Slide 1

Report
O QUE CABE À ESCOLA
NA CONSTRUÇÃO
DO SUJEITO AUTOR
Prof. Artur Motta
[email protected]
Opção:
Discutir o SUJEITO-AUTOR
abordando a relação
Família-Escola...
...colocando o dedo
em algumas feridas...
FOCO NO “CONFLITO”
COMO NÓS,
ESCOLAS E
FAMÍLIAS,
ESTAMOS NOS
VENDO
MUTUAMENTE???
Duas obras de ficção...
Como as Famílias enxergam a Escola...
Como as Escolas enxergam as Famílias...
Uma escola da Califórnia adotou normas que
exigem dos alunos e dos pais responsabilidade
pelas faltas dos estudantes e pelo trabalho de
casa. A escola e os professores estão sendo
processados por pais que querem que seus
filhos sejam aprovados mesmo com muitas
faltas e sem fazer os trabalhos escolares.
Decidiram, então, gravar na secretária
eletrônica a seguinte mensagem:
"Olá! Para podermos ajudá-lo, por favor ouça
todas as opções:
- Para mentir sobre o motivo das faltas do
seu filho - tecle 1
- Para dar uma desculpa para seu filho
não ter feito o trabalho de casa - tecle 2
- Para se queixar sobre o que nós fazemos
- tecle 3
- Para insultar os professores - tecle 4
- Para se queixar do transporte escolar –
tecle 5
-Para saber por que não foi informado
sobre o que consta no boletim do seu
filho ou em diversos documentos que lhe
enviamos- tecle 6
- Para se queixar da alimentação
fornecida pela escola – tecle 7
- Para pedir um professor novo, pela
terceira vez este ano - tecle 8
- Se quiser agarrar, esbofetear ou agredir
alguém- tecle 9
- Se quiser que criemos o seu filho – tecle 0
Mas, se você já compreendeu que
este é o mundo real e que seu
filho deve ser responsabilizado
pelo próprio comportamento, pelo
seu trabalho na aula, pelas
tarefas de casa, e que a falta de
esforço do seu filho não é culpa
do professor, desligue e tenha um
bom dia!”
AUTOR
AUGÈRE
=
FAZER
CRESCER
Referencial comum
ESCOLA e FAMÍLIA
O que nossos
Alunos e Filhos
estão fazendo
crescer?
NOSSOS ALUNOS E FILHOS
SÃO AUTORES DE QUÊ???
QUE NARRATIVA DE VIDA
NOSSOS ALUNOS E FILHOS ESTÃO
ESCREVENDO ???
NARRATIVA
DE VIDA
MEMÓRIA
PROJETO
SUJEITO
SUBJETIVIDADE NA
CONTEMPORANEIDADE
Anomia
X Inversão Anômica
Considerando-se que as crianças e os adolescentes
estão construindo uma identidade e se construindo
como sujeitos humanos, a tarefa do educador e da
educadora reveste-se de uma importância enorme
em nível da subjetividade.(...)
Muitas vezes eles são a única pessoa que poderá
mostrar ao aluno um outro modelo de ser humano,
distinto daqueles modelos que ele, aluno, encontra
em família. (...)
Em síntese, [o professor e a professora] são
agentes subjetivantes.
(FERNÁNDEZ, 1998:26).
A dificuldade que problematiza a
questão está no fato de que este
educador, que deve atuar como
agente subjetivante, encontra-se,
também ele, submetido aos mesmos
processos de fragmentação,
deslocamento e
questionamentos
identitários.
Incentivar e favorecer que todos,
institucional e pessoalmente,
busquemos contribuir para a
formação do sujeito-autor em
nossos alunos, reconhecendo,
porém, que nessa construção,
vamos construindo o sujeito autor
também em nós.
A RELAÇÃO ENTRE OS “FORMADORES”
MEDIADA PELOS “FORMANDOS”...
PAI
MÃE
ESCOLA
FAMÍLIA
FILHO
ALUNO
A RELAÇÃO ENTRE OS “FORMADORES” E
A MARCAÇÃO DE TERRITÓRIOS NA ESCOLA
ÁREA PROFISSIONAL
ÁREA ESCOLAR
Professores, Equipe Técnica
Pais, Professores, Alunos,
Equipe Técnica, Funcionários
e Funcionários
ÁREA
PEDAGÓGICA
Educadores
e
Alunos
Antonio Nóvoa
ÁREA PEDAGÓGICA
EDUCADORES E ALUNOS
É O ESPAÇO ONDE SE
CONCRETIZAM AS
DIMENSÕES DO
TRABALHO DOCENTE
DIMENSÕES DO
TRABALHO DOCENTE
EXPRESSIVOCOMUNICATIVA
ESPECIALIDADE
SUBJETIVIDADE
TÉCNICOPEDAGÓGICA
SOCIOCULTURAL
ÁREA ESCOLAR
Pais, Professores, Alunos,
Equipe Técnica, Funcionários
Espaço de discussão
do PROJETO EDUCATIVO
da Escola:
Visão de Homem e de Mundo
Modos de realizar a Visão
ALGUNS ELEMENTOS QUE PRECISAM
SER RESGATADOS E RESSIGNIFICADOS
disciplina
autoridade
discere = aprender
augère = fazer crescer
Disciplina como
CONDIÇÃO PARA
APRENDER E
FAVORECER QUE O
OUTRO APRENDA
Autoridade como
ATITUDE DE AMOR
E SERVIÇO PARA
FAZER O OUTRO
CRESCER
E AÍ... TEM SAÍDA ??????????
REDISCUTIR O PAPEL DA ESCOLA
ESCOLA-MESA
Pierre Babin
REDISCUTIR O PAPEL DA ESCOLA
ESCOLA COMO ESPAÇO
PARA AS TROCAS DE SABERES
DE TODOS OS QUE CONSTITUEM A
COMUNIDADE.
Peter Drucker
AGENDA “MÍNIMA”
Adequar a cada REALIDADE
Construir COLETIVAMENTE
Comunicar CLARAMENTE
AGENDA “MÍNIMA”
Explicitar, para nós mesmos, como
Escola, quais são nossos princípios
fundamentais, nossas propostas,
normas e regras e traduzir tudo isso
numa linguagem que todos entendam,
especialmente as Famílias dos nossos
Alunos, buscando, ainda, os meios mais
eficazes para fazer tudo isso chegar às
suas casas.
AGENDA “MÍNIMA”
Estabelecer os conceitos de
subjetividade e de autoria com os quais
a Escola vai trabalhar, fundamentando
suas escolhas em bases, não apenas
teóricas, mas, especialmente, nos
valores contidos
em sua Proposta Pedagógica,
em sua Missão Institucional
e em sua Visão de Pessoa e de Mundo.
AGENDA “MÍNIMA”
Identificar os aspectos de sua prática
cotidiana que devem ser corrigidos e
os que devem ser reforçados, frente
a um diagnóstico da realidade da
Escola, que tem como referenciais os
conceitos e princípios estabelecidos
nos itens anteriores.
AGENDA “MÍNIMA”
Estabelecer seus
referenciais de autoridade
e disciplina, deixando-os
claros para todos.
AGENDA “MÍNIMA”
Definir e apresentar a todos, com
clareza, o que cabe aos diferentes
atores, nas diferentes áreas de que
participam, como modo de
contribuir para a formação do
sujeito-autor.
AGENDA “MÍNIMA”
Abrir espaços para o diálogo entre
adultos, como ferramenta de análise
das representações mútuas entre
Escola, Família e Aluno, com a
devida correção das estratégias
adotadas por uns e outros na
formação do Aluno.
AGENDA “MÍNIMA”
Criar espaços e tempos
institucionais de formação que
favoreçam aos adultos que fazem
parceria na Escola, tornarem-se
melhores na execução de suas
tarefas específicas e daquilo que
fazem em conjunto.
Encerrando...
Materiais estão disponíveis
[email protected]
Encerrando...
Conhecer é tarefa de sujeitos,
não de objetos.
E é como sujeito e somente
enquanto sujeito, que o homem
pode realmente conhecer.
Paulo Freire
Encerrando...
Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas.
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim esse atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um
formato de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Manoel de Barros

similar documents