FEB Boxer Cap. 1

Report
FEB: Matriz Portuguesa
A expansão marítima
ultramarina
Charles Boxer
O Império Marítimo Português,
Cap. 1
Mediterrâneo versus Atlântico
Até mudar-se para a região do Mar do Norte
(principalmente o que é hoje a Grã-Bretanha
e os Países Baixos) no século XVII, o centro
de gravidade do comércio marítimo europeu
era o Mediterrâneo (John Munro)
Conquista de Ceuta 1415 ou 1419 / 1499:
início / fim da expansão marítima no oceano
Atlântico (costa da ocidental da África; ilhas
dos Açores, Madeira, Canárias)
Portugal: expansão marítima no Atlântico
(1415 – 1499)
• Por que Portugal tomou a dianteira?
• Quais foram as motivações dos portugueses?
• Estariam seguindo um plano consciente e
programado?
Fernand Braudel:
Resumo da explicação tradicional (I)
• Situado no extremo ocidental da Europa, Portugal estava
pronto para partir
• Expulsão dos mouros em 1253: tinha as mãos livres para agir
fora de casa
• A tomada de Ceuta (1415) introduzira-o no segredo dos
tráficos distantes e despertara nele o espírito agressivo
das Cruzadas
• Portugal encontrou um herói: Infante D. Henrique, o
Navegador
 rodeado de sábios & cartógrafos, foi o inspirador
apaixonado das viagens de descobrimento
Fernand Braudel:
resumo da explicação tradicional (II)
• Avanços tecnológicos: a caravela, técnicas &
instrumentos de navegação, canhões a bordo,
etc.
• A conquista do litoral africano foi lenta porque:
- hostilidade dos ventos;
- inospitalidade do litoral saariano;
- temores diversos (espontâneos ou propagados);
- dificuldades de financiamento;
- pouca popularidade (em Portugal)
Razões das descobertas portuguesas
Boxer: não há consenso, mas pode-se afirmar que os
“impulsos fundamentais” foram uma mistura de
fatores religiosos, econômicos, estratégicos e
políticos.
• Cronologicamente (mas com sobreposições):
- cruzada contra muçulmanos;
- para se apoderar do ouro da Guiné;
- procura de Preste João; e
- busca de especiarias no Oriente.
Debate: por que Portugal saiu na frente
da Espanha?
PQ era um reino unido mais consolidado 
mouros expulsos do Algarve em 1249
Espanha = Castela + Aragão + Catalunha + Galícia...
 Unificada apenas após o casamento de Fernando de
Aragão e Isabel de Castela (1469)
 mouros expulsos de Granada em 1492
Debate: razões da tomada de Ceuta em 1415
Por que os dirigentes portugueses (reis, príncipes, nobres & comerciantes)
tomaram Ceuta em 1415?
 e, principalmente, por que mantiveram (inutilmente) o controle da
cidade até 1668?
• Motivos religiosos; sagração de cavaleiros em ordens religiosas
• Motivos econômicos:
(i) ouro da Guiné (mas será que os portugueses sabiam
disso?); entre 1383 e 1435, Portugal não cunhou
“moedas nacionais” de ouro;
(ii) precisavam de trigo (não produziam o suficiente)
Situação financeira de Portugal (I)
1383-5: Guerra com Castela. Assume o trono D. João I, o
Mestre de Avis. A paz só foi firmada em 1411
 Crise fiscal & monetária: entre 1383-1422, o
preço da prata foi elevado em 700 vezes
1435: reforma monetária que cria o real (em substituição à
libra);
 foi abandonado o sistema libra = 20 soldos // 240 dinheiros
Situação financeira de Portugal (II)
• 1457: emissão de moedas de ouro: cruzados
(inicialmente valendo 247 réis)
 A partir do final do século XV, o cruzado passa a valer
400 réis (também como unidade de conta)
V. M. Godinho: moedas de ouro eram moedas de prestígio
(internacional). Por isso não poderiam ter seu valor
intrínseco alterado o cruzado manteve suas
características durante 80 anos
Portugal & Religião & Papa
As bulas papais de meados do sé. XV e as final do século
reproduzem as aspirações portuguesas: autorizavam
o rei ou o príncipe) de Portugal “atacar, conquistar e
submeter” pagãos e outros infiéis em diferentes
regiões (“entre o Marrocos e as Índias”).
• Os dizeres das bulas “coincidiam” com os desejos dos
dirigentes portugueses
• Referências às Índias: reino de Preste João; qualquer
região à leste a partir da África Oriental.
Portugal & Religião & Papa (II)
 “O efeito cumulativo das bulas papais foi de dar
aos portugueses – e, no devido tempo, aos
outros europeus que os acompanharam –
sansão religiosa a uma atitude igualmente
dominadora com relação a todas as raças que
estivessem fora do seio da cristandade”
Portugal: negócios na África & Ilhas (I)
Inicialmente, o comércio era feito em navios atracados ao longo
da costa para desviar os negócios das caravanas
Posteriormente, foram sendo estabelecidas feitorias e
construídos fortes: Arguim (1445); S. Jorge da Mina
(1482)
Ocupação das ilhas (antes desabitadas): a partir de 1460,
produção de cereais nos Açores e açúcar na Madeira
“A fixação nessas ilhas desabitadas iniciou os portugueses na
prática da colonização ultramarina, e os colonos foram
literalmente pioneiros em um mundo novo”  Adão e
Eva...
Portugal: negócios na África & Ilhas (II)
Os lucros com os negócios permitem o
financiamento da expansão:
- “compram” ouro, escravos & marfim
- “vendem” manufaturados (tecidos, latões)
adquiridos na Europa (Países Baixos;
Inglaterra) e trigo das ilhas
Portugal: entreposto comercial?
Portugal: monarquia empreendedora? (I)
• D. Henrique (1394-1460) teria sido uma espécie de CEO da
empresa (multinacional) “Portugal Empreendimentos Ltda.”
-tomava decisões estratégicas;
- atuava diretamente nas empreitadas (p. ex., a
conquista de Ceuta);
- criava parcerias & sublocava negócios (vendia
contratos de exploração), tendo participação
nos lucros
- incentivava avanços tecnológicos: Universidade de
Coimbra; “Escola de Sagres” (?)
Portugal: monarquia empreendedora? II
Até sua morte, em 1460, o infante dom Henrique foi o
concessionário de todo o comércio ao longo da
costa ocidental africana... Mas podia autorizar
comerciantes privados a fazer viagens, contanto
que pagassem um % dos lucros.
Suas motivações não teriam sido unicamente
econômicas, mas também religiosas & místicas,
 foi Grão-Mestre da Ordem de Cristo, que
substituiu a Ordem dos Templários
Portugal: monarquia empreendedora? (III)
Entre 1469 e 1475, través de um contrato de
arrendamento Fernão Gomes obteve o
monopólio do comércio de certas
mercadorias em troca de dinheiro e da promessa
(cumprida) de descobrir 100 léguas por ano da
costa africana para a Coroa
• Em 1475, o rei Afonso V passou o negócio para seu
filho João (D. João II)
Portugal: monarquia empreendedora? (IV)
D. João II (1481-1495) foi um “imperialista entusiasmado,
que nutria verdadeira paixão pela África e seus
produtos, fossem de natureza humana, animal,
vegetal ou mineral.
 Com perspicácia, interessou-se pessoalmente pela
direção do comércio”
A Coroa cedeu os direitos de importação de escravos e
marfim a “certos indivíduos especialmente
favorecidos”, mas manteve sempre o monopólio do
ouro
 como (desde) sempre, havia muito contrabando
Portugal: entreposto comercial
As mercadorias usadas para comprar escravos e ouro (em pó)
eram importadas: tecidos, latões...
E muitos dos produtos importados da África eram
reexportados:
 Ex.: pimenta para Flandres; escravos para a Itália e,
mais tarde, para a outra margem do
Atlântico (sul & norte)
Ouro & cunhagem de moeda
Por isso, houve grande cunhagem de cruzados de ouro, que
foram exportados para pagar pelas manufaturas
 Assim, o ouro africano ajudou a colocar Portugal no
mapa da circulação monetária da Europa
Durante séculos, certos tipos moeda de ouro que circulavam
no norte da Europa eram chamadas de “portugaleses”,
embora cunhadas alhures
 V. M. Godinho: a partir do final do séc. XV, Portugal usava o
ouro africano para comprar prata (& da Alemanha) para
usar na aquisição de especiarias nas “Índias”

similar documents