PUC-Rio - Instituto de Física / UFRJ

Report
Workshop – Astronomia e Física – 14-15 de junho de 2010 – Brasília,DF
Departamento de Física
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
PUC-Rio
Rio de Janeiro
Marco Cremona - coordenador
PUC-Rio
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO FÍSICA
O programa de pós-graduação começou
em 1965 com o Mestrado. O Doutorado
iniciou logo em seguida, em 1967.
Desde a sua criação o programa
formou 237 Mestrandos e 106
Doutorandos.
Na mesma área:
UFRJ, CBPF, UFF, UERJ
O programa oferece, para os candidatos qualificados, bolsas de estudo
de diversas agencias CNPq, CAPES, FAPERJ e PUC.
PROPOSTA DO CURSO
Mestrado
• UNIPOS-RIO (exame unificado da pós-grad. em Física do Rio de Janeiro.
•22 créditos (4 em Física Quântica, 2 em Seminários e 2 in “estagio docência” em
disciplinas de graduação; outros créditos em disciplinas diferentes do prog.).
• Média  7
•Exame de língua Inglês (leitura e compreensão de um texto).
•Dissertação de mestrado com a orientação de um orientador do programa.
•Discussão e defesa da dissertação com uma Comissão de três professores (1 fora
da PUC-Rio). A Comissão deve ser aprovada pela Universidade.
Doutorado
•UNIPOS-RIO e exame de qualificação após o primeiro ano (defesa projeto).
•40 créditos (12 em Mecânica Quântica, Eletromagnetismo, Mecânica Estatística; 4
em Seminários e 4 em “estagio docência” em disciplinas de graduação; outros
créditos em disciplinas diferentes do prog.).
•Média  7
•Exame de língua (redação de um texto em Inglês ou tradução numa segunda
língua).
•Tese de doutorado com a orientação de um orientador do programa (Obrigatória a
publicação de 1 artigo.)
• Defesa da Tese com uma banca de 5 professores (2 fora da PUC-Rio). A Comissão
deve ser aprovada pela Universidade.
http://www.fis.puc-rio.br/pginformacoes.php
LINHAS DE PESQUISA: ATUALIZAÇÃO=EVOLUÇÃO
10 experimentais vs 5 teóricas
2:1
 Física Atômica e de Materiais
Colisões atômicas
Física das superfícies
Materiais nanoestruturados
Fabricação e caracterização de nanoestruturas
Nanotecnologia
Biofísica e
biotecnologia
Econo-física
Magnetismo
aplicado à arte

Física da Matéria Condensada (teoria e exp.)
Dispositivos opto-eletrônicos orgânicos (Eletrônica Orgânica)
Componentes fotônicos em fibras e vidros
Biofísica molecular e espectroscopia
Supercondutividade aplicada e magnetismo
Física estatística
Ensaios eletro-magnéticos não-destrutivos
Sistemas granulares
Propriedades eletrônicas e de transporte de materiais

Física de partículas e campos
Radiação cósmica e energias extremas
Física dos neutrinos e astrofísica
Física das altas energias
PLANEJAMENTO – AVALIAÇÃO
A carreira docente na PUC-Rio exige que a promoção vertical de seus
docentes seja feita após a avaliação por parte de uma série de Comissões de
Avaliação de Pessoal Docente (CAPD).
NÃO existe progresso nesta carreira que não seja baseado no mérito.
NÃO existem promoções por tempo de serviço.
Comissões de Avaliação de Pessoal Docente (CAPD): formada por 2
membros externos, necessariamente professores titulares, e 3 membros
internos. Como exemplo: Ênio Frota da Silveira (1B), Fernando Lazaro (1A),
Enrique Anda (1B), Mucio Continentino-CBPF (1A) e Raul Donangelo-UFRJ
(1A).
Desde
2005
o
Departamento
implementou
um
processo
de
CREDENCIAMENTO TRIENAL de seus membros, independente da sua
promoção. Esta avaliação é feita pela CAPD e aprovada pelo Departamento.
No programa permanecem somente os professores que tenham o perfil
adequado às exigências de excelência acadêmica.
PLANEJAMENTO - ESTRATEGIAS
• Fortalecimento do programa de pós-graduação
• Investir em áreas de pesquisa estratégicas no contexto nacional e
internacional (atenção no mercado do trabalho).
• Fortalecer as atuais linhas de pesquisa do Departamento (plano para
contratar novos professores para renovar o corpo docente).
Áreas prioritárias (atualizando os nichos de competência):
Nanociências/ Nanotecnologia e interface com biologia/mecânica estat.
• Novas atividades e iniciativas para atrair/aumentar o número de bons
alunos:
 ex. Escola de Verão da PUC-Rio em 2009 com mais de 250
alunos. A 2º edição será em janeiro de 2011.
 ex. Olimpíadas de Física para graduação (com bolsas PUC)
 UNIPOS-RIO – Exame unificado pós-graduação Rio de Janeiro
• Formação e qualificação de professores de primeiro e segundo grau
(Duque de Caxias)
• Revisão da grade curricular .
• Infra-estrutura (Não CT-Infra, Não CAPES-equip., etc....)
INFRA-ESTRUTURA EDUCACIONAL
Todos os laboratórios possuem
projetor LCD e os experimentos
são disponíveis também na WEB:
www.cbctc.puc-rio.br
Física III: Eletromagnetismo
Física I: Mecânica
WiFi disponível em todo o Campus
INFRA-ESTRUTURA PARA PESQUISA
LABORATÓRIOS VAN DE GRAAFF (600 m2)
•
•
•
•
Laboratório de Nanoscopia
Revestimentos protetores e materiais nanoestruturados
Espectrometria de massa de macromoléculas (LEMM)
Acelerador eletrostático
LABORATÓRIOS DO GRUPO DE FÍSICA APLICADA (340 m2)
•
•
•
•
•
•
•
Magnetismo aplicado à arte
Ensaios eletro-magnéticos não-destrutivos.
Bio-magnetismo
Espectroscopia de bio-moléculas
Filmes finos e Eletrônica Orgânica (LOEM)
Optoeletrônica
Materiais sob condições extremas
~ 5 ML
de US$
A lista completa das instalações e da descrição dos Laboratórios pode ser
encontrada na pagina: http://www.fis.puc-rio.br/index.php
INFRA-ESTRUTURA PARA PESQUISA
Van de Graaff Lab
Mass spectrometry
Thin films Lab
Optics
Docentes (P & C)
19
17
P, C ou V
Nome do Docente
Antonio Carlos O. Bruno
Carla Göbel B. de Mello
Carlos Vieira de B. Leite Fo.
Celia Beatriz Anteneodo
Enio Frota da Silveira
Enrique Victoriano Anda
Fernando Lázaro Freire Jr.
Geraldo Monteiro Sigaud
Hiroshi Nunokawa
Hortencio Alves Borges
Isabel Cristina dos S.Carvalho
Marcelo E. H.Maia da Costa
Marco Cremona
Maria O. Machado de Matos
Maria Augusta M. Davidovich
Paulo E. de L. Costa Ribeiro
Rodrigo Prioli Menezes
Sônia Renaux W.Louro
Welles A.Martinez Morgado
Rosane Riera Freire
Ronald Cintra Shellard
20
Titulação
2007
2008
2009
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
C
C
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
C
P
P
-P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
P
--P
P
P
P
C
Doutor
Doutor
Doutor
Doutor
Docteur
Ph.D.
Doutor
Doutor
Ph.D.
Ph.D.
Doutor
Doutor
Doutor
Doutor
Ph.D.
Docteur
Doutor
Doutor
Ph.D.
Doutor
Ph.D.
Ano
1990
1999
1977
1993
1977
1972
1985
1985
1992
1986
1991
2005
1999
1982
1976
1973
1998
1980
1997
1985
1978
Disciplina 2007 Disciplina 2008
(G e PG)
(G e PG)
Disciplina 2009
(G e PG)
Bolsa
CNPq
1D
1D
G e PG
G
G
G
G e PG
G e PG
G
G
G
G e PG
G e PG
G e PG
G
G
G
G
G e PG
G e PG
PG
G
G e PG
G e PG
G e PG
G e PG
G e PG
G
G e PG
G
G
G
G
G
G
G
G
G
G
G e PG
G
G
G
G
G
G
--
G
G
G
G
G e PG
G
G e PG
G e PG
G
G e PG
G
G
G e PG
G e PG
G
G
G e PG
G
Professores (doutores) – 16 bolsistas CNPq (80% - 60% são CNPq 1)
Todos engajados em disciplinas de grad. e/ou pós-grad. (100%)
2
1B
1B
1A
1D
1C
2
2
2
1D
2
2
2
1A
Anosdoutoramento
de
Doutoramento
Docentes (experience
Permanentes ( m=21,4)
2.1
Faculty
doctoral
“lifetime”
and youth)
Anos
de
Equilíbrio entre
professores jovens e
sênior.
EA
PC
GU
EN
CV
SH
SO
MA
SG
LZ
HO
AC
IS
HI
CA
WE
RO
CR
CG
MH
0
Corpo Docente Permanente
30
25
20
5
10
15
20
25
30
35
Years after doctoral degree
Mais de 10 anos com o
mesmo número de
docentes no programa.
15
10
5
19
98
19
99
20
00
20
01
20
02
20
03
20
04
20
05
20
06
20
07
20
08
20
09
0
2007 – 80% Orientadores
2008 – 85% Orientadores
2009 – 90% Orientadores
40
Alunos, dissertações e teses
Teses e Dissertações
2008
D
M
4
3
D
7
M
3
Ingresso
2007
2008
2009
Mestrado
7
4
11
Doutorado
6
8
6
% defendidas/CD
2007
2008
2009
26,00
18,00
26,00
% defendidas/CP
2007
2008
2009
35,00
50,00
D
5
M
5
Aumento do numero de
discentes autores
0.40
0.35
0.30
0.25
0.20
0.15
0.10
0.05
0.00
53,00
2009
Bolsas insuficientes
Discente aut / Tot. publ.
2007
01-03
04-06
Triênio
07-09
Numero de alunos
Composição do Corpo Discente
D
M
Série2
Série1
45
39
40
35
30
25
20
15
10
5
0
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
Tempo Médio de Titulação (meses)
Tempo de titulação
70
Série1
M
Série2
D
60
50
50
52 52
40
30
23
25 27
20
10
0
1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
 Todos os nossos alunos são bolsistas CNPq, CAPES, FAPERJ ou PUC-Rio.
 Nenhum aluno de pós-graduação é pagante.
PRODUÇÃO CIENTÍFICA
Distribuição com docentes e com discentes
Publications
2007
2008
2009
Total
Docentes (perm.)
19
20
17
56
Colaboradores
2
1
1
4
Discentes
39
39
39
117
Discentes autores
16
11
10
37
Qualis A1 ( 2 - 5% )
3
3
1
7
Qualis A2 (26% - 17%)
15
7
7
29
Qualis B1 (24% - 35%)
14
14
13
41
Qualis B2 (19% - 23%)
11
9
13
33
Qualis B3 (17% - 5%)
10
2
5
17
Qualis B4 (5% - 10%)
3
4
3
10
Qualis C
2
1
2
5
Total papers (A+B+C)
58
40
44
142
A+B+C/ Permanentes
3,0
2,0
2,6
2,5
Discentes aut. / Discentes
0,32
A+B+C discentes / A+B+C
0,38
Numero artigos vs Qualis
Autores discentes vs Qualis
16
16
2007
2008
2009
14
Nr. autores discentes
Numero artigos
12
14
10
8
6
4
12
10
8
6
4
2
2
0
0
A1
A2
B1
B2
B3
B4
C
A1
A2
B1
B2
B3
B4
Qualis
Qualis CAPES
Nr. médio autores = 5
Patentes 2007
2008
2009
Nacional
2
1
2
Intern.
1
1
-
Total
3
2
2
Total triênio = 7 patentes.
> 2 por ano !
C
INSERÇÂO SOCIAL
O Departamento de Física da PUC-Rio sempre jogou um papel fundamental e
pioneiro na formação de cientistas e professores que hoje estão nas
Universidades e Institutos de Pesquisa do Brasil. No passado esta atividade foi
principalmente direcionada ao Nordeste do pais, quando muitos dos atuais
professores vieram na PUC-Rio para terminar os estudos de pós-graduação.
Atualmente esta atividade é direcionada a formar professores talentosos e
pesquisadores excelentes para ocupar posições nas Universidades
emergentes e consolidadas (UFRJ, UFF, PUC).
Dois exemplos recentes:
•
UNIFAP (Amapa) – 2 professores (Dr. R.R.M. Zamora and Dr. H.D. Fonseca F.)
•
UDESC Joinville (Santa Catarina) – 1 professor (Dr. M. de Mesquita Lacerda).
•
PROCAD/CAPES: DF PUC-Rio/ Programa de Ciencia dos Materiais da
Universidade Caxias do Sul (RS).
Visibilidade e transparência do Programa: Webpage
Visibilidade e transparência do Programa
“The magnetic memory
of Oil Paintings”
Prof. P.C. Ribeiro
Abril 2009
Inserção Nacional
O Programa possui uma inserção regional e nacional e o seu impacto
pode ser facilmente identificado pela participação ativa do Departamento
de Física em:
•
•
•
•
4
3
2
4
Redes de Nanotecnologia (1 coordenação)
Institutos de Milênio
PRONEX
Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, INCT. (1 coord. & 1
vice- coord.)
Além disso existem diferentes acordos formais entre o nosso Departamento
e Institutos Nacionais e Internacionais:
•
•
•
•
•
•
•
•
CAPES/COFECUB - Caen University (France).
PROCAD/CAPES (UCS)
CNPq/CITMA (Cuba).
CIAM/CNPq (Argentina, Chile, USA)
Tech. and scientific coop. agreement Inmetro-PUC/Rio, no. 005/2007.
Canada Research Chairs Program - Ecole Polytechnique de Montreal.
Pierre-Auger project
CERN
Inserção Nacional e Internacional
Presidência de Sociedades Científicas:
Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) .
Sociedade Latinoamericana de Física de Superfícies e suas Aplicações
Membros de Agências Nacionais de Pesquisa:
CNPq Comitê de Física e Astronomia
CAPES Comitato de Avaliação
FAPERJ Coordenação de Física e Astronomia
Editores de Revistas Internacionais
Europhysics Letters (co-editor)
Synthetic Metals (guest – editor)
2007 - 2009 - 30 participações em Comitê de Programa e/ou Comitê
organizador de conferencias internacionais.
2007 - 2009 – 20 “invited talk” internacionais.
FUNDOS
Distribuição de Bolsas
 Bolsas
de mestrado e doutorado
INMETRO
6%
FAPERJ
6%
CAPES
28%
CLAF
8%
CNPq
52%
 Projetos de pesquisa e consultoria
Obrigado

similar documents