técnicas de alongamento

Report
MAS COMO POSSO SABER AS REFERÊNCIAS DE NORMALIDADE?
Neste material, apresentaremos alguns exemplos de
movimentos articulares e suas amplitudes fisiológicas. Para
estudo mais aprofundado, consulte a TABELA DE ADM’s no
Caderno SESI Ginástica na Empresa, também disponível em
nossa biblioteca na versão PDF.
08/04/2015
1
1
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
Agora que já estudamos diversos conceitos sobre
flexibilidade, é hora de explorar algumas possibilidades
na hora de executar os alongamentos.
08/04/2015
2
2
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
Agora que já estudamos diversos conceitos sobre
flexibilidade, é hora de explorar algumas possibilidades
na hora de executar os alongamentos.
De acordo com a metodologia utilizada, os resultados
dos alongamentos podem ser diferentes. Em seguida
apresentaremos as principais técnicas disponíveis, e
discutiremos seus prós e contras.
08/04/2015
3
3
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
* Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva
08/04/2015
4
4
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
• Passivo – realizado e sustentado por forças externas.
08/04/2015
5
5
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
• Passivo – realizado e sustentado por forças externas.
• Ativo assistido – realizado por forças internas e sustentado por forças
externas.
08/04/2015
6
6
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
• Passivo – realizado e sustentado por forças externas.
• Ativo assistido – realizado por forças internas e sustentado por forças
externas.
• Ativo – realizado e sustentado por forças internas.
08/04/2015
7
7
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
• Passivo – realizado e sustentado por forças externas.
• Ativo assistido – realizado por forças internas e sustentado por forças
externas.
• Ativo – realizado e sustentado por forças internas
• Estático – a articulação é levada ao limite de sua ADM e a posição então é
sustentada por certo período de tempo.
08/04/2015
8
8
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
• Passivo – realizado e sustentado por forças externas.
• Ativo assistido – realizado por forças internas e sustentado por forças
externas.
• Ativo – realizado e sustentado por forças internas
• Estático – a articulação é levada ao limite de sua ADM e a posição então é
sustentada por certo período de tempo.
• Balístico (dinâmico) - movimentos repetidos nos quais o músculo é alongado
e retorna imediatamente à sua posição de repouso através da contração da
musculatura agonista.
08/04/2015
9
9
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
• Passivo – realizado e sustentado por forças externas.
• Ativo assistido – realizado por forças internas e sustentado por forças
externas.
• Ativo – realizado e sustentado por forças internas
• Estático – a articulação é levada ao limite de sua ADM e a posição então é
sustentada por certo período de tempo.
• Balístico (dinâmico) - movimentos repetidos nos quais o músculo é alongado
e retorna imediatamente à sua posição de repouso através da contração da
musculatura agonista.
• FNP – técnicas que utilizam como base as facilitações ao alongamento através
dos reflexos miotático direto (fuso neuromuscular) e inverso (OTG).
08/04/2015
10
10
EXEMPLOS
08/04/2015
11
11
EXEMPLOS
Alongamento Ativo-Assistido Estático
08/04/2015
12
12
EXEMPLOS
Alongamento Ativo-Assistido Estático
08/04/2015
13
13
EXEMPLOS
Alongamento Ativo-Assistido Estático
08/04/2015
Alongamento Ativo Balístico
14
14
EXEMPLOS
08/04/2015
15
15
EXEMPLOS
Alongamento Passivo
08/04/2015
16
16
EXEMPLOS
Alongamento Passivo
08/04/2015
17
17
EXEMPLOS
Alongamento Passivo
08/04/2015
Facilitação Neuromuscular
Proprioceptiva
18
18
COMPARANDO AS TÉCNICAS
• As técnicas de FNP, apesar de oferecerem excelentes resultados
para ganho de ADM, são pouco aplicáveis na rotina do SESI
Ginástica na Empresa. Esta técnica envolve mais riscos por exigir
grande consciência corporal do praticante.
08/04/2015
19
19
COMPARANDO AS TÉCNICAS
• As técnicas de FNP, apesar de oferecerem excelentes resultados
para ganho de ADM, são pouco aplicáveis na rotina do SESI
Ginástica na Empresa. Essa técnica envolve mais riscos por exigir
grande consciência corporal do praticante.
• Vejamos a seguir as principais características dos alongamentos
estáticos e balísticos. O objetivo da tabela que segue não é
provar a superioridade de uma técnica sobre outra, mas
simplesmente oferecer mais segurança para o profissional ao
fazer o planejamento das aulas.
08/04/2015
20
20
ESTÁTICO X BALÍSTICO
08/04/2015
21
21

similar documents