Aula dia 21/02 (TARDE e NOITE)

Report
Tecnologias WAN
Guilherme Guimarães
ISDN
• Integrated Service Digital Network;
• RDSI (Rede Digital de Serviços Integrados);
• É uma tecnologia que usa o sistema telefônico comum,
sendo pioneira na tecnologia xDSL;
• A linha ISDN permite uma conexão a até 128 Kbps;
• A linhas ISDN só podem ser instalados diretamente
aparelhos telefônicos digitais ISDN, fax digitais ISDN e
modems digitais ISDN.
• Há dois níveis de serviço: a Interface de Taxa Básica
(BRI), para uso doméstico e pequenas empresas. Para as
grandes empresas é usada a Interface de Taxa Primária
(PRI);
ISDN
• São formadas por três canais básicos;
• Dois canais do tipo "B", que transmitem e recebem
dados a uma taxa de transferência de 64 Kbps, e um
canal do tipo "D", de 16 Kbps, que é utilizado por sinais
de controle;
• Como possui estes dois canais, é possível conectar a
Internet e falar ao telefone ao mesmo tempo;
• Para conectar-se à internet a 128 Kbps, é necessário
usar os dois canais de 64 Kbps;
• Se alguém ligar para o seu número e você quiser
atender, um dos canais deverá ser desocupado, fazendo
que a taxa de transferência caia para 64 Kbps;
ISDN
• Há uma nova tecnologia sendo desenvolvida,
B-ISDN (Broadband ISDN) que usará cabos de fibra ótica
e transmissão ATM;
• A tecnologia ISDN perdeu força nos últimos
principalmente por conta da adoção dos padrões xDSL,
em especial o ADSL, que oferecem taxas de transmissão
superiores;
Outros tipos de WAN
• As três mais conhecidas: X.25, Frame Relay e ATM;
• Operam com o conceito de circuito virtual, simulando
uma rede por comutação de circuito em cima de uma
rede por comutação de pacotes;
• Com isso, é feita a conexão entres redes distantes umas
das outras, formando redes do tipo MAN ou WAN;
• São normalmente, assim como o ISDN, oferecidas por
operadoras telefônicas;
X.25
• Criado nos anos 70, quando linhas de transmissão
digitais eram raridade;
• Incorpora a confirmação dos dados recebidos, sendo
confiável e orientado à conexão;
• Foi o primeiro a ter sucesso comercial, principalmente
nas décadas de 70, 80 e início da década de 90;
• A partir dos anos 90 então, a arquitetura X.25 foi
gradualmente sendo substituída pelas arquiteturas
Frame Relay e ATM;
• No Brasil, foram comercializadas pela Embratel com o
nome de RENPAC (Rede Nacional de PACotes);
X.25
X.25
• A taxa de transferência típica é de 64 kbps;
• Quando falamos em “X.25”, nos referimos apenas à
camada Nível de Pacote;
• A camada Nível de Link é responsável por transformar
os pacotes recebidos do protocolo X.25 em quadros a
serem transmitidos pela rede;
• O protocolo mais usado nesta camada é o LAP-B (Link
Access Protocol, Balanced), responsável por confirmar o
recebimento de cada quadro;
X.25
• A camada Nível Físico recebe os quadros enviados pela
camada superior e os transforma em sinais elétricos a
serem transmitidos pela rede;
• O padrão mais usual desta camada é o X.21, que
especifica a interface com o cabeamento da rede;
Frame Relay
• Criado quando já existiam linhas digitais disponíveis,
onde, a taxa de erros é muito baixa;
• A interligação via Frame Relay costuma utilizar canais T1
(1,544 Mbps, padrão dos EUA) ou E1 (2 Mbps, padrão
na Europa e Brasil);
• É possível usar canais T1 ou E1 fracionários, com taxas
menores que as máximas, pagando menos pelo serviço;
• No Brasil, que segue o modelo europeu, as velocidades
estão disponíveis em múltiplos de 64 Kbps;
• A taxa contratada é chama de CIR (Commited
Information Rate);
Frame Relay
• Não incorpora nenhum mecanismo para verificar se o
quadro de dados chegou corretamente ao destino;
• Também não tem um sistema de retransmissão de
pacotes, se tivesse seria um protocolo mais lento;
• Opera nas camadas 2 e 3 do modelo OSI, sendo
necessário um protocolo de alto nível operando acima
do Frame Relay, como o TCP / IP;
Frame Relay
Frame Relay
• Uma característica interessante do Frame Relay
é que se a rede estiver ociosa, é possível transmitir
dados a uma taxa mais alta;
• Exemplo: um caminho de 2 Mbps entre dois nós,
conectando quatro clientes com serviços contratados de
512 Kbps, se três destes clientes não estiverem
trafegando nada para a rede Frame Relay, o quarto
cliente pode, em teoria, transferir dados a até 2 Mbps;
ATM
• Asynchronous Transfer Mode;
• Criada na época das conexões digitais por fibra
óptica e não com cabos convencionais como nos
anteriores;
• Embora redes Frame Relay possam também usar fibra
óptica hoje em dia;
• Podem ser usadas várias taxas de transferências em
redes ATM, o mais usual é 155 Mbps;
• Assim como a Frame Relay, o receptor não confirma o
recebimento dos dados ao transmissor;
ATM
• Isso acontece para aumentar o desempenho da rede,
não perdendo tempo com este mecanismo;
• Como o X.25 e Frame Relay, o ATM trabalha nas
camadas mais baixas do modelo OSI, precisando assim,
de um protocolo trabalhando acima dele;
• Vários protocolos podem ser usados, como o TCP / IP e
o próprio Frame Relay;
• Então, é possível usar redes ATM para transportar
quadros Frame Relay;
• No ATM, cada canal virtual é identificado com um
número de 24 bits;
ATM

similar documents