OS TRANSPORTES MODERNOS

Report
OS TRANSPORTES MODERNOS
• Funções dos transportes: principal elo da cadeia
produtiva; fundamental para o desenvolvimento
urbano-industrial de uma região; essencial no
deslocamento humano;
• Redes de Transportes: estrutura interligada por
diferentes meios que auxiliam no
desenvolvimento de um país ou região;
• A densidade das redes de transportes varia de
acordo com o nível de desenvolvimento
regional;
• Desenvolvimento atual dos meios de
transportes promovem a sensação de
aceleração do tempo e encurtamento das
distâncias.
• Desenvolvimento dos meios de transportes
podem acelerar o ritmo de integração geográfica
entre regiões diferentes;
→ Dificuldades no uso dos diferentes meios de
transportes
- Custo de transferência: consumo de energia –
setor aéreo é o mais problemático;
- Tempo de deslocamento: setor ferroviário é o
mais problemático.
→ Fatores que influenciam a escolha de um meio
de transporte
- Distância percorrida;
- Tipo de mercadoria;
- Meios de transportes disponíveis com maior
facilidade na região;
- Tempo.
→ Matriz de Transportes
- Principal meio de transporte utilizado por um
país;
- A formação da matriz de transportes dependem
dos 4 fatores de influência, do momento
histórico e econômico em que foi feita tal
escolha e da geografia do local.
→ Transporte Rodoviário
• Início e expansão deste sistema está
relacionado com a evolução na produção
petrolífera e automobilística;
• Principal meio de transporte da atualidade, no
planeta;
• EUA, Índia e França possuem as maiores
malhas rodoviárias;
• Brasil: 60% do transporte de carga e 92% do
transporte de passageiros ocorre em rodovias;
• 10º colocação em relação às rodovias
pavimentadas;
• Rodoviarismo passa a predominar no Brasil a
partir da década de 1950;
• Fatores:
•
•
•
•
•
•
Chegada das primeiras multinacionais;
Criação da Petrobrás;
Enfraquecimento do setor ferroviário;
Busca por integração urbana e regional;
Avanço da urbanização;
Busca por maior rapidez nos transportes;
→ Situação Atual
- Grande parte das rodovias federais, estaduais e
municipais encontram-se em avançado estado
de deterioração;
- Ausência de políticas governamentais de
melhorias e manutenção levam a esta situação.
• Privatizações e Concessões: alternativas
criadas pelo Estado para garantir o bom estado
das rodovias e a diminuição de gastos no setor;
• Consequência: pedagiamento
→ Transporte Ferroviário
• Revolução Industrial marca o início deste
sistema de transporte;
• Séc. XIX: Inglaterra dissemina ferrovias por todo
seu território e para a Europa Ocidental;
• Fins do séc. XIX e início do séc. XX:
disseminação ferroviária atinge o leste europeu
e Rússia, além das (ex) colônias europeias na
América e Ásia;
• Atualmente, os país com maiores malhas
ferroviárias são: EUA, Rússia e China.
→ Brasil
- Conta com apenas 29 mil km de linhas férreas
(grande parte deteriorada);
- Mesmo na região mais desenvolvida do país
(Centro Sul), a densidade de ferrovias ainda é
baixa;
- Decadência inicia-se com o avanço da indústria
automobilística e com a diminuição dos
investimentos no setor;
- Década de 1990: FEPASA e RFFSA foram
privatizadas pela transnacional ALL – América
Latina Logística;
- Atualmente, é utilizado praticamente apenas
para o transporte de cargas: (minérios e
produtos agrícolas);
• A escolha pelo rodoviarismo faz com que o
Brasil obtenha gastos excessivos com
manutenção de veículos e rodovias,
combustíveis, pedágios, etc.
• A descentralização da matriz rodoviária
brasileira poderia possibilitar o avanço de outros
meios de transportes, como o ferroviário e o
hidroviário.
TRANSPORTE HIDROVIÁRIO E
AEROVIÁRIO
→ Transporte Hidroviário
• 14% do transporte de carga;
• Brasil possui 44 portos (fluviais e marinhos),
concentrados nas regiões Nordeste Sudeste;
• Navegação fluvial foi importante para ocupação
das bacias de rios como Tietê, Amazonas e São
Francisco;
• Transporte fluvial no Brasil é comprometido pelo
predomínio de rios de planalto e pela
afastamento das áreas mais desenvolvidas do
país;
• Rios de planalto podem ser navegáveis, desde
que sejam instaladas eclusas;
• Custo por Km do transporte hidroviário é 2x
menor que o ferroviário e 5x menor que o
rodoviário;
• Entretanto, os custos de instalação são
elevados: correção dos rios, eclusas, dragagem,
sinalização, demarcação de canais, etc.
• Principais hidrovias: Tietê – Paraná: Conchas
(SP) – São Simão (GO); Madeira: Porto Velho
(RO) – Itacoatiara (AM); Pirapora: Pirapora (MG)
– Juazeiro (BA); Tocantins – Araguaia: Nova
Xavantina (MT) – Porto Franco (MA); Paraguai –
Paraná: liga Brasil, Bolívia, Paraguai, Uruguai e
Argentina;
• Rio Amazônas – Solimões Guaurá – 18 milhões
ton/ano;
• Principais itens transportados:
• Bacia do Prata (rios Tietê, Paraná e Paraguai):
mais importante do Brasil – minérios, gado,
madeira, arroz, etc.;
• Bacia do São Francisco (controlada pela
CODEVASF): frutas e gado;
• Bacia Jacuí – Taquari – Lagoa dos Patos (RS) –
carvão, óleo vegetal, soja e milho;
→ Navegação Aérea
• 2,5% do transporte de passageiros;
• 0,3% do transporte de cargas;
• Meio de transporte mais seguro, rápido e
eficiente;
• Problemas: custo operacional elevado e tarifas
proibitivas para alguns países;
• Empresa administradora: Infraero;
• Empresa produtora de aeronaves: EMBRAER;
• Controle do espaço aéreo é executado pelo
CINDACTA: I – Brasília (SP, RJ, MG, GO, MT e
BA); II – Curitiba (PR, MS, SC e RS); III
(Nordeste, exceto BA e região oceânica); IV –
Manaus (região Norte).
• O sistema CINDACTA foi questionado em 2006
quando o CINDACTA I (Manaus) não foi capaz de
monitorar os vôos do Airbus da GOL e do jato
Legacy, que resultou na morte de dezenas de
pessoas
• Nos últimos anos, o sistema aeroviário brasileiro
vem sendo alvo de críticas e investigações
devido à seguidos acidentes e aos problemas
relacionados aos aeroportos (superlotação,
atrasos, ausência de reembolso, etc.);
• Tais problemas preocupam as autoridades já
que o país será sede de dois eventos esportivos
de destaque internacional nos próximos anos
(Copa do Mundo e Olimpíadas).

similar documents