trabalho pronto aves (1518031)

Report
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO
CAMPUS SINOP
CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA
Salmonelose e Micoplasmose
Aviária
Docente: Valéria Viana
Discentes: Aline Eduarda B. Barbosa, Amanda S. Oliveira,
Angela M. Favretto, Francielle Calhau Pereira, Jaqueline M.
Padovan e Priscilla A. B. Pereira.
Disciplina: Avicultura
INTRODUÇÃO
Doenças de Monitoriamento e Vigilância Oficial
(Portaria no. 193 do MAPA – setembro de 1994)
– Doença de Newscastles;
– Influenza aviária;
– Salmonelose ( S. Gallinarum, S. Pullorun, S. Enteritidis e
S. Typhimurium);
– Micoplasmoses ( M. gallisepticum, M. synoviae e M.
melleagridis)
SALMONELOSE
Introdução
– A primeira Salmonella reconhecida como patógeno foi a Salmonella typhi, em
1880;
– 2.500 sorotipos;
– Infecta animais de sangue quente e sangue frio;
– Aves jovens são mais susceptíveis à infecção por Salmonella;
– PNSA (Programa Nacional de Sanidade Avícola);
– Brasil destaque em exportação de produtos avícolas;
SALMONELOSE
Salmonella pullorum
Salmonella gallinarum
Salmonella spp.
Pulorose
Tifo Aviário
Paratifo Aviário
Paratifo aviária
• Mas acomete aves de postura e de corte
• Salmonella entérica subs. Enteritidis
• Salmonella entérica subs. typhimurium
FATORES DE VIRULÊNCIA
• Endotoxina, LPS
• Catalase, superóxido dismutase e gene ATR
• Sobrevivência no interior de macrófagos;
• Antígenos
SALMONELOSE
Transmissão
Vertical: Infecção do ovo no oviduto ou na cloaca
Horizontal: Contaminação do ambiente, do alimento, reservatórios animais.
SALMONELOSE
Transmissão Vertical
Quando o trato intestinal da ave está colonizado por
Salmonella, o ovo produzido pode ser contaminado durante a
passagem pela cloaca e, em poucos minutos, à temperatura
de 37º C, a salmonela é capaz de penetrar através da casca do
ovo. Rachaduras na casca do ovo favorecem ainda mais a
penetração da bactéria, visto que, esta penetração pode
resultar em transmissão direta das bactérias para o embrião
durante o desenvolvimento, ou pode expor os outros
pintainhos à infecção por Salmonella quando a casca é
rompida durante o nascimento
A transmissão vertical acarreta
grandes perdas de produtividade
SALMONELOSE
Transmissão Horizontal
– Pode ocorrer através do canibalismo de aves infectadas
– Lotes não contaminados com lotes contaminados
– Pela presença de aves silvestres
– Ração
– Hábito de visitação de pessoas em granjas, (principalmente
aquelas
vindo
`de
outras
granjas
onde
tenha
ocorrido
problemas)
– Aves positivas eliminam Samonella pelas fezes e estas
contaminam o ambiente.
– Ratos de granjas contaminadas podem se tornar portadores de
Salmonella e eliminar, também, o agente pelas fezes por longo
período de tempo (mais de 10 meses)
Transmissão ao homem
• É transmitida ao homem através da ingestão de alimentos
contaminados.
• Os alimentos contaminados apresentam aparência e cheiro normais
e a maioria deles é de origem animal, como carne de gado, galinha,
ovos e leite. Entretanto, todos os alimentos, inclusive vegetais,
podem tornar-se contaminados. É muito frequente a contaminação
de alimentos crus de origem animal.
• A manipulação de alimentos por pessoas contaminadas que não se
higienizam corretamente.
SALMONELOSE
Sinais Clínicos
-
Pintinhos moribundos e mortos já na incubadora;
Sonolência, anorexia e retardo no crescimento;
Perda de peso;
Amontoamento;
Acúmulo de Ácido Úrico na cloaca;
Morte;
Aves sobreviventes leva cegueira e claudicação;
SALMONELOSE
Prevenção e Controle
– Corretas medidas de limpeza, desinfecção, higiene e
vazio sanitário.
– Controle de roedores.
– Eliminação de aves ou lotes infectados.
– Monitorar presença de Salmonella na ração.
– Vacinação.
MICOPLASMOSE
Introdução
- Descobertos na França em 1898, por Edward Nocard e Emile
Roux, em um caso de pleuropeneumonia bovina;
- Em 1905, um quadro de “Pneumonia Enzoótica dos Perus”;
- Micoplasma é uma das principais doenças aviárias na
indústria avícola no Brasil;
- Comportam-se como Gram negativos;
- Programa de Sanidade Avícola (PNSA);
MICOPLASMOSE
Mycoplasma gallisepticum
frangos
Mycoplasma synoviae
frangos
Mycoplasma meleagridis
Perus
MYCOPLAMA SP.
• Adesinas e hemaglutininas;
• Quadros respiratórios e síndromes generalizados com
envolvimento do aparelho locomotor;
• Possuem superantígenos;
MICOPLASMOSE
Transmissão
- apresentam usualmente especificidade
- 2 formas:
horizontal
vertical
- a maior transmissão ocorre nas primeiras 6
a 8 semanas depois da infecção
- transmissão pode cessar
reiniciar em
qualquer momento
MICOPLASMOSE
Sinais Clínicos
Espirros
Corrimento nasal e ocular
Conjuntivite
Sinusite
Edema facial
Ronqueira
Pneumonia
MICOPLASMOSE
Prevenção e Controle
– Aquisição de aves e ovos férteis livres de MG, MS
e MM.
– Práticas de desinfecção e vazio sanitário.
– Monitoria obrigatória de sorológica de MG, MS e
MM, de acordo programa nacional de sanidade
avícola (PNSA) em reprodutoras.
– Vacinação.
CONCLUSÃO
Meio ambiente + Sanidade = Produção
REFERÊNCIAS
NASCIMENTO, E.R.; PEREIRA, V.L.A. Micoplasmoses. In: DI FABIO, J.; ROSSINI, L.I. Doenças das Aves. Campinas:
FACTA, 2009, p.485-500.
CERDÁ, R.O. Medidas de Prevención y Control de la Micoplasmosis en latinoamérica. In: CONGRESO
LATINOAMERICANO DE AVICULTURA, 20., 2007, Porto Alegre Anais...Porto Alegre: Centro de Eventos Fingers,
2007. p.111-124.
MOREIRA, Ana Paula Oliveira, Pesquisa de Salmonella sp. em frangos de corte de um dia de idade da Região
Metropolitana de Fortaleza-CE, Fotaleza- CE, 2002.
MERCHANT, I.A, PACKER, R.A. Bacteriologia y Virologia Veterinaria, 3ed.: Zaragoza. Acribia, p.299-322, 1980.
ZANCAN, F .T.; BERCHIERI JR, A.; FERNÁNDES, S. A.; GAMA, N. M. S. Q. Salmonella investigation in transport
boxes of day-old birds. Brazilian Journal of Microbiology, v.31, p. 230 – 232, 2000.
BEZERRA, ROSÉLIA. Recuperação e pesquisa de Salmonella spp e detecção de anticorpos em ovos comerciais
de galinha Gallus gallus (Linnaeus, 1758). 1995, 59f. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia Experimental e
Aplicada e Zoonoses) – Universidade de São Paulo. São Paulo.
FORT DODGE Saúde Animal Ltda, Micoplasmose aviária, Campinas – SP - Brasil
MACHADO et al, Revisão: MICOPLASMOSES AVIÁRIAS, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer,
Goiânia, v.8, n.15, 2012.
BRASIL, Ministério da Agricultura, Secretaria da Defesa Agropecuária, Departamento de Defesa Animal.
Brasília, DF. Programa Nacional de Sanidade Avícola, 1994.
METTIFOGO, E.; BUIM, M.R. Mycoplasma gallisepticum. In: REVOLLEDO, L.; FERREIRA, A.J.P. E
ORGANIZADORES. Patologia Aviária. p. 86 - 100, Barueri-SP, 2009.

similar documents