projeto 04:005.10-47

Report
Visão geral da normalização
técnica para a medição de fluídos no Brasil
Jorge Venâncio
05/05/2014
Visão geral da normalização
técnica para a medição de fluídos no Brasil
AGENDA:
 Introdução
 A elaboração de normas de medição de fluídos no
Brasil
 A CE 04:005.10
 Exemplos
 Considerações finais
1. INTRODUÇÃO: QUEM SOU EU?
(JORGE VENÂNCIO)
1. ESCOLARIDADE
 Engenheiro:Mackenzie – 1976 Administrador de Empresas : 1982;
 Engenheiro Gás : FEI 1990/ Mestre em energia:IEE/USP 2002;
 Doutor UNICAMP/2013 : Tese - Medição avançada.
2. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
 Engenheiro da Comgás desde 1986: 28 anos de experiência no mercado do
Gás com ênfase na área da medição;
 Avaliador do INMETRO e perito da ARSESP;
 10 anos de experiência em outras áreas da engenharia.
JORGE VENÂNCIO
3. EXPERIÊNCIA ACADÊMICA
 Professor desde 1985 , IFSP (atual), LAO, FAAP, etc;
 Coordenou vários cursos de Medição e Gás natural (ABEGAS, FAAP – Pós
Graduação, Liceu, ABRINSTAL, IFSP,CEFET CAMPOS/UFSC/ ISA/IBP, REMESP,
cursos “in company” nas concessionárias, etc).
1. INTRODUÇÃO: NORMALIZAÇÃO
 Existe desde os primórdios da civilização,
quando o homem começou a realizar
transações comerciais;
 Basicamente é a organização sistemática das
atividades pela aplicação de regras comuns.
1. INTRODUÇÃO: NORMALIZAÇÃO
"Processo de formulação e aplicação de
regras para um tratamento ordenado de
uma atividade específica, para o
benefício e com a cooperação de todos
os interessados e, em particular, para a
promoção da economia global ótima,
levando na devida conta condições
funcionais e requisitos de segurança.”
FONTE: ABNT,2007
1. INTRODUÇÃO: NORMALIZAÇÃO
 Normas : Procedimentos e códigos que visam
a padronização de operações . Em princípio
são. No Brasil a normalização é coordenada
pela ABNT;
 Regulamentação
:
Regulamentos
e
procedimentos obrigatórios – viram leis nos
países que as usam. Exemplo: INMETRO,
ANP, ANA, ARSESP, etc;
Normas e regulamentos não são
conceitos sinônimos
1. INTRODUÇÃO: NORMALIZAÇÃO
 Normalização :O Brasil é signatário da ISO que
possui um sub-comitês em medição de vazão o
TC 30. O grupo de trabalho da ISO em medição
de vazão é um dos mais ativos; O Brasil tem sido
membro ativo da ISO na área de medição de
vazão através da CE 04.005-10;
 Regulamentação: O Brasil é signatário da OIML,
há compromisso com a metrologia legal a nível
mundial.
1. INTRODUÇÃO: NORMALIZAÇÃO
Aplicada quando fornecedores e compradores em
potencial, voluntariamente, cheguem a um acordo
acerca dos requisitos e característica mínimas a
serem esperados.
Trata-se da a auto-regulamentação da sociedade.
1. INTRODUÇÃO: NORMALIZAÇÃO
Medições dos fluídos
água,
gás
e
óleo
envolvem
quantias
financeiras
consideráveis;
Aumenta
a
conscientização
da
sociedade acerca dos
seus direitos;
Aumenta a demanda
por normalização.
1. INTRODUÇÃO: NORMALIZAÇÃO
O aumento da complexidade dos instrumentos de
medição e a sua abordagem sistêmica
contribuem para aumentar a demanda por
normalização
2. ELABORAÇÃO DE NORMAS
2. ELABORAÇÃO
DE NORMAS : DEMANDAS
 Normas de instrumentos isolados (Exemplo:
medidores de gás);
 Normas para sistemas de medição;
 Normas para medição avançada;
 Normas para serviços ligados à medição.
2. ELABORAÇÃO DE NORMAS:
REDAÇÃO DAS MINUTAS
OUTRAS
NORMAS
EVIDÊNCIAS
DIVERSAS
2. ELABORAÇÃO DE NORMAS NBR/ISO
 Geralmente traduções
literais;
 Necessidade de notas
para
entendimento
face
á
condições
brasileiras;
 Adoção
obrigatória
quando houver Norma
ISSO sobre o tema.
2. ELABORAÇÃO DE NORMAS :
BASE - OUTRAS NORMAS
 Suas
versões
traduzidas
dificilmente atendem à
Diretiva 2 da ABNT;
 Para
serem
usadas
como
fonte
há
necessidade de total
fragmentação
reconstrução
conteúdos.
e
de
2. ELABORAÇÃO DE
NORMAS: BASE - OUTRAS EVIDÊNCIAS
 Tratam-se dos projetos das normas redigidos
tomando
como
base
em
evidencias
eminentemente brasileiras ;
 Para tal pode-se se usar documentos
fragmentados oriundos de fontes diversas e
dados
de
experimentos
devidamente
comprovados.
2. ELABORAÇÃO
DE NORMAS : REDAÇÃO
 Ser tão completa quanto necessário, dentro
dos limites estabelecidos pelo seu escopo;
 Ser coerente, clara e precisa para que
resulte
numa
interpretação
exata
e
uniforme;
 Levar em consideração o estado da arte;
 Servir de base para o desenvolvimento
tecnológico;
 Ser
compreensível para o pessoal
qualificado que não participou da sua
elaboração;
 Ter uniformidade de estrutura e estilo e
terminologia.
2. ELABORAÇÃO
DE NORMAS : REDAÇÃO
3. A CE 04.005-10 DO CB 4 DA ABNT
Instrumentos de Medição de Vazão de Fluídos
 Existe desde a década de 80;
 Elabora normas para medidores e sistemas de
medição (gás, água, combustíveis líquidos em
geral);
 Tem relações com outros CBs;
 Informações: www.abnt.com.br (os trabalhos
podem ser acompanhados pelo livelink)
 Estrutura:
 Coordenação: Jorge Venâncio
 Secretário: Jorge Gomez
 Vários grupos de trabalho atuantes
3. A CE 04.005-10 DO CB 4 DA ABNT
Através
da
CE
04.005-10
a
comunidade participa
do
sistema
de
normalização
internacional ISO
3. A CE 04.005-10 DO CB 4 DA ABNT







Normas
Normas
Normas
Normas
Normas
Normas
Normas
de
de
de
de
de
de
de
hidrômetros;
medidores de gás;
medidores de líquidos em geral;
computadores de vazão;
medidores tipo ultra-som;
sistemas de medição remota;
serviços de medição.
4. EXEMPLOS
Projeto 04:005.10-045
Geradores de pulsos
Projeto 04:005.10-045
Medidor tipo ultra-som
de gás residenciais
ABNT NBR 15538:2014
Medidores de água
Potável - Ensaios para
avaliação de eficiência
ABNT NBR 16198:2013
ABNT NBR 15806:2010
Medição Remota
Métodos usando medidor
de vazão ultrassônico por
tempo de trânsito Diretrizes gerais de
seleção, instalação e uso
PROJETO NBR/ISO
5168 Incerteza
4. EXEMPLOS :ABNT NBR 15855:2010
 Baseado na AGA 09;
 A
tradução
foi
totalmente
fragmentada
e
reconstruída
visando atender a Diretiva 2;
 Aproveitada toda a reserva de
conhecimento da AGA 9 aliada a
experiência brasileira;
 Separados os aspectos normativos
dos informativos para permitir a
auditagem e especificações;
 Introduzido o anexo Documentação
acompanhante do UM que auxilia a
aquisição de medidores tipo US.
4. EXEMPLOS: PROJETO 04:005.10-47
(PROVEDOR DE SERVIÇOS DE MEDIÇÃO)
 Abrange as empresas que prestam serviços de
medição aos condomínios;
 Basicamente tenciona estabelecer requisitos que um
provedor de serviços de medição deve atender para
operar
em
condomínios residenciais e
comerciais, no que se refere à operação de medidores
secundários e sistemas de medição avançada e gestão
dos dados de medição.
(Exceção de partes fora do escopo, tais como projeto
e execução da instalação individualizada de
água e gás, medidores e suas instalações, etc)
4. EXEMPLOS: PROJETO 04:005.10-47
(PROVEDOR DE SERVIÇOS DE MEDIÇÃO)
4. EXEMPLOS: PROJETO 04:005.10-47
(PROVEDOR DE SERVIÇOS DE MEDIÇÃO)
 Requisitos gerais
 Capacitação técnica/solução de problemas de medição;
 Requisitos para o ciclo operacional do MSP
 Registros, cerificados de calibração; inspeções
periódicas de medidores e sistemas de medição;
 Controle de medidores, sucateamento.
 Requisitos para o ciclo financeiro do MSP
 Expressão dos dados de medição;
 Segurança e integridade dos dados de medição.
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
 A normalização se constitui em uma atividade
cada vez mais importante para a exatidão e
qualidade da medição de fluídos no Brasil;
 O seu valor extrapola os aspectos econômicos,
uma vez que auxilia a promoção da
individualização dos consumos a qual por
sua vez é fundamental no que tanges às
questões energéticas e ambientais;
 É importante estimular cada vez mais a
participação de todos envolvidos.
MUITO OBRIGADO!!!!
Jorge Venâncio: (011) 96230704
jvenancio@comgas.com.br
venanciocomgas@uol.com.br
Referências:
STANDARDS LEARN ORGANIZATION Short Course: Through History with Standards . Disponivel em
www.standarslearn.org. Acesso em 18/08/12. USA, 2012.
AMERICAN INSITUTE OF CHEMICAL ENGINEERS AIChE Water Initiative.. Disponivel em
http://water.aiche.org/content/about. Acesso em 18/08/12. USA, 2012.
ASSOCIAÇÂO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS – ABNT. Projeto MCT-FINEP-ABNT-SENAI Capacitação de Recursos Humanos em Normalização. Unidade 3 . Redação e apresentação de Normas
Técnicas. Brasilia, 2007.
ASSOCIAÇÂO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS – ABNT. Normalização – Conhecendo e aplicando na sua
empresa. Brasilia, 2007

similar documents