ESTRIAS - Dermatologia HUEC

Report
ESTRIAS
Aline Paula Biazus Somacal
Residente Dermatologia
ESTRIAS
• Morfologia linear, aspecto atrófico e superfície
discretamente enrugada.
• No início são eritematosas ou violáceas e
discretamente elevadas. Após meses adquirem
tonalidade branco-nacarada.
• Frequencia extremamente elevada,
principalmente em mulheres. São anormais?
• Problemas de ordem estética/psicológica.
ESTRIAS
• Surgem a partir da adolescência ou gravidez.
Média: 14-20 anos. Raramente na pre-puberdade
ou acima de 45 anos.
• 3x mais frequente em mulheres. Nos homens são
mais discretas.
• Surgem perpendicularmente ao eixo de maior
tensão da pele, acompanhando as linhas de
clivagem da pele (linhas de Langer)
• Localizações principais:
o Mulher: nádegas, abdome, mamas
o Homem: dorso, região lombossacra e parte externa das coxas.
Condições associadas
• síndrome/doença de Cushing: estrias grandes,
principalmente em abdome e flancos
• corticoterapia tópica: principalmente os fluorados
e de alta potência
• Gravidez: mais no 3° trimestre, multíparas, abdome,
mamas e quadris
• Hepatopatias crônicas
• Síndrome de Marfan
• Pseudoxantoma elástico
• Síndrome de Buschke-Ollendorf
•
Patogenia – fatores
desencadeantes:
Fatores mecânicos
:
o Mudança das forças de tensão que atuam sobre a pele
• Fatores bioquímicos:
o Estrogênios causam elevação da taxa de ácido
hialurônico e condroitinossulfatos
o Gestação: diminuição das relaxinas, hormônio associado
à distensibilidade do tecido conectivo, na gestação.
o Corticóides fluorados.
Há aumento significativo da expressão de receptores para
glicocorticoides, estrógenos e andrógenos em áreas de pele
com estrias. O papel dos glicocorticoides na gênese das
estrias está classicamente relacionado a efeito
antiproliferativo, inibindo a formação de colágeno e
potencializando a atrofia após a inflamação.
• Predisposição genética
Patologia
• Início: processo inflamatório intenso, mononuclear e
perivascular. Derme com edema. Essas alterações se
estendem por até 3cm além da borda da estria,
ocorrendo elastólise e desgranulação de mastócitos,
seguido de afluxo de macrófagos em torno das fibras
elásticas fragmentadas.
• Fase tardia: Epiderme atrófica e aplainada. Na derme
as fibras elásticas estão bastante alteradas e as
colágenas dispõem-se em feixes paralelos à superfície
na direção da presumida força de distensão.
• Patologia = cicatriz.
• ME: fibroblastos estão destituídos de organelas de
síntese (complexo de golgi e retículo endoplasmático
rugoso). Nas fases tardias há neoformação fibrilar de
fibras colágenas e elásticas (desaparecimento das
estrias com o passar dos anos)
Diagnóstico diferencial
• Elastose focal linear
• Anetodermias
Tratamento
Estrias recentes e
eritematosas
• Tretinoína tópica
• Flash-lamp dye laser
• Peelings químicos (ATA)
Estrias albas e tardias
• Ácido glicólico com
vitamina C
• Divulsão transdérmica
• microdermoabrasão
1. TRETINOÍNA TÓPICA
• 0,05 a 1% em creme 1 a 2x/dia
Avaliação histológica comparativa da eficácia de ácido tricloroacético e
subcisão, isolados e combinados, no tratamento de estrias abdominais.
• Surg Cosmet Dermatol 2012;4(1):31-7.
• 11 mulheres com estrias no abdomen (10 albas e 1 nigra)
• Avaliação histológica após 1 sessão de ATA 20% isolado,
subcisão isolada ou subcisão combinada ao ATA 20%.
• A epiderme mostrou melhora principalmente com ATA
• Na derme superficial o melhor resultado foi obtido com
subcisão isolada e subcisão + ATA20%
• Conclusões:
o O tratamento das estrias com ATA 20% associado ou não a
subcisão pode ser aplicado a estrias
o Histologicamente existe alteração comprovada após todos
os procedimentos citados; no entanto, o uso de apenas ATA
20% para melhora da epiderme e da subcisão para melhora
da derme superficial foi estatisticamente significativo.
o Nenhum dos tratamentos mostrou-se superior aos demais
2. ÁCIDO
TRICLOROACÉTICO
• Peelings de ATA 15-20% mensais
3. FLASH-LAMP
PULSED DYE LASER
•
•
•
•
•
1 sessão a cada 8 semanas
Média de 3 a 4 sessões
Desaparecimento em torno de 6 meses
Melhora de 30 a 70%
Efeitos adversos: descoloração amarronzada,
hipocromia, resposta incompleta
Pulsed Dye Laser (PDL)
585 nm
Trabalho de 1996 realizado por McDaniel DH et al.
39 mulheres (38 estrias albas e 1 estria rubra)
1 aplicação de PDL
Análise por métodos fotográfico e profilométrico,
além de análise histológica em dois pacientes
• Melhora clínica e histológica, foi mais acentuada
no que utilizou energia alta e spot grande.
•
•
•
•
PDL
•
•
•
•
2003, Jimenez GP et al
20 pacientes (9 estrias rubras e 11 albas)
2 tratamento com intervalo de 6 semanas
Moderado benefício na redução do eritema da
estria rubra; não houve melhora na aparência
clínica da estria alba, mas houve aumento do
colágeno.
PDL associada a
radiofrequência
• Suh DH et al., em 2007
• 39 pacientes, fototipos altos
• Radiofrequência + PDL na primeira sessão e apenas
PDL em mais 2 sessões
• 89,2% dos pacientes: aparência geral boa a muito
boa
• 59,4%: Melhora da elasticidade como boa a muito
boa
4. ÁCIDO GLICÓLICO
• Ácido glicólico a 20%
• Vitamina C tópica 5-15%
• Melhora na aparência, textura, comprimento e
largura
Ácido glicólico
• Ash et al.
• Ácido glicólico 20% em combinação com tretinoina
0,05% ou com L-acido ascórbico 10%.
• 10 pacientes com estrias albas.
• Ácido glicólico e tretinoina em metade da estria e na
outra metade ácido glicólico e acido L-ascórbico,
diariamente durante 12 semanas.
• Análise
por
escala
visual,
profilométrica
e
histopatológica.
• Ambos os regimes melhoraram a aparência das estrias.
• 70% dos pacientes referiram irritação leve com ambos
os tratamentos.
5. DIVULSÃO
TRANSDÉRMICA
• Descolamento da estria na altura da derme em
movimentos de lateralidade e vaivém, causando
trauma tissular
• trauma  sangramento  coagulação 
formação de colágeno
• Melhores resultados: estrias isoladas, mamas,
glúteos, porção proximal de MMII, dorso e braços.
• Complicações: raras. Hipercromia residual, cicatriz
hipertrófica e infecção secundária.
5. DERMOABRASÃO
SUPERFICIAL
• Destruição
da
camada
epidérmica,
consequente restauração cutânea efetiva.
com
• 4 a 10 sessões, com intervalos de 2 a 3 semanas.
• Evitar exposição solar por 30 dias na área tratada
Excimer Laser 308 nm
2003 por Golberg DJ
75 pacientes com estrias albas
Até 15 sessões
76% ou mais de melhora na pigmentação das
estrias apos media de 8,4 tratamentos.
• Melhora da aparência foi observada em 80% dos
indivíduos.
•
•
•
•
Dermabrasão + ATA
• Dermabrasão manual seguida de ATA 15% em
creme patenteado oclusivo (ácidos graxos,
vitamina C, E e H, precursores da tretinoina, algas e
oligoelementos − selênio, silício e metionina)
• 69 pacientes.
• Melhora de 70% na avaliação do médico e dos
pacientes.
LIP
Perez, em 2002
15 mulheres com estrias albas adominais
5 sessões de LIP com intervalo de 15 dias
A melhora clínica foi avaliada pelo paciente,
enfermeira e pesquisador, e a histológica por dois
dermopatologistas.
• Melhora clínica:
•
•
•
•
o Moderada: 40%,
o Boa: 20%
o muito boa : 40%
• Melhora microscópica com significância estatística
• Ausência de efeitos adversos graves e período rápido
de recuperação.
Laser Nd:YAG de 1064nm
•
•
•
•
•
2008 por Goldman A et al
20 pacientes com estrias rubras
3,45 sessões por paciente, intervalo de 3-6 semanas
Comparação fotográfica
Resposta excelente:
o Médico: 40%
o Pacientes: 55%
• Boa alternativa para tratamento de estrias rubras

similar documents