01-Gestão-Socioambiental-como-fator-de

Report
GESTÃO SOCIOAMBIENTAL COMO
FATOR DE COMPETITIVIDADE
EMPRESARIAL
Gestão de Relações Comunitárias
Profª. Fernanda Alves
1
A MUDANÇA NO
AMBIENTE DOS
NEGÓCIOS
2
A empresa como instituição
sociopolítica
Mudança no ambiente das empresas
◦ Empresas como instituições econômicas
com responsabilidades referentes a
problemas econômicos fundamentais
(produção, mercado).
DONAIRE, 2009

3

Visão tradicional da empresa
Preço e
qualidade do
produto
Escolha dos
empregados
Uso de
recursos
(incluindo uso
de capital)
Quantidade
produzida
DONAIRE, 2009
Empresa
4
A empresa como instituição
sociopolítica

Visão tradicional
DONAIRE, 2009
◦ Os aspectos sociais e políticos que
influenciam o ambiente dos negócios não
são considerados variáveis significativas
e relevantes na tomada de decisões dos
administradores, e as repercussões que
as decisões internas possam acarretar no
contexto
sociopolítico
tem
pouco
significado para a cúpula das empresas.
 "O que é bom para as empresas é bom para a
sociedade de forma geral".
5
A empresa como instituição
sociopolítica

Mudança no ambiente das empresas
Surgimento de novos papéis (resultado das
alterações no ambiente que operam – social e
ambiental).
DONAIRE, 2009

6

Visão moderna da empresa
Mudanças nos
valores e
ideologias
sociais
Aumento da
influência de
grupos sociais
externos a
organização
Mudança da atitude
da sociedade em
relação ao papel
desempenhado
pelas empresas
Ambiente
internacional
EMPRESA
Crescimento da
importância das
comunicações e do
papel desempenhado
pelos meios de
comunicação
Intervenção crescente
da atuação do estado
na economia
Fortalecimento
dos sindicatos e
associações de
classe
Elevação do padrão
ético a ser
desempenhado pelas
organizações
DONAIRE, 2009
7
A empresa como instituição
sociopolítica
DONAIRE, 2009

Visão moderna
◦ A empresa é vista como uma instituição
sociopolítica. A linha de demarcação entre
a empresa e seu ambiente é vaga e
ambígua. Não há consenso de quais
seriam as verdadeiras responsabiidades
sociais de uma empresa. Este estado de
coisas tem tornado o atual ambiente dos
negócios imprevisível e mutável.
8
A empresa como instituição
sociopolítica
Exemplos de novas preocupações
◦ Proteção ao consumidor
◦ Controle da poluição
◦ Segurança e qualidade dos produtos
◦ Assistência médica e social
◦ Defesa de grupos minoritários
DONAIRE, 2009

9
A empresa como instituição
sociopolítica
Consequências:
◦ Novas pressões por parte da sociedade
◦ Novas leis e regulamentações
◦ Mudanças nas "regras do jogo"
◦ Novas diretrizes e limitações para que a
empresa possa operar de forma eficaz
DONAIRE, 2009

10
A empresa como instituição
sociopolítica
Mudança no pensamento da
sociedade
◦ Ênfase econômico  ênfase no social
◦ Valorização de aspectos sociais




Distribuição mais justa da renda
Qualidade de vida
Relacionamento humano
Realização pessoal
DONAIRE, 2009

11
DONAIRE, 2009
A empresa como instituição
sociopolítica

A sociedade tem ficado mais atenta
ao
comportamento
ético
das
empresas.

A
imprensa
tem
noticiado
posicionamentos poucos éticos por
parte das empresas.

Consequência cobrança de mais
atitude e fiscalização por parte da
classe política e do governo sobre a
atuação das organizações.
12
A empresa como instituição
sociopolítica
A lucratividade e a rentabilidade das
empresas é fortemente influenciada
pela sua capacidade de antecipar e
reagir frente às mudanças sociais e
políticas que ocorrem em seu
ambiente de negócios.
DONAIRE, 2009

13
A NATUREZA DA
RESPONSABILIDADE
SOCIAL
14
Responsabilidade Social
A responsabilidade social implica um
sentido de obrigação para com a
socidade.
◦
◦
◦
◦
◦
◦
Proteção ambiental
Projetos filantrópicos e educacionais
Planejamento da comunidade
Equidade nas oportunidades de emprego
Serviços sociais em geral
Todas ações de conformidade com o
interesse público
DONAIRE, 2009

15
Responsabilidade Social
DONAIRE, 2009

A justificativa para o sentido de
responsabilidade social por parte da
empresa fundamenta-se na liberdade
que a sociedade concede à empresa
para existir. Pode-se considerar a
existência de um contrato social. Uma
empresa, como outras organizações,
tem a liberdade de existir e trabalhar
por
um
objetivo
legítimo.
O
pagamento dessa liberdade é a
contribuição da empresa para com a
sociedade.
16

O contrato entre as organizações e a
sociedade
NOVO CONTRATO
VELHO CONTRATO
ECONÔMICOS
Insumos
- Capital
- Matéria-prima
- Recursos
humanos
Insumos
- Ar e água
-Composição da
mão-de-obra
- Qualidade da
mão-de-obra
E
M
P
R
E
S
A
S
SOCIAIS
Saídas
- Bens & Serviços
- Salários e
rendas
- Juros e
dividendos
Saídas
- Poluição
- Acidente /
doenças
- Discriminação /
pobreza
17
A COMPETITIVIDADE NO
CONTEXTO ATUAL
18
A Competitividade
A revolução tecnológica e o mundo
cada vez mais globalizado estão
gerando
transformações
e,
consequentemente, um novo contexto
competitivo empresarial.
 Nova
realidade:
rapidez
nas
informações, maior concorrência e
comunicação instantânea.
 Condições mínimas de sobrevivência
ALIGLERI, ALIGLERI & KRUGLIANSKAS, 2009.

◦ Preço, produto de qualidade, notável
serviço para o cliente e controle de
custos.
19
A Competitividade
ALIGLERI, ALIGLERI & KRUGLIANSKAS, 2009.

O macroambiente traz novos desafios
◦ Valorização de comportamentos
ecologicamente corretos
◦ Busca por qualidade de vida no trabalho
◦ Postura ética
◦ Diversidade da força de trabalho

Ambiente político
◦ Leis e regulamentos mais rígidos
◦ "licitações verdes"
20
A Competitividade
ALIGLERI, ALIGLERI & KRUGLIANSKAS, 2009.

Ambiente tecnológico
◦
◦
◦
◦

Ecodesing
Logística reversa
Produção de menor impacto ambiental
Maior segurança no trabalho
Ambiente econômico
◦ Crédito diferenciado e mais barato para
empresas ambientalmente corretas
◦ Expansão de fundos de investimentos
socialmente responsáveis
21
ALIGLERI, ALIGLERI & KRUGLIANSKAS, 2009.
A Competitividade

As empresas mais competitivas não
são as que possuem acesso aos
insumos de baixo custo, mas aquelas
que sabem interpretar as tendências
contextuais e empregam tecnologias e
métodos mais avançados em sua
gestão.

A imagem da marca torna-se um fator
estratégico, e influencia fortemente o
preço das ações e a fidelidade dos
clientes.
22
A Competitividade
ALIGLERI, ALIGLERI & KRUGLIANSKAS, 2009.

Conceitos, valores, missão e crenças
que integram o foco de construção
das
marcas
propiciam
uma
competição
cada
vez
mais
centralizadas
em
elementos
intangíveis, sendo difíceis de serem
copiados por outras organizações.
23
A Competitividade

A reputação da organização torna-se
um fator importante para a retenção e
conquista de mercados.
ALIGLERI, ALIGLERI & KRUGLIANSKAS, 2009.
◦ Como os stakeholders vêem a empresa
 Partes
interessadas
ou
públicos
de
relacionamento, grupos ou indivíduos que têm
interesse nas atividades ou decisões de uma
organização.
 Clientes,
fornecedores,
governos,
acionistas,
organizações
não
governamentais,
mídia,
colaboradores, concorrentes.

Para manterem-se competitivas, as
empresas necessitam produzir um
retrato atraente para vários públicos
Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte - Tecnologia em Eventos – Eventos com
Consciência Ambiental Profª. Fernanda Alves R. Guimarães – www.fernandaalves.com.br
24
A Competitividade
ALIGLERI, ALIGLERI & KRUGLIANSKAS, 2009.

Atrelar à marca uma imagem ética e
socialmente responsável é um fator
estratégico de competitividade moderna.
Isso faz com que os padrões de decisão
de uma empresa, que determinam seus
objetivos, propósitos e metas, precisem
ser repensados de forma a incluir
estratégias de reputação e legitimidade
frente ao mercado. É nesse sentido que
se aponta à necessidade de as
empresas articularem-se melhor com
seus stakeholders, criando novas
interfaces dentro e fora da empresa e
entre diferentes funções e atividades.
Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte - Tecnologia em Eventos – Eventos com
Consciência Ambiental Profª. Fernanda Alves R. Guimarães – www.fernandaalves.com.br
25
Ética nas empresas pode influenciar o dia a
dia dos funcionários
Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte - Tecnologia em Eventos – Eventos com
Consciência Ambiental Profª. Fernanda Alves R. Guimarães – www.fernandaalves.com.br
26
Referências Bibliográficas

ALIGLERI, Lilian; ALIGLERI, Luiz Antônio; KRUGLIANSKAS, Isak.
Gestão Socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do
negócio. Atlas, 2009. 248 p.

DONAIRE, Denis. Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São
Paulo: Atlas, 2009. 169 p.
21/08/2
009
Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte - Tecnologia em Eventos – Eventos com
Consciência Ambiental Profª. Fernanda Alves R. Guimarães – www.fernandaalves.com.br
27

similar documents