Apresentação Final - Centro de Estudos Sociais

Report
Portugal Nuclear
Física, Tecnologia, Medicina e Ambiente
(1910-2010)
ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO NA INVESTIGAÇÃO
Diana Semblano
Orientação: Dr. Tiago Santos Pereira
Portugal Nuclear
Física, Tecnologia, Medicina e Ambiente
(1910-2010)
 Objetivo e Contextualização do Projeto
 Cronologia
 Atores intervenientes
 Diferentes visões dos atores sobre o Nuclear
 Conclusões
Objetivo do Projeto
 “Explorar as múltiplas dimensões e ramificações da história da investigação nuclear em
Portugal desde 1990 até ao presente.
 O «Nuclear», ou antes, a sua ausência, é um tema recorrente nas narrativas produzidas
sobre a modernidade portuguesa dos últimos cem anos.”
Contextualização do Projeto
 ”A não construção de um reactor nuclear industrial em Portugal tem sido usada uma e
outra vez como prova do atraso tecnocientífico português em relação aos demais países
ocidentais.
 O projeto funda-se numa hipótese alternativa à história das ausências: para compreender
a história contemporânea de Portugal é necessário incluir a história do nuclear. Ao revelar
uma história escondida do Portugal Nuclear, pretende-se explorar a relevância social,
política e económica da investigação nuclear na história do país”.
Fundamento Teórico
Cartografia de
controvérsias
Bruno Latour
Princípios
Observar e Descrever
Debate social
Diferentes visões
“Se a cartografia de controvérsias é complexa, é porque a vida coletiva em si é
complexa” (Tommaso Venturini)
Cronologia
Criação da Junta
Nacional de
Educação (JNE)
1936
1929
Criação do
CEA
(Comissariado
para a Energia
Atómica)
Início da
produção de
concentrados de
óxido de urânio
1947
1951
1940
Constituição da Criação de centros
de estudos
Companhia
Portuguesa de Radium
Criação da Junta de
Educação Nacional
(JEN)
Criação (não oficial) do
Centro de Estudos do
Laboratório de Física
em Lisboa
1948
Criação de uma
comissão para
estudar o
aproveitamento
do urânio
Criação dos
primeiros centros
de estudos de
energia nuclear do
Instituto de Alta
Cultura
Adesão de Portugal à
Agência Internacional
de Energia Atómica
Criação JEN e da
CEEN no Instituto de
Alta Cultura
1954
1952
1953
Criação do Instituto
de Alta Cultura (IAC)
Início do
funcionamento da
CPEEN – Comissão
Provisória de Estudos
de Energia Nuclear
do IAC
1955
Adesão de Portugal à
Sociedade Europeia de
Energia Atómica
Primeiro encontro dos
técnicos portugueses de
Energia Nuclear
Criação da Companhia
Portuguesa de Indústrias
Nucleares, S.A.R.L
Revisão da lei orgânica da
Junta de Energia Nuclear
1958
1957
Adesão de Portugal
à Agência Europeia
de Energia Nuclear
da OCDE
Comissão de
Combustíveis e Centrais
A JEN passa a
Nucleares inicia os
CPR termina a
fazer parte do
estudos visando a
atividade de
Ministério da
fixação de centrais
exploração
nucleares em Portugal Indústria e Energia
mineira
1961
Inauguração
do LFEN
1974
1969
1962
1968
1973
1975
Governo encomenda
à JEN estudos sobre a
programação de uma
central nuclear
Reestruturação do
IAC e extinção da
CEEN
I Encontro de
Política
Energética
Criação da Comissão
de Combustíveis e
Centrais Nucleares
Revisão da lei
orgânica da JEN
“Manifesto sobre política
energética – por um
debate nacional sobre a
energia nuclear”
Suplemento “Pela Vida”
Desmembramento da
JEN e início do LNETI
Extinção da JEN
1977
1976
1978
Reação Popular em
Ferrel
Festival “Pela Vida e
Contra o Nuclear”
I Encontro de Política
Energética
Constituição de uma
Comissão Promotora
do Debate Nacional
sobre a Opção
Nuclear
Concurso para a
construção de
centrais nucleares
Criação da CALCAN
Nomeação da
Comissão Técnica de
Redação do Livro
Branco sobre o
Programa Nuclear
Edição do Livro “O
que é a energia
nuclear:
oportunidades em
Portugal”
IGM desenvolve
estudos sobre os
impactos
correlacionáveis
com a actividade
mineira
1979
Ministérios da
Economia e do
Ambiente
estabelecem um
protocolo para a
recuperação das
minas
abandonadas
Criação da
AZU
1999
1995
IGM e DGA
celebram
protocolo de
cooperação
1998
IGM leva a cabo
um estudo de
Diagnóstico
Preliminar
2002
2001
Programa de
Reabilitação
Ambiental de
Áreas Mineiras
Abandonadas
Dissolução da ENU
Relatório final do
estudo epidemiológico
MinUrar
2007
2004
2003
Arranque do estudo
epidemiológico
MinUrar
2005
Apresentação do Plano
de Recuperação e
Monotorização
Ambiental das áreas
mineiras degradadas
2008
Manifestação dos
antigos trabalhadores
da ENU
Atores Intervenientes
Comunidade de
Investigação Científica
Decisores Políticos
Movimentos
Ambientalistas
Diferentes visões dos atores sobre o Nuclear
Comunidade de
Investigação Científica
Movimentos
Ambientalistas
Aposta no ensino e na
formação de técnicos
através de uma ativa
concessão de bolsas de
estudo no país e no
estrangeiro
“Luta” pela sustentabilidade
ambiental
Decisores Políticos
A não existência de uma
central nuclear considerada
como atraso técnicocientífico português
Comunidade de
Investigação Científica
Movimentos
Ambientalistas
Influencia as decisões
políticas
Lutam pela incerteza
relativamente ao legado da
exploração de urânio para
a saúde pública e para o
ambiente
Decisores Políticos
A política energética nuclear
portuguesa “carrega”
consigo decisões e
indecisões ministeriais
baseadas em informações
fornecidas por especialistas
de diversas áreas
Comunidade de
Investigação Científica
Movimentos
Ambientalistas
Decisores Políticos
Os estudos realizados pelos
diferentes técnicos
considerados essenciais na
tomada de decisão
Constituem-se como
persuasores da opinião
pública
Independência energética
do país com a construção
de uma central nuclear
Conclusões
As histórias são contadas por diferentes prismas
Diferentes níveis de análise na tradução das
perspetivas
Iniciativas: Livro Branco
Políticas Públicas: aposta no ensino/exploração de
conhecimentos
E, por fim, o meu estágio foi…
Experiência
Oportunidade
Estágio
Descoberta
Conhecimento
Obrigada pela atenção
Diana Semblano

similar documents