Filosofia Moral

Report
O homem é uma interseção entre dois mundos: o real e o
ideal. Pela liberdade humana, os valores do mundo ideal
podem atuar sobre o mundo real.(Nicolai Hartmann)
 No nosso dia-a-dia, encontramo-nos
frequentemente diante de situações nas
quais a nossa decisão depende daquilo que
consideramos bom, justo ou moralmente
correto.
 Toda vez que isso ocorre, estamos diante de
uma decisão que envolve um julgamento
moral, a partir do qual vamos orientar nossa
ação.
A característica específica do
homem em comparação com os
outros animais é que somente
ele tem o sentimento do bem e
do mal, do justo e do injusto e
de outras qualidades.
(Aristóteles. Política, p.15)
 O ser humano age de acordo c0m VALORES,
compartilhados por um grupo de pessoas num
determinado momento.
 O HOMEM É UM SER MORAL: um ser que avalia
sua conduta a partir de valores morais.
 A palavra moral vem do latim, morus (costumes), e refere-
se ao conjunto de normas que orientam o
comportamento humano tendo como base valores
próprios a uma dada comunidade e cultura.
 A palavra ética, vem do grego ethikos (modo de ser,
comportamento), e se aplica á disciplina filosófica que
investiga os diversos sistemas morais elaborados pelos
homens, buscando compreender a fundamentação das
normas e proibições, assim explicitar os pressupostos do
ser humano e a existência humana.
 A ética analisa o comportamento moral.
 Como filosofia prática, a ética orienta-se pelo
desejo de unir o saber ao fazer, isto é, busca aplicar
o conhecimento sobre o ser para construir aquilo
que deve ser. E, para isso, é indispensável uma boa
parcela de conhecimento teórico.
 Qual a diferença entre normas morais e normas
jurídicas, uma vez que ambas destinam a regulamentar
as relações humanas de um determinado grupo?
 Aspectos comuns
Imperativos
Valores culturais próprios
Melhor convivência
caráter histórico
 Aspectos diferentes
Jurídicas
Morais
-Relação estreita com o Estado
-Convicção pessoal
-A punição está prevista na
legislação
-Código formal
-Coerção Estatal
-Punição depende da
consciência moral
-A esfera moral é mais ampla
-Aceitação
 O ser humano, além de consciência lógica tem
consciência moral. Ou seja, faculdade de observar a
própria conduta e formular juízos sobre os atos
(passados, presentes e futuros)
 Depois de julgar, o homem tem condições de escolher,
dentre as circunstâncias possíveis, seu próprio
caminho na vida.
O que é virtude?
No contexto moral, significa a
qualidade ou ação que dignifica
o homem. Sendo a prática
constante do bem ao uso da
liberdade com responsabilidade
moral
 Há responsabilidade moral, quando existe liberdade
pessoal.
 A ênfase no determinismo, seja biologicamente, ou
natureza histórico social.
 A ênfase na liberdade, o homem é sempre livre.
 A dialética entre liberdade e determinismo; o homem é
determinado e livre ao mesmo tempo.
 As condutas dos indivíduos podem variar entre dois extremos, o
do consentimento e o da negação da moral vigente.
 Na escolha moral estão em jogo tanto fatores objetivos como
subjetivos.
 CONFLITO ÉTICO: quando o indivíduo recusa conscientemente
uma norma moral por entendê-la inadequada ou ilegítima.
 NIILISMO ÉTICO: se caracteriza pela negação radical de todo e
qualquer valor moral.
 PERMISSIVISMO MORAL: uma versão deteriorada e
individualista do niilismo, por trás da negação dos valores
vigentes, se escondem interesses particulares.
Concepções filosóficas entre o bem e o mal
 A preocupação com os problemas éticos teve início de uma
forma mais sistematizada na época de Sócrates, filósofo
conhecido como pai da moral.
 Os SOFISTAS afirmavam que não existem normas e
verdades universalmente válidas.
 Tinhas uma concepção ética relativista ou subjetivista.
 Sócrates sustentou que existe um saber universalmente
válido, que decorre do conhecimento da essência humana,
na qual se pode conceber a fundamentação de uma moral
universal.
 E o que é essencial ao humano?
 O homem é essencialmente razão, e é na razão que se
devem, fundamentar as normas e costumes morais.
 A ética socrática é RACIONALISTA.
 Platão, desenvolveu o racionalismo ético,
aprofundando a diferença entre corpo e alma.
 Argumentava que o corpo , por ser a sede dos desejos e
paixões, muitas vezes desvia o homem de seu caminho
para o bem.
 Defendeu, a necessidade de purificação do mundo
material, para se alcançar o Ideia de Bem.
 O homem, não consegue caminhar em busca da
perfeição agindo sozinho, necessita da sociedade, da
polis.
 No plano ético, um homem bom é também um bom
cidadão.
 O Estoicismo, desenvolveu uma ética baseada na
procura da paz interior e no autocontrole individual,
fora dos contornos da vida política.
 O princípio é a apathéia: atitude de aceitação de tudo
que acontece, porque tudo faria parte de um plano
superior guiado por uma razão universal que a tudo
abrangeria.
 Epicurismo: esta ética, tinha como princípio a ataraxia:
a atitude de desvio da dor e procura do prazer
espiritual, que contribui para a paz de espírito e o
autodomínio.
 “o essencial para nossa felicidade é a nossa condição
íntima e dela somos senhores”. (Epicuro)
 Aristóteles, desenvolveu uma ética racionalista, mas
sem dualismo corpo-alma platônico. Procurou
construir uma ética mais realista, mas próximo do
homem concreto.
 Perguntou-se sobre o fim último do ser humano. Para
quê tendemos? FELICIDADE.
 Para ele felicidade não se confunde com o simples
prazer, o prazer das sensações ou o prazer
proporcionado pela riqueza e conforto material.
 A felicidade maior se encontraria na vida teórica que
promove o que há de mais especificamente humano: A
RAZÃO.
O homem “teórico” seria o que teria essa capacidade, o
homem comum aprenderia pelo hábito.
 Para Aristóteles, agir corretamente seria praticar
virtudes. E o que seria virtude?
EQUILÍBRIO

A coragem por ex. seria a virtude situada
entre a covardia e a temeridade.
 Assim, propôs a ética do meio-termo, a virtude seria
encontrar o equilíbrio.
 É importante ressaltar que tanto em Aristóteles como
em Platão, a ética estava vinculada à vida política.
 Dois pontos diferencia radicalmente da ética grega:
 O abandono do racionalismo, a busca da perfeição moral
no amor a Deus e na boa vontade.
 A emergência da subjetividade, tratou a moral desde um
ponto de vista pessoal, uma relação entre cada indivíduo
e Deus.
 Santo Tomás de Aquino (sec XIII), recuperou da ética
aristotélica a ideia de felicidade como fim último, mas
cristianizou essa noção quando identificou Deus como
a fonte dessa felicidade.
Santo Agostinho (sec. III), e a ética do livre-arbítrio.
 Transformou a ideia de purificação da alma da filosofia
de Platão, na ideia da necessidade de elevação ascética
para se compreender os desígnios de Deus.
 Também a ideia de imortalidade da alma presente em
Platão, foi retrabalhada por Agostinho.
 Introduziu a ideia de liberdade como livre-arbítrio, ou
seja a noção de que cada indivíduo pode escolher
livremente entre aproximar-se de Deus ou afastar-se
Dele.
 É no mal uso do livre-arbítrio que estaria a origem de
todo mal.
Para Nietzsche
a moral cristã é
uma moral de
rebanho, de
vencidos que
perderam a
vontade de
potência.
Noções como
pecado, culpa e
inferno seriam
apenas formas de
dominação da
força vital
individual.
 Com o final da Idade Média, marcado pelo
renascimento, há uma retomada ao humanismo,
orientou uma nova concepção de moral, centrada na
autonomia humana.
 Os valores devem ser fundamentada não mais nos
valores religiosos, mas oriundos da compreensão da
natureza humana.
 Kant, expressa esse período caracterizando uma
natureza racional ao ser humano.
 A ética do dever de kant:
 Aponta para a razão humana como uma razão
legisladora, capaz de elaborar normas universais, uma
vez que a razão é predicado universal dos homens.
 As normas morais devem ser obedecidas como
deveres, a noção kantiana de dever se confunde com a
própria noção de liberdade, pois o indivíduo obedece a
uma norma moral que atende à liberdade da razão.
 Kant reforça essa ideia ao dizer que só pode ser
considerado um ato moral aquele ato praticado de
forma autônoma e por dever.
Age apenas segundo uma
máxima (um princípio)
tal que possas ao mesmo tempo
querer que ela se torne lei
universal.
(KANT, Immanuel. Fundamentação da
metafísica dos costumes, p. 59.
 Imperativo categórico: uma determinação
imperativa que ser observada sempre, em qualquer
decisão que venhamos a tomar.
 Ideia de UNIVERSALIZAÇÃO
 Ética formal, ou formalista.
 Por quê nós realizamos atos contrários ao dever,
portanto contrárias à razão?
 Nossa vontade é afetada pelas inclinações, que são
desejos, as paixões, os medos e, não apenas pela razão.
 Apesar de haver desdobramentos diferentes, o ponto
em comum entre os pensadores é a recusa de uma
fundamentação exterior, transcendental para a
moralidade, centrando no homem concreto a origem
dos valores e das normas morais.
 Fundamentação histórico social de Hegel:
 Questionou o formalismo kantiano. Ao não levar em
consideração a história e a relação do indivíduo com a
sociedade, a ética de Kant, não apreende os conflitos
reais existentes nas decisões morais.
 Hegel, apregoa que a moralidade assume conteúdos
diferenciados ao longo da história das sociedades.
 A moral seria o resultado da relação entre o indivíduo e o
conjunto social.
 A fundamentação ideológica de Marx:
 Entendia a moral como uma produção social que atende a
determinada demanda da sociedade. E essa demanda deve
contribuir para regulação das relações sociais.
 Uma vez que as relações sociais se transformam ao longo da
história, transformam-se também os indivíduos e as
moralidades que regulam essas relações.
 Marx compreende a moral como forma de consciência
própria a cada momento do desenvolvimento da
existência social, portanto não são absolutos.
 A moral, seria uma das formas assumidas pela
IDEOLOGIA dominante em sociedade, pois difunde
determinados valores que são necessários à
manutenção dessa sociedade.
 É a fundamentação ideológica da moral.
 A ética discursiva de Habermas:
 Outra busca de respostas e fundamentação para uma
ética contemporânea se desenvolveu no campo da
análise da linguagem.
 Habermas, com sua ética discursiva, ou seja uma ética
fundada no diálogo e no consenso. A razão para ele é
uma razão comunicativa, construída através da
argumentação que leva a um entendimento entre os
indivíduos.
 É uma razão interpessoal e não subjetiva; é uma razão
processual e não definitiva acabada.
 É uma aposta na linguagem e na capacidade de
entendimento entre as pessoas na busca de uma ética
democrática e não autoritária, baseada em valeres
validade e aceitos consensualmente.
 A grande questão que permanece em relação a essa
proposta ética é quanto às condições de realização de
um diálogo livre e igualitário na sociedade de hoje,
marcada pela desigualdade e pelo constrangimento.

similar documents