTURA
Batismo (Constantinople, c.10501100) Pintura
ARTE ROMÂNICA
Com a instituição da fé católica romana, uma onda de
construção de igrejas varreu a Europa feudal de 1050 a 1200.
Os construtores tomaram emprestado elementos da
arquitetura romana, como colunas e arcos redondos, surgindo
assim o termo “românica” para definir a arte e a arquitetura
desse período.
As características mais significativas da arquitetura
românica são a utilização da abóbada, dos pilares maciços que
a sustentam e das paredes espessas com aberturas estreitas
usadas como janelas. Assim, as igrejas românicas são grandes
e sólidas. Foram até chamadas de “Fortalezas de Deus.”
Como a maioria dos fiéis era analfabeta, as esculturas
ensinavam a doutrina religiosa, contando histórias gravadas
na pedra.
Portal Sul, Abadia de Saint-Pierre de
Moissac. Início do séc. XII. Pedra.
Capitéis encontrados na Abadia
de Saint-Pierre de Moissac.
Claustro, Saint Durand, abade de
Moissac.
Relicário de St. Foy - outro e
pedras preciosas
Arcos cilíndricos na nave de St
Sernin
PINTURA ROMÂNICA
A arquitetura românica, com suas grandes
abóbadas e espessas paredes laterais de poucas
aberturas, criou amplas superfícies que favoreceram a
pintura mural. Assim, a pintura românica desenvolveuse sobretudo nas grandes decorações murais, por meio
da técnica do afresco. Os afrescos tinham como modelo
as ilustrações dos livros religiosos.
A pintura afresco designa uma técnica de pintura
sobre paredes úmidas. Sobre a superfície da parede é
aplicada uma camada de cal que, por sua vez, é coberta
com uma camada de gesso fina e bem lisa. Sobre essa
última camada, o pintor executa sua obra: primeiro o
desenho com carvão; depois a aplicação das cores.
AFRESCOS
Giotto
Giotto
Giotto, Entrada de Cristo em Jerusalém,
1305-06
Noli me tangere - Giotto
Frontal da San Quirico e Santa Julita, Museu da
Arte da Catalunha, Barcelona, Espanha
MANUSCRITOS DA ARTE ROMÂNICA
Com grupos de saqueadores devastando as cidades
do antigo Império Romano, os monastérios eram tudo o
que restava entre a Europa Ocidental e o caos
generalizado. Monges e freiras copiavam manuscritos,
mantendo vivas a arte da ilustração.
Os manuscritos eram considerados objetos
sagrados que continham a palavra de Deus. Eram
profundamente decorados. Tinham capas de ouro
cravejadas com pedras preciosas e semipreciosas.
Até o desenvolvimento da tipografia, no século XV,
esses manuscritos eram a única forma existente de livros.
ILUMINURAS
Trabalho decorativa dos manuscritos
Iluminura, São Paulo, c.1185.
Iluminura. São João Evangelista, do
Evangelho do Abade Wedricus. 1147.
Painéis de S. Vicente de Fora
Uma nova sensibilidade artística
O gótico
Baixa Idade Média
Explosão
demográfica
Desenvolvimento
econômico
Renascimento urbano
Mentalidade burguesa
ARTE GÓTICA
As catedrais góticas representam o auge do desenvolvimento
artístico da Idade Média. Elas foram erguidas principalmente no
período entre 1200 e 1500.
O que tornou possível a catedral gótica atingir alturas sem
precedentes no mundo da arquitetura foi o uso da engenharia:
abóbada com traves e suportes externos chamados arcobotantes, ou
contrafortes. O seu uso correto, permitiu trocar as paredes grossas
com janelas estreitas por paredes estreitas com janelas enormes com
vitrais inundando de luz o interior.
As catedrais góticas são bastante iluminadas. A claridade entra
pelas janelas do andar mais alto, pelas janelas das paredes das naves
laterais e pelos grandes vitrais que ficam atrás do altar principal. A
altura e a luz predominavam. As Igrejas apresentavam leveza e
claridade, sendo extremamente decoradas com esculturas e com
elevação altíssima.

Planta em cruz latina
Exemplo, planta da Catedral de
Reims:








Nave central
Naves laterais
Cruzeiro
Transepto
Capela-mor


  






Deambulatório
Capelas radiantes
Portal


Arco quebrado ou em
ogiva
Exemplo, Catedral de
Estrasburgo
Arcos
Exemplo, Catedral de Saint-Étienne,
Toulouse
Torres monumentais, por
vezes com pináculos
Exemplo, Catedral de NotreDame, Chartres.
Exemplo, Catedral de
Colônia, Alemanha.
VITRAIS DA ARTE GÓTICA
Os vitrais são elementos importantes na arquitetura gótica: ao
deixarem passar a luz do Sol, criavam um ambiente sereno e
multicolorido. Era feitos de vidro e molduras metálicas.
A PINTURA
A pintura gótica desenvolveu-se nos séculos XII e XIV e início do século
XV, quando começou a ganhar novas características que anunciavam o
Renascimento. A principal delas foi o REALISMO: os artistas procuravam
pintar as figuras da forma mais fiel possível ao que viam.
Vitrais
Exemplo, Sainte Chapelle,
Paris.
Cristo em majestade
Visão positiva do Juízo final
Virgem
Nascimento de Cristo
Episódios da vida de santos.
Ex: Cristo, Sainte Chapelle,
Paris
Cumplicidade com a
arquitetura
Exemplo, estátuascoluna na Catedral de
Chartres
Cumplicidade com a arquitetura: baixos relevos
Ex: Tímpano do Juízo Final, Catedral de Amiens
Progressiva aproximação do
real
Ex: Virgem, Sainte Chapelle,
Paris.
Proporcionalidade
Gestos humanizados
Naturalismo
Progressiva aproximação do
real
Sentimentos:
doçura,
Alegria,
graciosidade
Gestos de amor e carinho
Anônimo, capital E, duelo a
cavalo,1290
COMO DIFERENCIAR AS IGREJAS
ROMÂNICAS DAS GÓTICAS?
As igrejas românicas têm arcos redondos e
escultura estilizada.
As catedrais góticas têm arcos pontudos e
escultura mais natural.
OUTRAS DIFERENÇAS:
IGREJA ROMÂNICA
IGREJA GÓTICA
Ênfase
Horizontal
Vertical
Elevação
Altura modesta
Altíssima
Ambiente
Escuro, solene
Leve, claro
Exterior
Simples, severo
Ricamente decorado com
esculturas
MÚSICA
Na sociedade medieval, a música também era um caminho pára Deus, e nada era mais divino que
as vozes entoando um cântico religioso. Basicamente foi assim que a música se desenvolveu:
dentro das igrejas e dos mosteiros. Ela era vocal, com melodias simples, cantadas a uma só voz
(canto monódico) ou em conjunto (uníssono), em elevação a Deus. Havia poucos instrumentos
que acompanhavam a música medieval.
Há via predomínio da música sacra e erudita; contudo, existia a nação religiosa, chamada de
profana. Ela era executada nos feudos, nas praças e nos burgos, se autorização da Igreja. Os
artistas da música profana denominavam-se menestréis, trovadores e saltimbancos.
Alguns acontecimentos sociais e religiosos foram marcantes e transformaram a história da música
medieval:
a) PAPA GREGÓRIO MAGNO simplificou a liturgia, possibilitando que todos a cantassem em
conjunto = canto gregoriano. É como uma reza cantada em que se prolongam sílabas ou sons das
palavras que vão se articulando como uma linha.
b) outro fato importante foi a criação das notas musicais= monge GUIDO D’AREZZO.
c) os principais instrumentos: harpa, viela, rabeca, alaúde, carrilhão, flautas, saltério, etc…

similar documents