Prof. Jota 02

Report
CIÊNCIAS
HUMANAS E SUAS
TECNOLOGIAS
REVOLUÇÕES NO SÉCULO XIX
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO LIBERAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
01. (ENEM) Durante a primeira metade do século XIX, a
Europa
vivenciou
um
contexto
marcado
por
divergências, que envolviam forças de transformação
(as tendências liberais) e as de conservação (a
tentativa de restauração absolutista). Diante desse
panorama, a burguesia desenvolveu um discurso
voltado para o fortalecimento de seus interesses
socioeconômicos,
reafirmou
o
liberalismo
e
o
nacionalismo e evidenciou um combate à tentativa
de restauração do antigo regime.
O BRASIL COLONIAL
O poder municipal tinha como unidade o município, cuja
sede era a vila, excepcionalmente intitulada de cidade,
sem que nesta designação houvesse um referencial à
complexidade do núcleo urbano. Somente o soberano
tinha o direito à fundação de cidades. As práticas
municipais tinham como organismo principal a câmara,
designada como Câmara Municipal, Câmara dos
Vereadores, Conselho de Vereança e Senado da Câmara.
(ALBUQUERQUE, 1981, p. 187).
TRABALHO X CAPITALISMO
03. (UEFS-BA/2013.2) O trecho de uma obra de Émile
Zola refere-se à violenta reação das famílias de
mineiros franceses contra as péssimas condições
de trabalho, na era da Revolução Industrial. Como
reação dos trabalhadores a situações como essas,
surgiram as teorias socialistas, que
Do romantismo à modernidade
 ROMANTISMO
 Fatalismo, desilusão
 Paradoxos da existência
humana
 Pessimismo
 Busca por um ideal
inatingível
 MODERNIDADE
 Desenvolvimento
tecnológico e científico
 Evolucionismo
 Progresso, futuro
 Materialismo
 Otimismo
 Tempo teleológico: as
metanarrativas
Da modernidade à pós-modernidade
 Segunda metade do séc. XX
 Começava-se a perceber que a modernidade não
cumpriria suas promessas





Holocausto
Guerra Fria
Corrida armamentista nuclear
Fome e miséria nos países periféricos (Terceiro Mundo)
Violência dos regimes socialistas
 A pós-modernidade é a tentativa de compreender
(e conviver com) esta decepção
A ERA VARGAS
GOVERNO PROVISÓRIO: MEDIDAS / ALIANÇA COM
A IGREJA / A CAFEICULTURA / A CENTRALIZAÇÃO /
CRIAÇÃO DO CÓDIGO ELEITORAL (1932).
GOVERNO CONSTITUCIONALISTA: CONSTITUIÇÃO
DE 1934 / A RADICALIZAÇÃO POLÍTICA: ANL E AIB / A
INTENTONA COMUNISTA / O PLANO COHEN.
ESTADO NOVO: NOVA CONSTITUIÇÃO (1937) /
CENTRALIZAÇÃO POLÍTICA / INTERVENÇÃO NA
ECONOMIA / SINDICATOS E LUÍS CARLOS PRESTES.
[…] a herança do tempo de Vargas se materializou em
instituições e projetos que extrapolam o contexto em que
emergiram e continuaram a influenciar nossa história
social depois do trágico suicídio. O suicida continuou
presente, como referência positiva ou negativa, para os
homens
que
pretendiam
fazer
o
futuro,
e
que
consideravam que o passado que herdavam era marcado
sobretudo pela figura do estadista”.
(Pedro Paulo Zahluth Bastos e Pedro Cezer Dutra Fonseca (orgs).
“Apresentação”. In: A Era Vargas: Desenvolvimento, Economia
e Sociedade. São Paulo: Editora UNESP, 2012, p.08)
NEOLIBERALISMO
06. (UERJ/2013.2-adaptada) A
morte de Margaret Thatcher, em
abril de 2013, ocasionou muitos
debates na imprensa acerca de
suas ações como primeiraministra do Reino Unido entre
1979 e 1990, como exemplifica o
texto. No contexto internacional
da época, a política econômica da
governante
britânica
foi
associada
a
estratégias
vinculadas à prática do
UNIÃO EUROPEIA
DESAFIOS
ECONOMIA
XENOFOBIA
MULTICULTURAL
A bandeira da Europa não é apenas o símbolo da União
Europeia, mas também da unidade e da identidade da
Europa sem sentido mais lato. O círculo de estrelas douradas
representa a solidariedade e a harmonia entre os povos da
Europa.
REGIME MILITAR NO BRASIL
GOVERNO COSTA E SILVA (1967-69)
1968 – “O ANO QUE NÃO TERMINOU”
GOVERNO MÉDICI (1969-74)
GOVERNO GEISEL (1975-79)
GOVERNO FIGUEIREDO (1979-85)
POLÍTICA NA AMÉRICA LATINA
PODERES CENTRALIZADOS
DEMOCRACIA
ECONOMIA
NARCOTRÁFICO
CONSUMISMO

similar documents