Felipe Wajskop França

Report
MARINGÁ, 19 DE OUTUBRO DE 2012
Felipe Wajskop França
Economista do Departamento de Pesquisas e Estudos
Econômicos - DEPEC
CENÁRIO
INTERNACIONAL
2
ESTÁGIOS DA CRISE
CRISE AMERICANA
ENCONTRA-SE NO 4º
QUARTO
CRISE EUROPEIA
ENCONTRA-SE NO 3º
QUARTO
“FRAQUEZA
CHINESA”JÁ ESTARIA
NO SEU 1º QUARTO?
RISCOS PARA A ECONOMIA GLOBAL
1. Recuperação ainda fragilizada pelos ajustes fiscais na
Zona do Euro e pela desaceleração em curso na China;
2. EUA têm mostrado sinais mais favoráveis, mas
retomada é lenta e ajuste fiscal ainda será importante;
3. Desaceleração é mundial, inclusive nos países
emergentes;
4. Esforço concentrado dos BCs pode não ser suficiente
para estimular uma recuperação mais consistente da
economia global;
5. A volatilidade dos mercados deve permanecer elevada.
A recessão mundial está descartada, mesmo
considerando as diversas incertezas.
7
Zona do Euro
ZONA DO EURO: CRESCIMENTO PIB REAL (%)
TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB EUROPEU
5,0
4,0
3,8
3,8
3,2
3,0
2,7
2,5 2,6
2,6
2,7 2,9
2,2
2,0
2,0
3,0
1,7
1,8
1,5
1,4
0,9
1,0
0,7
1,5
0,5
0,4
0,0
-1,0
-0,5
-0,8
-2,0
-3,0
-4,0
-4,3
5
FONTE: FMI/WEO
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2012*
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
1999
1998
1997
1996
1995
1994
1993
1992
1991
1990
-5,0
China: Produção industrial e exportação (variação acumulada de 12
Fonte: Bloomberg.
Elaboração:
Bradesco
CHINA: PRODUÇÃO meses).
INDUSTRIAL
E EXPORTAÇÃO
(VARIAÇÃO
ACUMULADA DE 12 MESES)
19%
37,0%
17,4%
31,8%
40%
17,6%
32,7%
17,5%
17%
30%
26,2%
20,5%
16,2%
15%
24,7%
15,4%
15,5%
20%
22,3%
14,7%
13%
12,1%
13,9%
10%
9,6%
12,4%
11%
0%
10,6%
produção industrial (esq)
9%
exportação (dir)
9,3%
-17,4%
ago/02
nov/02
fev/03
mai/03
ago/03
nov/03
fev/04
mai/04
ago/04
nov/04
fev/05
mai/05
ago/05
nov/05
fev/06
mai/06
ago/06
nov/06
fev/07
mai/07
ago/07
nov/07
fev/08
mai/08
ago/08
nov/08
fev/09
mai/09
ago/09
nov/09
fev/10
mai/10
ago/10
nov/10
fev/11
mai/11
ago/11
nov/11
fev/12
mai/12
ago/12
7%
6
FONTE: BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
-10%
-20%
China: PIB trimestral (variação interanual). Fonte Bloomberg e projeções
CHINA: CRESCIMENTO ANUAL
DO PIB TRIMESTRAL
Depec-Bradesco
13,0
12,4
11,5
11,2
11,0
10,6
10,4
10,4
10,7
10,6
10,1
9,8 9,9
9,6
11,9
11,9
11,5
11,2
11,1
10,3
10,1
9,6
9,5
9,1
9,1
9,0
9,0
7,9
9,8 9,7
9,5
9,1
8,9
8,1
7,6
7,3
7,5
7,7
7,5 7,5
7,7
6,8
7,0
6,2
mar/04
jun/04
set/04
dez/04
mar/05
jun/05
set/05
dez/05
mar/06
jun/06
set/06
dez/06
mar/07
jun/07
set/07
dez/07
mar/08
jun/08
set/08
dez/08
mar/09
jun/09
set/09
dez/09
mar/10
jun/10
set/10
dez/10
mar/11
jun/11
set/11
dez/11
mar/12
jun/12
set/12
dez/12
mar/13
jun/13
set/13
dez/13
5,0
FONTE: BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
7
EUA
TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E PROJEÇÕES(*): BRADESCO
TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB NORTE-AMERICANO
8,0
7,2
6,0
4,5
4,1
4,0
4,1
3,5
4,1
3,6
3,2
4,5 4,4
2,5
4,1
3,7
3,4
2,9
4,8
3,5
3,1
2,5
2,5
1,8
1,9
2,0
3,0
2,7
2,5
1,9
1,7
2,0
1,1
0,0
-0,2
-0,3
-2,0
-1,9
-4,0
8
FONTE: FMI/WEO
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2013*
2012*
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
1999
1998
1997
1996
1995
1994
1993
1992
1991
1990
1989
1988
1987
1986
1985
1984
1983
1982
1981
1980
-3,5
TAXA BÁSICA DE JUROS AGREGADA: PAÍSES EMERGENTES X
TAXA– BÁSICA
DESENVOLVIDOS 2002
2012 DE JUROS AGREGADA: PAÍSES EMERGENTES X
DESENVOLVIDOS (2002 – 2011). Fonte: Bloomberg
10,0
9,54
9,0
8,34
9,19
8,0
7,65
7,76
7,0
7,19
6,96
7,3
6,67
6,23
6,0
Taxa de Juros Emergentes
Média emergentes (2004 -2007)
5,0
Taxa de juros desenvolvidos
4,0
5,30
4,26
3,89
Média desenvolvidos (2004 - 2007)
3,0
3,0
2,30
2,84
2,14
2,0
1,54
0,72
1,0
0,60
FONTE: BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
jun/12
mar/12
dez/11
set/11
jun/11
mar/11
dez/10
set/10
jun/10
mar/10
dez/09
set/09
jun/09
mar/09
set/08
jun/08
mar/08
dez/07
set/07
jun/07
mar/07
dez/06
set/06
jun/06
mar/06
dez/05
set/05
jun/05
mar/05
dez/04
set/04
jun/04
mar/04
dez/03
set/03
jun/03
mar/03
dez/02
set/02
jun/02
0,0
dez/08
0,56
BALANÇO DOS BANCOS CENTRAIS – US$ BILHÕES
10.000
Ativos totais BoE
Ativos totais ECB
9.000
561,06
Ativos totais BoJ
8.000
Ativos totais FED
7.000
3.925
6.000
5.000
1.771
4.000
3.000
2.000
2.866
1.000
10
FONTE: BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
jul/12
mai/12
mar/12
jan/12
nov/11
set/11
jul/11
mai/11
mar/11
jan/11
nov/10
set/10
jul/10
mai/10
mar/10
jan/10
nov/09
set/09
jul/09
mai/09
mar/09
jan/09
nov/08
set/08
jul/08
mai/08
mar/08
jan/08
nov/07
set/07
jul/07
0
TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE
COMPRA) 1993 - 2012. Fonte: FMI/WEO. Elaboração: Bradesco
TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs
OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - 2012
6,0
5,2
5,0
5,4
5,3
4,9
4,7
4,5
4,1
4,0
3,8
3,4
3,6
3,9
3,7
3.5
3,5
3,3
3,0
2,9
3,0
2,8
2,6
2,4
2,1
2,0
1,0
0,0
FONTE: FMI/WEO
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2013*
2012*
2011
2010
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
1999
1998
1997
1996
1995
1994
1993
11
2009
-0,6
-1,0
PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS DO CENÁRIO GLOBAL
PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

Brasil é muito mais sensível à China do que à Europa.
Mas China é muito mais sensível à Europa do que aos
Estados Unidos;

Cenário internacional é desinflacionário para o Brasil;

Ociosidade global na indústria de transformação coloca
desafios para a indústria local;

Ambiente de incerteza é desfavorável para a confiança
das empresas e, portanto, para a intenção de
investimento.
12
ECONOMIA
DOMÉSTICA
13
DESACELERAÇÃO INDUSTRIAL BRASILEIRA NÃO SE
DIFERENCIA MUITO DABrasil:
GLOBAL
ÍNDICE PMI DEPEC-BRADESCO DO SETOR MANUFATUREIRO
FONTE: BLOOMBERG, ECOWIN E CEIC
58,0
56,3
55,00
53,7
57,1
56,0
56,2
53,9
55,5
54,3
54,2
53,8
52,0
52,5
50,00
57,9
53,6
53,0
53,1
51,9
51,7
51,3
52,4
51,7
50,3
49,8
48,5
49,3
47,1
48,9
46,3
45,00
Brasil
Mundo
40,00
14
jul/12
mai/12
mar/12
jan/12
nov/11
set/11
jul/11
mai/11
mar/11
jan/11
nov/10
set/10
jul/10
mai/10
mar/10
jan/10
nov/09
set/09
jul/09
mai/09
mar/09
jan/09
set/08
jul/08
mai/08
mar/08
jan/08
nov/07
set/07
jul/07
mai/07
mar/07
nov/08
36,0
35,00
PERSPECTIVAS PARA CÂMBIO
O REAL TEM SEGUIDO OS MOVIMENTOS LIGADOS AOS
FUNDAMENTOS EXTERNOS, TENDO EM VISTA A
DETERIORAÇÃO DA CRISE EUROPEIA.
ACREDITAMOS, CONTUDO, QUE HÁ ESPAÇO PARA
LEVE APRECIAÇÃO AO LONGO DO ANO, COM A
MELHORA EXTERNA.
NO ENTANTO, OS NOVOS PATAMARES DA TAXA DE
JUROS E DOS PREÇOS DAS COMMODITIES IMPLICAM
UM NÍVEL MAIS DEPRECIADO PARA A MOEDA
BRASILEIRA EM RELAÇÃO AO OBSERVADO
ANTERIORMENTE.
15
CÂMBIO REAL (BASE PTAX NOMINAL DO ÚLTIMO DIA DISPONÍVEL) E
PROJEÇÃO BASEADA EM CDS, DXY, COMM., DIF. DE JUROS
2,5
2,4
DEZEMBRO 2011
R$ 1,88 / US$
2,3
DEZEMBRO 2012
R$ 2,00/ US$
DEZEMBRO 2013
R$ 2,00/ US$
2,2
2,1
2,034
2
1,9
1,8
1,809
1,7
Câmbio real - Diário
1,6
Taxa de Câmbio Diária Projetada
09/08/09
09/09/09
09/10/09
09/11/09
09/12/09
09/01/10
09/02/10
09/03/10
09/04/10
09/05/10
09/06/10
09/07/10
09/08/10
09/09/10
09/10/10
09/11/10
09/12/10
09/01/11
09/02/11
09/03/11
09/04/11
09/05/11
09/06/11
09/07/11
09/08/11
09/09/11
09/10/11
09/11/11
09/12/11
09/01/12
09/02/12
09/03/12
09/04/12
09/05/12
09/06/12
09/07/12
09/08/12
09/09/12
09/10/12
1,5
16
FONTE: BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
EFEITOS
DEFASADOS DA
POLÍTICA MAIS
RESTRITIVA VÁLIDA
ATÉ MEADOS DE
2011
O QUE ACONTECEU
AFINAL COM A
ECONOMIA
BRASILEIRA EM
2012?
FATORES PONTUAIS,
COMO SECA NO SUL
DO PAÍS, MUDANÇA
TECNOLÓGICA DOS
CAMINHÕES,
EXPORTAÇÕES PARA
ARGENTINA
17
17
FATORES
ESTRUTURAIS,
COMO AS
CONDIÇÕES
APERTADAS NO
MERCADO DE
TRABALHO
DESACELERAÇÃO
DA DEMANDA
EXTERNA E
AUMENTO DAS
INCERTEZAS
GLOBAIS
TEMPESTADE PERFEITA - FATORES IDIOSSINCRÁTICOS
 Pesada seca no Sul e Nordeste (PIB agrícola cai 8,5% no primeiro Tri)
 Crise do DNIT, travando investimentos de transportes
 Implantação do “Euro 5” para caminhões, jogando para baixo a produção
 Crise da construção residencial devido a excesso de oferta
 Crise do endividamento do setor alcooleiro reduzindo a produção de cana;
 Estagnação da produção e refino da Petrobrás por razões de atrasos
operacionais;
 Problemas com bancos pequenos e médios
 Crise argentina diminuindo as exportações brasileiras de manufaturados
18
CONSIDERARAMOS QUE O
PIB DE 2012 POSSA TER SIDO
AFETADO ENTRE 0,8 E 1
PONTO DE PIB POR
PROBLEMAS ATÍPICOS.
19
AO MESMO TEMPO NOTAMOS
VELOCIDADES MUITO
DIFERENTES ENTRE OS
DIVERSOS SETORES DA
ECONOMIA.
20
VOLUME DE VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA
RESTRITO E PRODUÇÃO INDUSTRIAL - MÉDIA MÓVEL
TRIMESTRAL DAS SÉRIES DESSAZONALIZADAS
Fonte: IBGE
IBGE
Fonte:
Elaboração: Bradesco
Bradesco
Elaboração:
Janeiro 2003 = 100
VOLUME DE VENDAS
NO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO E
PRODUÇÃO
INDUSTRIAL - MÉDIA MÓVEL TRIMESTRAL DAS SÉRIES
Janeiro
2003 = 100
DESSAZONALIZADAS
Janeiro 2003 = 100
205
200,0
Vendas no Comércio
195
Produção Industrial
185
179,2
175
167,2
184,9
177,2
165
155
149,5
145
141,2
135
147,8
131,9
131,5
130,4
125
121,3
108,2
ago/05
out/05
dez/05
fev/06
abr/06
jun/06
ago/06
out/06
dez/06
fev/07
abr/07
jun/07
ago/07
out/07
dez/07
fev/08
abr/08
jun/08
ago/08
out/08
dez/08
fev/09
abr/09
jun/09
ago/09
out/09
dez/09
fev/10
abr/10
jun/10
ago/10
out/10
dez/10
fev/11
abr/11
jun/11
ago/11
out/11
dez/11
fev/12
abr/12
jun/12
ago/12
112,9
126,7
120,4
119,0
115
105
130,9
21
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
O MERCADO DE TRABALHO
SEGUE AQUECIDO, O COMÉRCIO
TEM MOSTRANDO RESULTADOS
FIRMES, A RENDA ESTÁ
PRESERVADA E A CONFIANÇA
DOS CONSUMIDORES
PERMANECE ELEVADA.
39
MÉDIA MÓVEL 3 MESES DA GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGO
FORMAL - DADOS DESSAZONALIZADOS - 2000 - 2011
EM POSTOS DE TRABALHO
2.500.000
2.212.647
2.000.000
Outros
Serviços
Comércio
Indústria Geral
2.096.970
1.928.877
1.710.449
Total
1.575.451
1.500.000
1.161.060
1.000.000
805.660
625.625
500.000
0
-500.000
-604.821
dez/96
abr/97
ago/97
dez/97
abr/98
ago/98
dez/98
abr/99
ago/99
dez/99
abr/00
ago/00
dez/00
abr/01
ago/01
dez/01
abr/02
ago/02
dez/02
abr/03
ago/03
dez/03
abr/04
ago/04
dez/04
abr/05
ago/05
dez/05
abr/06
ago/06
dez/06
abr/07
ago/07
dez/07
abr/08
ago/08
dez/08
abr/09
ago/09
dez/09
abr/10
ago/10
dez/10
abr/11
ago/11
dez/11
abr/12
ago/12
-1.000.000
23
FONTE: CAGED
ELABORAÇÃO BRADESCO
GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGO FORMAL
1996 - 2013
GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGO FORMAL
Em postos de trabalho
1996 - 2013. Fonte: Caged. Elaboração e projeções (*): Bradesco
EM POSTOS DE TRABALHO
2.500
2.137
2.000
1.617
1.523
1.566
1.452
1.500
1.464
1.254 1.229
1.104
995
1.000
658
762
645
591
500
0
-36
-500
-196
-271
-582
24
FONTE: CAGED
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2013*
2012*
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
1999
1998
1997
1996
-1.000
TAXA DE DESEMPREGO NAS SEIS PRINCIPAIS REGIÕES
METROPOLITANAS DO PAÍS MÉDIA ANUAL (2002 – 2012)
Fonte: IBGE
Elaboração Bradesco
TAXA MÉDIA DE DESEMPREGO APURADA PELA PME NAS 6 PRINCIPAIS REGIÕES
METROPOLITANAS DO PAÍS - %
12,5
12,3
11,5
11,5
11,5
10,5
9,9
10,0
9,3
9,5
8,5
7,9
8,1
7,5
6,7
6,5
5,6
5,5
2012
2013
6,0
5,5
25
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
4,5
MASSA AMPLIADA DE RENDIMENTOS (*) - CRESCIMENTO ANUAL
Fonte: IBGE
VARIAÇÃO ANUAL MASSA AMPLIADA DE RENDIMENTOS
7,8%
7,56%
7,3%
6,8%
6,3%
6,04%
6,02%
5,66%
5,8%
5,3%
4,88%
4,80%
4,71%
4,8%
4,19%
4,3%
3,8%
26
26
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006
3,3%
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC) – SITUAÇÃO
ATUAL (DADOS DESSAZONALIZADOS) 2006-2012
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC) - SITUAÇÃO ATUAL (DADOS DESSAZONALIZADOS)
Fonte: FGV
Elaboração: Bradesco
150
148,1
146,5
144,6
140,7
140
139,9
136,4
137,4
137,2
133,5
130
132,4
124,8
122,2
122,3
118,6
120
116,0
111,0
110
105,9
100
99,1
101,4
104,0
104,1
100,0
98,7
99,1
99,3
27
FONTE: FGV
ELABORAÇÃO: BRADESCO
set/12
jul/12
mai/12
mar/12
jan/12
nov/11
set/11
jul/11
mai/11
mar/11
jan/11
nov/10
set/10
jul/10
mai/10
mar/10
jan/10
nov/09
set/09
jul/09
mai/09
mar/09
jan/09
nov/08
set/08
jul/08
mai/08
mar/08
jan/08
nov/07
set/07
jul/07
mai/07
mar/07
jan/07
nov/06
set/06
90
POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA E PESSOAL
OCUPADO (VARIAÇÃO ANUAL)
Fonte: IBGE
Elaboração: Bradesco
TAXAS DE CRESCIMENTO DA PEA E DA OCUPAÇÃO EM RELAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR (YoY)
5,0%
PEA
4,34%
4,5%
Occupation
3,91%
4,0%
3,58%
3,5%
2,99%
3,0%
2,70%
3,22%
2,5%
2,52%
2,44%
2,29%
2,20%
2,20%
2,0%
1,44%
1,5%
2,47%
1,96%
1,45%
1,72%
1,45%
1,35%
1,0%
1,08%
1,05%
1,09%
0,91%
0,73%
0,5%
0,70%
0,0%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
28
ago/12
jun/12
abr/12
fev/12
dez/11
out/11
ago/11
jun/11
abr/11
fev/11
dez/10
out/10
ago/10
jun/10
abr/10
fev/10
out/09
ago/09
jun/09
abr/09
fev/09
dez/08
out/08
ago/08
dez/09
-0,26%
-0,11%
-0,5%
CRESCIMENTO ANUAL DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA INCLUINDO AUTOMÓVEIS, MOTOS, AUTOPEÇAS E MATERIAL DE CONSTRUÇÃO
Fonte: IBGE
VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO - CRESCIMENTO ANUAL 2001 - 2012 (*) O comércio varejista ampliado difere
2005-2012
Elaboraçã
e projeção:
do comércio varejista pela inclusão dos segmentos de material de construção e veículos e motos, partes e peças.
Bradesco
15%
13,6%
12,2%
12%
9,9%
9%
8,0%
6,8%
6,4%
6,6%
6,5%
6%
3,1%
3%
0%
2005
29
2006
2007
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÕES: BRADESCO
2008
2009
2010
2011
2012*
2013*
TAXA
DE CRESCIMENTO DO
CONSUMO
DAS FAMÍLIAS
VARIAÇÃO
ANUAL DO
CONSUMO
DAS
FAMÍLIAS
(%)
Fonte: IBGE
Elaboração: Bradesco
1996-2012
8,0
6,9
7,0
6,1
5,7
6,0
5,6
5,2
5,0
4,5
4,0
4,1
3,8
4,0
3,2
4,4
3,5
3,0
3,0
1,9
2,0
1,0
0,7
0,4
0,0
-1,0
-0,7
-0,8
30
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2013 (p)
2012 (p)
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
1999
1998
1997
1996
-2,0
CICLO DE INVESTIMENTOS DEVERÁ
SE INTENSIFICAR, FAVORECIDO POR
COPA DO MUNDO, OLIMPÍADAS E
PRÉ-SAL.
ALÉM DISSO, AS EMPRESAS
CONTINUAM ANUNCIANDO
INVERSÕES, INCLUSIVE PARA
ENFRENTAR A CONCORRÊNCIA MAIS
ACIRRADA E A EXPANSÃO DOS
CUSTOS, COMO OS SALARIAIS.
31
CRESCIMENTO REAL DA FORMAÇÃO BRUTA DE CAPITAL FIXO
1996 - 2013
EM %
24,0
21,3
21,0
18,0
13,9
15,0
12,0
8,7
9,0
9,8
9,1
7,0
5,0
6,0
3,0
13,6
4,7
3,6
1,5
0,4
0,0
0,0
-0,3
-3,0
-6,0
-5,2
-4,6
-6,7
-9,0
-8,2
32
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÕES: BRADESCO
2013 (p)
2012 (p)
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
1999
1998
1997
1996
-12,0
PORQUE ACREDITAMOS NA
RECUPERAÇÃO DA INDÚSTRIA NO
SEGUNDO SEMESTRE?
FIM DO CICLO DE ESTOQUES,
INCENTIVOS PÚBLICOS, TAXA DE JUROS
BAIXAS, PROTECIONISMO, CÂMBIO
DEPRECIADO ETC.
47
PRODUÇÃO E EMPLACAMENTOS
DE AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS
PRODUÇÃO E EMPLACAMENTOS DE AUTOMÓVEIS E COMERCIAIS LEVES
(DADOS DESSAZONALIZADOS)
LEVES (DADOS DESSAZONALIZADOS)
FONTE: ANFAVEA, FENABRAVE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
Produção
365.000
361.283
367.808
Vendas
325.000
305.463
300.353
290.919
291.865
289.530
276.641
285.000
265.351
257.981
262.648
245.000
248.088
225.106
201.247
205.000
242.874
239.520
237.293
199.271
165.000
166.064
152.229
125.000
109.724
34
FONTE: ANFAVEA, FENABRAVE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
set/12
jul/12
mai/12
mar/12
jan/12
nov/11
set/11
jul/11
mai/11
mar/11
jan/11
nov/10
set/10
jul/10
mai/10
mar/10
jan/10
nov/09
set/09
jul/09
mai/09
mar/09
jan/09
nov/08
set/08
jul/08
mai/08
mar/08
jan/08
nov/07
set/07
jul/07
mai/07
mar/07
jan/07
nov/06
set/06
85.000
ESTOQUES TOTAIS DE VEÍCULOS EM DIAS DE VENDAS
ESTOQUES TOTAIS DE VEÍCULOS EM DIAS DE VENDAS ( DOMÉSTICAS NACIONAIS +
FONTE: ANFAVEA
IMPORTAÇÕES + EXPORTAÇÕES)
(DOMÉSTICAS
NACIONAIS
+ IMPORTAÇÕES + EXPORTAÇÕES)
ELABORAÇÃO:
BRADESCO
45,0
Estoques
Média 2001-2012
39,72
40,0
38,00
35,0
30,80
30,0
28,70
27,57
24,98
25,0
21,94
21,06
20,0
23,76
23,65
20,10
19,97
18,65
17,71
16,89
15,0
14,30
13,90
35
FONTE: ANFAVEA
ELABORAÇÃO: BRADESCO
ago/12
mai/12
fev/12
nov/11
ago/11
mai/11
fev/11
nov/10
ago/10
mai/10
fev/10
nov/09
ago/09
mai/09
fev/09
nov/08
ago/08
mai/08
fev/08
nov/07
ago/07
mai/07
fev/07
nov/06
ago/06
mai/06
fev/06
nov/05
ago/05
mai/05
fev/05
nov/04
ago/04
mai/04
fev/04
10,0
Medidas de Curto Prazo - Cíclicas ou
Medidas de Impacto Dúbio
Medidas de Longo Prazo - Estruturais
Prioridade de Compras Governamentais
para Medicamentos e Equip. de
Construção
Fim do IOF para Aplicação de Estrangeiros
em Debêntures de Infraestrutura
Redução de IPI Linha Branca
Fim da Guerra dos Portos
Redução de IPI Móveis/ Materiais de
Construção
Liberação de Endividamento dos Estados
em R$ 42 Bilhões
Postergação de Recolhimento de
PIS/Cofins para Têxtil/Calçados, Autopeças e Móveis
Pacote de Investimentos em
Ferrovias/Rodovias
Redução de IPI ara Autos
Desoneração da Folha de Pagto de setores
intensivos em mão de obra
PAC Equipamentos
Pacote de Investimentos em
Portos/Aeroportos (*)
Redução de TJLP de 6,0% para 5,5%
Desoneração da Folha de Pagto de setores
ligados a infraestrutura/logística e
intensivos em mão de obra
Redução de Encargos da Conta de Luz
36
jan-08
fev-08
mar-08
abr-08
mai-08
jun-08
jul-08
ago-08
set-08
out-08
nov-08
dez-08
jan-09
fev-09
mar-09
abr-09
mai-09
jun-09
jul-09
ago-09
set-09
out-09
nov-09
dez-09
jan-10
fev-10
mar-10
abr-10
mai-10
jun-10
jul-10
ago-10
set-10
out-10
nov-10
dez-10
jan-11
fev-11
mar-11
abr-11
mai-11
jun-11
jul-11
ago-11
set-11
out-11
nov-11
dez-11
jan-12
fev-12
mar-12
abr-12
mai-12
jun-12
jul-12
ago-12
set-12
out-12
nov-12
dez-12
jan-13
fev-13
mar-13
abr-13
mai-13
jun-13
jul-13
ago-13
set-13
out-13
nov-13
dez-13
básico
para a taxa de juros - Selic
TAXA NOMINAL DE Cenário
JUROS
(SELIC)
2008-2012
15,0%
14,0%
12,0%
10,0%
9,0%
37
13,75%
13,00%
13,0%
12,75%
12,00%
12,50%
11,75%
11,25%
11,25%
11,25%
11,0%
10,75%
10,25%
9,50%
8,75% 8,75%
8,0%
FONTE: BCB
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
11,50%
10,25%
10,50%
9,75%
9,00%
8,50%
8,00%
7,25%
8,25%
7,75%
7,25%
7,0%
TAXA REAL DE JUROS (SWAP PRE-DI 360 DIAS DEFLACIONADO PELA
DE JUROS12
NO BRASIL
(SWAP 360
DIAS CONTRA
SELIC 12 MESES À FRENTE)
EXPECTATIVATAXA
DEREAL
IPCA
M) EM
2008
e 2012
FONTE: Bloomberg
7,4%
6,75%
6,9%
6,74%
6,50%
6,4%
6,56%
6,01%
5,9%
7,11%
6,97%
6,23%
5,81%
5,4%
5,63%
4,83%
4,9%
4,58%
4,4%
3,87%
3,9%
3,90%
3,48%
3,4%
3,16%
2,9%
2,50%
2,4%
38
FONTE: BCB, BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
1,84%
09/10/12
1,66%
09/09/12
09/07/12
09/06/12
09/04/12
09/03/12
09/02/12
09/01/12
09/12/11
09/11/11
09/10/11
09/09/11
09/08/11
09/07/11
09/06/11
09/05/11
09/04/11
09/03/11
09/02/11
09/01/11
09/12/10
09/11/10
09/10/10
09/09/10
09/08/10
09/07/10
09/06/10
09/05/10
09/04/10
09/03/10
09/02/10
1,4%
09/05/12
2,11%
1,71%
09/08/12
1,9%
PRODUÇÃO INDUSTRIAL: TAXA DE VARIAÇÃO ANUAL
2002 - 2013
Fonte: IBGE
PRODUÇÃO INDUSTRIAL - CRESCIMENTO ANUAL
EM %
10,47%
11,0%
8,30%
7,0%
3,0%
6,02%
3,09%
2,73%
3,50%
3,10%
2,82%
0,35%
0,05%
-1,0%
-2,50%
-5,0%
-7,38%
39
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÕES: BRADESCO
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
-9,0%
A AGRICULTURA
TRARÁ UMA GRANDE
CONTRIBUIÇÃO AO
CRESCIMENTO DA
ECONOMIA
BRASILEIRA
40
RENDA AGRÍCOLA – ARROZ, ALGODÃO, FEIJÃO, MILHO, TRIGO E
VARIAÇÃO % DA RENDA AGRÍCOLA - GRÃOS 2002 - 2012
em R$ milhões
Fonte: CONAB Elaboração: Bradesco
SOJA (2002 – 2013)
60,0%
51,5%
50,0%
39,9%
40,0%
33,5%
32,7%
30,0%
20,0%
10,0%
6,0%
2,0%
7,1%
1,6%
0,0%
-4,1%
-10,0%
-13,3%
-20,0%
-23,4%
-30,0%
2002/03
2003/04
SOURCES: CONAB, DERAL
PREPARATION: BRADESCO
2004/05
2005/06
2006/07
2007/08
2008/09
2009/10
2010/11 2011/12* 2012/13*
VARIAÇÃO DA RENDA AGRÍCOLA DE GRÃOS POR REGIÃO – SAFRA
Em R$ milhões
FONTE: CONAB
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: VARIAÇÃO
BRADESCO DA RENDA AGRÍCOLA DE GRÃOS POR REGIÃO SAFRA 2012/201
2012/13
SUL
24,0%
NORDESTE
18,2%
BRASIL
CENTRO-OESTE
NORTE
SUDESTE
9,1%
-0,1%
-1,4%
-1,7%
-5,0%
FONTES: CONAB e DERAL
ELABORAÇÃO: BRADESCO
0,0%
5,0%
10,0%
15,0%
20,0%
25,0%
30,0%
CRESCIMENTO ANUAL DO PIB BRASILEIRO - % - 1984 - 2012
Fonte: IBGE e IPEA
Elaboração e Projeção: Bradesco
VARIAÇÃO DO PIB DO BRASIL
1984 - 2013
em %
9,0
7,8
7,5
7,0
Média dos 9 anos:
4,0%
Média dos 20 anos
anteriores: 2,7%
5,4
5,0
3,5
6,1
5,7
5,3
4,7
7,5
5,2
4,4
4,0
4,3
3,4
3,2
4,0
3,2
2,7
3,0
2,1
1,3
1,0
1,0
2,7
1,6
1,1
0,0 0,3
-0,1
-1,0
-0,3
-0,5
-3,0
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2013*
2012*
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
1999
1998
1997
1996
1995
1994
1993
1992
1991
1989
1988
1987
1986
1985
1984
43
1990
-4,3
-5,0
CENÁRIO PARA A
INFLAÇÃO É BENIGNO,
REFLEXO DA QUEDA DOS
PREÇOS DE COMMODITIES
E DA DESACELERAÇÃO DA
ATIVIDADE.
44
44
EVOLUÇÃO IPCA EMEVOLUÇÃO
12 MESESIPCA
– 2004-2013
12 MESES
8,5%
8,07%
7,60%
7,5%
7,23%
7,18%
6,87%
6,36%
6,5%
6,41%
6,50%
5,90%
6,06%
6,02%
5,70%
5,50%
5,22%
5,5%
5,16%
4,73%
4,5%
4,03%
4,92%
4,18%
4,84%
4,17%
3,5%
2,96%
jun/04
set/04
dez/04
mar/05
jun/05
set/05
dez/05
mar/06
jun/06
set/06
dez/06
mar/07
jun/07
set/07
dez/07
mar/08
jun/08
set/08
dez/08
mar/09
jun/09
set/09
dez/09
mar/10
jun/10
set/10
dez/10
mar/11
jun/11
set/11
dez/11
mar/12
jun/12
set/12
dez/12
mar/13
jun/13
set/13
dez/13
2,5%
45
FONTE: IBGE
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO
E PROJEÇÕES: BRADESCO
ELABORAÇÃO:
BRADESCO
EVOLUÇÃO IPCA SERVIÇOS E BENS (SEMI DURÁVEIS E
DURÁVEIS) ACUMULADO EM 12 MESES – 2003-2012*
12,0%
10,84%
9,96%
10,0%
8,55%
8,0%
9,18%
8,10%
7,49%
7,98%
6,84%
7,13%
6,0%
6,04%
6,39%
5,26%
4,0%
4,22%
4,01%
3,97%
2,46%
2,99%
3,01%
2,0%
1,59%
0,0%
9,12%
1,87%
0,39%
Bens
Serviços
-0,37%
jun/03
set/03
dez/03
mar/04
jun/04
set/04
dez/04
mar/05
jun/05
set/05
dez/05
mar/06
jun/06
set/06
dez/06
mar/07
jun/07
set/07
dez/07
mar/08
jun/08
set/08
dez/08
mar/09
jun/09
set/09
dez/09
mar/10
jun/10
set/10
dez/10
mar/11
jun/11
set/11
dez/11
mar/12
jun/12
set/12
dez/12
-2,0%
46
FONTE:
IBGE
FONTE:
IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÕES: BRADESCO
ELABORAÇÃO: BRADESCO
RECONHECEMOS QUE ALGUNS
VETORES DE CRESCIMENTO DOS
ÚLTIMOS ANOS ESTÃO
MUDANDO:
MOBILIDADE SOCIAL, REAL
APRECIADO, FORTE
CRESCIMENTO DA CHINA,
ELEVADA ARRECADAÇÃO FISCAL.
68
VARIAÇÃO DO NÚMERO DE PESSOAS NAS CLASSES SOCIAIS EM
2000, 2010 E 2020* (PROJEÇÃO), EM MILHÕES DE PESSOAS
70,0%
2000
2010
60,0%
58,9%
2020*
53,2%
50,0%
CLASSE A: R$ 7.006 OU MAIS
40,0%
CLASSE B: DE R$ 4.635 A R$ 7.006
37,9%
CLASSE C: DE R$ 1.159 A R$ 4.635
33,3%
CLASSE D: DE R$ 701 A R$ 1.159
30,0%
CLASSE E: ATÉ R$ 701
20,0%
20,0%
18,4%
17,9%
16,3%
11,9%
10,0%
3,8%
5,7%
7,9%
5,0% 4,8% 5,1%
0,0%
Classe E
48
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
Classe D
Classe C
Classe B
* cortes das classes em valores de setembro de 2010
Classe A
BÔNUS DEMOGRÁFICO
1980
- mais
2050
+ 0 a 14 anos)/(0-65) e Razão de dependência (65 anos ou
anos ou
Bonus demográfico (65
mais + 0 a 14 anos)/(15-65 anos)
CRIANÇAS
Fonte: IBGE
IDOSOS
45,0%
% Crianças
40,0% 38,2%
35,7%
35,0%
30,9%
30,0%
25,6%
25,0%
INÍCIO BÔNUS
DEMOGRÁFICO:
1999
20,0%
22,7%
20,1%
17,0%
17,5%
15,0%
13,1%
% Idosos
12,0%
7,8%
FONTE: IBGE
49 ELABORAÇÃO: BRADESCO
2050
2048
2046
2044
2042
2040
2038
2036
2034
2026
2024
2022
2020
2018
2016
2014
2012
2010
2008
2006
2004
2002
2000
1998
1996
1994
1990
1988
1986
1984
1982
1980
4,5%
4,0%
1992
4,0%
0,0%
TERMINA BÔNUS
DEMOGRÁFICO
2034
2032
5,7%
2030
5,0%
2028
10,0%
NA BUSCA POR MAIOR EFICIÊNCIA
MICRO E MACROECONÔMICA, AINDA
HÁ LIÇÕES DE CASA A SEREM
FEITAS: EDUCAÇÃO E
INFRAESTRUTURA COM PAPEL DE
DESTAQUE.
PRINCIPAL FONTE DE CRESCIMENTO
DE LONGO PRAZO É A
PRODUTIVIDADE.
50
BRASIL: ANOS DE EDUCAÇÃO FORMAL DA POPULAÇÃO ACIMA
DE 25 ANOS DE IDADE - 2003 – 2010*
7,6
7,4
7,4
7,2
7,2
7,1
7,0
6,9
6,8
6,7
6,6
6,5
6,4
6,4
6,3
51
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
2010*
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
6,2
POR FIM, ACREDITAMOS QUE
ESTE NOVO PATAMAR DA TAXA
DE JUROS SEJA SUSTENTÁVEL E
POSSA SER EQUIVALENTE A UMA
GRANDE REFORMA
ESTRUTURAL.
72
DEPEC-BRADESCO: CENÁRIO MACROECONÔMICO (2008-2020)
2010
2011
-0,3
4,3
-1,7
8,75%
-7,4%
8,1
2,00
1,74
153,0
127,6
25,4
-24,3
-1,6%
239,1
25,9
246,0
61,9
3,1
42,1
15,2
7,5
5,9
11,3
10,75%
10,5%
6,7
1,76
1,67
201,9
181,8
20,1
-47,3
-2,3%
288,6
48,5
278,2
79,6
2,5
39,1
20,6
2,7
6,5
5,1
11,00%
0,4%
6,0
1,67
1,88
256,0
226,2
29,8
-52,5
-2,1%
352,0
66,7
334,3
111,1
2,6
36,4
19,0
1,6
5,5
7,8
7,25%
-2,5%
5,7
1,94
2,00
244,5
226,5
18,0
-52,7
-2,3%
379,1
60,0
303,6
115,8
2,4
36,7
15,6
4,0
5,2
4,6
8,25%
3,5%
5,5
2,00
2,00
273,6
254,6
19,0
-58,1
-2,4%
391,7
63,0
324,4
n/a
2,3
35,2
14,8
2014-2020
(média)
4,0
4,5
4,4
6,5%
3,3%
5,5
2,27
2,24
403,2
358,7
44,5
-57,6
-1,9%
453,1
75,8
nd
nd
0,3
24,4
11,0
7,7%
3,8%
5,7%
3,5%
7,4%
3,9%
7,3%
3,8%
6,5%
3,4%
5,7%
2,1%
2009
PIB%
IPCA %
IGP-M%
Taxa Selic
Produção industrial %
Taxa de desemprego %
Câmbio (R$/US$) - (Média Ano)
Câmbio (R$/US$) - (Final de período)
Exportações (em US$ Bilhões)
Importações (em US$ Bilhões)
Balança Comercial (em US$ Bilhões)
Saldo em Transações Correntes (US$ billhões)
Saldo em Trans. Correntes (% do PIB)
Reservas Internacionais (em US$ Bilhões)
Investimento Direto Estrangeiro (US$ bilhões)
CRB (Média)
Petróleo (Brent US$/b) - Média
Déficit nominal sem câmbio (% PIB)
Dívida líquida (% PIB)
Crédito Geral (Cresc. em % aa.)
Índice de Inadimplência Total (em %)
Índice de Inadimplência Pessoa Física (em %)
Índice de Inadimplência Pessoa Jurídica (em %)
53
Projeções obtidas a partir de informações disponíveis até 3 de agosto de 2012
2012
2013
Felipe Wajskop França
Depec-Bradesco
+55 11 3684-4989
[email protected]
WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BR
O DEPEC – BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções.
Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem
ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de
natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação
são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas
informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.
54

similar documents