Seminario - Abscesso Pelvico - GO

Report
Lucas Almeida Campagnaro
Vitória-ES

Definição:
◦ Coleção de líquido contendo um grande número de
bactérias aeróbicas e anaeróbicas com células
inflamatórias e restos necróticos na cavidade
pélvica.





Apendicite;
Diverticulite;
Doença inflamatória intestinal;
Cirurgia ginecológica e outras
causas obstétricas;
Abscesso tubo-ovariano (TOA);
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

Epidemiologia:
◦
◦
◦
◦
◦
◦
3° a 4° década de vida;
70 % são unilaterais;
2 % das internações em centros ginecológicos;
Mulheres sexualmente ativas;
10-15 % de complicações de DIP hospitalizados;
25% das pacientes com TOA necessitam de
intervenção cirúrgica.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

Princípios da patogênese:
◦ Alteração da microbiota normal da vagina;
◦ Etiologia polimicrobiana (anaeróbios+aeróbios+ microorganismos
facultativos):
 Ressaltar a importância da Chlamydia trachomatis e Neisseria
gonorrhoaea.

Importante:
◦ Paciente em uso de DIU: Actinomyces israelii
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.
Patógeno
Estruturas
vizinhas
Dano e necrose
do epitélio da
trompa
Exsudato purulento
Alteração do
ambiente
Abscesso
Pélvico
Peritonite
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

Semelhantes aos da DIP, são eles:
◦
◦
◦
◦
◦
◦
Múltiplos parceiros sexuais;
História prévia de DST ou DIP;
Imunossupressão;
Uso de DIU;
Baixo nível socioeconômico;
Uso de anticoncepcional oral.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.
JOURNAL OF THE NATIONAL MEDICAL ASSOCIATION
VOL. 78, NO. 10, 1986

São 3 os pilares diagnósticos:
◦ Clínica;
◦ Laboratório;
◦ Imagem.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

Clínica:
◦
◦
◦
◦
◦

Dor abdominal ou dor pélvica - 98%
Febre e calafrios - 50%,
Corrimento vaginal - 28%
Náuseas - 26%
Sangramento vaginal anormal - 21%
Laboratório:
◦ Leucocitose;
◦ PCR elevada;
◦ Achados inespecíficos.
Landers DV & Sweet RL. Tubo-ovarian abscess:
contemporary approach to management. Rev
Infect Dis 1983; 5: 876–884.

Exames de imagem:
◦
◦
◦
◦
USG;
TC;
RNM;
Laparoscopia.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

USG- achados:
◦
◦
◦
◦
Complexo anexial cística;
Paredes com espessura irregular;
Septações hiperecóicos;
Sensibilidade (93%) e especificidade (98,6%)
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

TC – achados:
◦ Paredes espessas císticas;
◦ Massas anexiais com septações;
◦ Processos inflamatórios deslocando anexos.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

RNM – achados:
◦ Massa pélvica com baixo sinal em T1 ;
◦ Imagens heterogêneas com alto sinal em T2.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.
TRANSVAGINAL ULTRASOUND - GUIDED ASPIRATION
FOR TREATMENT OF TUBO-OVARIAN ABSCESS, 2005.
Sonographic and Magnetic Resonance Imaging Findings of Pelvic
Abscess Following Uterine Perforation Sustained During Office
Endometrial Sampling. 2011.
TRANSVAGINAL ULTRASOUND - GUIDED ASPIRATION FOR
TREATMENT OF TUBO-OVARIAN ABSCESS, 2005.
TRANSVAGINAL ULTRASOUND - GUIDED ASPIRATION FOR
TREATMENT OF TUBO-OVARIAN ABSCESS, 2005.

Formas de abordagem:
◦
◦
◦
◦
Antibioticoterapia;
Laparoscopia;
Laparotomia;
Drenagem via USG transvaginal.
PREGNANCIES FOLLOWING ULTRASOUND-GUIDED
DRAINAGE OF TUBO-OVARIAN ABSCESS, 2012.

Antibioticoterapia isolada:
◦ Cobertura ampla para os microorganismos mais
frequentes ( EX.: Bacteroides fragilis, peptostreptococci, gram-negativos
aeróbios, Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae);
◦ Esquema terapêutico tríplice preferencialmente
 ( EX.: Cefalosporina + Gentamicina + metronidazol);
◦ Taxa de sucesso: 87,5%;
◦ Maior chance de recorrência.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

Drenagem via USG transvaginal:
◦ Vantagens:





Minimamente invasivo;
Baixo custo;
Fácil manuseio e menor tempo de execução;
Alta hospitalar e melhora sintomática precoce;
Ausência de anestesia geral.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

Laparoscopia:
◦ Vantagens:
 Visualização direta da patologia;
 Permite decisão terapêutica imediata;
 Pouco agressiva.
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

Laparotomia:
◦ Vantagens:
 Maior campo operatório;
 Indicada em pacientes com instabilidade
hemodinâmica.
◦ Desvantagens:
 Agressiva;
 Maior tempo de internação;
 Dor pós operatória.
PREGNANCIES FOLLOWING ULTRASOUND-GUIDED
DRAINAGE OF TUBO-OVARIAN ABSCESS, 2012.

ATB amplo espectro
isoladamente:

ATB + drenagem
guiada por USG:
◦ 50 % - obtiveram
tratamento bem
sucedido.
◦ 85 % - obtiveram
tratamento bem
sucedido.
Abordagem tipo I
Abordagem tipo II
THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS, 2009.

ATB + Drenagem guiada por USG:
◦ Bem sucedido em 282 pacientes (93,4%);
◦ As demais pacientes (20) foram submetidas a
laparotomia ou laparoscopia.

Causas de falha:
◦ Diagnóstico duvidoso.
TRANSVAGINAL ULTRASOUND-GUIDED ASPIRATION FOR
TREATMENT OF TUBO-OVARIAN ABSCESS: A STUDY OF 302
CASES, 2005.

Critérios de sucesso:
◦ Melhora da dor;
◦ Temperatura e leucometria tendendo à
normalização.

Critérios de alta hospitalar:
◦ Melhora clínica;
◦ Ausência de febre em 24 horas;
◦ USG inocente
TRANSVAGINAL ULTRASOUND-GUIDED ASPIRATION
FOR TREATMENT OF TUBO-OVARIAN ABSCESS, 2005.

Aguda:
◦ Ruptura do abscesso tubo-ovariano:
 Emergência cirúrgica;
 Avaliar possibilidade de cirurgia conservadora;
 Tratamento: Histerectomia total + salpingooforectomia

Tardia:
◦ Infertilidade;
◦ Dor pélvica crônica.
PREGNANCIES FOLLOWING ULTRASOUND-GUIDED
DRAINAGE OF TUBO-OVARIAN ABSCESS, 2012.

TRANSVAGINAL ULTRASOUND-GUIDED ASPIRATION FOR TREATMENT OF TUBOOVARIAN ABSCESS: A STUDY OF 302 CASES; American journal of obstetrics and gynecology
[0002-9378] Gjelland, Knut yr:2005 vol:193 iss:4 pg:1323 -1330.

THE MANAGEMENT OF PELVIC ABSCESS; Baillière's best practice & research. Clinical
obstetrics & gynaecology [1521-6934] Granberg, Seth yr:2009 vol:23 iss:5 pg:667 -678.

PREGNANCIES FOLLOWING ULTRASOUND-GUIDED DRAINAGE OF TUBO-OVARIAN
ABSCESS; Fertility and sterility [0015-0282] Gjelland, K yr:2012 vol:98 iss:1.

OSBORNE N. G. Tubo ovarian abscess: Pathogenesis and management. Journal of the
national medical association, New York, 10, nov. 1886. Vol. 78.

ABU LAFIA O. et al. Sonographic and Magnetic Resonance Imaging Findings of Pelvic
Abscess Following Uterine Perforation Sustained During Office Endometrial Sampling.
JOURNAL OF CLINICAL ULTRASOUND, 11 june. 2011. Vol. 39. NO. 5.

similar documents