AVALIANDO A AVALIAÇÃO

Report
AVALIANDO A
AVALIAÇÃO
Secretaria Municipal de Educação de
Muritiba
Departamento Pedagógico
O Macaco
CARACTERÍSTICAS:
• Expõe os alunos ao ridículo
• Comenta provas expondo os alunos
• Tenta
aumentar
seu
bom
relacionamento com os estudantes,
provocando gargalhadas.
AVALIAÇÃO:
• Questões
construídas
como
armadilhas, para usá-las contra os
alunos
EFEITOS QUE PRODUZ:
• Consegue uma série de danos aos
estudantes: alguns terão vergonha de
enfrentar novamente os colegas,
outros guardarão a marca daqueles
assuntos
ridicularizados
pelo
professor-macaco.
João-de-barro
CARACTERÍSTICAS:
• Constroem alguma coisa nas mentes e nos
corações de seus alunos
• Percebe a segurança, o interesse e está atento
aos perigos que rondam suas classes.
• Quer deixar algum legado para seus alunos e,
nesse sentido, trabalha.
• Não é o único a construir, sabe da necessidade
da complementaridade de alguns colegas.
AVALIAÇÃO:
• Voltada para a construção de valores e de
cidadania
• Questões que não acabem só com a prova,
mas que se leva para a vida.
• Contempla a realidade do estudante
EFEITOS QUE PRODUZ:
* Produz um efeito benéfico como ponto de
partida para estabelecer os alicerces da
cidadania.
Serpente
CARACTERÍSTICAS:
• Andar solene, olhar aparentemente meigo,
transportando um sorriso estilo Monalisa.
• características de serpente venenosas, enganam
e matam.
• Especialista em elaborar provas-arapuca
AVALIAÇÃO:
• Questões traiçoeiras, retiradas de rodapés de
velhos livros.
• Questões feitas para pegar até os alunos mais
espertos.
• Não verifica se o aluno aprendeu, mas se ele é
capaz de escapar delas.
EFEITOS QUE PRODUZ:
• Trazem pouquíssimas contribuições
formação dos cidadãos.
•Baixa estima dos estudantes
para
a
Castor
CARACTERÍSTICAS:
• Exemplo de trabalho, de avaliação e de
convivência com o meio ambiente.
• Estabelece metas e trabalha para atingi-las.
• Prepara sua turma para enfrentar o inverno no
aprendizado difícil e de baixas temperaturas.
• Não desanima em momento algum
• Lição de Persistência
AVALIAÇÃO:
• Não avalia somente no final, mas a cada
passo do processo de construção do saber
(dique).
EFEITOS QUE PRODUZ:
• A certeza de que os alunos, devido ao avaliar
durante o processo, realmente aprenderam.
Carrasco
CARACTERÍSTICAS:
• Executa, não promove, pelo contrário, elimina.
• Não ensina e fixa sua força na ameaça de eliminação,
tendo a prova como instrumento.
• Não dá oportunidade ao aluno.
• Não constrói um relacionamento com os alunos
• Ensina pouco, aprende quem conseguir correr atrás do
prejuízo e, nas aplicações das provas, processa-se uma
seleção artificial de extermínio.
AVALIAÇÃO:
• Altamente perniciosa
• Descontextualizadas
• Meramente reprodutiva
EFEITOS QUE PRODUZ:
• Resulta na falta de comunicação, de interação com os
alunos, de experiência pessoal. Vive-se a eliminação, não
a construção.
Leão
CARACTERÍSTICAS:
• Este professor só aplica provas, geralmente uma prova durante o bimestre.
• Não gosta de rever questões, sente-se absolutamente tão capaz que não admite
ter errado nas correções que faz. É o todo-poderoso.
• Detesta recuperação.
• Não elogia os alunos. Quando alguém acerta suas provas e tira boas notas não fez
mais do que a obrigação.
• Tira pontos dos alunos e por qualquer razão.
• Suas notas são sentenças, manifestações do poder de conhecimento.
AVALIAÇÃO:
• A avaliação é uma arma agressiva, instrumento de
um poder despótico a serviço de um mestre de
mentalidade autoritária.
• Não equilibrada, somente questões dificílimas.
EFEITOS QUE PRODUZ:
• Não favorece a formação humana.
•Reforça a relação de poder e autoritarismo.
• Traz aos educandos raiva e insatisfação,
não o prazer.
Pavão
CARACTERÍSTICAS:
• Perde a simplicidade no ato de avaliar.
• Confunde clareza com a complexidade de textos.
• Grande esnobador de conhecimento e cultura.
• Requinte de beleza desligado da realidade.
AVALIAÇÃO:
• “Linda”, cheia de citações envolvendo autores
“badalados”.
• Avaliação fora da realidade.
• Favorece a reprodução de uma sociedade elitizada.
EFEITOS QUE PRODUZ:
• Produzem efeitos danosos à sociedade porque, em
vez de facilitar as promoções e os acessos às
informações, impedem definitivamente a ascensão dos
alunos.
• Cria-se uma escola que reprova e exclui e não uma
escola que ensina e promove.
Abelha
CARACTERÍSTICAS:
• Tem grande inteligência e capacidade de adaptação.
• Exige da forma que trabalha.
• Cobra persistência dos alunos,anda pela sala observando os cadernos e os
exercícios feitos, transforma as diferenças numa unidade de aprendizado para todos.
• Apesar de gostar de trabalhar deve ter cuidado para não cair na mesmice.
AVALIAÇÃO:
• Seus alunos não temem as avaliações, por que elas são bem feitas, bem
organizadas, porém são presumíveis.
•Organiza provas de tipos semelhantes, questões quase se repetem e poder ser
perfeitamente esperadas (sobretudo se os alunos consultarem as provas dos anos
anteriores).
EFEITOS QUE PRODUZ:
•.Corre o risco de cair na mesmice.
• Falta de criatividade nas avaliações.
Bicho-preguiça
CARACTERÍSTICAS:
• Desdobra-se em várias escolas e turmas
• Não consegue dar conta do trabalho porque
trabalha demais para se sustentar.
• Sabe o quer fazer, mas é frustrado porque não
pode fazer como deseja.
AVALIAÇÃO:
• Questões livrescas ou copiadas (tirada de livros
ou de bancos de questões da internet, ou ainda
de provas de outras escolas)
EFEITOS QUE PRODUZ:
• .Desestímulo nos estudantes pelo aprender.
• Não favorece ao desenvolvimento do senso
crítico dos estudantes.
(Hamilton Werneck)
WERNECK, Hamilton, Prova, Provão, Camisa de Força da Educação.
Petrópolis (RJ): Vozes, 2002
REFLEXÃO:
• Quais os professores que mais marcaram sua
vida?
• Com que tipo de professor, que acabamos de
ver, vocês os classificariam?
• O que foi ou está sendo ensinado que nunca
foi avaliado e teve ou tem um significado
importante na sua vida?
• Com qual tipo você se identificou? (pode ser
mais de um).
REPENSANDO O
PROCESSO DE AVALIAÇÃO:
A ELABORAÇÃO DE
PROVAS
PROVA,
UM MOMENTO PRIVILEGIADO DE ESTUDO,
NÃO UM ACERTO DE CONTAS.
(Vasco Moretto)
PROVA OPERATÓRIA ou CONSTRUTIVISTA
(MORETTO, 2005)
“NÃO É ACABANDO COM A PROVA ESCRITA
OU ORAL QUE MELHORAREMOS O
PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA
APRENDIZAGEM,
MAS RESSIGNIFICANDO O INSTRUMENTO E
ELABORANDO-O DENTRO DE UMA NOVA
PERSPECTIVA PEDAGÓGICA”
(MORETTO, 2001, p. 9).
“SE TIVERMOS QUE ELABORAR PROVAS,
QUE SEJAM BEM FEITAS, ATINGINDO
SEU REAL OBJETIVO, QUE É VERIFICAR
SE HOUVE APRENDIZAGEM
SIGNIFICATIVA DE CONTEÚDOS
RELEVANTES”
(MORETTO, 2001, p. 96).
CARACTERÍSTICAS
PROVA TRADICIONAL:
- Exploração exagerada da memorização.
- Falta de parâmetros para correção.
- Utilização de palavras de
comando sem precisão
de sentido no contexto.
-
PROVA OPERATÓRIA:
Contextualização.
Parametrização.
Exploração da capacidade
de leitura e escrita do
aluno.
Proposição de questões
operatórias e não apenas
transcritórias.
Pode ser interdisciplinar.
CARACTERÍSTICAS DE PROVAS OPERATÓRIAS
(Moretto)
• CONTEXTUALIZAÇÃO: O TEXTO DEVE
SERVIR DE CONTEXTO E NÃO DE
PRETEXTO.
• PARAMETRIZAÇÃO: INDICAÇÃO CLARA E
PRECISA DOS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO.
CARACTERÍSTICAS DE PROVAS OPERATÓRIAS
(Moretto)
• EXPLORAÇÃO DA CAPACIDADE DE
LEITURA E ESCRITA DO ALUNO:
COLOCAÇÃO DE TEXTOS QUE EXIJAM A
LEITURA, MESMO CURTA, E QUE
PROVOQUEM RESPOSTAS
ARGUMENTATIVAS.
CARACTERÍSTICAS DE PROVAS OPERATÓRIAS
(Moretto)
• PROPOSIÇÃO DE QUESTÕES OPERATÓRIAS
E NÃO APENAS TRANSCRITÓRIAS:
QUESTÕES OPERATÓRIAS SÃO AQUELAS
QUE EXIGEM OPERAÇÕES MENTAIS MAIS
OU MENOS COMPLEXAS.
Princípios Básicos para elaboração da Prova
Operatória
Reconhecimento: exige-se a identificação das propriedades fundamentais dos
objetos de estudo. É uma operação mental de pouca complexidade.
Palavras-chave: Identifique, nomeie, assinale, cite, complete a lacuna,
relacione as colunas.
Compreensão: além da identificação, há a indicação de elementos que dão
significado ao objeto: composição, finalidade, características.
Palavras-chave: Explique, descreva, apresente características, dê o
significado.
Nesses casos há um enunciado relativo ao objeto e uma solicitação de
descrição ou demonstração.
Aplicação: caracteriza-se pela transposição da compreensão de um objeto de
conhecimento. Compreendida uma fórmula ou um conceito eles são aplicados
em situações e em problemas semelhantes.
Palavras-chave: resolva, determine, calcule, aplique, com base no texto...
Há uma situação-problema com parâmetros bem definidos e uma seqüência
lógica a ser seguida
Princípios Básicos para elaboração da Prova
Operatória
Análise: é uma operação mental que parte de um todo para a compreensão de
suas partes.
Palavras-chave: analise, faça uma análise, examine os fatos, decomponha.
Enuncia-se “o todo” a ser analisado, indicam-se parâmetros para a análise e
explicita-se o objetivo da análise.
Síntese: é o inverso da análise, ou seja, relacionam-se diversas partes para
estabelecer as características de um todo.
Palavras-chave: faça uma síntese, generalize, apresente uma frase-síntese.
Há uma apresentação ou indicação das partes e dos elos comuns entre as
partes. Solicita-se com precisão o objetivo de chegada (a síntese).
Julgamento ou avaliação: é o nível de maior complexidade. Nele há emissão
de juízo de valor após análises e/ou sínteses.
Palavras-chave: julgue, justifique, argumente, apresente argumentos contrários
ou favoráveis.
Há a proposição da situação / sentença / fato / discurso, a ser avaliado e a
indicação dos parâmetros para julgamento.
Observemos o exemplo:
QUESTÃO:
“Dê as principais características do povo brasileiro.”
Comentários
• Principais sob que ponto de vista? Seriam físicas, intelectuais, sociais,
psicológicas, ou outras?
• Quantas deverão ser dadas? Se um aluno escrever 3 e outro 6, eles
responderam igualmente ao comando.Terão a mesma nota na questão?
• Esta questão é essencialmente uma questão sem parâmetros para a correção
QUESTÃO:
“Como é a organização das abelhas numa colméia?".
Resposta do aluno: "É jóia!"
A resposta é uma das possíveis, segundo a pergunta. Qual seria, neste caso,
o parâmetro utilizado pelo professor na correção?
Outras respostas são igualmente possíveis para esta pergunta, tais como: "É
maravilhosa", "É espetacular", "É incrível". O que dirá o professor? "O aluno
assistiu à minha aula e deve responder da forma que foi dado".
Observemos o exemplo:
QUESTÃO:
“Cite exemplos de substantivos próprios”
Resposta do aluno: “João, Maria e José”
“Escreva quatro substantivos próprios que iniciam com vogal” - questão
parametrizada.
PROVAS OBJETIVAS
PROVAS OBJETIVAS
• São úteis para avaliar uma grande
extensão
de
conhecimentos
e
habilidades.
• Exigem respostas mais precisas.
• Contempla o conteúdo trabalhado
durante as aulas.
ALGUNS PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO
DAS PROVAS OBJETIVAS
•
•
•
•
Faça uma lista de conhecimentos e habilidades (de diferentes natureza) que deseja
Verificar, de acordo com os objetivos que pretendia alcançar com o ensino e entre
eles selecione o que irá pedir na prova.
Ao definir o número de questões e sua complexidade leve em conta o tempo
disponível para a resolução e a preparação da maioria dos alunos da classe. O
número de questões deve ser adequado para abranger as habilidades e os
conhecimentos desejados, sendo uma amostragem representativa do conteúdo a
ser avaliado.
As questões devem ser distribuídas eqüitativamente quanto ao nível de
dificuldade e agrupadas segundo o assunto e tipo de teste. Agrupe as questões de
mesmo tipo.(lacunas, múltipla escolha, verdadeiro-falso etc) e associe a esse
critério a ordem de dificuldade e a similaridade entre os conteúdos. Isso facilita a
correção e a análise posterior do professor, além de favorecer o desempenho dos
alunos.
Não faça questões encadeadas, onde a reposta de uma é necessária para a
resposta de outra; nem questões que sugiram a respostas de questões posteriores.
Cuidados na elaboração de questões objetivas
PERGUNTAS DE RESPOSTA CURTA
Definir claramente o que se quer verificar:
Exemplo: (Defic.) : Quem foi José Bonifácio?
(Tal pergunta poderia levar a respostas tais como: um homem, personagem da
História do Brasil, etc.etc.).
Exemplo: (Melhorado) : Qual é o nome do personagem da História do Brasil a
quem se deu o título de "Patriarca da Independência? (Aqui a resposta é única e
a pergunta não deixa margem a dúvida)".
Vantagens:
a) São fáceis de elaborar.
b) Dão pouca chance à adivinhação.
Desvantagens:
a) São inadequadas para medir objetivos complexos da aprendizagem.
b) Exigem muita memorização.
c) Se não estão bem construídas, são difíceis de corrigir.
Cuidados na elaboração de questões objetivas
PERGUNTAS DE PREENCHIMENTO DE LACUNAS
Definir o problema ou o que realmente se quer que o aluno demonstre saber.
Exemplo (Defic.) : A população brasileira é constituída por ________________
(O aluno poderia completar: brancos, pretos, mulatos ou ainda velhos, jovens,
crianças, etc.).
Exemplo (Melhorado) : As três principais raças que entraram na formação étnica
da população brasileira foram ___________________________________
(Já o exemplo melhorado não deixa dúvida sobre o que realmente se quer)
Vantagens
a) São fáceis de elaborar.
Desvantagens
a) Exigem muita memorização.
b) Às vezes o aluno consegue completar a frase sem conhecer a resposta, pela
lógica gramatical.
OBSERVAÇÃO: perguntas de resposta curta e de complementação de lacunas não
devem ocupar mais do que 20% das questões de uma prova e devem ser usadas com
parcimônia.
Cuidados na elaboração de questões objetivas
QUESTÕES DE ASSOCIAÇÃO
Os elementos devem se referir ao mesmo assunto ou ter o mesmo tipo de
relação:
Exemplo: (Defic.) : Associe:
Casa
( ) adjetivo
Cassa
( ) advérbio
Faz
( ) homônimo de caça
Ninguém
( ) pronome
Pobre
( ) substantivo
( ) verbo
Exemplo: (Melhorado) : Associe as palavras da 1ªcoluna à sua classificação
gramatical na 2ª coluna, colocando o número correspondente no parênteses.
1ª coluna
2ª coluna
Cabana
Faz
Mas
Ninguém
Pequeno
( ) adjetivo
( ) advérbio
( ) conjunção
( ) interjeição
( ) pronome
( ) substantivo
( ) verbo
Cuidados na elaboração de questões objetivas
QUESTÕES DE ASSOCIAÇÃO
Vantagens
a - Sua formulação é rápida e relativamente fácil, pois o enunciado se resume à
instrução, comum para toda uma série de questões.
b - Ocupam menor espaço numa prova de que em número correspondente de
questões de escolha múltipla.
c - São de resolução rápida (economizam tempo e papel).
Desvantagens
a - Seu emprego é limitado a situações em que há alguma revelação comum a
um conjunto de elementos, pois deve haver sempre a mesma base de
correspondência no interior de cada questão (causa e efeito, agente e ação,
figura e época, etc.).
Cuidados na elaboração de questões objetivas
QUESTÕES DE ESCOLHA DE FALSO OU VERDADEIRO, ALTERNATIVAS
CONSTANTES OU ESCOLHA DUPLA
a) Colocar maior número de afirmações falsas do que verdadeiras.
b) Evitar redigir itens verdadeiros mais extensos que os falsos.
c) Evitar duplas negativas: pois na realidade isso torna a frase positiva.
Exemplo: (Defic. )
( V ) ( F ) Não é impossível existir vida em Marte.
Exemplo: (Melhorado) :
( V ) ( F ) É impossível haver vida em Marte.
Incluir somente uma proposição em cada item para que o aluno não precise se
decidir pela falsidade de uma contra a outra.
Exemplo: (Defic.) :
( V ) ( F ) Duarte da Costa foi um bandeirante que atuou como 2º governador
geral do Brasil.
Exemplo: (Melhorado) :
( V ) ( F ) Duarte da Costa foi o 2º governador geral do Brasil.
( V ) ( F ) Duarte da Costa foi um bandeirante
(a proposição original foi transformada em duas).
Cuidados na elaboração de questões objetivas
QUESTÕES DE ESCOLHA DE FALSO OU VERDADEIRO, ALTERNATIVAS
CONSTANTES OU ESCOLHA DUPLA
Vantagens:
a) São de correção rápida e relativamente fáceis de construir.
Desvantagens:
a) Dificuldade em encontrar algo que seja falso sem deixar dúvidas.
b) Estão sujeitos a só avaliar conhecimentos soltos e desconexos. Oportunizam
50% de chance de acerto ao acaso, o que pode levar o aluno ao acerto sem
que realmente possua aquele conhecimento.
Cuidados na elaboração de questões objetivas
QUESTÕES DE ORDENAÇÃO
Consiste na apresentação de elementos de um conjunto que devem ser
ordenados de acordo com as instruções dadas:
Exemplo: Indique a ordem de proximidade em relação ao sol, numerando os
planetas do mais próximo ao mais distante.
Saturno ( ) Júpiter ( )
Mercúrio ( 1 ) Terra ( ) Vênus ( )
Marte ( )
Plutão ( )
Urano ( )
Netuno ( )
-Para evitar dúvidas quanto ao sentido para que se deseja a ordenação,
apresentar a pergunta com o número 1 já no lugar que lhe corresponde.
- Apresentar pelo menos 3 elementos para ordenar.
- Apresentar os itens usando uma colocação aleatória. Sortear a posição de
cada item na seqüência ou colocá-los em ordem alfabética.
Obs: A correção desse tipo de questão deve ser feita considerando a ordenação
dos pares e não os números ordinais colocados na seriação.
OUTROS INSTRUMENTOS
DE AVALIAÇÃO
Prefeitura Municipal de Muritiba
Secretaria Municipal de Educação
Departamento Pedagógico
Os nov e jeitos mais comuns de av aliar os estudantes e os benefícios de cada um
TIPO
PROVA OBJETIVA
PROVA
DISSERTATIVA
SEMINÁRIO
Série de perguntas
Exposição oral
que exijam
para um público,
capacidade de
utilizando a fala e
estabelecer
materiais de apoio
relações, resumir,
próprios ao tema
analisar e julgar
TRABALHO
EM GRUPO
DEBATE
Atividades de
natureza diversa
(escrita, oral,
gráfica, corporal
etc.) realizadas
coletivamente
Momento em
que os alunos
expõem seus
pontos de vista
sobre um
assunto
polêmico
Desenvolver a
troca, o espírito
colaborativo e a
socialização
Aprender a
defender uma
opinião,
fundamentandoa em
argumentos
Definição
Série de perguntas
diretas, para
respostas curtas,
com apenas uma
solução possível
Função
Avaliar quanto o
aluno apreendeu
sobre dados
singulares e
específicos do
conteúdo
Verificar a
capacidade de
analisar o problema
central, formular
ideias e redigi-las
Possibilitar a
transmissão
verbal das
informações
pesquisadas de
forma eficaz
Vantagens
É familiar às
crianças, simples
de preparar e de
responder e pode
abranger grande
parte do exposto
em sala de aula
O aluno tem
liberdade para
expor os
pensamentos,
mostrando
habilidades de
organização,
interpretação e
expressão
Contribui para a
aprendizagem do
ouvinte e do
expositor, exige
pesquisa e
organização das
informações e
desenvolve a
oralidade
Atenção
Pode ser
respondida ao
acaso ou de
memória e sua
análise não permite
constatar quanto o
aluno adquiriu de
conhecimento
Não mede o
domínio do
conhecimento,
cobre uma amostra
pequena do
conteúdo e não
permite
amostragem
Conheça as
características
pessoais de cada
aluno para saber
como apoiá-lo em
suas principais
dificuldades
Esse
procedimento não
o desobriga de
buscar
informações para
orientar as
equipes. Nem
deve substituir os
momentos
individuais de
aprendizagem
Como mediador,
dê chance de
participação a
todos e não
tente apontar
vencedores,
pois o principal é
priorizar o fluxo
de informações
entre as
pessoas
Elabore poucas
questões e dê
tempo suficiente
para que os alunos
possam pensar e
sistematizar seus
pensamentos
Ajude na
delimitação do
tema, forneça
bibliografia,
esclareça os
procedimentos de
apresentação e
ensaie com todos
os alunos
Proponha
atividades ligadas
ao conteúdo,
forneça fontes de
pesquisa, ensine
os procedimentos
e indique materiais
para alcançar os
objetivos
Defina o tema,
oriente a
pesquisa e
combine as
regras. Mostre
exemplos de
bons debates.
Peça relatórios
sobre os pontos
discutidos. Se
possível, filme
Defina o valor de
cada pergunta e
atribua pesos à
clareza das ideias,
ao poder de
argumentação e à
conclusão e a
apresentação da
prova
Atribua pesos à
abertura, ao
desenvolvimento
do tema, aos
materiais
utilizados e à
conclusão.
Estimule a turma a
fazer perguntas e
opinar
Observe se todos
participaram e
colaboraram e
atribua valores às
diversas etapas
do processo e ao
produto final
Selecione os
conteúdos para
elaborar as
questões e faça as
chaves de
Planejamento
correção. Elabore
as instruções sobre
a maneira
adequada de
responder às
perguntas
Análise
Defina o valor de
cada questão e
multiplique-o pelo
número de
respostas corretas
A interação é um
Desenvolve a
importante
habilidade de
facilitador da
argumentação e
aprendizagem e a
a oralidade e faz
heterogeneidade
com que o aluno
da classe pode ser
aprenda a
usada como um
escutar com um
elemento a favor
propósito
do ensino
RELATÓRIO
INDIVIDUAL
AUTOAVALIAÇÃO
OBSERVAÇÃO
Análise do
Texto produzido
Análise oral ou por
desempenho do
pelo aluno depois
escrito que o aluno faz aluno em fatos do
de atividades
do próprio processo
cotidiano escolar
práticas ou
de aprendizagem
ou em situações
projetos temáticos
planejadas
CONSELHO
DE CLASSE
Reunião
liderada pela
equipe
pedagógica de
determinada
turma
Averiguar se o
aluno adquiriu os
conhecimentos
previstos
Fazer o aluno adquirir
capacidade de
analisar o que
aprendeu
Trocar
informações
Obter mais
sobre a classe e
informações sobre
sobre cada
as áreas afetiva,
aluno para
cognitiva e
embasar a
psicomotora
tomada de
decisões
É possível avaliar
o real nível de
apreensão de
conteúdos depois
de atividades
coletivas ou
individuais
O aluno só se abrirá
se sentir que há um
clima de confiança
entre o professor e
ele e que esse
instrumento será
usado para ajudá-lo a
aprender
Perceber como o
aluno constrói o
conhecimento,
seguindo de perto
todos os passos
desse processo
Favorece a
integração entre
professores, a
análise do
currículo e a
eficácia das
propostas e
facilita a
compreensão
dos fatos pela
troca de pontos
de vista
Não importa se
você é professor
de Matemática,
Ciências ou
Língua
Portuguesa.
Corrigir os
relatórios
(gramática e
ortografia) é
essencial sempre
O aluno só se abrirá
se sentir que há um
clima de confiança
entre o professor e
ele e que esse
instrumento será
usado para ajudá-lo a
aprender
Faça anotações
na hora, evite
generalizações e
julgamentos
subjetivos e
considere
somente os dados
fundamentais no
processo de
aprendizagem
Faça
observações
objetivas e não
rotule o aluno.
Cuidado para a
reunião não
virar só uma
confirmação de
aprovação ou
reprovação
Uma vez definidos
os conteúdos,
Forneça um roteiro de
promova
autoavaliação, com as
atividades que
áreas sobre as quais
permitam à turma
você gostaria que ele
tomar notas ao
discorresse. Liste
longo do processo
conteúdos,
para que todos
habilidades e
consigam redigir
comportamentos
facilmente
Estabeleça
pesos para a
Estabeleça pesos
pertinência da
para cada item a
intervenção, a
avaliar
adequação do
(conhecimento dos
uso da palavra e
conteúdos,
a obediência às estrutura do texto,
regras
apresentação)
combinadas
Veja como cada
Caso a
Se o desempenho
Observe como a
aluno está em
apresentação não
Crie outros
Cada relatório é
não for satisfatório,
garotada trabalha
relação à média da
tenha sido
debates em
um excelente
crie experiências e
– para poder
classe. Analise os
satisfatória,
grupos menores, indicador do ponto
Como utilizar
novos enfoques
organizar
itens que muitos
planeje atividades
analise o filme e em que os alunos
as
que permitam ao
agrupamentos
erraram para ver se
específicas que
aponte as
se encontram na
informações
aluno chegar à
mais produtivos da
a questão foi mal
possam auxiliar no
deficiências e os compreensão dos
formação dos
perspectiva da
formulada ou se é
desenvolvimento
momentos
conteúdos
conceitos mais
aprendizagem dos
preciso retomar o
dos objetivos não
positivos
trabalhados
importantes
conteúdos
conteúdo específico
atingidos
Conhecendo a
Elabore uma ficha
pauta de
com atitudes,
discussão, liste
habilidades e
os itens que
competências que
pretende
serão observadas.
comentar.
Isso vai auxiliar na
Todos devem
percepção global
ter direito à
da turma e na
palavra para
interpretação dos
enriquecer o
dados
diagnóstico dos
problemas
Use esse documento
ou depoimento como
uma das principais
fontes para o
planejamento dos
próximos conteúdos
Compare as
anotações do
início do ano com
as mais recentes
para perceber no
que o aluno
avançou e no que
precisa de
acompanhamento
O resultado final
deve levar a um
consenso em
relação às
intervenções
necessárias no
processo de
ensino e
aprendizagem
Ao tomar
conhecimento das
necessidades do
aluno, sugira
atividades individuais
ou em grupo para
ajudá-lo a superar as
dificuldades
Use essas
reuniões como
Esse instrumento
ferramenta de
serve como uma
autoanálise. A
lupa sobre o
equipe deve
processo de
prever
desenvolvimento
mudanças tanto
do aluno e permite
na prática diária
a elaboração de
como no
intervenções
currículo e na
específicas para
dinâmica
cada caso
escolar, sempre
que necessário

similar documents