Prof. Jorge Alberto

Report
REVISÃO DE LÍNGUA
PORTUGUESA
H11 - RECONHECER A LINGUAGEM CORPORAL
COMO
MEIO
DE
INTERAÇÃO
SOCIAL,
CONSIDERANDO OS LIMITES DE DESEMPENHO E
AS
ALTERNATIVAS
DE
ADAPTAÇÃO
PARA
DIFERENTES INDIVÍDUOS.
01.(JAT) Hoje, tem-se preocupado cada vez mais com a
acessibilidade das pessoas. A inclusão se faz não apenas pela
igualdade das oportunidades, mas também pela inclusão
daqueles que, por alguma limitação, são deixados de lado por
parte da sociedade. Assim, configura-se como exemplo de
inclusão para os portadores de necessidades especiais
A) campeonatos de dança que buscam os pares com melhor
desempenho.
B) performances de desempenho esportivos que visam
performances cada vez mais aprimoradas.
C) as paralimpíadas, por promoverem a inclusão por meio do
esporte.
D) o uso de equipamentos esportivos que buscam melhor o
desempenho na prática física.
E) a obtenção de resultados cada vez melhores em práticas de
dança de salão para cadeirantes.
PADRONIZAÇÃO
CORPORAL
AO LONGO DA HISTÓRIA O PADRÃO DE BELEZA SE
ALTEROU / MÍDIA INFLUENCIA
A)o conceito de Belo exposto na imagem I foi
reforçada na imagem III por retratarem com
objetividade a noção de Belo estético.
B)enquanto o Belo estético em II se distancia dos
padrões atuais, os padrões expostos em I se
aproximam dos valores atuais.
C)o conceito de Beleza exposto em II foi
reforçado historicamente em I e rejeitado em III.
D)os três padrões acima mostram conceitos e
valores distintos acerca de padrões de beleza.
E)enquanto as imagens I e II retratam o que seja
o belo artístico, a III retrata o padrão de belo
social.
“O homem não nasceu pulando, saltando,
arremessando, balançando, jogando, etc. Todas
essas atividades corporais foram construídas
em determinadas épocas históricas, como
respostas a determinados estímulos, ou
desafios, ou necessidades humanas.”
Essa percepção (...) reforça a necessidade de
se compreender que o ser humano é mais do
que um ser determinado biologicamente, uma
vez que ele é fruto da cultura em que vive.
(...)
03. Os autores estabelecem uma relação entre
as manifestações corporais e as necessidades
sociais. Desse fragmento, é possível concluir
que, para eles:
A) o mais importante fator a analisar-se no corpo
é o de natureza biológica.
B) o contexto social é um fator que influencia, em
cada momento dado, as manifestações do corpo.
C) jogos, lutas e danças sempre se fizeram
segundo a mesma ótica, independentemente do
contexto em que se manifestaram.
D) aspectos de ordem cultural, embora
importantes, são secundários quando se pensa
nas atividades do corpo.
E) não há como vincular manifestações
corpóreas, eminentemente físicas, a aspectos
culturais, vinculados ao espírito.
04.(JAT) O último parágrafo destaca que a forma
como o jovem se concebe fisicamente transcende
a mera atividade física, indo de encontro a uma
questão cultural. Atualmente, percebemos uma
série de problemas relacionados a questões
estéticas e de saúde ligadas ao corpo, onde
A) nota-se uma procura cada vez maior por
academias motivada pela busca da saúde e do
bem-estar físico e mental.
B) o culto ao corpo tem levado muitas pessoas a
procurarem práticas nem tão saudáveis para um
aprimoramento que visa mais o campo estético do
que propriamente a saúde.
C) problemas como bulimia e anorexia estão
cada vez menos recorrentes por haver uma
preocupação maior com a saúde do que com
aspectos estéticos.
D) questões como obesidade têm sido cada vez
menores por conta da busca de uma
alimentação saudável e de práticas esportivas
pela maioria a população.
E) a prática de atividade física, por dispensar
quaisquer orientações de profissionais da área,
tem sido praticada intensamente buscando
maiores padrões de saúde.
05.(JAT) Os dois primeiros parágrafos
reforçam que o Homem não é visto tão
somente como um fenômeno biológico,
mas dentro de um conceito cultural em
que se insere. Assim, destaca-se como
atividade física que representa uma
dimensão mais ampla de nossa identidade
cultural
É bem provável que as musas Ticiano e Da
Vinci ficassem desapontadas ao tentar uma
carreira nas passarelas e nas capas de revista de
hoje. A beleza delas, imortalizada em quadros
famosos que podem ser vistos no museu do
Louvre, é bastante diferente do “belo” que se vê
figurado nas capas da revista Vogue e nas telas
de cinema.
06. O texto trata da mudança dos padrões de beleza
veiculados por expressões culturais em diferentes
períodos. De acordo com texto, a imagem que
melhor representa os padrões de beleza das musas
ALGUNS ASPECTOS SOBRE ARTE
•
•
Fazer arte significa criar, dar nova dimensão;
O artista não cria do nada, mas de algo já existente, quer
artisticamente, quer na natureza;
• INTERTEXTUALIDADE
quando a arte recria a própria arte ou a retoma.
CRUCIFICAÇÃO (1304/06) O CRISTO AMARELO (1889)
Giotto di Bondone
PAUL GAUGUIN
Capela daArena,
1305/6
Giotto di Bondone
Capela Brancacci,
1425/7
Mosaccio
Capela Sistina, 1508/12
Michelangelo
Capela Brancacci, 1425/7
Mosaccio
Capela Sistina, 1508/12
Michelangelo
O PENSADOR (1881)
AUGUSTE RODIN
TARSILA DO AMARAL
ABAPORU (1928)
QUADRO CRONOLÓGICO
PRÉHISTÓRIA
ANTIGUIDADE
ORIENTAL E
CLÁSSICA
OCIDENTE
MEDIEVAL
ÉPOCA
MODERNA
PALEOLÍTICO
NEOLÍTICO
EGITO
GRÉCIA
ROMA
BIZANTINO
ROMÂNICO
GÓTICO
RENASCIMENTO
MANEIRISMO
BARROCO
NEOCLASSICISMO
4.000 a.C.
476d.C.
Queda do
Império Romano
1453
Tomada de
Constantinopla
1789
Queda da
Bastilha
QUADRO CRONOLÓGICO
ÉPOCA
CONTEMPORÂNEA
MODERNIDADE
PÓSMODERNIDADE
ROMANTISMO
REALISMO
IMPRESSIONISMO
ART NOUVEAU
FUTURISMO
CUBISMO
DADAÍSMO
SUREALISMO
EXPRESSIONISMO
EXPRESSIONISMO
ABSTRATO
1789
Queda da
Bastilha
1914/8
Primeira Grande
Guerra
POP ART
OP ART
LAND ART
ARTE CONCEITUAL
1938/44
Segunda Grande
Guerra
EIXOS TEMÁTICOS
REALIDADE
RELIGIÃO
Pré-História
Gótico
Realismo
Egito
Românico
Barroco
BELO
ESTÉTICO
Grécia / Roma
Renascimento
Neoclassicismo
ROMANTISMO
Natureza
Estado de Espírito
Rebeldia
Impetuosidade
ARTE
Vanguardas
Modernismo
Pop Art
Op Art
Arte Conceitual
Land Art
07.(JAT) A Arte pode reafirmar ou
questionar valores ideológicos de uma
época. Assim, seu papel não se restringe
ao entretenimento, mas mostra como o
artista vê as questões de seu momento.
Conceitos
são
reformulados
e
redimensionados pela perspectiva de
ruptura com os padrões de uma época.
Assim, a arte realista, como a exemplo da
pintura de Coubert abaixo,
A MULHER POBRE DA ALDEIA (1866) – GUSTAVE COUBERT
A) reformulou o conceito de Natureza antes exposto
pelo Romantismo, destacando que ela também
pode ser um cenário social onde se insere o
Humano.
B) questionou a dimensão em que o ser humano foi
retratado anteriormente, reafirmando valores
anteriormente trabalhados no Neoclassicismo.
C) buscou dar uma dimensão social nas relações
construídas historicamente pelo ser humano,
destacando as desigualdades sociais em sua
época.
D) priorizou questões relacionadas à própria Arte,
vendo como menor quaisquer outras preocupações
que o artista se envolvesse.
E) construiu uma arte que se voltou à retratação
mais fiel possível do meio social do que
propriamente a questões sociais.
08.(JAT) A Arte Moderna teve um papel
decisivo no redimensionamento e
ampliação sobre a função e o conceito
da Arte. Os movimentos chamados de
Vanguardas
Artísticas
Europeias
romperam com o tradicionalismo
artístico
e
aumentaram
as
possibilidades sobre o que é ou não
artístico, perceptível em
“A Pop Art é uma escola que utiliza em suas
representações pictóricas imagens e símbolos de
natureza popular. Originado particularmente nos
Estados Unidos e na Inglaterra, este movimento foi
assim batizado em 1954, quando o crítico inglês
Lawrence Alloway assim o denominou, ao se referir
a tudo que era produzido pela cultura em massa no
hemisfério ocidental, especialmente aos produtos
procedentes da América do Norte.
Alguns criadores, inspirados no movimento dadaísta
liderado por Marcel Duchamp, decidiram, em fins
dos anos 50, se apropriar de imagens inerentes ao
universo da propaganda norte-americana e
convertê-las em matéria-prima de suas obras. Estes
ícones abundantes no dia-a-dia do século XX
detinham um alto poder imagético.
10.(JAT)
As
grandes
contradições
brasileiras e as relações de dominação na
formação do Brasil foram constantemente
trabalhadas não apenas na arte literária,
mas nas plásticas também. Observe o
fragmento a seguir da poeta Cecília
Meires, do Romanceiro da Inconfidência,
ao abordar a figura do negro no ciclo da
mineração:
Romance VII ou do negro nas catas
Já se ouve cantar o negro,
Mas inda vem de longe o dia.
Será pela estrela d’alva,
Com seus raios de alegria? (...)
Já se ouve cantar o negro.
Chora neblina, a alvorada.
Pedra miúda não vale:
Liberdade é pedra grada...
(A terra toda mexida,
A água toda revirada...
Deus do céu, como é possível
Penar tanto e não ter nada!

similar documents