Gestão de riscos nas organizações

Report
Brasilia, 30 e 21 de outubro de 2011.
Realização e organização:
TST-Tribunal Superior do Trabalho
Gestão de riscos nas
organizações
Gilmar da Cunha Trivelato
Pesquisador Titular - Fundação Jorge Duprat Figueiredo de
Segurança e Medicina do Trabalho - FUNDACENTRO
Tópicos da apresentação
•
•
•
•
Pressupostos sobre Gestão de Riscos
Conceitos básicos sobre Risco e Gestão de Riscos
Maturidade da gestão de riscos
Situação atual, obstáculos e possíveis avanços na
gestão de riscos em organizações brasileiras
Foco
• Riscos à segurança e saúde dos trabalhadores (SST)
• Organizações produtivas [bens e serviços]
• NAPO_1.wmv
Pressupostos gerais
• Gestão de riscos é uma ação humana
intencional e situada (ocorre num contexto).
• Atividades de gestão de riscos faz parte do
cotidiano de todos os indivíduos, de forma
explícita ou tácita.
• Risco pode ser visto tanto como ameaça ou
oportunidade.
Pressupostos gerais
• Há gestão de riscos, em alguma extensão, em
todas as organizações produtivas, de forma
explícita ou tácita, sistematizada ou não.
• A gestão de riscos é um processo de melhoria
contínua:
– risco zero é uma meta impossível
– Através de uma gestão efetiva pode-se alcançar
níveis de riscos residuais socialmente aceitáveis.
Pressupostos gerais
Evolução das abordagens de gestão de
riscos (SST)
Ações reativas
Ações preventivas localizadas
Ações preventivas sistematizadas
(programas / sistemas)
5
Fundamento básico da gestão de riscos:
Ciclo PDCA proposto por Deming (melhoria
contínua)
P – Plan – Planejar
D – Do – Implementar
C – Check - Verificar
A – Act – Atuar
corretivamente
6
Pressupostos gerais
A efetividade da gestão de riscos é um processo
complexo e interdependente
VONTADE
RECURSOS
CONHECIMENTO
AMBIENTE INTERNO
AMBIENTE
EXTERNO
Centralidade do conceito de risco
“ Sistemas sociais necessitam definir critérios
para permiti-los priorizar suas ações e
desconsiderar aqueles riscos que parecem ser
triviais” – Renn(1992)
Fonte: Renn, Ortwin. “Concepts of Risk: a classification.” In: Social Theories of
Risk. Sheldon Krimsky, Dominic Golding (Eds). Wesport (Connecticut) /
London: Praeger, 1992, Cap. 3.
Conceito de risco
A abordagem do conceito de risco contém três
elementos
• Consequências indesejáveis
• Possibilidade / probabilidade da ocorrência
• Concepção de realidade (objetividade x
subjetividade)
Renn(1992), adaptado
Conceito de risco
Risco é uma representação simbólica (mental)
de uma situação (recorte da realidade),
construída a partir dos conhecimentos,
crenças, práticas, valores e interesses do
indivíduo ou grupo de indivíduos.
Implicação prática para a gestão de gestão de
riscos: necessidade de confrontação das
diferentes representações de risco.
Conceito de risco
Sentido amplo
“é a possibilidade de acontecer algo que irá ter
um impacto sobre os objetivos. Ele é medido em
termos de conseqüências e probabilidade.”
AS/NZS 4360: 2004
Norma australiana / neo-zelandesa de Gestão de Riscos, substituída pela
ISO 31000
11
11
Conceito de risco
“efeito da incerteza nos objetivos”
Nota 1: Um efeito é um desvio do esperado – positivo
e/ou negativo.
Nota 2: Objetivos podem ter diferentes aspectos (tais
como objetivos financeiros, saúde e segurança e
ambientais) e podem ser aplicados em diferentes
níveis (tais como estratégico, em toda organização,
projeto, produto e processo). [grifo nosso]
Descrição de risco [ISO 31000:2009]
RISCO
FONTE DE RISCO
EVENTO
CONSEQUÊNCIA
RISCO = função da probabilidade e gravidade da Consequência
13
Modelo genérico de determinação dos RISCOS
(multicausal)
Como pode
acontecer?
(explicações)
Fontes de
risco
O que pode acontecer?
EVENTO
fatores de risco
Incidentes perigosos
Exposições excessivas
Sobrecargas de
trabalho
CONSEQUÊNCIAS
Impactos sobre a
Segurança e
Saúde dos
Trabalhadores
(Baseado na ISO 31000:2009 + Diagrama de Ishikawa)
14
Avaliação de risco NAPO_2.wmv
RISCO = função da probabilidade e gravidade da Consequência
P
R
O
B
A
B
I
L
I
D
A
D
E
RISCO ELEVADO:
NÃO ACEITÁVEL
RISCO
RISCO BAIXO
ACEITÁVEL
GRAVIDADE
15
Matrizes de Risco: priorizar ações e
subsidiar a tomada de decisão
16
Tratamento / Controle de riscos
[ISO 31000:2009]
Tratamento de riscos: processo de modificar os
riscos.
Controle: medida que está modificando o risco.
Nota 1: os controles incluem qualquer processo, política, dispositivo,
prática ou outras ações que modificam o risco.
Nota 2: Os controles nem sempre conseguem exercer o efeito de
modificação pretendido ou presumido.
Opção: usar a expressão “Prevenção e Controle”
17
Modelo para Controle de Riscos
Diagrama “gravata borboleta”
Fontes de risco
Causa 1
Consequência 1
Consequência 2
EVENTO
Causa 2
Consequência 3
Consequência 4
Causa 3
Controles de
prevenção
Controles de mitigação
e recuperação
(IEC/ISO 31010:2009)
CONTROLE DE RISCOS
Fonte de risco ou Perigo
Risco
Eliminar a fonte/perigo ou risco
Substituir o perigo ou risco
Controle técnico
Controle administrativo
Equipamento de proteção individual
Abordagens para tratamento do riscos
Evitar o risco
Eliminar o risco (remoção da fonte de risco)
NAPO_3.wmv
Redução do risco
Alteração da probabilidade
Alteração da consequência
Compartilhar o risco com outra parte ou partes
(incluindo contratos e financiamento do risco)
Reter o risco (por uma decisão consciente e bem
embasada)
[ISO 31000:2009]
20
Gestão de risco
“atividades coordenadas para dirigir e
controlar uma organização no que se
refere a riscos”
[ISO 31000:2009]
21
Gestão de risco [ISO 31000:2009]
Princípios
Estrutura
Processos
Determinados pelo contexto interno – cultura
recursos da organização e
pelo contexto externo
22
Modelos ou diretrizes para a gestão de riscos
(SST)
Há várias alternativas
• Estabelecidos na legislação de SST
• Acordos ou negociações
• Iniciativas voluntárias
– Programas Setoriais Ex. “Atuação responsável” da
indústria química
– Sistemas corporativos (ex. multinacionais)
– Sistemas de Gestão propostos por organismos
normatizadores ex. BS 8800, OHSAS 18000
– Sistemas de gestão oferecidos por empresas de
consultoria
– Governamentais (ex. VPP – Programa de Proteção
Voluntária – US OSHA)
• Diretrizes da OIT
23
23
Aspectos em comum: estrutura para a gestão
da SST
• Comprometimento da administração
• Política de SST
• Concepção ou revisão da estrutura para a
gestão de riscos (SST)
• Planejamento e implementação
• Acompanhamento (monitoração) e análise
crítica da estrutura
• Revisão periódica
24
24
Aspectos em comum: atividades ou processos
de gestão de riscos
• Definição de critérios/ferramentas e responsáveis
pela avaliação de risco
• Avaliação de riscos (abordagem gradual)
– Identificar riscos
– Analisar riscos
– Julgar e priorizar (valorar)
• Prevenção e Controle / Tratamento de riscos
– Escolha de opções
– Implementação e operação
• Monitoração e ação corretiva
• Comunicação e consulta
25
25
Aspectos em comum: documentação mínima
• Registros das atividades de avaliação /
monitoração de riscos
– Inventário geral de riscos
– Relatórios de avaliações específicas
• Plano/Programa de Prevenção e Controle
de Riscos (pode ser constituído de subprogramas)
26
26
Gestão de Riscos (SST) em organizações de
pequeno porte X grande porte
A proteção da segurança e saúde dos
trabalhadores não pode ser flexibilizada. A
prevenção e controle deve ser compatível
com os riscos existentes em qualquer local
de trabalho.
O que pode ser flexibilizado:
- Estrutura para a gestão
- Documentação (formalização)
27
27
Estágios ou níveis de maturidade da gestão de
riscos (SST) nas organizações
I. Inação, desorganização ou caos.
II. Busca da conformidade legal.
III. Busca da conformidade legal e eficácia
IV. Busca da conformidade legal, eficácia e
redefinição estratégica para o negócio.
28
28
Prevenção de acidentes e doenças relacionadas
ao trabalho X maturidade da gestão de riscos
A redução de acidentes e doenças
relacionadas ao trabalho ocorre de forma
significativa quando uma organização
avança do estágio ou nível de maturidade II
para III.
O que isto significa?
NAPO_4.wmv
29
29
Prevenção de acidentes e doenças relacionadas
ao trabalho X maturidade da gestão de riscos
Mudanças na transição do nível II para III
• Os assuntos de SST passam a ser objeto de
preocupação dos altos executivos, que definem a
política e diretrizes.
• SST planejada, com avaliação de resultados.
• SST integrada aos processos produtivos.
• SST a cargo das lideranças das áreas
operacionais. Os especialistas de SST são
assessores.
• Padrões de avaliação e prevenção/controle de
riscos são mais restritivos que os requisitos legais.
30
30
Situação da gestão de riscos (SST) nas
organizações produtivas brasileiras
Quadro atual – fatores que favoreceram o
avanço (lista não exaustiva)
• Revisões parciais na legislação de SST (trabalhista
e previdenciária)
• Acordos tripartites setoriais
• Adoção de sistemas de gestão voluntários
• Auditorias fiscais estratégicas do MTE
• Intervenção do Ministério Público nos ambientes
de trabalho (investigações, TAC)
• Ações de reparação de danos por acidentes e
doenças do trabalho na Justiça do Trabalho.
31
31
Situação da gestão de riscos (SST) nas
organizações produtivas brasileiras
Quadro atual (não exaustivo)
Houve melhorias, principalmente nas organizações
de médio e grande porte, mas persistem
problemas críticos
• no setor informal e pequenas empresas.
• nas empresas contratadas ou fornecedores de
certas cadeias produtivas.
• no setor público e organizações contratadas.
• no setor de transporte em geral.
32
32
Situação da gestão de riscos (SST) nas
organizações produtivas brasileiras
Quadro atual – obstáculos à gestão de riscos
eficaz (não exaustivo)
Fator cultural –
• pouca importância da SST atribuída pelo Estado,
Empregadores e Trabalhadores.
• Persistência da ênfase na monetização do risco
(adicionais, aposentadoria especial)
• Prevenção baseada em uso de EPI, treinamento e
controle comportamental.
33
33
Situação da gestão de riscos (SST) nas
organizações produtivas brasileiras
Quadro atual – obstáculos à gestão de riscos
eficaz
Legislação de SST (CLT e NRs, Legislação Previdenciária)
• Incompleta, fragmentada, desarmonizada ou
desatualizada tecnicamente
• Requisitos de gestão de SST com ênfase burocrática.
• Desconsidera as diferenças entre os portes das
organizações.
• Falta de representação de trabalhadores por local de
trabalho (independente do empregador, e não CIPA)
34
34
Situação da gestão de riscos (SST) nas
organizações produtivas brasileiras
Quadro atual – obstáculos à gestão de riscos
eficaz
Falta de apoio à pequena e média empresa por
parte do Estado e organizações setoriais.
Falta de profissionais qualificados/competentes, e
não de profissionais legalmente habilitados
Sistemas de gestão voluntários burocráticos,
genéricos, deficientes tecnicamente e sem
avaliação externa independente.
35
35
Situação da gestão de riscos (SST) nas
organizações produtivas brasileiras
Quadro atual – Sugestões de possíveis avanços
na gestão e redução de acidentes e doenças
Revisão da legislação, removendo-se os obstáculos
apontados, com harmonização interministerial.
Desenvolvimento de diretrizes setoriais, com
abordagens tripartites.
Apoio à pequena e media empresa.
Processo de certificação de sistemas de gestão
independente.
36
36
Muito obrigado pela atenção!
Contato:
[email protected]
[email protected]

similar documents