BAIXAR Apresentação Seminario Residuos Imperatriz

Report
1º SEMINÁRIO DE RESÍDUOS
SÓLIDOS E URBANOS DA MESOREGIÃO TOCANTINA
Antonio Dantas Silva Junior
Imperatriz, 17 de Março de 2011
Antonio Dantas
Antonio Dantas
• O LIXO NA HISTÓRIA
– Dados arqueológicos indicam que já se queimava lixo na
pré história possivelmente para afastamento de odores.
– Nas primeiras aglomerações urbanas(400 a.c.) as culturas
orientais começaram a perceber a importância de cuidados
com o corpo, das habitações e cercanias surgindo a prática
do higiene pessoal assim como da necessidade de água
limpa e de dar destino àquela utilizada.
– Sumérios assírios e hindus – Já utilizavam redes de esgoto
com canos de barro e canais subterrâneos com
possibilidade de inspeção por todas as ruas.
EIGENHEER, E. M. Lixo, Vanitas e Morte: Considerações de um observador de resíduos. Niterói:
EduUFF, 2003.
Antonio Dantas
• O LIXO NA HISTÓRIA
– Egípcios – Possuiam um sistema de coleta de águas servidas.
– Gregos e Romanos – Além de grandes redes de
abastecimento de água limpeza e coleta de dejetos já em
320 A.C. atenas já determinava que os dejetos deveriam ser
levados a pelo menos 10 estádios fora dos muros da cidade.
Em Roma existiam pessoas que buscavam coisas úteis nos
locais em que eram desembocadas as cloacas da cidade. Há
ainda indicações da presença de serviços de manutenção de
toaletes e latrinas, mediante pagamento, e também de que
urina e fezes eram comercializadas para uso agrícola.
– As maiores preocupações eram com os dejetos humanos
visto que a produção de lixo era basicamente orgânica e
provavelmente era aproveitada na agricultura.
Antonio Dantas
• O LIXO NA HISTÓRIA
– Idade Média - A decadência e a queda do Império Romano
levou consigo muitas de suas conquistas sanitárias. Na
questão da higiene na Idade Média, há quase unanimidade
em se afirmar que deixavam a desejar, pois não havia em
geral ruas pavimentadas, canalização, suprimento
centralizado de água e coleta de lixo, assim como não havia
destinação adequada para carcaça de animais e cadáveres.
– É somente a partir de 1666, em Londres, que se tem um
serviço organizado de limpeza das ruas. Sorteavam-se entre
os cidadãos aqueles que, mediante juramento, se
responsabilizavam pela conservação de áreas da cidade. A
tarefa não era aceita de bom grado, o que fez ruir o
sistema.
Antonio Dantas
• O LIXO NA HISTÓRIA
– Somente na segunda metade do séc. XIX é que se
presenciaram modificações substanciais na limpeza urbana,
inclusive, em aspectos técnicos. Isto se deveu ao
surgimento da Revolução Industrial, que trouxe em seu bojo
um acelerado crescimento urbano.
– Há, nesse período, uma atenção especial aos cuidados com
a água e a destinação das águas servidas, porém, a questão
dos resíduos sólidos continua como algo relativo a higiene
pública relacionado a área médica.
– As tradicionais concepções de tratamento de lixo são
aperfeiçoadas. A fogueira dá lugar ao incinerador, o
tradicional reaproveitamento dos catadores de lixo traz o
modelo das usinas de separação de lixo e a coleta seletiva,
iniciando-se nos EUA e chegando depois à Europa.
Antonio Dantas
LIXO, SAÚDE E MEIO
AMBIENTE
Pesquisa ABRELPE (Assoc. brasil. De empresas
de limpeza pública e resíduos) 2009 e IBGE
(contagem da população 2009)
Antonio Dantas
Quantidade Total Coletada de RSU por Regiões e Brasil
•
•
•
•
•
•
Região
Norte
Nordeste
Centro-Oeste
Sudeste
Sul
• BRASIL
•
RSU Total (t/dia)
9.672
35.925
12.398
85.282
17.807
161.084
Indice Kg/hab/dia
0,842
0,945
1,035
1,147
0,779
1,015
Fontes: Pesquisa ABRELPE 2009 e IBGE (contagem da população 2009)
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
RESÍDUOS SÓLIDOS DE SAÚDE (RSS)
IDEAL
Antonio Dantas
Antonio Dantas
REAL
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
Antonio Dantas
 DIFICULDADES GERENCIAIS

AUSÊNCIA DE
ESTABELECIDA

LIMITAÇÕES FINANCEIRAS E ALTO CUSTO PELO TRATAMENTO CORRETO.

FALTA DE CAPACITAÇÃO TÉCNICA E PROFISSIONAL DA EQUIPE DE LIMPEZA
URBANA

FORMA INSTITUCIONAL E ESTRUTURA ADMINISTRATIVA INCOMPATÍVEIS COM
A AUTONOMIA E FLEXIBILIDADE DE AÇÃO EXIGIDA PARA O GERENCIAMENTO
DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

DESCONTINUIDADES POLÍTICA E ADMINISTRATIVA

FALTA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO
PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO

POUCA OU AUSÊNCIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A POPULAÇÃO
UMA
POLÍTICA
NACIONAL
Antonio Dantas
DE
RESÍDUOS
AMBIENTAL
E
SÓLIDOS
PEQUENA
CONSEQUÊNCIAS AMBIENTAIS DIRETAS
 DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DIRETA




POLUIÇÃO DO AR;
POLUIÇÃO DO SOLO: Física, Biológica, Química, Estrutural
POLUIÇÃO DAS ÁGUAS MANANCIAIS: Superficiais e Subterrâneas
ASSOREAMENTO DE CÓRREGOS E RIOS
 PROBLEMAS SOCIAIS




ESTRUTURAÇÃO INFORMAL DO TRABALHO
FALTA DE ASSISTÊNCIA À SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO
EXPLORAÇÃO DO TRABALHO NO MERCADO DE RECICLAGEM
AUSÊNCIA DE MERCADO DESENVOLVIDO PARA OS DIVERSOS
MATERIAIS RECICLÁVEIS
 POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL
Antonio Dantas
 CONSEQUÊNCIAS DIRETAS EM SAÚDE PÚBLICA
 PRESENÇA E PROLIFERAÇÃO DE VETORES DE DOENÇAS:
INSETOS, ROEDORES, OUTROS
 DOENÇAS VEICULADAS POR VETORES
 ACIDENTES E CONTAMINAÇÃO DIRETA DE TRABALHADORES E
CATADORES POR RESÍDUOS DE SAÚDE CONTAMINADOS
Antonio Dantas
Antonio Dantas
MICRORGANISMOS
TEMPO ESTIMADO DE SOBREVIVÊNCIA (DIAS)
Pólio vírus – Poli Tipo I
Mycobacterium tuberculosis
Leptospira interrogans
Salmonella thyphi
Ascaris lumbricóides
Entamoeba histolytica
Larvas de verme
Antonio Dantas
20 a 170
150 a 180
15 a 43
29 a 70
2.000 a 2.500 (+ 7 anos)
8 a 12
25 a 40
• REALIDADE LOCAL
– Incidência de patologias no HMI
• Infecto-contagiosas – Dengue, Calazar, Diarréias,
Pneumonias, malária, Tuberculose, Hepatopatias virais
agudas, verminoses.
• Riscos dos Resíduos de saúde – Contaminação por
material pérfurocortante contaminado e restos de
tecidos e secreções de pacientes infectados.
Antonio Dantas
ACIDENTES DE TRABALHO NA COLETA
AN O 19 97
MÊS
T IP O D E L E S Ã O
P AR T E D O C O R P O A T IN G ID A
A G E N T E C AU S A D O R
M AR Ç O
P E R F U R AÇ Ã O
C OX A E JO ELH O
AG U L H A
A B R IL
P E R F U R AÇ Ã O
D E D O P O L E G AR D IR E IT O
AG U L H A
JU N H O
TORÇÃ O
T O R N O Z E L O D IR E IT O
P O S T U R A IN AD E Q U AD A
JU L H O
F E R IM E N T O S
M Ã O D IR E IT A
C ONTENED O R
AG O S T O
P E R F U R AÇ Ã O
P E R N A D IR E IT A
AG U L H A
S E T E M BR O
P E R F U R AÇ Ã O
P E R N A D IR E IT A
AG U L H A
O UTU BR O
T R AU M AT IS M O
C AB E Ç A E P E S C O Ç O
QUED A
MÊS
T IP O D E L E S Ã O
P AR T E D O C O R P O A T IN G ID A
A G E N T E C AU S A D O R
J AN E IR O
L U X AÇ Ã O
JOELH O ES Q UER D O
E S T R IB O D O V E ÍC U L O
C O M P AC T AD O R
S E T E M BR O
C ORTE
P E R N A D IR E IT A
C AC O D E V ID R O
AN O : 20 02
Antonio Dantas
F O N TE : D IV IS Ã O D E M E D ICIN A E S E G U R A N Ç A D O TR A B A L HO - S L U
LIXO ELETRÔNICO
Antonio Dantas
LIXO ELETRÔNICO – DANOS DIRETOS À SAÚDE
-Chumbo: Causa danos ao sistema nervoso e sanguíneo
Onde é usado: Computador, celular, televisão
- Mercúrio: Causa danos cerebrais e ao fígado.
Onde é usado: Computador, monitor e TV de tela plana
- Cádmio: Causa envenenamento, danos aos ossos, rins e pulmões.
Onde é usado: Computador, monitores de tubo antigos, baterias de
laptops
- Arsênico: Causa doenças de pele, prejudica o sistema nervoso e
pode causar câncer no pulmão.
Onde é usado: Celular
Antonio Dantas
LIXO ELETRÔNICO – DANOS DIRETOS À SAÚDE
- Belírio: Causa câncer no pulmão.
Onde é usado: Computador, celular
- Retardantes de chamas (BRT): Causam desordens hormonais, nervosas e
reprodutivas.
Onde é usado: Diversos componentes eletrônicos, para prevenir incêndios
- PVC: Se queimado e inalado, pode causar problemas respiratórios
Onde é usado: Em fios, para isolar corrente
- Com raios Beta,raios esses catódicos,das telas de TV e monitores de
computadores,pela exposição aos mesmos,j á foram registradas cerca de
606 doenças desde asma até anemias.
Antonio Dantas
• A proposta de gerenciamento de resíduos urbanos de forma
sustentável deve considerar três princípios orientadores:
redução, reutilização e reciclagem. Estes princípios passam
por um amplo trabalho de conscientização e educação
ambiental decorrente da modificação para hábitos de
consumo mais conscientes e de práticas de
reaproveitamento e reciclagem e que leve à produção do
menos volume possível de resíduos e rejeitos, direcionando
com eficácia e economia o sistema de coleta, tratamento de
disposição final desde serviço comunitário.
Maria Francisca de Miranda Adad Salgado (LATEC/UFF) [email protected]
Anderson Américo Alves Cantarino (LATEC/UFF) [email protected]
Antonio Dantas
Lixo domiciliar e do trabalho
NOSSO PAPEL???
 Tento produzir menos?
 Segrego e mando para reciclagem?
 Acondiciono de forma correta e coloco no horário certo?
 O que tenho feito com o meu lixo eletrônico e resíduo
perigosos?
 Tenho cumprido meu papel de cidadão ou continuo
transferindo minhas responsabilidades ao poder público?
 Tenho transformado minha empresa em empresa cidadã?
 Assim como quero um mundo melhor para meus filhos e
netos tenho educado e criado filhos e netos melhores para
o mundo?
Antonio Dantas
MUITO OBRIGADO
Antonio Dantas

similar documents