6_-_Infecção_Hospi.. - Webgiz

Report
Profª Emanuelle Ferreira de Souza
O que é Infecção Hospitalar ?
Adquirida após a admissão
do paciente e que se manifeste
durante a internação ou após a
alta, quando puder ser
relacionada com a internação
ou a procedimentos invasivos.
O que é Infecção Hospitalar ?
Toda infecção adquirida
após 72 horas de internação,
quando se desconhece o
período de incubação do
micro-organismo.
O que é Infecção Hospitalar ?
 Aquelas manifestadas antes
de 72 horas de internação ,
desde que esteja relacionada
com procedimentos diagnósticos
ou terapêuticos, realizados
durante este período.
Histórico das Infecções
Hospitalares
Existem inúmeros relatos na literatura
sobre a transmissão de literatura
doenças infecciosas a profissionais da
saúde.
A partir da pandemia de HIV/AIDS
preocupação com a prevenção tornouse mais evidente.
Histórico das Infecções Hospitalares
O atendimento nos Hospitais (século XIX)
Relatório Tenon (1777) no
Hotel-Dieu (Paris):
– Mortos juntos com vivos Mortos
– Sujeira, umidade e pestilência
– Compartilhamento de camas
Histórico das Infecções Hospitalares
– Sarna presente em pacientes,
profissionais de saúde e seus
familiares
– Morriam um a cada quatro pacientes
– Morriam anualmente de 6 a 12% dos
funcionários
– Propostas corretivas que
foram postergadas
Histórico das Infecções Hospitalares
Pioneiro da epidemiologia hospitalar
Ignas Phiilipp Semmelweis
(1818-1865)
Médico obstetra é considerado
o pai do controle de
infecções hospitalares
Histórico das Infecções Hospitalares
Papel das mãos da equipe na
transmissão cruzada das infecções
hospitalares
– Maior incidência na unidade atendida por
médicos
– Afetava indistintamente mães e filhos
– Aumento após início da anatomia
patológica
– Identidade das lesões sugeriam causa
única: parturientes, seus filhos e médico
acidentado
Histórico das Infecções Hospitalares
Lavagem obrigatória das mãos ao
entrar na unidade reduziu sua
incidência
• surtos posteriores identificaram o papel do
paciente contaminado fazendo-o introduzir a
lavagem das mãos entre exames e medidas
de isolamento
• novo surto relacionado a roupas de cama com
secreções purulentas (Semmelweis levou
roupa suja ao diretor, solicitando sua
higienização)
Histórico das Infecções Hospitalares
Guerra da Criméia- Florence
Nightingale (1854-1856)
Situação:
• Doentes deitados no chão sob acúmulos de
palha com uniforme sujo
• Carnes cozidas na própria enfermaria
atiradas em sua direção
• Mortos e detritos acumulados
• Sem sistema de água corrente e esgoto a
céu aberto no porão (sanitário)
• Prostituição das viúvas dos soldados
Histórico das Infecções Hospitalares
Guerra da Criméia- Florence
Nightingale (1854-1856)
Organiza Equipe de Enfermagem
• Utiliza de dados estatísticos para
administração e avaliação de
resultados
• Colchões de palha
• Escovões para limpeza
Continuação:
• Criou a Cozinha (cozinheiros, pratos,
bandejas e talheres) e fez cardápio
dietético
• Construiu caldeira e lavanderia (com
esposas dos soldados)
• Rede de esgoto e água quente nas
enfermarias
• Criou atividades de recreação
Mortalidade institucional: redução
de 20 vezes
Histórico das Infecções Hospitalares
1876 – Joseph Lister
Implementação das
técnicas
de:
anti-sepsia
assepsia
Regulamentação da Prevenção
de Infecção Hopsitalar no Brasil
1983 – Portaria 196 (constitui CCIH)
1987 – Portaria 140 (Cria CNIH)
1988 – Portaria 232 (Oficializa a CNIH
como Programa Nacional)
PRINCIPAIS CONCEITOS EM
INFECÇÃO HOSPITALAR
CONTAMINAÇÃO
Presença transitória de
microrganismos em superfície sem
invasão tecidual ou relação de
parasitismo. Pode ocorrer em
objetos inanimados ou em
hospedeiros.
Ex: Flora transitória das mãos.
PRINCIPAIS CONCEITOS EM
INFECÇÃO HOSPITALAR
COLONIZAÇÃO
Crescimento e multiplicação de
um microrganismo em superfícies
epiteliais do hospedeiro, sem
expressão clínica ou imunológica.
Ex: Microbiota humana normal.
PRINCIPAIS CONCEITOS EM
INFECÇÃO HOSPITALAR
INFECÇÃO
Danos decorrentes da invasão,
multiplicação e ação de produtos
tóxicos de agentes infecciosos no
hospedeiro, ocorrendo interação
imunológica.
PRINCIPAIS CONCEITOS EM
INFECÇÃO HOSPITALAR
INTOXICAÇÃO
Danos decorrentes da ação de
produtos tóxicos que também
podem ser de origem microbiana.
Ex: Toxinfecção alimentar.
PRINCIPAIS CONCEITOS EM
INFECÇÃO HOSPITALAR
PORTADOR
Indivíduo que alberga um
microrganismo específico, sem
apresentar quadro clínico
atribuído ao agente e que serve
como fonte potencial de infecção.
PRINCIPAIS CONCEITOS EM
INFECÇÃO HOSPITALAR
DISSEMINADOR
É o indivíduo que elimina o
microrganismo para o meio ambiente.
Pode se tornar um disseminador
perigoso quando passa a ser fonte de
surtos de infecção. Sendo um
profissional de saúde, deve ser
afastado das atividades de risco até
que se reverta a eliminação do agente.
INFECÇÃO HOSPITALAR (IH)
É aquela adquirida após a
admissão do paciente, que se
manifesta durante a internação ou
após a alta e que pode ser
relacionada com a internação ou
procedimentos hospitalares.
INFECÇÃO COMUNITÁRIA (IC)
Constatada ou em período de
incubação no ato de admissão do
paciente,
desde
que
não
relacionada à internação anterior;
INFECÇÃO COMUNITÁRIA (IC)
Associada à complicação ou
extensão da infecção já presente na
admissão, desde que não haja troca de
micro-organismos;
Em RN, adquirida de forma
transplacentária;
Em RN associadas a tempo de
bolsa rota superior a 24 horas
INFECÇÃO PREVENÍVEL
É aquela em que a alteração de
algum evento relacionado pode
implicar na prevenção da
infecção. Ex: Infecção cruzada.
INFECÇÃO NÃO PREVENÍVEL
É aquela que acontece a despeito
de todas as precauções tomadas.
INFECÇÃO ENDÓGENA
É a infecçào causada pela microbiota
do paciente.
INFECÇÃO EXÓGENA
É a infecção que resulta da
transmissão a partir de fontes
externas ao paciente.
INFECÇÃO METASTÁTICA
É a expansão do agente etiológico
para novos sítos de infecção.
PROGRAMA DE CONTROLE DE
INFECÇÃO HOSPITALAR (PCIH)
Conjunto de ações desenvolvidas
-> redução máxima da incidência
e da gravidade das IH.
COMISSÃO E CONTROLE DE
INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH)
Órgão de assessoria da direção da
instituição composta por
profissionais de nível superior,
formalmente designados,
constituída por:
COMISSÃO E CONTROLE DE
INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH)
- Membros Consultores
(representantes dos serviços médico,
de enfermagem, farmácia hospitalar,
laboratório de microbiologia e da
administração do hospital).
COMISSÃO E CONTROLE DE
INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH)
- Membros Executores
(obedecendo à relação de 2 técnicos
de nível superior-> 200 leitos, sendo
um dos membros preferencialmente da
enfermagem).
COMPETÊNCIAS DA CCIH
Elaborar o Regimento Interno da
CCIH.
Manter e avaliar o PCIH.
Implantar Sistema de Vigilância
Epidemiológica.
Adequar, implementar e
supervisionar normas e rotinas.
Promover educação em serviço.
COMPETÊNCIAS DA CCIH
Implantar política de uso racional de
antimicrobianos.
Cooperar com a ação do órgão de
gestão do SUS.
Interagir com os demais setores e
serviços do hospital.
Aplicar medidas que visem controlar
a IH.
INFECÇÃO HOSPITALAR
Pontos negativos p/ Instituição:
• Aumento
da
letalidade
mortalidade.
• Aumento dos custos com
internação.
• Diminuição da oferta de
leitos à comunidade.
e
a
INFECÇÃO HOSPITALAR
Além de :
• Questões assistenciais, econômicas,
éticas.
• Implicações legais do controle de infecção
hospitalar.
• Considerar crimes de homicídio, lesão
corporal ou ameaça da vida e da saúde.
• Dano à integridade física, sujeito e
reparação, na forma determinada pelo
código civil.
CONTROLE DE INFECÇÃO
HOSPITALAR
COMO PROMOVER?
• Cumprir a Portaria 2616 do Ministério da
Saúde. (Segundo a portaria do Ministério
da Saúde n. 2616, de 1998, todos os
hospitais devem possuir uma Comissão
de Controle de Infecção Hospitalar).
CONTROLE DE INFECÇÃO
HOSPITALAR
COMO PROMOVER?
• A CCIH deve elaborar um programa de
prevenção e controle de infecção
hospitalar, contendo metas prioritárias
de ações preventivas e de controle.
CONTROLE DE INFECÇÃO
HOSPITALAR
COMO PROMOVER?
• Política de recursos Humanos.
• Necessidade da abordagem sobre Controle
de Infecção Hospitalar nos currículos das
instituições de ensino.
• Interação com os serviços.
• Interação com outras comissões.
Controle da Infecção Hospitalar
O governo, através de técnicos da
Vigilância Sanitária, realiza vistorias
nos estabelecimentos de saúde, para
verificação das condições gerais de
funcionamento, inclusive se existe uma
Comissão de Controle de
Infecção Hospitalar (CCIH)
atuante.
Controle da Infecção Hospitalar
Caso não esteja de acordo com
as Normas Sanitárias, o hospital não
recebe a licença de funcionamento
(Alvará Sanitário). Sem ela, o hospital
estará funcionando ilegalmente,
podendo sofrer as penalidades
previstas em lei: advertência,
multa e fechamento.
Cartilha de Infecção Hospitalar
Ministério da Saúde - 2009
A infecção hospitalar pode ser
causada por diversos fatores:
Falta de lavar das mãos.
Internação prolongada.
Procedimentos de risco
realizados no hospital
Uso de antibióticos sem
controle rigoroso
Baixa
resistência
Recomendações
Não assente na
cama do paciente.
Não traga alimentos,
nem se alimente
das refeições do
paciente.
Recomendações
Não traga flores
para pacientes
internados.
(elas podem
transportar
bactérias e
outros Microorganismos).
Recomendações
Evite levar
crianças ao
hospital
para visitar
pacientes.
As bactérias e os micróbios
se
encontram:
Em materiais e
No próprio
corpo do
paciente
Nas mãos
dos pacientes e
dos profissionais
de saúde;
instrumentos
contaminados;
Na água e
nos alimentos
contaminados;
Pacientes internados no CTI, recém-nascidos
prematuros idosos, diabéticos, por portadores de
câncer, HIV soropositivos os e aqueles submetidos a
procedimentos de risco, estão mais sujeitos a
adquirir infecção hospitalar
Síndrome do Inabalável
A cultura existente: “Como sou um
trabalhador da área de saúde, não
corro risco de me acidentar ou me de
contaminar, portanto estou acima do
bem e do mal".
Alguns exemplos de Protocolos
Protocolo das Cores

similar documents