as massas de ar

Report
Jaime e Juliano
 Os
sistemas de classificações climáticas (SCC) são
de grande importância, pois, analisam e definem os
climas das diferentes regiões levando em
consideração vários
elementos climáticos ao mesmo tempo,
facilitando a troca de informações e
análises posteriores para diferentes
objetivos.
 Um
dos SCC mais abrangentes é o de
Köppen (KÖPPEN E GEIGER, 1928), que
partindo do pressuposto que a vegetação
natural é a melhor
expressão do clima de uma região, desenvolveu um
SCC ainda hoje largamente utilizado, em sua
forma original ou com modificações.
A classificação foi proposta em 1900 pelo
climatologista alemão Wladimir Köppen, sendo
aperfeiçoada proposta em colaboração com
Rudolf Geiser nos anos 1918, 1927 e 1936.
 As
modificações e críticas ao sistema são
sempre
relacionadas
aos
limites
térmicos/hídricos dos tipos de climas
determinados para diferentes regiões.
 Na
determinação dos tipos climáticos de
Köppen-Geiger
são
considerados
a
sazonalidade e os valores médios anuais e
mensais da temperatura do ar e
daprecipitação.
 Cada
grande tipo climático é denotado
por um código, constituído por letras
maiúsculas
e
minúsculas,
cuja
combinação denota os tipos e subtipos
considerados.
 Contudo,
a classificação de Köppen-Geiger, em
certos casos não distingue entre regiões com
biomas muito distintos, pelo que têm surgido
classificações dela derivadas, a mais conhecida
das quais é a classificação climática de
Trewartha.
A
classificação climática de KöppenGeiger divide os climas em 5 grandes
grupos ("A", "B", "C", "D", "E") e diversos
tipos e subtipos.
 Cada
clima é representado por um
conjunto variável de letras (com 2 ou 3
caracteres) com a seguinte significado:
 Primeira
letra: — uma maiúscula ("A", "B",
"C", "D", "E") que denota a característica
geral do clima de uma região,
constituindo o indicador do grupo
climático (em grandes linhas, os climas
mundiais escalonam-se de "A" a "E",
Equador –Pólo.
 Segunda
letra: — uma minúscula, que
estabelece o tipo de clima dentro do
grupo, e denota as particularidades do
regime pluviométrico, isto é a quantidade
e distribuição da precipitação (apenas
utilizada caso a primeira letra seja "A",
"C" ou "D").
 Nos
grupos cuja primeira letra seja "B" ou
"E", a segunda letra é também uma
maiúscula, denotando a quantidade da
precipitação total anual (no caso "B") ou
atemperatura média anual do ar (no caso
"E");
 Terceira
letra: — minúscula, denotando a
temperatura média mensal do ar dos
meses mais quentes (nos casos em que a
primeira letra seja "C" ou "D") ou a
temperatura média anual do ar (no caso
da primeira letra ser "B").
A: Clima tropical — climas megatérmicos das regiões
tropicais e subtropicais
Af : clima tropical úmido ou clima equatorial
Am: clima de monção
Aw: clima tropical com estação seca de Inverno
As: clima tropical com estação seca de Verão
B : Clima árido — climas das regiões áridas e dos
desertos das regiões subtropicais e de média
latitude
BS : clima das estepes
BSh : clima das estepes quentes de
baixa latitude e altitude
BSk : clima das estepes frias de média latitude e
grande altitude
BW : clima desértico
BWh : clima das regiões desérticas quentes
de baixa latitude e altitude
BWk : clima das regiões desérticas frias das
latitudes médias ou de grande altitude
C : Clima oceânico — climas das regiões
oceânicas e marítimas e das regiões
costeiras ocidentais dos continentes
Cf : clima temperado úmido sem estação
seca
Cfa : clima temperado úmido com Verão
quente
Cfb : clima temperado úmido com Verão
temperado
Cfc : clima temperado úmido com Verão
curto e fresco
Cw : clima temperado úmido com Inverno seco
Cwa : clima temperado úmido com Inverno seco e
Verão quente
Cwb : clima temperado úmido com Inverno seco e
Verão temperado
Cwc : clima temperado úmido com Inverno seco e
Verão curto e fresco
Cs : clima temperado úmido com Verão
seco (clima mediterrânico)
Csa : clima temperado úmido com Verão
seco e quente
Csb : clima temperado úmido com Verão
seco e temperado
Csc : clima temperado úmido com Verão
seco, curto e fresco
D : Clima continental ou climas temperados frios —
clima das grandes regiões continentais de média
e alta latitude
Df : clima temperado frio sem estação seca
Dfa : clima temperado frio sem estação seca e com
Verão quente
Dfb : clima temperado frio sem estação seca e com
Verão temperado
Dfc : clima temperado frio sem estação seca e com
Verão curto e fresco
Dfd : clima temperado frio sem estação seca e com
Inverno muito frio
Dw : clima temperado frio com Inverno seco
Dwa : clima temperado frio com Inverno seco e com
Verão quente
Dwb : clima temperado frio com Inverno
seco e com Verão temperado
Dwc : clima temperado frio com Inverno
seco e com Verão curto e fresco
Dwd : clima temperado frio com Inverno
seco e muito frio
E : Clima glacial — clima das regiões
circumpolares e das altas montanhas
ET : clima de tundra
EF : clima das calotes polares
EM : clima das altas montanhas
Af - clima equatorial húmido - Manaus, AM, Brasil
Am - clima tropical monçônico - Daca, Bangladesh
Aw - clima tropical (chuvas no verão) - Rio de Janeiro, RJ, Ribeirão
Preto, SPBrasil
As - clima tropical (chuvas no Inverno) - João Pessoa, PB, Brasil
BSh - clima semi-árido quente - Múrcia, Espanha, Sertão Brasileiro
BSk - clima semi-árido frio - Medicine Hat, Canadá
BWh - clima árido quente - Phoenix, AZ, EUA
BWk - clima árido frio - Turfan, China, Norte do Chile, Deserto do
Atacama e região central da Patagônia
Csa - clima temperado mediterrâneo, verões quentes (chuvas no
Inverno) - Roma, Itália
Csb - clima temperado mediterrâneo, verões brandos (chuvas no
Inverno) - San Francisco, CA, EUA
Cfa - clima subtropical húmido - Porto Alegre, RS,Maringá, PR, Litoral
de Santa Catarina Brasil
Cwa - clima subtropical/clima tropical de altitude - São Paulo, São
Carlos, Campinas, Franca, SP, Brasil / Belo Horizonte, Sete
Lagoas,Juiz de Fora, Uberaba, Uberlândia, João
Monlevade, Ipatinga, Governador Valadares, MG, Brasil
Cfb - clima temperado marítimo húmido Curitiba, Guarapuava, Ponta Grossa, Palmas, PR, Urupema, São
Joaquim, SC, Caxias do Sul,São José dos Ausentes, Guaporé, São
Francisco de Paula, São José dos Pinhais, Vacaria, Gramado,
e Canela, (RS), Brasil
Cwb - clima temperado marítimo/clima tropical de altitude (regiões
serranas como: Sul de Minas Gerais / regiões serranas de São Paulo
e Rio de Janeiro, região do Caparaó Espírito Santo-Minas
Gerais Brasil) (chuvas no verão) - Campos do Jordão, Bragança
Paulista, Vargem,Joanópolis, Serra Negra SP, Poços de Caldas, Pouso
Alegre, Senador Amaral, Monte Verde, Barbacena (Minas
Gerais), Bueno Brandão,Delfinópolis, Marmelópolis, Wenceslau
Braz, Alto Caparaó, Caparaó, MG, Petrópolis, Teresópolis, Nova
Friburgo, Visconde de Mauá, VarreSai, RJ,Ibitirama, Iúna, Irupi, Dores do Rio Preto, RJ, Muniz
Cfc - clima subártico marítimo húmido - Punta Arenas, Ushuaia, Sul
do Chile
Cwc - clima subártico marítimo (chuvas no verão) - Monte
Dinero, Argentina
Csc - clima subártico marítimo (chuvas no inverno) - Torshavn, Ilhas
Faroé
Dfa - clima continental húmido, verões quentes - Chicago, IL, EUA
Dwa - clima continental, verões quentes (chuvas no verão) Seul, Coréia do Sul
Dsa - clima continental, verões quentes (chuvas no Inverno) Cambridge, ID, EUA
Dfb - clima continental húmido, verões brandos - Estocolmo, Suécia
Dwb - clima continental, verões brandos (chuvas no verão) - Rudnaya
Pristan, Rússia
Dsb - clima continental, verões brandos (chuvas no Inverno) Mazama, WA, EUA
Dfc - clima subártico húmido - Sept-Îles, YellowKnife, Canadá
Dwc - clima subártico (chuvas no verão) - Irkutsk, Rússia
Dsc - clima subártico (chuvas no inverno) - Galena Summit, ID, EUA
 Desenvolvida
pelo
geógrafo
norteamericano Glenn T. Trewartha (1896-1984)
como
um
aperfeiçoamento
da classificação climática de KöppenGeiger
visando obter uma melhor coincidência entre a
vegetação de cada região, como indicador
do bioma nela predominante, e a
classificação climática atribuída
 As
variações cíclicas ao nível do clima terrestre
sugerem a existência de fenômenos periódicos
que regulam e acarretam tais alterações.
 Desde
há cerca de 700 000 anos que o
clima terrestre oscila de uma forma
natural entre períodos relativamente
amenos, como na atualidade, e períodos
mais frios.
A
origem das variações climáticas é um
dos fenómenos geológicos mais difíceis
de explicar, podendo ser abordado em
dois níveis diferentes:
 Por
um lado, importa identificar as
condições que permitiram a alternância
do crescimento e do desaparecimento das
grandes calotes de gelo sobre os
continentes.
 Por
outro lado, é fundamental identificar
as causas imediatas que provocam, num
dado momento, o aparecimento de uma
glaciação ou o recuo dos glaciares e o
modo como se processa este tipo de
variações cíclicas.

a) a posição dos continentes durante a época glaciária;

b) a descida do nível das águas dos oceanos, acompanhada de
um levantamento continental;

c) a intensa actividade vulcânica, que devido à grande
emissão de cinzas vulcânicas pode diminuir a quantidade de
radiação solar que chega à Terra;

d) a diminuição da quantidade de energia solar que alcança a
Terra, devido a fatores astronómicos.
 Os
três primeiros fatores são de natureza
geológica, estando relacionados com os
fenómenos da dinâmica da litosfera, que
são objeto de estudo da Teoria da
Tectónica de Placas.
 Muitos
investigadores sugerem que os
períodos de glaciação ocorreram a partir
do momento em que as placas litosféricas
iniciaram o seu movimento, levando as
massas continentais de zonas tropicais
para posições mais próximas dos pólos.
É
hoje um dado inquestionável que, ao
longo do tempo geológico, a dinâmica da
litosfera foi responsável por muitas
alterações extraordinárias nos padrões
climáticos de muitas regiões à medida
que os continentes se posicionavam em
diferentes latitudes.
 Também
é possível supor a ocorrência de
mudanças ao nível da circulação oceânica
global que terão alterado o transporte de
calor e da umidade e, por conseguinte,
também o clima.
 Propôs,
pelo menos para o último milhão
de anos, uma teoria baseada nos ritmos
astronómicos, que segundo este autor
seriam responsáveis pelas variações
climáticas.
 De
acordo com a teoria deste cientista
jugoslavo, as variações periódicas da
energia solar que é recebida pela Terra,
em especial nas zonas polares, seriam
suficientes para criar no planeta períodos
glaciários e períodos mais amenos ou
interglaciários.
 Estudos
realizados por muitos paleoclimatólogos
sugerem que as variações climáticas estão
associadas de forma direta às mudanças ao nível
da geometria da órbita terrestre, ou seja, ficou
demonstrado que os
ciclos de alterações climáticas podem estar
relacionados com ritmos astronómicos
que condicionam a órbita terrestre, como
os períodos de obliquidade, a precessão e
a excentricidade orbital.
O eixo da Terra completa um
ciclo completo de precessão
aproximadamente a cada
26.000 anos. Ao mesmo
tempo, a órbita elíptica gira,
mais lentamente, levando a
um ciclo de 23.000 anos entre
as estações e da órbita. Além
disso, o ângulo entre o eixo de
rotação da Terra e a perpendicular ao plano de sua órbita passa
de 22,1°
a 24,5°, e novamente em um ciclo de 41.000 anos-, atualmente,
este
 Estes
fenómenos astronómicos afectam,
por exemplo, a duração das estações,
permitindo que o gelo se acumule de um
Inverno para o outro. De uma forma mais
específica,
 "Conclui-se
que as mudanças ao nível da
geometria da órbita terrestre são a causa
fundamental da sucessão dos episódios de
glaciação que ocorreram durante o
Pleistocénico".
 Deste
modo, podemos referir que os
mecanismos associados à dinâmica
terrestre (vulcanismo, \"geometria\" dos
continentes e oceanos), e que são
explicados à luz da Teoria da Tectónica de
Placas,
podem estar ligados às glaciações muito
longas e que não se revestiram de um
carácter periódico, ocorridas em diversos
momentos da História da Terra.
As
monções
são
um
fenômeno típico da região
sul e sudeste da Ásia, onde
o clima é condicionado
por massas de ar que ora
viajam do interior do
continente
para
a
costa,
monção
continental, ora da costa
para o continente,monção
marítima.
 Durante
o verão, que vai de junho a
agosto, o calor aquece rapidamente terra
do continente que absorve calor bem mais
rápido do que o oceano (a terra pode
chegar a 45ºC).
 Com
o aquecimento da terra, as massas
de ar sobre o continente também ficam
mais quentes e sobem dando lugar a uma
rajada de ventos vindos do oceano Índico,
que, como toda massa de ar que se forma
sobre os oceanos, vem carregada de
umidade.
 Após
essa fase úmida, no inverno, ocorre
o inverso, as massas de ar do continente
esfriam mais que as massas oceânicas e é
a vez dos ventos vindos das
cordilheiras
do
Himalaia,
descerem
rapidamente em direção ao Índico,
empurrando as massas úmidas do oceano
para longe e ocasionando um longo
período de estiagem que chega a ceifar
centenas de vidas.
 Dividem-se





Equatorial
Tropical
Subtropical
Oceânico
Continental
em:
– Mediterrâneo
– Desértico
– Semi-Árido
– Frio (subpolar)
– Frio de
montanha
- Durante todo o ano é úmido, com alto índice de
evaporação e altas temperaturas;
- A pluviosidade é alta (chuvas em grande
quantidade), atingindo de 2.000 a 3.000 milímetros
por ano;
- A umidade relativa do ar nas regiões de clima
equatorial
é elevada (média anual de 90%);
- A temperatura média anual
nestas regiões fica em torno de
26°C. Ocorre pouca variação
de temperatura (entre mínima
e máxima) durante o ano.
 Elevada
amplitude térmica (diferença entre
mínima e máxima temperatura do dia). Em
alguns desertos, por exemplo, a temperatura
durante o dia pode chegar em 40°C e a noite
pode cair para -5°C.
 Baixíssimos índices de umidade relativa do ar.
Durante o ano, a média de umidade fica em
torno de 30%.
 Baixíssimo
índice pluviométrico (chuvas) anual.
Na média anual, regiões de clima desértico
possuem índice de chuvas em torno de 200 mm.
Porém, em alguns desertos, pode ficar anos sem
chover.
 São típicos de regiões tropicais e subtropicais do
mundo. Também é conhecido como clima árido.
O
clima no inverno é moderado e o
verão muito quente e seco;
No verão, as temperaturas atingem
30°C, em média. No inverno, as
temperaturas mínimas podem
chegar a 0°C.
O
índice pluviométrico (de chuvas) é
considerado moderado, pois fica entre 500 e
1.000 mm por ano. As chuvas ocorrem de forma
intensa e em maior quantidade no outono e
inverno, mesmo com temperaturas baixas.
 A umidade relativa do ar possui média anual de
75%.
- Praticamente não chove nas regiões de
clima polar. O que ocorre é a queda de
neve, numa quantidade média anual de
150 milímetros.
- A umidade relativa do ar fica em torno de
70% no inverno e 80% no verão.
-
-
No inverno, a temperatura média anual fica em
torno de - 30 C (pode atingir até -60°C). No
verão, a temperatura fica por volta de 4°C.
Os ventos são intensos, cobrindo as regiões de
neve.
- Com o fenômeno do aquecimento global, o
clima nestas áreas tem sido afetado. Placas de
gelo tem se desprendido e observa-se uma
- Nas áreas de clima subtropical o verão costuma ser
curto, porém com temperaturas elevadas. Já o
inverno é bastante rigoroso com baixas
temperaturas.
- No inverno a temperatura média anual fica em
torno de -5°C, enquanto que no verão fica em
torno de 23°C.
- A umidade relativa do ar anual fica entre 60% e
85%.
- Com relação ao índice pluviométrico (chuvas)
anual, podemos verificar que fica entre 500 e
1000 milímetros. É um índice considerado
moderado de chuvas.
- Podem ocorrer geadas nestas regiões durante o
inverno, principalmente em áreas mais altas
- Nas áreas de clima temperado, os verões
costumam ser moderados e os invernos
frios;
- O índice pluviométrico (quantidade
de chuvas) varia entre 1.500 mm e 2.000
mm (média anual);
- Na época do inverno, a umidade relativa
do ar fica em torno de 80%. Já no verão
ela aumenta para cerca de 90%.
- No período do inverno, a média de temperatura
fica em torno de -2°C. No verão, a média sober
para 15°C.
- O clima temperato pode ser subdivido, de acordo
com a região em que atua. Desta forma tempos o
temperado mediterrânico (Roma, Lisboa, Madri,
Santiago do Chile), sutropical úmido (Curitiba,
Porto Alegre, Houston), temperado marítimo
(Prince Rupert, Limoges, Açores), temperado
subártico (Punta Arenas, Monte Dinero),
temperado continental (Moscou e Chicago).
 Pode




ser subdividido em:
Clima Equatorial
Clima tropical seco
Clima tropical de monção
Clima tropical de altitude

Clima Equatorial
 Ocorre
nas regiões próximas a linha do equador.
Alto índice pluviométrico (chuvas), sendo que em
quase todos os meses do ano chove acima de 60
mm.

Clima tropical seco
 Caracterizado
pela ocorrência de uma estação
seca durante o ano. Nesta estação, o índice
médio mensal de chuvas fica abaixo de 60 mm.

Clima tropical de monção
 Ocorrência
de um período do ano em que
o índice de chuvas é muito elevado.
Ocorre principalmente na região leste
do continente africano e sul daÍndia.
Clima tropical de altitude
 Típico
de regiões de altitudes elevadas (serras e
regiões montanhosas). As temperaturas são
semelhantes às do clima subtropical. O índice
pluviométrico mensal é abaixo de 60 mm.
Ocasionalmente, ocorrem geadas nestas regiões.

similar documents