Passos para o Entendimento e Interpretação de Textos

Report
Hospital Espírita André Luiz
Diretoria de Assistência Espiritual (DAE)
Setor de Evangelização
http://heal.org.br
Belo Horizonte-MG - 2014
EM NOSSO TRABALHO
1
“Porque toda casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus.” – Paulo. (Hebreus 3:4)
O Supremo Senhor criou o Universo, entretanto, cada criatura organiza o seu mundo particular.
O Arquiteto Divino é o possuidor de todas as edificações, todavia, cada Espírito constrói a habitação que lhe é própria.
O Doador dos Infinitos Bens espalha valores ilimitados na Criação, contudo, cada um de nós outros deverá criar valores
que nos sejam inerentes à personalidade.
A natureza maternal, rica de bênçãos, em toda parte constitui a representação do patrimônio imensurável do Poder
Divino e, em todo lugar, onde exista alguém, aí palpita a vontade igualmente criadora do homem, que é o herdeiro de
Deus.
O Pai levanta fundamentos e estabelece leis.
Os filhos contribuem na construção das obras e operam interferências.
É compreensível, portanto, que empenhemos todo o cuidado em nosso esforço individualista, nas edificações do
mundo, convictos de que responderemos pela nossa atuação pessoal, em todos os quadros da vida.
Colaboremos no bem com o entusiasmo de quem reconhece a utilidade da própria ação, nos círculos do serviço, mas
sem paixões destruidoras que nos amarrem às ilhas do isolacionismo.
apresentemos nosso trabalho ao Senhor, diariamente, e peçamos a Ele destrua as particularidades em desacordo com
os seus propósitos soberanos e justos, rogando-Lhe visão e entendimento.
Seremos compelidos a formar o campo mental de nós mesmos, a erguer a casa de nossa elevação e a construir o
santuário que nos seja próprio.
No desdobramento desse serviço, porém, jamais nos esqueçamos de que todos os patrimônios da vida pertencem a
Deus.
Emmanuel
1
XAVIER, Francisco Cândido. Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. Capítulo 71: Em nosso trabalho
“Sem dúvida, ensinar é capítulo importante do nosso
trabalho, que não podemos e nem devemos olvidar.
Imperioso, porém, reconhecer que somente
ensinaremos com segurança aprendendo, por nossa
vez, na escola da disciplina, à frente do Cristo,
submetendo nossa posição inferior ao sopro criativo
de sua bondade e sabedoria.” 1
“Estuda com sinceridade as lições espíritas para libertar-te da
ignorância espiritual. Elas te facultarão largo tirocínio e invejável
campo de liberdade interior, promovendo meios de ação superior
que produz paz e harmonia pessoal. Dir-te-ão o que fazer, como
realizar e porque produzir com eficiência.” 2
1
XAVIER, Francisco Cândido . Instrumentos do Tempo. Pelo Espírito Emmanuel . Capítulo 13: Aprendamos a Obedecer
2
FRANCO, Divaldo Pereira Florações evangélicas. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Capítulo 5: Ilusões
3
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo . Capítulo VI: O Cristo Consolador
Na atualidade, encontramos acessíveis vários textos, exegeses,
obras diversas que trazem reflexões sobre livros e versículos
contidos no Antigo e Novo Testamentos. No entanto, muitas das
“pérolas de Jesus” e outras contidas na Bíblia em geral, não foram
estudadas ou não possuem registros escritos, disponíveis, de seus
estudos.
Desta feita, muitos companheiros anseiam por diretrizes que os
auxiliem ao entendimento mais profundo destas passagens ou
mesmo das que já foram estudadas. Desejam analisá-las e
compreendê-las à luz da Doutrina Espírita, a fim de acessarem o
conteúdo espiritual contido nas Escrituras Sagradas.
Neste caminhar em busca da sabedoria, vamos depreendendo que
são muitas e amplas as possibilidades de entendimento daquelas
passagens, pois cada ser é uma individualidade e traz em si uma
história de vida, com conteúdos desta existência e de outras, que
mesmo sem lembranças precisas, fazem parte de seu espírito
imortal.
Algumas pessoas vislumbram um entendimento literal nas
passagens bíblicas; outras já conseguem, a partir de deduções,
inferir novos conceitos e maior compreensão dos fatos narrados;
outros, ainda, já chegam a se perguntar: o que esta mensagem
quer dizer, ou seja, qual a moral da história? Outros,
mergulhando mais profundamente, conseguem atingir uma
interpretação mística sobre as questões teológicas, ampliando
dia-a-dia, mais e mais, o entendimento. Por analogia, é como se
o estudioso estivesse adentrando um pomar cheio de frutos e
belezas, tendo a possibilidade de ver e se alimentar do que
melhor lhe convier, ou do que conseguir alcançar.
A escolha, com certeza, ficará a critério de cada um, conforme a
condição espiritual e evolutiva daquele que adentra o “santuário”.
E o próprio ser, em momentos distintos, pode igualmente ter
escolhas diferenciadas e, desta forma, conseguir acessar vários
níveis diferentes de interpretação das passagens estudadas.
É importante observar que não se trata de uma questão
temporal ou espacial. O entendimento se processa num
momento espiritual, atemporal. Por vezes vamos
permanecer na superfície, nos satisfazendo com a
compreensão obtida; em outras ocasiões sentiremos a
necessidade do aprofundamento, não necessariamente
conseguindo ir além; em alguns momentos, porém, seremos
capazes de realizar a verdadeira viagem do entendimento
profundo, tendo “olhos de ver e ouvidos de ouvir”.
É que o ato de estudar nos permite acessar a essência
do Evangelho numa dimensão vertical, sujeita a
diferentes graus de imersão. À medida em que o
trabalho prossegue e nos qualificamos em entendimento
e sentimento, vamos acessando a mensagem numa
dimensão mais profunda e rica. Porém, sempre que
sintonizamos com o Evangelho, estamos em sintonia
com o Amor.
“Todos temos necessidade de instrução e de amor.
Estudar e servir são rotas inevitáveis na obra de elevação”.
1
XAVIER, Francisco Cândido. Pensamento e Vida. Pelo Espírito Emmanuel. Capítulo 4: Instrução
O Evangelho é benção para todos os que dele buscam acesso,
“sadios” ou “enfermos”. Sejam estes enfermos do corpo, da
mente, ou do espírito; sejam eles catalogados pela ciência
médica, ou aqueles não descritos na literatura acadêmica.
“Aqui e ali encontramos inúmeros doentes que se candidatam ao
auxílio da ciência médica, mas em toda parte, igualmente, existem
aqueles outros, portadores de moléstias da alma, para os quais há
que se fazer o socorro do espírito. E nem sempre semelhantes
necessitados são os viciados e os malfeitores, que se definem de
imediato por enfermos de ordem moral, quando aparecem”.
Emmanuel 1
1
XAVIER, Francisco Cândido. Bênção de Paz. Pelo Espírito Emmanuel. Capítulo 29: Enfermos da Alma
Na internet e em vários livros, encontram-se coletâneas de
referências que são estímulos ao estudo, ao
aprofundamento, à reflexão. Alguns mais detalhados,
trazendo as observações de autores ou de grupos; num
outro extremo temos as referências ainda em estado bruto,
colocadas tão somente numa lista alfabética, pedindo ao
estudioso que as percorra, que as analise e elabore. Numa
tentativa de se encontrar um ponto mediano surgem os
roteiros de estudo, nos quais o trabalho está para ser feito,
mas contendo sugestões de alguns passos básicos para a
caminhada.
Desta feita, o Setor de Evangelização do HEAL, numa
modesta contribuição, disponibiliza um roteiro de estudos a
seus evangelizadores, como estímulo ao estudo, à reflexão
pessoal e ao aprofundamento das lições de Jesus à luz da
Doutrina Espírita.
Atentemos para o fato de que o roteiro aqui
apresentado é apenas um norte indicador de como
estudar, buscar dados e cruzar informações, pois a
interpretação estará a cargo de cada qual,
fundamentada nas Escrituras Sagradas, nas obras
doutrinárias e na vivência individual, fazendo uma
junção das Três Revelações da Lei Divina: Moisés,
Cristo e o Espiritismo.
“E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e
disse: Entendes tu o que lês? E ele disse: Como poderei
entender, se alguém não me ensinar? E rogou a Filipe
que subisse e com ele se assentasse.”
“Então Filipe, abrindo a sua boca, e começando nesta
Escritura, lhe anunciou a Jesus.” 1
“Encontrei o tesouro da vida, preciso examiná-lo com mais
vagar, quero saturar-me da sua luz, pois aqui pressinto a
chave dos enigmas humanos.
-Quase em lágrimas, leu o Sermão da Montanha, secundado
pelas comovedoras lembranças de Pedro. Em seguida, ambos
passaram a comparar os ensinamentos do Cristo com as
profecias que o anunciavam.” – Estevão 2
1 Atos
dos Apóstolos 8:30-31, 35
2 XAVIER,
Francisco Cândido. Paulo e Estevão . Pelo Espírito Emmanuel. Primeira parte - Capítulo 3: Em Jerusalém
Allan Kardec nos alerta dizendo que o “Espiritismo é a chave
com o auxílio da qual tudo se explica de modo fácil”. 1 Desta
forma, conhecer e destacar os Princípios Fundamentais da
Doutrina e as Leis Morais inseridos nas passagens
evangélicas estudadas, facultarão um maior e mais profundo
entendimento das lições de Jesus.
“Busquemos esclarecimento, mas igualmente o consolo.
Esclarecer é a tarefa de revelar a Doutrina, emitindo seus
postulados básicos e a moral espírita. Consolar é transferir
ânimo, fé, esperança, soerguimento, otimismo”. 2
1
KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. Capítulo 1, item 5
2
SIGNATES, Luiz. Caridade do Verbo: método e técnicas de exposição doutrinária espírita
Jesus, a porta. Kardec, a chave. Emmanuel 1
Não podemos deixar de registrar como fonte de pesquisa
as obras codificadas por Allan Kardec, que devem permear
os estudos à luz da Doutrina Espírita.
Destacamos “O Evangelho Segundo o Espiritismo, com as
explicações das máximas morais do Cristo em
concordância com o Espiritismo e suas aplicações às
diversas circunstâncias da vida”, livro base de nossos
estudos, e que contém explicações “das passagens
obscuras e o desdobramento de todas as consequências,
tendo em vista a aplicação dos ensinos a todas as
condições da vida. [...] Um código de moral universal, sem
distinção de culto”. 1
1
XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Opinião Espírita. Pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz. Capítulo 2: O Mestre e o apóstolo
2
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Introdução
AO INICIAR SUA PESQUISA, ORE, ELEVE-SE
“Em Ávila, [...] nunca nos reunimos no culto doméstico
sem suplicar o socorro da inspiração divina. [...] Meu
tutor asseverava que devemos fazer o estudo evangélico não
apenas com as nossas malícias e necessidades humanas, mas
com o auxílio silencioso e invisível do Céu!...
[...] Chegamos à conclusão de que o Evangelho, em sua expressão
total, é um vasto caminho ascensional, cujo fim não poderemos
atingir, legitimamente, sem conhecimento e aplicação de todos os
detalhes. Muitos estudiosos presumem haver alcançado o termo da
lição do Mestre, com uma simples leitura vagamente raciocinada.
Isso, contudo, é erro grave. A mensagem do Cristo precisa
ser conhecida, meditada, sentida e vivida. Nesta ordem
de aquisições, não basta estar informado.” 1
1
XAVIER, Francisco Cândido. Renúncia. Pelo Espírito Emmanuel. Parte 2, capítulo 3: Testemunhos de fé
Se a mensagem precisa ser conhecida e meditada, a Doutrina
Espírita nos oferece extensos recursos para isso; se precisa
ser sentida e vivida, a caridade é virtude essencial; não é por
acaso que os Espíritos ensinam que “a caridade é a fonte de
todas as virtudes”, e que “fora da caridade não há salvação”;
logo, não basta estar informado... É necessário esforço de
auto-iluminação.
“No complexo das vidas diversas, o estudo
prepara; todavia, somente a aplicação sincera
dos ensinamentos do Cristo pode proporcionar a
paz e a sabedoria, inerentes ao estado de plena
iluminação dos redimidos”. 1
1 XAVIER,
Francisco Cândido. O Consolador. Pelo Espírito Emmanuel. Questão 228
“Existe diferença entre doutrinar e evangelizar?”
“Há grande diversidade entre ambas as tarefas. Para
doutrinar, basta o conhecimento intelectual dos
postulados do Espiritismo; para evangelizar é necessário
a luz do amor no íntimo. Na primeira bastarão a leitura e o
conhecimento; na segunda, é preciso vibrar e sentir com o
Cristo. Por estes motivos, o doutrinador muitas vezes não
é senão o canal dos ensinamentos, mas o sincero
evangelizador será sempre o reservatório da verdade,
habilitado a servir às necessidades de outrem, sem privarse da fortuna espiritual de si mesmo.” 1
1
XAVIER, Francisco Cândido. Opinião Espírita. O Consolador. Pelo Espírito Emmanuel. Questão 237.
Os mentores espirituais do HEAL deixaram registrado, nos estatutos,
desde 1949, que era preciso “fazer compreender aos
sofredores do mundo os motivos de suas dores e levar
os que se queixam à conformação mediante o
reconhecimento de suas dores [...].” 1
“A veiculação da mensagem do Evangelho, ao nível do conhecimento
espírita, atingirá as fibras mais íntimas do enfermo mental, sugerindo e
predispondo-o a uma proposta de vida capaz de determinar a superação de
seus males, pelo leque de esperanças que se abre para ele próprio e
familiares. A identificação de fatores que explicam as razões de sua
enfermidade e de esclarecimento que proporcionem a adoção de um modo
de viver, em plano de maior autenticidade e segurança, são componentes
capazes de levá-lo a compreender em padrões de praticidade os vastos
potenciais contidos na afirmativa evangélica: ‘bem aventurados os que
choram’...” 2
1
SCHEILLA, ANDRÉ LUIZ, JOSEPH GLEBER FRITZ SCHEINEL (ESPÍRITOS). Diretrizes traçadas para elaboração do estatuto do Hospital
Espírita André Luiz. Belo Horizonte: Acervo GFIL, 1949. In: VALLE, L. R. História de Formação do HEAL
2
ABREU, Honório. O Evangelho e a instituição de saúde mental. Anais do IV ENESAM. Desafios em saúde mental: contribuições da
terapêutica espírita. 2 ed. Belo Horizonte: Fonte Viva, 1996.
O EVANGELIZADOR
“O evangelizador é um tarefeiro voluntário, que pode ser comparado a um
instrumento hábil a levar àqueles que se encontram momentaneamente na
obscuridade espiritual ensinamentos evangélicos clareados pela luz do
espiritismo e que funcionam como ferramentas para o despertar da
consciência. O cooperador que opera ao influxo das recomendações do
Evangelho agirá em um circuito vigoroso das vibrações afetivas, como
instrumento desativador dos reflexos negativos que prevalecem no espelho
mental desses pacientes. Agindo com paciência, cultivando, sem afetação,
no terreno da simpatia e buscando a sensibilização para novos padrões de
conduta, auxiliará o enfermo na luta para identificação dos elementos que
possam levá-lo ao reexame de seus conceitos e ajudá-lo no esforço de
desagregação das cristalizações doentias que cultiva no recôndito da alma
[...].” 1
1ABREU,
Honório. O Evangelho e a instituição de saúde mental. Anais do IV ENESAM. Desafios em saúde mental: contribuições da
terapêutica espírita. 2 ed. Belo Horizonte: Fonte Viva, 1996.
“Enquanto o espírito do homem se engolfa apenas em cálculos e
raciocínios, o Evangelho de Jesus não lhe parece mais que
repositório de ensinamentos comuns; mas, quando se lhe
despertam os sentimentos superiores, verifica que as lições do
Mestre têm vida própria e revelam expressões desconhecidas da
sua inteligência, à medida que se esforça na edificação de si
mesmo, como instrumento do Pai. Quando crescemos para o
Senhor, seus ensinos crescem igualmente aos nossos olhos.
Vamos fazer o bem, meu caro! Encha seu cálice com o bálsamo
do amor divino.” Narcisa 1
 O benefício do estudo do Evangelho para o próprio evangelizador:
 a experiência com o roteiro e a preparação antes do estudo na
ala;
a transformação ocorrida em cada membro da equipe;
a própria transformação daquele que prepara o estudo, que pode
ser “tocado” pelo Evangelho (“expressões desconhecidas da sua inteligência”).
1
XAVIER, Francisco Cândido. Os mensageiros. Pelo Espírito André Luiz . Capítulo 1: Renovação
Um manancial de informações e bênçãos será encontrado,
conforme sua pesquisa e o material disponíveis. Extraia o
que for necessário à sua individualidade e ao estudo a ser
desenvolvido. Não exagere no detalhamento para a
construção final, para não se perder em meio a tanta
informação. Lembre-se: a cada dia um aprendizado novo.
Um desafio de capacitar
nosso sentimento e de
sensibilizar nossa razão
ROTEIRO DE ESTUDOS DO EVANGELHO À LUZ DA DOUTRINA ESPÍRITA
ASSUNTO
DELIMITAÇÃO DO ASSUNTO
Perguntas-chaves
Ideia-mãe
PESQUISA EXPLORATÓRIA
BIBLIOGRÁFICA
LEITURA GLOBAL DO MATERIAL
ENCONTRADO
LEITURA SELETIVA E DETALHADA
Técnicas de leitura
Sugestões para o entendimento do Evangelho
Identificação dos Princípios Fundamentais da Doutrina Espírita,
das Leis Morais e de temas correlatos
ANÁLISE DO SENTIDO GERAL E
PARTICULAR
Extrair o “espírito da letra”
Situar-se na mensagem
Identificar as características de que se revestem as expressões
e palavras
Verificar o contexto à época de Jesus
Analisar o texto com razão e sentimento
CRUZAMENTO DAS INFORMAÇÕES
ESCUTA ÍNTIMA, SOMADA ÀS
INTUIÇÕES
REFLEXÕES PESSOAIS
CONSTRUÇÃO DE ESQUEMA
 DEFINIÇÃO DO ASSUNTO
O assunto nos vem por escolha própria, quando nos
dispomos a melhor compreender uma temática, ou é
dado por terceiros, por um cronograma de estudos,
definido pela coordenação da tarefa à qual estamos
ligados, ou mesmo para uma palestra a ser
apresentada ou para a redação de um artigo.
 DELIMITAÇÃO DO ASSUNTO
Um assunto pode conter muitas informações diferentes,
sendo possível abordá-lo por vários pontos de vista; mas
lembre-se de que estamos estudando a temática à luz da
Doutrina Espírita, e que, por isso, os pontos capitais do
Espiritismo devem ser destacados.
Muitas vezes, a forma de abordá-lo, ou seja, a delimitação,
somente virá após o levantamento bibliográfico. No
entanto, é preciso uma pequena prévia, pois o assunto
pode ter muitas nuances de pesquisa...
A delimitação é conhecida por algumas pessoas como
“ideia-mãe”.
 PESQUISA EXPLORATÓRIA BIBLIOGRÁFICA
Nessa etapa será feita a compilação de referências bíblicas,
doutrinárias e subsidiárias, assim como acréscimos de
informações conceituais, filosóficas e gerais, de forma metódica e
disciplinada, a fim de selecionar textos para posterior
detalhamento.
Para facilitar essa busca, identifique o eixo central do assunto:
qual o principal tópico discutido? Defina palavras ou expressõeschaves. Elas facilitarão a busca por citações correlatas para uma
maior compreensão da temática.
Utilize também dicionários bíblicos, filosóficos, de língua
portuguesa, livros de gramática e internet; o acesso a estudos
prontos, artigos, palestras em websites deve ser feito de forma
criteriosa e crítica, analisando possíveis incoerências ou
contradições doutrinárias; já nos exortava Paulo de Tarso:
“Examinai tudo. Retende o bem”. 1
1
I Tessalonissense 5:21
 LEITURA GLOBAL DO MATERIAL ENCONTRADO
É necessário conhecer todos os textos pesquisados. De
acordo com a extensão da pesquisa realizada, essa pode
ser a tarefa mais exaustiva, mas possibilitará a seleção e
o detalhamento nas próximas etapas. Neste momento,
aproveite para fazer algumas marcações sinalizando
aqueles textos que mais lhe chamem à atenção,
reduzindo assim, consideravelmente, os textos
anteriormente escolhidos.
 LEITURA SELETIVA E DETALHADA
Após a leitura global, é momento de trabalhar com a préseleção feita, ou seja, com os textos e trechos específicos
que se encontram em conformidade com a delimitação.
Existem algumas técnicas de leitura que podem auxiliar:
• Técnica da leitura repetida;
• Técnica da leitura sublinhada;
• Técnica da leitura com resumo;
• Técnica com leitura comentada (analisada, interpretada).
“São formas de exercitar o pensamento e interiorizar o
assunto”. 1
1 SIGNATES,
Luiz. Caridade do Verbo: método e técnicas de exposição doutrinária espírita
TÉCNICAS DE LEITURA
• Leitura repetida: ler diversas vezes e com atenção,
anotando idéias interessantes contidas nos textos;
• Leitura sublinhada: leitura inicial para análise global e, em
seguida, sublinhando as palavras e frases chaves do texto;
• Leitura com resumo: após compreender o sentido global e
conhecer as ideias desenvolvidas no texto, faz-se um resumo
do mesmo;
• Leitura comentada: após identificar as idéias principiais do
texto/autor, fazer comentários fundamentado por outros
estudos.
Faça sua escolha.
SIGNATES, Luiz. Caridade do Verbo: método e técnicas de exposição doutrinária espírita
ALGUMAS SUGESTÕES PARA QUEM BUSCA
ENTENDER O EVANGELHO
• Assim como na lavoura, antes do plantio, o agricultor necessita
arar a terra para depositar a semente; o nosso crescimento em
entendimento e moral depende de boa vontade e trabalho. Muitas
vezes, o mais difícil é começar.
• Uma parte substancial do Evangelho só está acessível ao nosso
coração. Para alcançá-la, é fundamental o trabalho de vivência da
Boa Nova. Trabalho que qualifica o sentimento.
• Ao estudar, procure fazer questionamentos. O ato de perguntar e
procurar encontrar respostas direciona o estudo e desenvolve a
capacidade de análise crítica.
• Procure contextualizar a passagem estudada em sua própria
vida; depois será necessário contextualizar em relação ao
momento do público a quem se destina o estudo. Para cada
público existe uma abordagem mais apropriada.
 Procure identificar os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
DA DOUTRINA ESPÍRITA que se correlacionam com o
assunto.
Recordando-os: Deus, Jesus, Espírito, Perispírito,
Evolução, Livre Arbítrio, Causa e Efeito (Ação e Reação),
Reencarnação, Pluralidade dos Mundos Habitados,
Imortalidade da Alma, Vida Futura, Plano Espiritual,
Mediunidade, Influência dos Espíritos em Nossas Vidas,
Ação dos Espíritos nos Fenômenos da Natureza. 1
Destaque o(s) que mais se evidencia(m) na passagem
em estudo.
1
Obs.: destacamos 15 princípios fundamentais ou básicos seguindo a linha precursora de estudos realizados na União Espírita
Mineira e Grupo Espírita Emmanuel, em Belo Horizonte.
 Verifique a existência no assunto estudado das LEIS
MORAIS, como apresentado na Parte Terceira de “O
Livro dos Espíritos”.
Recordando-as: Lei de Adoração; Lei do Trabalho; Lei de
Reprodução; Lei de Conservação; Lei de Destruição; Lei
de Sociedade; Lei do Progresso; Lei de Igualdade; Lei de
Liberdade; Lei de Justiça, de Amor e de Caridade.
Destaque a(s) que mais se evidencia(m) na passagem
em estudo.
Aproveite para ler os capítulos acerca da Lei Divina ou Natural e
da Perfeição Moral, em “O Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec e
a obra “Leis Morais da Vida”, psicografia de Divaldo Pereira
Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis.
 Verifique a existência de TEMAS correlatos que
possam ser aplicados no assunto estudado.
Podem ser sugeridos os seguintes temas: Anjos
guardiões, Caridade, Casa mental, Família, Fé,
Humildade, Paciência, Perdão, Prece, Reforma
Íntima, Relações Afetivas etc.
 ANÁLISE DO SENTIDO GERAL E PARTICULAR
• Analise o sentido geral e particular da passagem em
análise.
• Procure extrair o “espírito da letra” (II Cor 3:6), ampliando
ainda mais o entendimento. Lembre-se de que Jesus usava
muitas alegorias para ensinar.
• Situe-se na mensagem para exemplificá-la. Busque um
acesso a aplicações práticas do dia-a-dia.
• Identifique características de que se revestem as
expressões e as palavras. Tente encontrar palavras
indicadoras de lugar (e aspectos geográficos); ambiente
(físico ou psíquico); época (e aspectos históricos); tempo
(dia, hora, circunstâncias); atitudes e gestos; ação; demais
termos, observado o seu sentido no texto. 1
1
UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA. O Evangelho: Como, porque e para que estudá-lo à luz da doutrina espírita. Série Evangelho e
Espiritismo, vol. 5, 1981
• Verifique o contexto à época de Jesus, relativo à passagem
em estudo.
• Leia a passagem bíblica anterior à estudada; ela sempre
dará uma ideia do contexto.
• Busque outras referências que indiquem este contexto.
• Procure situá-la na atualidade. 1
1
UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA. O Evangelho: Como, porque e para que estudá-lo à luz da doutrina espírita. Série Evangelho e
Espiritismo, vol. 5, 1981
“Todos os símbolos do Evangelho, dado o meio em que
desabrocharam, são, quase sempre, fortes e incisivos.
Jesus não vinha trazer ao mundo a palavra de
contemporização com as fraquezas do homem, mas a
centelha de luz para que a criatura humana se
iluminasse para os planos divinos.
E a lição sublime do Cristo, ainda e sempre, pode ser
conhecida como a “espada” renovadora, com a qual
deve o homem lutar consigo mesmo, extirpando os
velhos inimigos do seu coração, sempre capitaneados
pela ignorância e pela vaidade, pelo egoísmo e pelo
orgulho”. 1
1 XAVIER,
Francisco Cândido. O Consolador. Pelo Espírito Emmanuel. Questão 304
 CRUZAMENTO DAS INFORMAÇÕES
•Pesquise, estude, busque referências, cruze informações...
 ESCUTA ÍNTIMA, SOMADA ÀS INTUIÇÕES
•Ouça seu coração, sua experiência, seus conhecimentos.
Some tudo às intuições que lhe chegam à alma.
“[...] Paulo de Tarso nunca procurava escrever só; buscava cercar-se,
no momento, dos companheiros mais dignos, socorria-se de suas
inspirações, consciente de que o mensageiro de Jesus, quando não
encontrasse no seu tono sentimental as possibilidades precisas para
transmitir os desejos do Senhor, teria nos amigos instrumentos
adequados.” 1
1
XAVIER, Francisco Cândido. Paulo e Estevão . Pelo Espírito Emmanuel. Capítulo: Epístolas
 REFLEXÕES PESSOAIS
Estude e sinta as
lições de Jesus como
um recurso
pedagógico,
terapêutico e de
educação para o
espírito imortal...
Faça suas reflexões pessoais.
Durante e após este caminhar, procure ouvir as lições crísticas em sua
intimidade. Nesta etapa, com certeza, já terá ido além da análise literal...
“O Cristo é a substância da nossa liberdade. Dia virá
em que o seu reino abrangerá os filhos do Oriente e
do Ocidente, num amplexo de fraternidade e de luz.
Então, compreenderemos que o Evangelho é a
resposta de Deus aos nossos apelos, em face da Lei
de Moisés. A Lei é humana; o Evangelho é divino.
Moisés é o condutor; O Cristo, o Salvador. Os profetas
foram mordomos fiéis; Jesus, porém, é o Senhor da
Vinha. Com a Lei, éramos servos; com o Evangelho,
somos filhos livres de um Pai amoroso e justo!...”
1 XAVIER,
Francisco Cândido. Paulo e Estevão. Espíritos diversos. Primeira Parte - Capítulo 5: A Pregação de Estevão
 CONSTRUÇÃO DE UM ESQUEMA
Com base na leitura dos textos selecionados, tente responder
às perguntas que nortearam seu estudo, e que possam estar
contidas no esquema. Estruture seu estudo para que as
ideias surgidas não fiquem soltas. Procure listar os pontos
principais encontrados. As anotações escritas anteriormente
serão de grande utilidade. Faça um alinhavo entre elas,
agrupando as informações e os dados semelhantes.
Assim, depois de toda a leitura e marcações é hora da
construção de um esquema de estudo. Nesta hora será
possível observar como a delimitação conduzirá o estudo.
PODEMOS OBSERVAR TRÊS MOMENTOS DISTINTOS COM RELAÇÃO À APRESENTAÇÃO
DO ESQUEMA/RESUMO:
 estudo individual
quantidade de referências gerais variável, de acordo com a disponibilidade e
disposição para a pesquisa e o estudo; reflexões pessoais; “toque”, pessoal e
intransferível;
 estudo em grupo
enfoque nas questões doutrinárias; ampliação dos conceitos com a percepções
dos demais membros do grupo; esclarecimento de dúvidas;
 estudo na ala com os pacientes
enfoque no aspecto consolador do Evangelho e da Doutrina Espírita; espaço para
a escuta do paciente; atender à necessidade do paciente, porém respondê-lo com
o que o Evangelho apresenta; acolhimento às suas dores, como o cirineu que
carrega a cruz do outro, por um momento, porém a cada um, segundo sua
individualidade;
RELEMBRANDO EMMANUEL ...
[...] “o sincero evangelizador será sempre o reservatório da verdade,
habilitado a servir às necessidades de outrem, sem privar-se da fortuna
espiritual de si mesmo.” 1
De qual fortuna se trata?
A que eu já tinha...
A que eu pedi...
A que eu busquei...
A que eu encontrei...
“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede, recebe;
e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á.” 2
“Então aproximou-se o que recebera cinco talentos, e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo:
Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que granjeei com eles. E o
seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te
colocarei; entra no gozo do teu senhor.” 3 (Parábola dos talentos)
1 XAVIER,
Francisco Cândido. O Consolador. Pelo Espírito Emmanuel. Questão 237
2 Mateus
7:7-8
3 Mateus
25:20-21
SUGESTÃO DE LOCAIS DE PESQUISA
• BUSCANDO NAS ESCRITURAS: http://www.bibliaonline.com.br
• BUSCANDO NAS OBRAS DOUTRINÁRIAS: http://www.febnet.org.br
• BUSCANDO NAS OBRAS SUBSIDIÁRIAS: http://www.bibliadocaminho.com.br
• BUSCANDO NOS DICIONÁRIOS BÍBLICOS: Dicionário Wycliffe, disponível em:
http://www.youblisher.com/p/644062-Dicionario-Wycliffe
Outras fontes de pesquisa: Bíblia; chave bíblica; concordância bíblica; dicionários da língua
portuguesa; “Guia Bibliográfico para Estudar o Novo Testamento”, em 4 volumes, de Marta
M. Guimarães; “Evangelização: conteúdo programático - DIJ” (conhecido como “livro azul”
da União Espírita Mineira); “Espiritismo de A a Z”, coordenação de Geraldo Campetti
Sobrinho (FEB); obras de Francisco Cândido Xavier, Divaldo Pereira Franco, Yvonne do
Amaral Pereira, Léon Denis, dentre outros.
No site do HEAL, link DAE/Estudos DAE, encontramse disponíveis exemplos de passagens bíblicas
seguindo o roteiro sugerido.
Saber
Bons estudos!
Setor de Evangelização do
Hospital Espírita André Luiz
http://heal.org.br
1 XAVIER,
Francisco Cândido. Instruções Psicofônicas. Espíritos diversos. Capítulo 30: Coração e cérebro
Amar
HEAL / DAE - Setor de Evangelização

similar documents