A despoluição do rio Jundiaí

Report
A despoluição do rio Jundiaí
O processo de criação e implantação
lido nos jornais
Rio Jundiaí na década de 40
Rio Jundiaí em 1947 – Fundos de uma casa na Rua Carlos Gomes
Na década de 70
Década de 80 – cargas da bacia hidrográfica
do Rio Jundiaí
O projeto Cerju
• Nas eleições de 1982 , uma das plataformas do partido vencedor priorizava a despoluição de
rios e ar, extremamente sacrificados pelo crescimento explosivo gerado pelo chamado “milagre
econômico” da década de 70.
•Na época, a bacia do Rio Jundiaí tinha um dos maiores níveis de carga de poluição do país, em
parte pela pequena vazão do rio, aliada ao crescimento populacional e industrial da região.
•A cidade de Jundiaí representava 46,3 % das quase 100 toneladas de carga orgânica lançadas
diariamente no rio.
•A Cetesb desenvolveu uma proposta para todas as cidades e denominou-o Projeto CERJU, para
despoluição do rio.
•
•A idéia era usar de três agentes financiadores para o projeto: o estado, os municípios e as
indústrias.
•Pelo plano, os municípios e as indústrias participariam nos investimentos em proporções
correlatas à carga orgânica e vazão de efluentes.
•O Estado seria financiador dos municípios os quais completariam o aporte de recursos em horas
homem e horas máquina.
A assinatura
Em 1985 foi criada a lei n. 2854, autorizando o convênio entre Estado e os municípios da bacia
para a recuperação do Rio Jundiaí
O início das obras em Jundiaí
Em Jundiaí as obras iniciaram-se em 1985 e o sistema foi constituído basicamente por coletores
tronco, interceptores e emissários ao longo do rio Jundiaí, em suas margens, e de seus
principais afluentes, interligados à rede pública coletora do município, somando uma
extensão aproximada de 52 Km.
O início do término
Por volta de 1992, em Jundiaí a disponibilidade financeira para o projeto não permitia sua
conclusão com a instalação da ETE.
O saldo disponível foi utilizado na contratação do projeto executivo, referenciado ao processo
tecnológico validado pela CETESB.
Para a conclusão do projeto a prefeitura optou por conceder os serviços de tratamento de esgoto
por 20 anos a empresas particulares, em troca da construção e operação da Estação de
Tratamento.
Foram várias discussões e uma audiência pública, em dezembro de 1994, para debates sobre a
instalação dessa estação
Em 1996, a CSJ – Companhia Saneamento Jundiaí venceu a concorrência pública para realizar a
construção da Estação de Tratamento de Esgoto de Jundiaí, inaugurada em setembro de
1998.
Nos demais municípios da bacia seguia-se buscando viabilizar as implantações.
O meio do término
No início de 2000 Jundiaí já havia cumprido o compromisso firmado com o Cerju
e já não poluía mais o Rio
A situação atual em Jundiaí
•A ETE objeto da concessão foi ampliada em 2013 em 25% de sua capacidade.
•O processo de ligar rede intermediárias aos coletores vem seguindo.
•Existe povoação dos rios por pequenas espécies de peixes, como o Jundiá.
•O interceptores principais, instalados há mais de 20 anos começam a ser
substituídos.
•Ainda existem remanescentes de poluição nos rios originados, principalmente, de
ligações clandestinas de esgoto lançados em redes de água pluvial .
•As indústrias tem auditoria permanente da DAE e CSJ (operadora do tratamento de
esgotos)
•Os grandes poluidores industriais da década de 70 e financiadores do projeto não
estão mais em Jundiaí
Futuro
No Plano de Metas da DAE 2013/2016, serão implantadas novas redes coletoras de
esgoto , substituídas parte das existentes e implantados interceptores, junto aos
córregos, nas áreas rurais expandindo a cobertura, que hoje alcança 98 % das
residências.
São estimados investimentos da ordem de 35 milhões de reais para implantação de
cerca de 50 km de redes.
Muito obrigado
Aray Jorge Martinho
Diretor de Mananciais DAE JUNDIAÍ
[email protected]

similar documents