clicando aqui

Report
Métodos e Processos
Produto Esquadrias de Alumínio
Ao adquirir uma esquadria de alumínio, não podemos esquecer que estamos
adquirindo um produto que deve apresentar as condições mínimas de
desempenho a que se propõe. Ao comprarmos qualquer tipo de produto,
temos a obrigação de conhecer as suas características como eficiência,
produtividade, desempenho e qualidade.
Projetos/desenvolvimento
Instalação/acabamentos
Fabricação/Produção
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
Projeto e Conhecimento da arquitetura
Primeiramente estudar o projeto civil, localização da
obra, identificar a arquitetura e analisar as
interferências da obra com relação ao sistema a ser
projetado.
È importante salientar que além de todos os estudos de
projeto quanto à Design de sistema, logística de
movimentação e transporte das esquadrias(seja fachada
ou entre vãos), custo, praticidade na instalação é
verificar sem dúvida alguma o comportamento e
desempenho estrutural do sistema á ser escolhido
conforme as condições da obra.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
Projeto e Conhecimento da arquitetura
O fato é que este “produto” faz parte do contexto
“construção civil” como: alvenaria, hidráulica, elétrica,
revestimentos, estrutura, entre outros materiais,
portanto devemos dar a devida importância como se é
dado aos outros materiais da obra/construção.
É importante salientar que a esquadria faz interface com
a alvenaria, portanto precisamos saber qual o tipo de
material que faz acabamento com a esquadria, o papel
estrutural dependendo da localização, dimensões, faces
e acabamentos onde esta esquadria vai ser fixada(tipos
de contramarcos ou não, a serem utilizados para cada
situação).
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
Projeto e Comportamento estrutural
Existem algumas questões importantes a serem
consideradas na hora da especificação de uma esquadria
como:
Qual região do país e quantos pavimentos a esquadria foi
desenvolvida e projetada para suportar as cargas de
pressões d’água, vento e deflexões.
Com estas características temos condições de avaliar a
melhor esquadria para o melhor local a ser instalada,
levando também em consideração as suas dimensões
para que os perfis sejam adequados para seu melhor
desempenho estrutural.
As Classificações devem ser especificadas de acordo com
ensaios feitos através das tabelas de classificação das
Normas NBR -10821.
Métodos e Processos
A Importância dos ensaios
PRINCÍPIO BÁSICO: ATENDER A NORMA DE ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES
NBR 10821:2011
Para o fabricante de esquadrias, submeter seu produto aos
ensaios representa oferecer ao cliente garantia de que aquela
é uma esquadria de qualidade, que segue as normas nos seus
mais exigentes critérios. Outro importante papel que os ensaios
cumprem é servir de aprendizado para o fabricante. Ele vai
poder constatar os erros e acertos daquele protótipo, tanto na
fase de projeto quanto na fase de fabricação.
No entanto, não existe cálculo matemático para a entrada
da água e do ar. A câmara é que indicará a necessidade de uma
guarnição com maior ou menor dureza, ou o design de uma
borracha mais ou menos robusta. Não é possível se obter na
prancheta essas previsões exatas. O teste será, portanto, a
consagração ou a decepção total quanto ao produto
desenvolvido.
Figura 11 : Esquadria de correr com giro
LADO INTERNO
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
A Escolha da melhor tipologia
Folhas de correr que ao fechar comprimem o marco
inferior deixando sem peso nas roldanas
VISTA INTERNA
A escolha da melhor tipologia vai depender em vários
aspectos como: estético, estrutural e de acordo com as
condições mínimas de desempenho quando falamos também
em luminosidade, ventilação, conforto térmico e acústico.
As características das esquadrias podem ser definidas sim
através de suas funções, como material e tipos de abertura.
As funções estão diretamente ligadas ao tipo de características
de abertura e fechamento das esquadrias o que também acaba
classificando as tipologias das mesmas.
Com as tipologias definidas de acordo com as funções a que
serão submetidas, determinamos o seu melhor desempenho
como no tipo de material em questão no aspecto estrutural,
estético para gerar melhor conforto e habitabilidade.
Figura 12 : Esquadria alçante
VISTA INTERNA
LADO INTERNO
LADO INTERNO
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
A Importância do componente correto
A qualidade dos materiais utilizados deve ser compatível com a durabilidade da
matéria-prima da própria esquadria. Por isso, muitos fabricantes estão atentos
à utilização de materiais de boa qualidade, de modo que os componentes
assegurem o melhor desempenho às esquadrias de alumínio.
Em vista da grande variedade de esquadrias que são produzidas pelas empresas
de esquadrias, o mercado já oferece várias alternativas de peças adaptáveis
aos mais variados tipos de perfis.
O consumidor final deve assegurar-se da qualidade dos componentes usados nos
acessórios, para que não venham a ser causas de defeitos, devido a
inadequações ou incompatibilidades entre os componentes e a montagem final
das esquadrias.
Os componentes de uma esquadria devem contribuir para o bom desempenho
do conjunto, notadamente no que se refere à estanqueidade ar/água,
isolamento termoacústico, ventilação e estabilidade estrutural.
O dimensionamento dos componentes deverá obedecer às necessidades da
esquadria.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
Tratamento de superfície –pintura e anodização
Pintura
A espessura da camada de tinta pode variar de 40 a 120 micra. Nos
caixilhos, a pintura tem, em média, 60 micra de espessura, criando
excelente resistência à corrosão atmosférica.
É importante observar que, em zonas mistas ou marítima com umidade
relativa acima de 95%, pode ocorrer a chamada ‘corrosão filiforme’. Esta
normalmente se inicia em locais desprotegidos da esquadria,
principalmente em pontos de cortes ou usinagens. Para evitar o
problema, se recomenda usar silicone neutro para proteção nos
fechamentos das esquadrias - ângulos 90°e 45°.
Nas indústrias especializadas em pintura eletrostática a pó, o alumínio é
preparado convenientemente para agregar as propriedades físicoquímicas fundamentais de resistência à corrosão e resistência ao
intemperismo.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
Tratamento de superfície –pintura e anodização
Anodização
A anodização é um processo eletroquímico de tratamento de
superfície que permite preservar todas as qualidades do alumínio,
protegendo-o contra agressividade do meio ambiente, a partir da
criação de uma película de óxido de alumínio sobre sua superfície.
Os perfis são imersos em uma solução ácida, sob condições
controladas, por onde passa uma corrente elétrica produzindo a
película, extremamente dura, estável e resistente à corrosão.
A anodização começa por uma série de etapas que antecedem o
processo propriamente dito, cuja função é preparar a superfície do
alumínio, criando condições para o efeito desejado, como:
Processo mecânico – escovamento, jateamento, polimento mecânico,
entre outros.
Processo químico – polimento químico e/ou eletropolimento para
acabamento brilhante, fosco acetinado.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
Tratamento de superfície –pintura e anodização
Anodização
A norma ABNT NBR 12609 estabelece as seguintes classes de anodização:
Ambiente Típico
Urbano / Rural
Litorâneo
(b)
Industrial / Marítimo
Espessura da
Classe de
Anodização camada anódica
Nível de Agressividade
(a)
(µm)
A 13
11 a 15
Baixa / Média
A 18
16 a 20
Alta
A 23
21 a 25
Excessiva
Pintura
Conforme a norma ABNT NBR 14125, a camada de tinta aplicada ao
perfil deverá ser de 60 a 110 micrômetros, tanto nas zonas rural e
urbana, como nas zonas marítima e industrial, variando apenas na
frequência de limpeza.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
A escolha do tipo de vidro
Devemos observar quando da escolha da esquadria, o tipo de vidro a ser utilizado tanto
no aspecto arquitetônico, design e desempenhos térmicos, acústicos e estruturais.
Temos que estabelecer princípios de projeto de esquadrias que atendam, de um lado,
as exigências cada vez maiores dos consumidores em termos de desempenho estrutural,
vedação à água e ao ar, funcionamento, aparência, vida útil, e muitos outros aspectos.
E, por outro lado, propiciem a acomodação do vidro especificado. A primeira e mais
importante escolha a fazer é o tipo de esquadria. Mantidas as demais condições,
diferentes tipos de esquadria apresentam diferentes níveis de desempenho em termos
de isolamento acústico.
Os vidros de segurança temperados ou laminados admitem ainda aplicações especiais,
como em fachadas cortinas com o sistema silicone glazing, instalações horizontais e
duplos envidraçamentos. De qualquer modo, todas as aplicações precisam contar com
projetos adequados, que devem trazer as especificações e as orientações para
instalação dos respectivos fabricantes.
Cada vez mais os dois materiais( alumínio e vidro) são utilizados de forma a acrescentar
projetos e ideias arquitetônicas únicas, ousadas e inteligentes, criando aspectos
inovadores, e formas sustentáveis de construção.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
AS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO E PLANEJAMENTO
Uma boa esquadria de alumínio depende de um bom projeto. O
projeto deve ser elaborado por empresa especializada na fabricação
de esquadria de alumínio, que possua corpo técnico gabaritado, ou por
projetista profissional competente, especializado em projetos de
esquadria de alumínio.
Todo projeto deve ser acompanhado por um memorial descritivo,
constando detalhadamente os materiais e componentes utilizados nas
esquadrias de alumínio projetadas, como perfis, acessórios, sistemas
de vedação, anodização ou pintura, sistemas de ancoragem e de
fixação.
Diversos aspectos são relevantes na etapa de especificação, mas três
deles destacam-se:
• a experiência dos profissionais envolvidos;
• o conhecimento das normas técnicas brasileiras pertinentes;
• e a assistência de um fabricante de esquadrias bem informado
sobre as soluções disponíveis no mercado.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS E QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA
ALUMÍNIO
A indústria de alumínio busca cada vez mais melhoria contínua em seus processos. A meta é
atingir a melhoria no tempo de execução das atividades e ambiente de trabalho; redução
das despesas operacionais; melhoria dos fluxos de equipamentos e de materiais com
fornecedores; tendo ainda como pilares principais os resultados segurança e qualidade.
Processos de otimização na movimentação de materiais são usados por empresas que se
desenvolveram para as necessidades dos clientes, por exemplo, o sistema de paletização
modular. Este sistema é um serviço que proporciona ganho de tempo no carregamento,
comodidade no armazenamento e mais segurança no manuseio das peças.
Estes processos visam a obter o máximo de produtividade e otimização do tempo, da mão
de obra e do material empregado no processo de fabricação.
Estampos pneumáticos garantem usinagens precisas e a exatidão de cortes e rasgos para
acomodação de componentes, melhorando o produto final e ampliando a produtividade na
fábrica. Movimentos simples e suaves reduzem o desperdício e minimizam os riscos de falha
por fadiga dos operadores.
Perfis que podem ser usados em diversas tipologias e com usinagens semelhantes para
aplicações simétricas, otimizam o tempo de fabricação e a mão de obra dos operadores.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS E QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA
ALUMÍNIO
O principio básico de uma liga de alumínio se traduz na equação ‘alumínio puro +
quantidade pequena de outros elementos = ligas de alumínio’. Em geral, referindo-se á
construção civil, as ligas mais usadas são as da família 6000, cuja composição é
alumínio-magnésio-silício. A capacidade de extrusão dessa família é muito boa, as
propriedades mecânicas são médias e o acabamento superficial, quando anodizado, é
excelente. As esquadrias utilizam os perfis com a liga 6060. Já as ancoragens e outros
componentes estruturais usam a liga 6061, que agrega um pouco mais de magnésio e
silício, assegurando propriedades mecânicas um pouco mais elevadas.
Para que todos os elementos que compõem a liga estejam uniformemente distribuídos,
o tarugo que dará origem à extrusão passa por um processo de aquecimento,
resultando na homogeneização dos compostos intermetálicos (elementos componentes
da liga). Esse processo é fundamental para garantir que as propriedades mecânicas de
um perfil não fiquem comprometidas, que o acabamento superficial do produto seja
adequado e que a performance do processo de extrusão seja boa.
Após ser extrudado, o material é temperado. As esquadrias utilizam, em geral, perfis
com têmpera T5, que significa que o material após extrudado passa por um tratamento
de solubilização e envelhecimento artificial. Na liga 6061, a nomenclatura da têmpera
utilizada é T6, que passa pelos mesmos processos.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO
CUIDADOS
Durante a fabricação, proteja as superfícies das bancadas e equipamentos
auxiliares com isolante, como manta de borracha, para evitar riscos no
alumínio.
Os mordentes das morsas e ferramentas de aperto devem receber proteção de
seleron, nylon ou de produto similar, para evitar contato direto do alumínio
com o aço.
Atenção na aplicação das guarnições e do silicone, pois são materiais distintos.
As guarnições são perfis extrudados, com desenhos diferentes para atender aos
vários tipos de vedação.
As guarnições podem ser de EPDM, Neoprene, PVC ou de Silicone. Cada perfil
exige uma guarnição própria para sua função e bitola. Já o silicone de vedação
é produto moldável, empregado com a finalidade de calafetação de frestas
entre os elementos de alumínio.
Métodos e Processos – Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO
CUIDADOS
O alumínio com acabamento anodizado ou pintado deve ser limpo somente com
pano ou esponja macios e solução de água com detergente neutro. Não
empregue produtos corrosivos, ácidos, solventes ou material abrasivo.
Para limpeza e proteção do alumínio, não é recomendado o uso de vaselina,
principalmente na fase de instalação. Esse produto deteriora as guarnições. N a
obra, evite o contato do alumínio com cimento e tintas.
Responsáveis pelos movimentos da esquadria, os componentes devem receber
os mesmos cuidados de limpeza, evitando o acúmulo de poeira entre as partes
móveis. Todos os elementos deslizantes de braços e fechos, roldanas e buchas
de dobradiças são fabricadas em náilon, dispensando qualquer tipo de
lubrificação.
Nunca utilize óleos ou graxas nesses componentes.
A conservação dos equipamentos para a produção/ fabricação das esquadrias,
também tem seus cuidados para que os perfis sejam cortados, usinados e
montados com máxima precisão e qualidade. Para tanto esses equipamentos
possuem sistemas pneumáticos, tais como pantógrafos, entestadeiras ,
máquinas de corte, aparafusadeiras entre outros.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS -PROCESSOS DE FABRICAÇÃO
Layout
Quando distribuídos de forma adequada, as operações e os procedimentos
de produção resultam em organização das tarefas, melhoria do fluxo de materiais e
aumento da produtividade.
O layout é a disposição física de todos os equipamentos, considerando os espaços
para movimentação e armazenamento de material e o fluxo de pessoas na rotina de
produção. Portanto, alguns itens são necessários:
•Localização de áreas de estoque, almoxarifado e expedição.
•Necessidade da criação de corredor central ou lateral para fluxo de materiais.
•Criação de áreas de apoio para estoque de perfis cortados, usinados e pré montados.
O importante é considerar se a disposição dos diversos setores de produção poderá
atender as exigências básicas de movimentação de materiais por distâncias mínimas,
utilização otimizada dos espaços da fábrica, fluidez dos trabalhos, segurança dos
empregados e facilidade para possíveis reajustes.
Implantar um layout não significa criar algo definitivo. Como a produção é dinâmica e os
equipamentos estão em constante evolução tecnológica, o layout deve ter flexibilidade
para passar por mudanças.
Segue a discriminação de alguns setores de fábrica:
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS -PROCESSOS DE FABRICAÇÃO
Layout
SETOR DE ESTOQUE
Em geral, é o setor que recebe e repõe o material de produção. Os perfis podem ser
armazenados, tanto na vertical como na horizontal. É recomendado o estoque na
horizontal, pois facilita o manuseio e não exige um pé direito de 6m.
SETOR DE CORTE
É o coração de toda produção. Não deve faltar máquinas nesse setor. Por isso, é
aconselhável trabalhar sempre com pelo menos duas máquinas de corte, mesmo que só
uma dê conta da produção. São recomendadas máquinas que tenham um disco de, pelo
menos, 350 mm de diâmetro, com disco de vídia. É interessante considerar uma boa
bancada de carga e descarga, inclusive com marcação milimétrica. Se a linha escolhida
tem predominância de cortes 45°, as máquinas de corte duplo são sugeridas, pois este
sistema, automatizado, garante a medida da peça. Se a predominância for de cortes 90°,
pode-se utilizar máquina de um só corpo.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS -PROCESSOS DE FABRICAÇÃO
Layout
SETOR DE USINAGEM
Essa área deve conter um pantógrafo, para usinar centro de barras, tais como fechadura
e concha, entre outras. Entestadeira é também requisitada para usinagem em ponta de
barras, como a travessa, onde a operação não pode ser feita em estampo. Falando em
estampos, estes são fundamentais nesse setor, como também os centros de usinagem que
estão sendo adquiridos por parte das empresas de esquadrias.
SETOR DE COLOCAÇÃO DE ACESSÓRIO-COMPONENTES
Passam por esta área todos os perfis usinados que recebem acessórios, tais como
roldanas, conchas, fechos, guarnições etc. Equipamento básico neste setor é uma
parafusadeira que trabalhe na vertical.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
PRODUÇÃO DAS ESQUADRIAS -PROCESSOS DE FABRICAÇÃO
Layout
SETOR DE MONTAGEM
Praticamente por esse setor passam todas as peças que compõem a esquadria. Se a linha
escolhida tem predominância de 90°parafusadeiras horizontais são fundamentais. Para ter o
correto dimensionamento desta área, é necessário definir a atuação da empresa e verificar, por
exemplo, se o trabalho a ser realizado inclui a instalação de vidro e colagem de silicone.
Para operar esses quatro setores é necessária a instalação de equipamento de ar comprimido. É
aconselhável que sua instalação seja aérea, pois facilitará mudanças, em caso de alteração do
layout.
ÁREAS DE APOIO
As áreas de apoio à produção devem ser concebidas de forma a permitir um estacionamento
rápido dos estágios da produção. Pode ser no próprio carrinho que transporta o material.
ÁREA DE CIRCULAÇÃO
Sempre que possível, o layout deverá propor uma via central ou lateral ao longo da fábrica, que
possibilitará a circulação entre um setor e outro. Essa circulação, em geral, deve ser feita por
veículos de transporte de materiais .
Revisado / OK
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS – INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO
A instalação dos caixilhos de alumínio deve ser feita por pessoal especializado, que
pode ser equipe própria do fabricante. É importante que o instalador tome alguns
cuidados nesta fase da obra, para assegurar o perfeito funcionamento das janelas e
portas de alumínio. Normalmente, as etapas que antecedem a instalação dos
caixilhos são o revestimento interno e externo. Seguem algumas recomendações
básicas:
os caixilhos devem vir embalados em plástico e identificados (tipo, andar, etc.),
preferencialmente em época próxima de sua instalação, para evitar que fique por
muito tempo exposto às condições da obra;
a armazenagem na obra deve ser feita em local seguro, afastado da circulação de
pessoas e equipamentos, seco, coberto, livre de poeiras. As peças devem ser
colocadas sobre calços, na vertical, encostadas umas nas outras e separadas por
cunhas de madeira, papelão ou pedaços de carpetes;
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS – INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO
Após a colocação das esquadrias de alumínio e se ainda existir algum serviço a ser
executado, é recomendável proteger os caixilhos com vaselina ou plásticos adesivos;
A limpeza pode ser feita com água e detergente neutro com até 10% de álcool
(jamais utilizar esponjas de aço ou de outra fibra que possa riscar a superfície de
alumínio);
As superfícies de alumínio não podem ser expostas ao contato com cimento,
argamassas ou mesmo resíduo aquoso desses materiais ou com ácido clorídrico
(muriático), pois haverá uma reação química na superfície com a formação de
manchas definitivas.
Depois de terminada a instalação, deverá ser feita a revisão das esquadrias como:
As aplicações das borrachas e fitas vedadoras; aplicação dos silicones nas interfaces
com paredes ou outros elementos construtivos;
As aberturas e fechamentos devem trabalhar de forma suave, sem solavancos, atritos
ou ruídos. Fechos e contrafechos devem ser regulados quando do fechamento das
portas, além da verificação da instalação dos batedores.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS – INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO
PREVER LOCAIS ADEQUADOS PARA ARMAZENAR OS MATERIAIS
Armazenamento inadequado
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS – INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO
MANUTENÇÃO DAS ESQUADRIAS
A limpeza das esquadrias deve ser feita com uma solução de água e
detergente neutro, a 5%, com auxílio de esponja ou pano macios,
nos seguintes intervalos:
-No mínimo, a cada 12 meses em zona urbana ou rural;
-No mínimo, a cada 3 meses em zona marítima ou industrial
Os trilhos de janelas e portas de correr devem ser constantemente
limpos, para se evitar o acúmulo de poeira, que podem se
transformar em crostas de difícil remoção comprometendo as
roldanas.
Não deve ser realizada lubrificação nos componentes das esquadrias.
Métodos e Processos –
Projetos e Desenvolvimento
INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS – INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO
Problemas de instalação e manutenção
PASSOS IMPORTANTES PARA A QUALIDADE
DAS ESQUADRIAS
• Aquisição de produto qualificado/ certificado
(pois o mesmo foi previamente ensaiado);
• Inspeção de recebimento, com base no projeto
e análise visual de defeitos;
• Cuidados no armazenamento e na instalação;
• Plano de manutenção adequada (recomendado
pelo fabricante).
PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE PSQ:
ATENDIMENTO À ABNT NBR 10821-2
Fabricante que possui linha própria = fabricante padronizado
Fabricante que utiliza sistemas homologados = fabricante especial
O conteúdo deste treinamento será
disponibilizado no site da AFEAL juntamente
com as respostas das questões formuladas
pelos internautas.
Para os participantes que desejam
aprofundar nos conteúdos apresentados, a
AFEAL oferece o curso de Métodos e
Processos.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO !!!
QUALQUER DÚVIDA ESTAMOS
A DISPOSIÇÃO !!!
CONTATO:
[email protected]
[email protected]
www.afeal.com.br

similar documents