generostextuaisCEADLetras

Report
Gêneros textuais:
conceitos e distinções
Autores:
Helena Maria Ferreira
Marco Antonio Villarta-Neder
Raquel Márcia Fontes-Martins
Mauricéia Silva de Paula Vieira
Conceitos e distinções
Gênero textual – textos concretos encontrados no
dia-a-dia, marcados por certos padrões sóciocomunicativos característicos; entidades empíricas:
telefonema, poema, carta, piada.
Tipo textual – sequência teórica de natureza
lingüística, responsável pela organização do texto;
modo textual não materializado: narração,
argumentação, exposição, descrição, injunção.
Domínio discursivo – uma “esfera de atividade
humana” = instâncias discursivas (domínios jurídico,
jornalístico, científico, religioso, popular etc);
espaços retóricos de realização dos gêneros.
Suporte textual: locus físico ou virtual com formato
específico que serve de base ou ambiente de
fixação do gênero materializado como texto.
GÊNEROS TEXTUAIS
•
•
•
•
Práticas sociocomunicativas – constituídas de um
determinado modo, com uma certa função, em dadas
esferas de atuação humana;
textos materializados encontrados no dia-a-dia, como
práticas sócio-históricas e culturais, que se traduzem
em ações para agir sobre o mundo;
são fenômenos contextualmente situados,
(re)conhecidos empiricamente.
é toda e qualquer manifestação concreta do discurso
produzida pelos sujeitos.
Exemplares
• conto de fadas, fábula, lenda, biografia, romance,
novela, conto, crônica, adivinha, piada, relato, diário
íntimo, testemunho, anedota, caso, autobiografia,
curriculum vitae, notícia, reportagem, histórico, relato
histórico, ensaio biográfico, carta de leitor, carta de
solicitação, deliberação informal, debate, assembleia,
ata, discurso, resenha crítica, artigos de opinião,
editorial, ensaio, exposição oral, seminário, conferência,
comunicação oral, palestra, entrevista, verbete, artigo
científico, tomada de notas, resumo, resenha, relatório
científico, relatório oral de experiência, instruções de
montagem, receita, regulamento, regras de jogo,
instruções de uso.
Dimensões constitutivas
• Apesar das variações
(formas “relativamente”
estáveis), os gêneros
possuem elementos
indissociáveis:
 composição (forma),
 conteúdo (tema),
 estilo (organização
linguístico-textual) e
 função social (propósito
comunicativo).
Dimensão temática
• caracterização do conteúdo;
• assunto de que o texto vai tratar, gerado
numa esfera discursiva com suas
realidades sócio-culturais;
moda
cultura
economia
saúde
esporte
agronegócios
política
lazer
segurança
educação
tecnologia
Dimensão linguístico-textual
• Caracterização do estilo;
• seleção lexical, estruturas
frasais, aspectos gramaticais,
relações entre elementos
linguísticos, adequação das
formas linguísticas ao contexto
de uso.
Exemplo
— Rodrigo, trouxe os exercícios da semana passada?
Perguntou ela, cumprindo a promessa de cobrar.
—Eu truce, mas o di onti eu num consegui...
Nem acabou a frase e dona Marisa berrou:
— Repita: eu trouxe, mas o de ontem não consegui.
Rodrigo repetiu certinho, mas tremendo,
vermelho e gaguejando. A sala morria de rir.
Rodrigo queria morrer, sumir, virar inseto e voar.
—
E por que não conseguiu? — perguntou dona
Marisa, furiosa.
—
Tive uns problema e num tinha mi insinassi.
Elias José. Uma escola assim eu quero para mim. São Paulo, FTD, 1993
Dimensão composicional
• Caracterização da
construção
composicional, partes
do texto;
• procedimentos,
organização,
estrutura formal de
apresentação
(formato)
• diagramação
Dimensão social
• Propósito comunicativo
• Função social
• Atenção ao conjunto de participantes e vontade
enunciativa ou intenção do locutor.
• principal traço definidor de gênero (um gênero
compreende uma classe de eventos
comunicativos, cujos membros compartilham os
mesmos propósitos comunicativos. Tais
propósitos constituem-se em razões que
moldam a estrutura esquemática do discurso e
influenciam e impõem limites à escolha de
conteúdo e de estilo).
Intergenericidade
• revela-se quando um texto de um
determinado gênero dialoga com, remete
a, ou incorpora outro gênero imitando ou
deslocando a função e/ou a forma
originais.
• Refere-se ao rompimento com estruturas
composicionais já estabilizadas a partir de
novos propósitos comunicativos, que
resulta em novas formas enunciativas.
Exemplo
poema/lista
UM DIA
1) sujar o pé de areia pra depois lavar na água
2) esperar o vaga-lume piscar outra vez
3) ouvir a onda mais distante por trás da mais próxima
4) não esperar nada acontecer
5) se chover, tomar chuva
6) caminhar
7) sentir o sabor do que comer
8) ser gentil com qualquer pessoa
9) barbear-se no final da tarde
10) ao se deitar para dormir, dormir
Arnaldo Antunes. In: Boa companhia: poesia. São
Paulo: Companhia das Letras, 2003.
Exemplo
anúncio sentimental/ peça publicitária
Anúncio Visa Electron
Jovem, poliglota, de excelente reputação e prestígio, bem
recebido no Brasil inteiro e em mais de 200 países,
procura, para relacionamento experimental de 6 meses
e futuro compromisso, pessoas acima de 21 anos, que
adorem viver bem, gostem de viajar, ir a restaurantes,
shoppings, teatros, supermercados, fazer compras e
muitas outras coisas boas da vida.
Rio de Janeiro: 0800 21-0080 - Cartão Visa Nacional. 6
meses sem anuidade para você conhecer e aprovar.
Entre em contato com a gente hoje mesmo e associe-se
ao Nacional Visa. Você tem 6 meses para testar e
aprovar todos os seus benefícios e serviços exclusivos.
Exemplo
notícia/poema
Poema tirado de uma notícia de jornal – Manuel
Bandeira
João Gostoso era carregador de feira livre e morava
no morro da Babilônia num barracão sem número.
Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro
Bebeu
Cantou
Dançou
Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e
morreu afogado.
Competência metagenérica
• capacidade do falante de construir na memória um
modelo cognitivo de contexto, que lhe faculte reconhecer,
compreender e produzir diferentes gêneros.
• possibilita interagir de forma adequada com os mais
diversos textos que circulam nas diferentes esferas das
práticas sociais.
• permite ao receptor o reconhecimento das características
do gênero; a reelaboração dos conteúdos simbólicos
produzidos em diversos contextos; o estabelecimento de
relações com outros gêneros e/ou práticas sociais para a
reapropriação dos sentidos produzidos pelo/no gênero
por parte dos interlocutores.
Por que ensinar e aprender a língua a partir dos gêneros
textuais?
• participar ativamente dos espaços discursivos em que se
insere, comunicando com maior adequação nas
diferentes situações comunicativas;
• entender o texto como um construto social, que adquire
legitimação na relação entre texto e contexto de
produção e distribuição.
• produzir textos condizentes ao estilo, formato, conteúdo
e função social.
• ser capaz de se posicionar criticamente nas situações de
recepção (compreensão) e de produção de textos.
Análise de textos
• natureza da informação ou do conteúdo veiculado;
• nível de linguagem (formal, informal, dialetal, culta
etc.);
• tipo de situação em que o gênero se situa (pública,
privada, corriqueira, solene etc.);
• relação entre os participantes (conhecidos,
desconhecidos, nível social, formação etc);
• natureza dos objetivos das atividades
desenvolvidas.

similar documents