MALDADE E RESSENTIMENTOS: O AVESSO DO

Report
{
IARA L. CAMARATTA ANTON
Psicóloga – CRP 07/0370
Psicoterapeuta Individual e de Casais
Escritora., com 5 livros publicados.
E.mail: [email protected]
Site: www.iaracamaratta.com.br
Facebook: Iara Camaratta Anton
Colunista de “Tempo de Mulher”
RESSENTIMENTO
Há pessoas que passam a vida olhando para trás.
 Algumas saudosistas, incapazes de viverem o
presente, como se tudo de bom já tivesse
passado, esquecem que, possivelmente, o dia de
hoje também virá a ser lembrado como
“naqueles bons tempos...”, sem que o “aqui e
agora” jamais tenha valor algum.

SAUDOSISTAS
Iara L. Camaratta Anton
Outras, pelo contrário, lastimam-se e
odeiam o já vivido, mas não permitem
que o passado ocupe seu verdadeiro
lugar.
O que passou não passou, de tal modo
que todas as dores permanecem vivas,
dando à vida um colorido escuro,
sombrio, de tal modo que a própria
vida se desvitaliza...

DESVITALIZANDO À PRÓPRIA VIDA
Iara L. Camaratta Anton
Segundo Kancyper, “a palavra
ressentimento define-se como a amarga
e arraigada lembrança de uma injúria
particular, da qual se deseja tirar
satisfações.”
 “Seu sinônimo é rancor”, cuja origem
latina significa “queixa, querela,
demanda” (p. 7).

RESSENTIMENTO SEGUNDO
KANCYPER
Iara L. Camaratta Anton
Há, ainda, aqueles cujo “retrovisor” registra
única e exclusivamente o que doeu, gerou
mágoas e ressentimentos.
 O prefixo “re” diz muito. Onde há “re”, há
“repetição”.
 Assim, as pessoas que cultivam “re-sentimentos”
vivem no passado e, mais do que isto, atribuem
ao presente e ao futuro um único e maléfico
objetivo: o exercício da vingança.

RESSENTIMENTO
Iara L. Camaratta Anton

“Ressentir-se (segundo Kehl) significa
atribuir a um outro a responsabilidade pelo
que nos faz sofrer. (...) Ressentimento não é
um conceito da psicanálise; é uma categoria
do senso comum que nomeia a
impossibilidade de se esquecer ou superar um
agravo. (...) O ressentido não é alguém incapaz
de se esquecer ou de perdoar; é um que não
quer se esquecer , ou que não quer perdoar,
não deixar barato o mal que o vitimou” (pp.
11/12).
RESSENTIMENTO SEGUNDO KEHL
Iara L. Camaratta Anton
“A partir do ressentimento, surge a vingança, mediante
uma ação reiterada, torturante, compulsivamente
repetitiva, na fantasia e/ou na atuação.”
 O sujeito se transforma em uma “vítima privilegiada.
Desde esse lugar, adquire “direitos de represália,
desforra e revanche, contra aqueles que perturbaram a
ilusão de perfeição”.
 “É na vingança que se reverte a relação. O sujeito
ressentido, na sua possibilidade de inversão de papéis,
passa de um objeto anterior humilhado a um sujeito
agora torturador” (p. 8).

RESSENTIMENTO E VINGANÇA
SEGUNDO KANCYPER
Iara L. Camaratta Anton
“O ressentimento seria (...) o avesso do arrependimento;
é uma cobrança indireta de um bem cedido ao outro por
submissão ou covardia. Instalado no lugar de queixoso, o
ressentido não se arrepende: acusa.
 Sua reinvindicação não é clara: ele não luta para
recuperar aquilo que cedeu e sim para que o outro
reconheça o mal que lhe fez.
 No entanto, não espera obter reparação: o que ele quer é
uma espécie de vingança. Uma vingança imaginária (..)
sempre adiada, que ele prefere gozar na fantasia a
executar” (pp. 20/21).

RESSENTIMENTO E VINGANÇA
SEGUNDO KEHL
Iara L. Camaratta Anton
É mediante o ressentimento que o sujeito
bloqueia sua afetividade, anulando também a
percepção subjetiva da passagem do tempo e
da discriminação dos espaços, com o que
imobiliza seus objetos e seu ego numa
agressividade vingativa a serviço de povoar
um mundo imaginário sinistro” (p. 8).
 “O impulso ressentido (...) não visa destruir o
objeto, mas sim castigá-lo” (p. 14).

RESSENTIMENTO E BLOQUEIO DA
AFETIVIDADE
SEGUNDO KANCYPER
Iara L. Camaratta Anton
Anula a passagem do tempo e adia o processo de vingança
(“Vingança é um prato que se come frio...”), ocupando-se
disso ao longo de toda a vida.
 “Para consegui-lo, a relação objetal que sustenta o
ressentimento apresenta uma configuração que se
singulariza por:
 A) Imobilização do objeto;
 B) Maus-tratos ao objeto;
 C) Preservação do objeto, evitando seu desaparecimento”
(p. 15).

RESSENTIMENTO & ANULAÇÃO DA
PASSAGEM DO TEMPO
SEGUNDO KANCYPER
Iara L. Camaratta Anton
“A sedução cria uma situação propícia ao
ressentimento. O seduzido não sente que agiu
por conta de seu desejo, mas por efeito dos
poderes de encantamento do sedutor que fez
dele seu objeto, seu brinquedo. O seduzido é,
por definição, inocente; se for abandonado,
estará feita a cama para o ressentimento” (p. 21).
{
SEDUÇÃO E RESSENTIMENTO
SEGUNDO KEHL
Iara L. Camaratta Anton
Quando somos procuramos por pessoas que
cultivam ressentimentos, é muito provável que
possamos identificar, com bastante brevidade,
que este é um estado de espírito, uma “atitude”,
uma característica vital da pessoa em questão.
 Esta posição usualmente vem se desenvolvendo
ao longo de toda a história do indivíduo,
entrelaçando-se à dinâmica familiar e à
passagem de gerações.

RESSENTIMENTOS E HISTÓRIA PREGRESSA
Iara L. Camaratta Anton
A escolha do cônjuge e o “contrato secreto do casamento”
tendem a possibilitar o deslocamento de antigas mágoas,
rancores, cobranças e ressentimentos, de modo que o
cônjuge, além de ser quem ele é, passa a funcionar como
representante de alguém presente em um passado
remoto.
 Neste caso, passado, presente e futuro são costurados
com fios extremamente resistentes e dificilmente
desfeitos.
 Geralmente, nestes casos, a busca de terapia atende a
motivações de caráter não-terapêutico, de modo que o
terapeuta, de uma ou de outra forma, é permanentemente
desafiado.

RESSENTIMENTOS E ESCOLHAS AMOROSAS
Iara L. Camaratta Anton
Os quadros caracterizados por ressentimentos
implicam em reativação contínua de antigos
rancores, tendo em vista uma vingança sem
fim.
 Estes rancores, esta busca incessante de
pequenas e grandes vinganças, podem
coincidir com relações sadomasoquistas, onde
imperam o mal e a maldade.

RESSENTIMENTOS & MAL/DADES
Iara L. Camaratta Anton
O Bem, por definição, implica em afeição,
austeridade moral, utilidade, vantagem...
Suas definições podem, muitas vezes,
serem ambíguas e tendenciosas.
 O Mal opõe-se ao bem, à honra; tem a ver
com angústia, sofrimento, doença,
desvantagens. Suas definições também se
prestam a ambiguidades e
tendenciosidades.

O BEM E O MAL
Iara L. Camaratta Anton
Bondade é benevolência, clemência, doçura,
predisposição a fazer o bem.
 Maldade refere à mordacidade, crueldade,
perversidade e, por vezes, a simples
traquinagens.
 Aqui, porém, estamos referindo exclusivamente
ao prazer em maltratar, próprio de pessoas
sádicas; mas, especialmente, ao maltratar
eternamente insaciável, interminável, próprio
dos quadros dominados por ressentimentos

BONDADE E MALDADE
Iara L. Camaratta Anton
1. Sedutor cativa e explora a vítima vulnerável.
 2.O malvado usa de uma suposta bondade para atraí-la.
 3. Cria-se um espaço potencial falso, estimulando
esperanças e ambições.
 4. A vítima aceita o oferecimento, cegada pela tentação,
tornando-se dependente por excelência.
 5. Ocorre alguma escandalosa traição das expectativas
criadas.
 6. Vítima passa por uma desilusão catastrófica e
infantilização radical.
 7. Morte psíquica: a vítima vivencia o assassinato de seu
próprio ser.
 8. Experimenta uma dor interminável, irrecuperável
(Outeiral, pp. 40/41).

O PROCESSO DA MALDADE EM 8 PASSOS
SEGUNDO BOLLAS
Iara L. Camaratta Anton
Em condições adequadas, uma pessoa que se
encontra psiquicamente “bem” dificilmente vai
jogar este jogo maligno; menos sujeita à
ingenuidade, não se coloca na posição de vítima
em potencial.
 Caso se engane, rompe o jogo, ainda que com
muita dor e, então, pune o maldoso agressor de
uma vez por todas, e/ou afasta-se definitiva e
radicalmente da relação.

QUANDO A VÍTIMA DE MALDADES
TAMBÉM É VÍTIMA DE SI MESMA
Iara L. Camaratta Anton
Quando a pessoa se submete, é provável que
esteja subjugada por sentimentos de culpa
inconscientes.
 Por vezes, a opção por uma escolha que
implica em crueldades, em sofrimentos sem
fim, pode estar a serviço de antigos
ressentimentos, que se justificam na aliança
presente, dando margem à perpetuação de um
estado de ressentimentos

CULPAS INCONSCIENTES E
CULPAS PROJETADAS
Iara L. Camaratta Anton
Existem diferenças importantes entre as maldades
praticadas por prazer, de caráter sádico, e as
praticadas por ressentimentos, embora ambas
correspondam a um narcisismo patológico.
 Em se tratando de escolhas ditas “amorosas”, o
“malvado” identifica sua vítima, através de
microssinais, predominantemente não-verbais.
 Ferenczi refere a uma ação hipnótica, exercida
sobre a pessoa escolhida como vítima, que passa a
agir como se estivesse num estado de transe.

A AÇÃO HIPNÓTICA DAS SEDUÇÕES
MALIGNAS
Iara L. Camaratta Anton
Moura denomina “efeito-isca”, descrevendo
através de contos de fadas o funcionamento do
“radar do abusador” (que comete a sedução e a
agressão malignas) “tocando de forma magistral,
detectando a ambição específica, mas que tem
por detrás uma necessidade” (p. 52).
 A mim faz lembrar o bote das serpentes sobre
pequenos pássaros que se paralisam diante de
sua aproximação. As serpentes não o fazem,
porém, por maldade. O ser dito “humano”, faz.
O “EFEITO-ISCA” (SEGUNDO MOURA)
ou
“O BOTE DA SERPENTE”

Iara L. Camaratta Anton
A maldade pura e simples inclui o prazer em
conquistar, em dominar, em humilhar, em fazer sofrer.
Ela representa, por si só, o mal, conforme o
conceituamos.
 Existem, porém, pseudo-bondades, quando as pessoas
também conquistam, dominam, humilham e fazem
sofrer, encobrindo suas maldades pessoais através de
comportamentos aparentemente amorosos, que geram
dívidas impagáveis, estabelecendo entre um e outro
uma relação de duplo-vínculo e de poder.

MALDADES E PSEUDO-BONDADES
EM RELAÇÕES DITAS “AMOROSAS”
Iara L. Camaratta Anton
Mas o fato é que relações marcadas por
ressentimentos também podem ser consideradas
maldosas, por excelência.
 Nestes casos, o outro torna-se devedor para sempre,
sem quaisquer possibilidades de evasão.
 O sujeito ressentido não quer compreender, nem
perdoar e, muito menos, esquecer.
 Dedica sua vida ao exercício da vingança.

RESSENTIMENTO E MALDADE
Iara L. Camaratta Anton
De um modo geral, não se pode falar em prazer
nesse modelo de maldade, pois nele se cultiva
permanentemente a dor, no intuito de perpetuá-la.
 O cônjuge é, simultaneamente, o suposto culpado e
o representante de sofrimentos muito antigos por
parte de seu parceiro. Está estigmatizado.
 De suposto agressor, passa à vítima, enquanto que o
ressentido, de suposta vítima passa a agressor.

PRAZERES DESPERDIÇADOS
Iara L. Camaratta Anton
Quando existe amor, pelo contrário, existe
respeito pela alteridade, pelos sentimentos,
crenças e valores do parceiro.
 Impossível amar, se não existir um amor-próprio
sadio.
 Impossível cultivar uma saudável autoestima, se
não tiver havido, em tenra infância, a experiência
de ser bem-amado.

AMOR E ALTERIDADE
Iara L. Camaratta Anton
Quando se ama, não há espaço para ofensas
e para ressentimentos.
 Quando mal-entendidos, desentendimentos
e mágoas se apresentarem, amar e ser amado
permite o reencontro, o entendimento mútuo
e o perdão.

AMOR E SUPERAÇÃO DE CONFLITOS
Iara L. Camaratta Anton
Na verdade e em síntese
MALDADE E RESSENTIMENTOS
MERECEM SER CONSIDERADOS
O LADO AVESSO DO AMOR.

MALDADE E RESSENTIMENTOS:
O AVESSO DO AMOR
Iara L. Camaratta Anton
Muito obrigada por sua atenção!
Iara L. Camaratta Anton
E.mail: [email protected]
Site: www.iaracamaratta.com.br
Facebook: Iara Camaratta Anton
Fones (51) 3331.0536 ou (51) 9901.3501
BIBLIOGRAFIA:
ANTON, IARA L. CAMARATTA: A escolha do cônjuge – um
entendimento sistêmico e psicodinâmico. ARTMED/Grupo A.
___; Homem e Mulher – seus vínculos secretos. ARTMED/Grupo A.
BOLLAS, CH: The work of unconscious experience. Hill and Wang.
____: A estrutura da maldade. Simpósio da Assocoação Psicanalítica
Uruguaia.
FERENCZI, SANDOR: Obras completas. Martins Fontes.
KANCYPER, LUIS: Ressentimento e remorso. Casa do Psicólogo.
KEHL, MARIA RITA: Ressentimento. Casa do Psicólogo.
MOURA, LUIZÂ: A sedução maligna .In: OUTEIRAL, JOSÉ: Breve
ensaio sobre a maldade.. Revinter.
OUTEIRAL, JOSÉ: Breve ensaio sobre a maldade.. Revinter.
____: Recortes sobre a maldade. In: OUTEIRAL, JOSÉ: Breve ensaio
sobre a maldade. Revinter.

similar documents