Fábio Batista - tvled

Report
Uma Proposta de Modelo de Gestão do
Conhecimento (GC) para a Administração
Pública Brasileira
Fábio Ferreira Batista
Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA
Florianópolis, SC - 17/11/2011
Objetivos da Apresentação
•
•
•
•
•
•
Esclarecer o termo administração pública
Entender o porquê de um modelo de GC para a
administração pública brasileira (APB)
Entender a definição de GC na APB
Entender o Modelo de GC para a APB
Entender os fatores críticos de sucesso para
implementação da GC na APB
Apresentar brevemente os outros produtos:
–
–
Manual de Implementação da GC na APB
Instrumento de Avaliação da GC na APB
2
Esboço da Apresentação
•
•
•
•
Por que um Modelo de GC para a APB?
Antecedentes e Propósito do Modelo
Definição de GC na APB
Modelo de GC para a APB
– Principais componentes do Modelo
•
•
•
•
•
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
Viabilizadores
Processos de GC
Ciclo de GC
Resultados
• Outros produtos
3
Esboço da Apresentação
•
•
•
•
Por que um Modelo de GC para a APB?
Antecedentes e Propósito do Modelo
Definição de GC na APB
Modelo de GC para a APB
– Principais componentes do Modelo
•
•
•
•
•
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
Viabilizadores
Processos de GC
Ciclo de GC
Resultados
• Outros produtos
3
Administração Pública
O que é Administração Pública (AP)?
“Administração pública é o conjunto de entidades que
compõem o Estado, voltadas para a prestação de
serviços públicos e o atendimento das necessidades do
cidadão e da coletividade. É constituída da
administração direta e da administração indireta, esta
formada por autarquias, fundações, empresas públicas,
sociedades de economia mista e organizações sociais. É
subdividida em poderes (executivo, legislativo e
judiciário) e em esferas (federal, estadual e municipal)
(GESPUBLICA, 2007)
3
Setor Público # Setor Privado:
Características
Organizações Públicas
Organizações Privada
Fator condutor
Supremacia do interesse público. São
obrigadas a dar continuidade à
prestação do serviço público
Autonomia da vontade
privada
Orientação
Tratamento dos
clientes
Estão sujeitas ao controle social
Fortemente orientadas para
(requisito essencial para a
a preservação e proteção
administração pública contemporânea
dos
em regimes democráticos). Isso implica
interesses corporativos
em: i) garantia de transparência de
(dirigentes e acionistas).
ações e atos; e ii) institucionalização de
canais de participação social.
Não podem fazer acepção de pessoas,
devem tratar a todos igualmente
(princípio constitucional da
impessoalidade) e com qualidade. O
tratamento diferenciado restringe-se
apenas aos casos previstos em lei.
Utilizam estratégias de
segmentação de “mercado”,
estabelecendo diferenciais
de tratamento para clientes
preferenciais.
Setor Público # Setor Privado:
Características
Organizações Públicas
Organizações Privada
Objetivo
Buscam gerar valor para a sociedade e
formas de garantir o desenvolvimento
sustentável, sem perder de vista a
obrigação de utilizar os recursos de
forma eficiente.
Buscam gerar valor para a sociedade e
formas de garantir o desenvolvimento
sustentável, sem perder de vista a
obrigação de utilizar os recursos de
forma eficiente.
Buscam o lucro financeiro e
formas de garantir a
sustentabilidade do negócio.
Recursos
São financiadas com recursos públicos,
oriundo de contribuições compulsórias
de cidadãos e empresas, os quais
devem ser direcionados para a
prestação de serviços públicos e a
produção do bem comum.
Financiadas com recursos
particulares que têm
legítimos interesses
capitalistas.
Setor Público # Setor Privado:
Características
Organizações Públicas
Organizações Privada
Destinatários
Cidadãos, sujeitos de direitos, e a
sociedade, demandante da produção
do bem comum e do desenvolvimento
sustentável.
Os “clientes” atuais e os
potenciais.
Partes
interessadas
Conceito é mais amplo. Inclui os
interesses de grupos mais diretamente
afetados, mas também o valor final
agregado para a sociedade.
Conceito mais restrito. Inclui
principalmente acionistas, e
clientes.
Lei
Só podem fazer o que a lei permite. A
legalidade fixa os parâmetros de
controle da administração e do
administrador, para evitar desvios de
conduta.
Pode fazer tudo que não
estiver proibido por lei.
Argumento - Premissas
• Dimensões “Cidadão-Usuário” e “Sociedade”
da GC
• Resultados de GC
• Inovação e Políticas Públicas
• Relação entre GC e Iniciativas em Excelência
em Gestão
Argumento - Conclusão
• Modelos construídos para o setor privado não são
adequados para o setor público porque não
consideram as diferenças entre os dois setores nem
as premissas apresentadas
• É necessário construir um modelo genérico, holístico
e específico de GC adequado à administração pública
brasileira
Esboço da Apresentação
•
•
•
•
Por que um Modelo de GC para a APB?
Antecedentes e Propósito do Modelo
Definição de GC na APB
Modelo de GC para a APB
– Principais componentes do Modelo
•
•
•
•
•
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
Viabilizadores
Processos de GC
Ciclo de GC
Resultados
• Outros produtos
3
Modelo IPEA de GC - Antecedentes
•
•
Início da elaboração – Setembro de 2011
APP – Atividade de Pesquisa Programada IPEA – EGC/UFSC
–
–
–
–
•
•
Objetivos
O EGC e o instrumento APP
Workshops
Procedimentos metodológicos
Modelo elaborado para ser aplicado em entidades da
administração pública direta e indireta
Aspectos considerados
–
–
–
Linguagem e conteúdo adaptados à realidade da administração pública
brasileira (APB)
De fácil compreensão e aplicação na APB
Com foco em resultados relevantes para a APB
5
Modelo IPEA de GC - Propósito
• Enfatizar a importância da GC para a excelência em
gestão pública
• Oferecer uma introdução à GC de fácil compreensão
• Destacar fatores críticos de sucesso na
implementação da GC
• Assessorar as entidades da administração pública
brasileira na utilização da GC para alcançar resultados
concretos
6
Esboço da Apresentação
• Antecedentes e Propósito do Modelo
• Definição de GC na APB
• Modelo de GC para a APB
– Principais componentes do Modelo
•
•
•
•
•
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
Aceleradores
Processos de GC
Ciclo de GC
Resultados
• Outros produtos
7
Definição de GC na APB
A Gestão do Conhecimento é um método
integrado de criar, compartilhar e aplicar
conhecimento para aumentar a eficiência;
melhorar a qualidade e a efetividade social; e
contribuir para a legalidade, impessoalidade,
moralidade e publicidade na administração
pública e para o desenvolvimento brasileiro.
8
Definição de GC na APB
A Gestão do Conhecimento é um método
integrado de criar, compartilhar e aplicar
conhecimento para aumentar a eficiência;
melhorar a qualidade e a efetividade social; e
contribuir para a legalidade, impessoalidade,
moralidade e publicidade na administração
pública e para o desenvolvimento brasileiro.
9
Esboço da Apresentação
• Antecedentes e Propósito do Modelo
• Definição de GC na APB
• Modelo de GC para a APB
– Principais componentes do Modelo
•
•
•
•
•
Missão, Visão e Objetivos Estratégico
Aceleradores
Processos de GC
Ciclo de GC
Resultados
• Outros produtos
10
Modelo GC para a Administração Pública
Viabilizadores
Partes
Interessadas
Processos de GC
Aplicar
Identificar
Liderança
RESULTADOS
Pessoas
Compartilhar
Processos
Criar
Armazenar
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
Cidadão – usuário e
Sociedade
CICLO
KDCA
Tecnologia
Modelo de GC para a AP
•
•
O ponto de partida do Modelo de GC é a visão, a missão
e os objetivos estratégicos da organização
GC é um meio para alcançar os objetivos da organização
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
•
Há quatro componentes no modelo
–
–
–
–
Viabilizadores
Processos de GC
Ciclo de GC (KDCA)
Resultados
12
Viabilizadores
• Os viabilizadores ajudam a
viabilizar a implementação da GC
com êxito na organização
• São identificados quatro
viabilizadores:
• Liderança
• Tecnologia
• Pessoas
• Processos
Viabilizadores
Liderança
Tecnologia
Pessoas
Processos
13
Viabilizadores - Liderança
• Dirige a implementação da GC na organização
• Assegura o alinhamento das estratégias e projetos
de GC com a missão e a visão da organização
• Apoia e aloca recursos para a implementação dos
projetos de GC
14
Viabilizadores - Tecnologia
• Acelera o processo de GC por meio de práticas
efetivas de GC cujo foco central é a base tecnológica
e funcional
• Práticas como Comunidades Virtuais e outros
espaços para trabalho colaborativo viabilizam a
participação à distância e em qualquer momento
• Disponibiliza plataforma para a retenção do
conhecimento organizacional
15
Viabilizadores - Pessoas
• Pessoas são ao mesmo tempo usuários e produtores
de conhecimento
• Elas criam e são donas do capital intelectual
• Confiança é um pré-requisito para o
compartilhamento do conhecimento
16
Viabilizadores - Processos
• Passos sociais e tecnológicos que aumentam a
contribuição do conhecimento na organização
• Processos sistemáticos e efetivos podem contribuir
para aumentar a eficiência; melhorar a qualidade e
a efetividade social; e assegurar a legalidade, a
impessoalidade, a moralidade e a publicidade na
administração pública
17
Processos de GC
• Está relacionado aos processos de desenvolvimento
e conversão do conhecimento
• Cinco Processos de GC:
Processos de GC
• Identificar
Identificar
Aplicar
• Criar
• Armazenar
CICLO
• Compartilhar
KDCA
• Aplicar
Compartilhar
Criar
Armazenar
18
Processos de GC - Identificar
• Passo inicial e crucial do processo de GC
• Conhecimento crítico necessário para desenvolver
as competências essenciais da organização é
identificado
• As lacunas de conhecimento na organização são
identificadas neste passo
19
Processos de GC - Criar
• Elimina as lacunas de conhecimento por meio da
conversão do conhecimento e geração do novo
conhecimento
• Há muitas maneiras de criar conhecimento novo:
– Nível individual
– Nível da equipe
– Nível organizacional
20
Processos de GC - Armazenar
• Coleta e preservação do conhecimento
organizacional
• Várias formas de armazenamento
• Conhecimento organizado para permitir
recuperação fácil
21
Processos de GC - Compartilhar
• Troca regular e sustentável de conhecimento
• Promove aprendizagem contínua para alcançar os
objetivos organizacionais
• Confiança e benefício mútuo promove a cultura de
compartilhamento
• Tecnologia pode ser utilizado para aumentar o
compartilhamento
22
Processos de GC - Aplicar
• A utilização e reutilização do conhecimento na
organização
• Traduz conhecimento em ação
• Conhecimento só agrega valor quando é usado para
melhorar o atendimento à população e a prestação
de serviços públicos
23
Ciclo de GC – O Ciclo KDCA
• Os processos de GC são executados no Ciclo de GC
chamado no Modelo de GC para a Administração
Pública de Ciclo KDCA
• Deve ser utilizado na gestão de processos e no
gerenciamento de projetos, programas e políticas
pública para:
•
•
•
•
Aumentar a eficiência
Melhorar a qualidade e a efetividade social
Contribuir para a legalidade, impessoalidade,
publicidade, moralidade e eficiência na administração
pública
Contribuir para o desenvolvimento brasileiro
24
Etapas e Atividades do Ciclo KDCA (*)
1. Caso a meta não tenha sido atingida, a organização corrige eventuais erros
no Processo de GC (identificação, criação, compartilhamento e aplicação do
conhecimento
2. Caso a meta tenha sido alcançada, a organização armazena o novo
conhecimento, por meio da padronização
Corrigir ou
armazenar
Elaborar o
Plano de GC
1. Identificar o conhecimento
relevante para aumentar a eficiência
e/ou melhorar a qualidade ou a
efetividade social
2. Definir a meta de
eficiência/qualidade/efetividade a ser
alcançada com o uso do conhecimento.
3. Definir o método para identificar e
captar (ou criar) o conhecimento
4. Elaborar plano para: i) captar e/ou
criar o conhecimento necessário
para atingir a meta; ii)
compartilhar
tal conhecimento
para que as pessoas da força de
trabalho que irão aplicá-lo possam ter
acesso a ele; iii) aplicação do
conhecimento
Verificar
Executar
1. Verificar se a meta de eficiência / qualidade/ efetividade
social foi alcançada
2. Verificar se o plano de GC foi executado conforme
previsto
1. Educar e capacitar
2. Executar o plano de GC
3. Coletar dados e informações e
aprender com o processo de girar o
ciclo KDCA
(*) Adaptado de BATISTA, Fábio F . Proposta de Modelo de GC com Foco na Qualidade (2008)
25
Ciclo Operacional de GC na AP
Conhecimento nas pessoas e redes
Conhecimento
Captado
Indivíduos
& equipes
gerenciando:
Processos
Projetos
Políticas públicas
Programas
Objetivos
e utilizando o Ciclo
KDCA
Aprendendo
durante
Usando
Conhecimento
Aprendendo
antes
Resultados
Aprendendo
depois
Maior Eficiência
Melhor Qualidade e
Efetividade
Social
Legalidade
Publicidade
Impessoalidade /
Moralidade
Desenvolvimento
Adaptado do Framework da empresa British Petroleum (BP)
26
Resultados Imediatos
 Aprendizagem e Inovação
RESULTADOS
 O Processo de GC e o Ciclo KDCA
viabilizam a aprendizagem e a
inovação em todos os níveis da
organização
 Novos processos, produtos,
serviços, tecnologias e práticas de
gestão pública
 Incremento da capacidade
dinâmica
 Individual (servidor/funcionário
público)
 da equipe
 organizacional
 social
28
Resultados Finais
RESULTADOS
Eficiência
Qualidade
Efetividade Social
Legalidade
Impessoalidade
Publicidade
Moralidade
Desenvolvimento
29
Partes Interessadas
Partes
Interessadas
 Cidadão – usuário
Cidadão – usuário e
Sociedade
 Destinatário dos serviços e das
ações de Estado de uma
organização pública. Pode ser
uma pessoa física ou jurídica.
 Gestão do conhecimento sobre
os cidadãos -usuários para
atender suas necessidades e
expectativas e cumprir a missão
organizacional
29
Partes Interessadas
Partes
Interessadas
 Sociedade
Cidadão – usuário e
Sociedade
 Gestão do conhecimento sobre a
sociedade para promover a
responsabilidade pública,
inclusão social, interação e
gestão do impacto da atuação da
organização na sociedade
29
Modelo GC para a Administração Pública
Viabilizadores
Partes
Interessadas
Processos de GC
Aplicar
Identificar
Liderança
RESULTADOS
Pessoas
Compartilhar
Processos
Criar
Armazenar
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
Cidadão – usuário e
Sociedade
CICLO
KDCA
Tecnologia
Esboço da Apresentação
• Antecedentes e Propósito do Modelo
• Definição de GC na APB
• Modelo de GC para a APB
– Principais componentes do Modelo
•
•
•
•
•
Missão, Visão e Objetivos Estratégicos
Aceleradores
Processos de GC
Ciclo de GC
Resultados
• Outros produtos
10
Método de Implementação da GC - MIGC
MIGC
1ª ETAPA
Diagnosticar
4ª ETAPA
Implementar
2ª ETAPA
Planejar
3ª ETAPA
Desenvolver
Diagnóstico
Diagnosticar
Elaborar Justificativa
Definir Estratégia de GC
Planejar
Identificar Projetos de GC
Estrutura/Práticas/Sensibilização
Elaborar Plano de GC
MIGC
Implementar Projetos Pilotos
Desenvolver
Avaliação de Resultado
Implementar Plano de GC
Enfrentar Resistência
Implementar
Plano de Comunicação
Avaliação Contínua
Sete Critérios de Avaliação da GC
Critério 1.0: Liderança
Critério 2.0: Processos
Critério 3.0: Pessoas
Critério 4.0: Cidadão-usuário
Critério 5.0: Tecnologia
Critério 6.0: Processos de GC
Critério 7.0: Aprendizagem e Inovação
Critério 8.0: Resultados da GC
23
Critério 1.0: Liderança em GC
(1) A organização compartilha o Conhecimento, a Visão e a Estratégia
de GC fortemente alinhados com a visão, missão e objetivos
estratégicos da organização.
(2) Arranjos organizacionais foram implantados para formalizar as
iniciativas de GC (exemplos: Uma unidade central de coordenação da
gestão da informação/conhecimento; Gestor Chefe de Gestão da
Informação/Conhecimento; Equipes de Melhoria da Qualidade;
Comunidades de Prática; e Redes de Conhecimento).
(3) Recursos financeiros são alocados nas iniciativas de GC.
(4) A organização tem uma política de proteção do conhecimento
(exemplos: direitos autorais, patentes e segurança do
conhecimento).
Critério 1.0: Liderança em GC
(6) A alta administração e as chefias intermediárias servem de
modelo ao colocar em prática os valores de compartilhamento do
conhecimento e de trabalho colaborativo. Eles passam mais tempo
disseminando informação para suas equipes e facilitando o fluxo
horizontal de informação entre suas equipes e equipes de outros
departamentos/divisões/unidades.
(7) A alta administração e as chefias intermediárias promove,
reconhecem e recompensam a melhoria do desempenho, o
aprendizado individual e organizacional, o compartilhamento de
conhecimento e a criação do conhecimento e inovação.
(8) A organização tem uma política de proteção do conhecimento
(exemplos: direitos autorais, patentes e segurança do
conhecimento).
Resumo
• O Modelo contempla uma introdução de fácil
compreensão da GC na Administração Pública (AP)
• Destaca fatores críticos para o sucesso da
implementação da GC na AP
• Aprendizagem individual é o fundamento do
desenvolvimento da capacidade, mas a
aprendizagem da equipe e da organização por meio
da colaboração e compartilhamento do
conhecimento tem um impacto maior no alcance
dos objetivos organizacionais
31
Modelo de GC para a Administração
Pública Brasileira
Obrigado!
Fábio Ferreira Batista
Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)
Diretoria de Desenvolvimento Institucional (DIDES)
SBS Quadra 01 Bloco J, Ed. BNDES, Sala 614
Brasília, DF
[email protected]
32

similar documents