Pesquisa envolvendo seres humanos - Sérgio Costa

Report
PESQUISA ENVOLVENDO
SERES HUMANOS
FLORIANÓPOLIS – SC
2005
“...uma pesquisa é considerada
ética ou não a partir do
momento de sua concepção.”
Henry Beecher
Importância dos CEPs e Protocolo de
Pesquisa
Resolução CNS 196/96
Comitês de Ética em Pesquisa
450 CEPs
9.000 pessoas envolvidas
com ética em pesquisa
600.000 participantes em
pesquisas
15.000 projetos de pesquisas
em andamento
40 participantes por projeto
EXIGÊNCIAS ÉTICAS
Adequação da metodologia científica
Justificativa para o uso de placebo
Justificativa para a dispensa do TCLE
Necessidade de revisão periódica da norma
Utilização em todas as áreas do conhecimento
Considerar como pesquisa todo procedimento
que não esteja consagrado na literatura
Consentimento Livre e
Esclarecido
“A ação X é um consentimento livre e
esclarecido pela pessoa P para uma
intervenção I se, e somente se:
P recebe minuciosa informação sobre I;
P compreende a informação;
P age voluntariamente na realização de X;
P é competente para a realização de X, e
P consente a I.”
Faden, R. & Beauchamp, T.L. 1995
CONSENTIMENTO LIVRE E
ESCLARECIDO
Anuência do sujeito da pesquisa e/ou de seu
representante legal, livre de vícios (simulação, fraude
ou erro), dependência, subordinação ou intimidação,
após explicação completa e pormenorizada sobre a
natureza da pesquisa, seus objetivos, métodos,
benefícios previstos, potenciais riscos e o incômodo que
esta possa acarretar, formulada em um termo de
consentimento, autorizando sua participação voluntária
na pesquisa.
Consentimento Livre e Esclarecido
Uso burocrático
de um documento em
obediência às
normas legais
Proteção do Pesquisador
ou da Instituição de Pesquisa
Termo de Isenção de
Responsabilidade
Compromisso moral dos profissionais de
respeito à pessoa
do paciente e/ou participante
Consentimento Livre e Esclarecido
Processo de Obtenção
• Pré-condições
•Capacidade para entender e decidir
•Voluntariedade
• Elementos de Informação
•Explicação dos riscos e benefícios
•Alternativas
•Compreensão: riscos, benefícios e alternativas
• Elementos de Consentimento
•Decisão em favor de uma opção
•Autorização para a realização
Faden, R. & Beauchamp, TL. 1995
Pesquisa envolvendo
seres humanos
Pesquisa que, individual ou coletivamente, envolva o ser humano, de
forma direta ou indireta, em sua
totalidade ou partes dele, incluindo o manejo de informações ou
materiais.
SUJEITO DA PESQUISA
é o(a) participante
pesquisado(a), individual ou
coletivamente, de caráter voluntário,
vedada qualquer forma de
remuneração.
COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISAS
“colegiados interdisciplinares e
independentes, com ‘munus público’, de
caráter consultivo, deliberativo e educativo,
criados para defender os interesses dos
sujeitos da pesquisa em sua integridade e
dignidade e para contribuir no
desenvolvimento da pesquisa dentro dos
padrões éticos”.
Risco da pesquisa -
possibilidade
de
danos à
dimensão física, psíquica, moral,
intelectual, social, cultural ou espiritual do ser
humano, em qualquer fase de uma pesquisa e dela
decorrente.
Dano associado ou decorrente da
pesquisa – agravo imediato
ou tardio, ao
indivíduo ou à coletividade, com nexo causal
comprovado, direto ou indireto, decorrente do
estudo científico.
Vulnerabilidade - refere-se a estado de
pessoas
ou grupos que, por quaisquer razões ou motivos, tenham
a sua
capacidade de autodeterminação reduzida,
sobretudo no que se refere ao consentimento livre
e esclarecido.
Incapacidade - refere-se ao possível
sujeito da
pesquisa que não tenha capacidade civil para dar o
seu consentimento livre e esclarecido, devendo ser assistido
ou representado, de acordo com a legislação brasileira
vigente.
A pesquisa em qualquer área do conhecimento
envolvendo seres humanos deverá observar as
seguintes exigências:
• ser
adequada aos princípios científicos que a
justifiquem e com possibilidades concretas de
responder a incertezas;
• estar fundamentada na experimentação prévia
realizada em laboratórios, animais ou em outros
fatos científicos;
• ser
realizada somente quando o conhecimento que
se pretende obter não possa ser obtido por
outro meio;
• prevalecer
sempre as
probabilidades
benefícios esperados sobre os riscos previsíveis;
dos
• contar com o consentimento livre e esclarecido
do sujeito da pesquisa e/ou do seu representante
legal.
A pesquisa deve ser desenvolvida preferencialmente
em
indivíduos com autonomia plena. Indivíduos
ou
grupos vulneráveis não devem ser sujeitos
de pesquisa quando a informação desejada possa ser
obtida através de sujeitos com plena autonomia, a
menos que a investigação possa trazer benefícios
diretos aos vulneráveis.
Exige-se que o esclarecimento dos sujeitos se faça
em linguagem acessível e que inclua
necessariamente os seguintes aspectos:
•a
justificativa, os objetivos, e os procedimentos que
serão utilizados na pesquisa;
• os desconfortos e riscos possíveis e os benefícios esperados
• os métodos alternativos existentes;
• a forma de acompanhamento e assistência, assim
como seus responsáveis;
•a
garantia de esclarecimentos, antes e durante o
curso da pesquisa, sobre a metodologia, informando
a possibilidade de inclusão em grupo controle ou
placebo;
• a liberdade do sujeito se recusar a participar ou
retirar seu consentimento, em qualquer fase da
pesquisa, sem penalização alguma e sem prejuízo
ao seu cuidado;
• a garantia do sigilo que assegure a privacidade dos
sujeitos quanto aos dados confidenciais envolvidos na
pesquisa;
• as formas de ressarcimento
das
despesas
decorrentes da participação na pesquisa;
• as formas de indenização diante de eventuais
danos decorrentes da pesquisa;
Comitê de Ética em Pesquisa (CEP)
• mínimo
7 membros
• área da saúde, ciências exatas, sociais e humanas,
como juristas, teólogos, sociólogos, filósofos,
bioeticistas e um representante dos usuários
• não mais que 50% da mesma categoria profissional
• consultores “ad hoc”
• vedada a remuneração
CONEP - áreas temáticas especiais:
• genética humana
• reprodução humana
• fármacos, medicamentos
• equipamentos, insumos e dispositivos para a saúde novos, ou não
registrados no país
• procedimentos ainda não consagrados na literatura
• populações indígenas
• projetos que envolvam aspectos de biossegurança
• coordenadas, com participação estrangeira ou remessa de material
biológico ao exterior
• à critério do CEP
A Atuação da CONEP
- 10% dos projetos analisados nos CEPs são
encaminhados a CONEP
Evolução do registro de CEPs
1997.........................112
2000.........................287
2002.........................375
2005.........................450
Em 1995 foram analisados 30 projetos de pesquisa
de novos fármacos. Em 2000, cerca de 700 projetos
Motivos de pendências nos projetos
enviados à CONEP – 2002
TCLE inadequado................79%
Protocolo incompleto...........48%
Uso de material biológico....27%
Sem retorno de benefício......24%
Informação incompleta.........12%
Metodologia inadequada.......06%
Motivos de pendências nos projetos
enviados à CONEP – 2002
Inadequações no TCLE
- Linguagem...............................42%
- Restrição à indenização...........35%
- Incompleto/sucinto.................31%
- Sem formas de contato.............27%
- S/ informações de risco............15%
- S/ previsão de ressarcimento....15%
Natureza da CONEP
Instância de natureza colegiada
Natureza consultiva, educadora e formuladora
de diretrizes e estratégias
Independente de influências corporativas e
institucionais
Composição multi e transdisciplinar, contando
com representação de usuários
Atribuições da CONEP
Exame dos aspectos éticos das pesquisas
Elaboração e atualização das normas
Coordenação da rede dos Comitês de Ética
em Pesquisa das Instituições
Avaliar e acompanhar os protocolos de
pesquisas em áreas especiais
Instância de recursos para qualquer das
áreas envolvidas

similar documents