Sist. dispersos

Report
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
Conceito
Tipos
Vantagens
Parâmetros físico-químicos
Tamanho das partículas
Viscosidade
Molhabilidade
Estabilidade
Composição básica
Manipulação de uma suspensão – exemplo
Ensaios
Suspensões de liberação prolongada
Suspensões reconstitutíveis
Manipulação de uma suspensão reconstitutível - exemplo
EMULSÕES e SUSPENSÕES
 SISTEMA HETEROGÊNEO TERMODINAMICAMENTE DESFAVORÁVEL COMPOSTO POR
2 FASES:
o
o
Fase externa (ou contínua ou dispersante): líquida ou semi-sólida
Fase interna (ou dispersa): partículas insolúveis
USOS: oral (hidróxido de alumínio, p. ex.)
tópico (acetato de cortisona, p. ex.)
parenteral (penicilina G + procaína, p. ex.)
Tamanho de partículas:
COLÓIDES
AUTO-SUSPENSÕES
SUSPENSÃO
VERDADEIRA
(-)
ARENOSO
(+)
0,1m
EMULSÕES e SUSPENSÕES
200 m
o
Líquidas ou fluidas
o
Semi-sólidas
o
Consistentes
o
Suspensão extemporânea
EMULSÕES e SUSPENSÕES
o
Úteis para pacientes com dificuldade em ingerir cápsulas e comprimidos
o
Possibilidade de flexibilidade da administração de diferentes doses
o
Permitem manipular drogas insolúveis
o
Mais estáveis em relação às soluções
(menor risco de hidrólise do fármaco)
o
Mascaramento do sabor de alguns P.A.
EMULSÕES e SUSPENSÕES


-
-
1) Tamanho das partículas
- Técnicas para redução
- Homogênea
- Difícil deposição
- Fácil redispersão
- Ausência de aglomerados
(“cristais” e “grumos”)



2. Viscosidade
dificuldade de retirada
dificuldade de manutenção da suspensão




3) Molhabilidade
 Flutuação – agentes molhantes
Ângulo de contato:

OBS. 2: PROPRIEDADES DOS MOLHANTES:
-
CONCENTRAR-SE NA INTERFACE SÓLIDOLÍQUIDO E DIMINUIR O ÂNGULO DE
CONTATO
-
DIFUNDIR-SE RAPIDAMENTE DO LÍQUIDO
PARA A INTERFACE
Obs: partículas com diâmetro menor que 0,3 u
e cuja densidade não difere de 20% da
densidade do veículo, permanecerão em
suspensão devido ao movimento Browniano
4) Estabilidade
↓ ENERGIA LIVRE
- manter-se em suspensão tempo suficiente para administração
- ressuspender quando agitada
SEDIMENTAÇÃO
-Lei de Stokes-
POTENCIAL ZETA ↑: forças de repulsão > forças de atração: as partículas se
dispersam - defloculadas
OBS. 3: FLOCULAÇÃO CONTROLADA  ADIÇÃO
DE AGENTE FLOCULANTE DE CARGA OPOSTA A
DA PARTÍCULA SUSPENSA
POTENCIAL ZETA ↓: forças de atração > forças de repulsão: formação de agregados
não compactos - flocos
EMULSÕES e SUSPENSÕES
P OT ENCIAL ZET A
Suspensões floculadas
P OT ENCIAL DE BARREIRA
X
o
DIST ANCIA DE 1000 A 2000A
defloculadas
FLOCULADAS
DEFLOCULADAS
VELOCIDADE DE
SEDIMENTAÇÃO
rápida
lenta
SOBRENADANTE
límpido
turvo
SEDIMENTO
volumoso
compacto
REDISPERSIBILIDADE
fácil
difícil
EMULSÕES e SUSPENSÕES
o
FÁRMACO (sólido a ser disperso)
- micronizado
o
VEÍCULO
o
ADJUVANTES
Agente molhante
Agente floculante
Agente suspensor
Conservantes
Flavorizantes
Edulcorantes
Corantes
- evitar formação de aglomerado na superfície
- evitar formação de agregados
- aumentar a viscosidade
- retardar a sedimentação
- evitar contaminação e/ou proliferação microbiana
e fúngica
- tornar a formulação mais agradável – aroma,
EMULSÕES e SUSPENSÕES
sabor e cor
Adjuvantes
-Agentes molhantes-Agentes floculantes-
AGENTES
MOLHANTES
AGENTES
FLOCULANTES
o
polissorbatos
o
MYRJS
o
emulsionantes tipo O/A
o
surfactantes
o
polímeros hidrofóbicos
o
argilas
o
eletrólitos
EMULSÕES e SUSPENSÕES
Agentes Suspensores:
(1) para veículos aquosos
(2) para veículos oleosos
GOMA ARÁBICA:
- 5 a 10%
- caráter ácido (pH 2,6 em H2O)
- viscosidade pouco variável
- 1%
ALGINATOS:
- 1 a 5%
- caráter aniônico
- ácido (pH próximo a 5,0)
- utilizados na forma de seus sais sódicos
LANOLINAS
- 5 a 6%
CERAS
POLIETILENO, ÓLEO DE RÍCINO,
MONOESTEARATO DE ALUMÍNIO..
SILICATOS DE ALUMÍNIO:
- 0,5 a 2%
- substâncias alcalinas que tendem a gelificar
CELULOSE MICROCRISTALINA, POVIDONA..
EMULSÕES e SUSPENSÕES
Requisitos para um agente suspensor ideal
o
o
o
o
ser inócuo
não apresentar atividade farmacológica nas concentrações empregadas
apresentar considerável aumento de viscosidade
não alterar as propriedades reológicas do sistema no decorrer do tempo de armazenamento
Escolha do agente suspensor
o
o
o
o
possíveis incompatibilidades
facilidade de preparação
grau de pureza
(uso interno/externo; via de administração)
pH e temperatura de estabilidade
EMULSÕES e SUSPENSÕES
Métodos de produção possíveis
o
o
o
o
o
SÓLIDO + LÍQUIDO
(SÓLIDO + LÍQUIDO) + SUSPENSOR
(SÓLIDO + MOLHANTE) + (LÍQUIDO + SUSPENSOR)
(SÓLIDO + MOLHANTE + SUSPENSOR) + LÍQUIDO
(SÓLIDO + FLOCULANTE + SUSPENSOR) + LÍQUIDO
“Agite antes de usar”
gel  sol
EMULSÕES e SUSPENSÕES
Manipulação de
uma suspensão - exemplo
SUSPENSÃO DE HIDRÓXIDO DE ALUMÍNIO
Hidróxido de alumínio -------------- 8,00g
CMC sódica ----------------------------- 1,00g
Glicerina ------------------------------- 10,00mL
Sacarina sódica ----------------------- 0,20g
Álcool ------------------------------------ 0,20g
Metilparabeno ------------------------ 0,20g
Propilparabeno ----------------------- 0,10g
Água destilada --------- qsp ----- 100,00mL
Essência ----------------------------------- qs
TÉCNICA DE PREPARO:
- dispersar a CMC em cerca de 50mL de água;
- triturar o ativo, adicionar aos 10mL de glicerina e 25mL de água;
- adicionar 1 e 2 aos poucos;
- transferir para cálice e conferir o volume;
- adicionar a essência e os parabenos previamente dissolvidos no álcool, e a sacarina, dissolvida na água;
- acondicionar e rotular.
EMULSÕES e SUSPENSÕES
o
Distribuição de tamanho de partículas
EMULSÕES e SUSPENSÕES
o
Viscosidade
Volume de sedimentação
EMULSÕES e SUSPENSÕES
Ensaios
o
Potencial zeta
EMULSÕES e SUSPENSÕES
Suspensões de
liberação prolongada
o
Pouco sucesso – estabilidade
o
~ comprimidos e cápsulas de liberação prolongada
o
Polistirex de hidrocodona  P.A. adsorvido a uma resina trocadora de íons, vai sendo
liberado pelo processo de troca de íons no tubo digestivo
EMULSÕES e SUSPENSÕES
o
o
o
São formulações de escolha quando não se tem uma boa estabilidade da droga
São comercializadas como misturas secas, requerendo adição de água no momento do
uso
Após a reconstituição têm prazo de validade curto, de 7 a 14 dias em média
“para suspensão oral”
ATRIBUTOS DESEJÁVEIS
- A mistura de pós deve ser uniforme e de concentração adequada de
cada um dos componentes
- Durante a reconstituição, a mistura de pós deve dispersar-se rápida
e completamente no veículo aquoso
- A suspensão deve ser facilmente redispersada e fluida o suficiente
para que se garanta uniformidade na dosagem
- O produto final deve ter uma aparência, odor e sabor aceitáveis
EMULSÕES e SUSPENSÕES
o
Os componentes devem ser adicionados em progressão geométrica
CUIDADOS!!!!!!!!!!
o
Determinar a duração adequada para o tempo de mistura
o
Evitar acúmulo de calor e umidade durante a mistura
o
Limitar as variações de temperatura e umidade (35oC, 40%U.R.)
o
Ao terminar o lote deve ser protegido da umidade
EMULSÕES e SUSPENSÕES
Manipulação de uma suspensão
reconstitutível - exemplo
PÓ PARA SUSPENSÃO EXTEMPORÂNEA DE AMPICILINA
Ampicilina trihidratada ------- 5,77%
Sacarose -------------------------- 60,00g
Alginato de sódio ---------------- 1,50%
Benzoato de sódio --------------- 0,20%
Citrato de sódio ------------------ 0,12%
Ácido cítrico ----------------------- 0,05%
Tween 80 --------------------------- 0,08%
Quando reconstituída tem-se 250mg ampicilina/5mL de suspensão.
EMULSÕES e SUSPENSÕES

similar documents