Aula III - Cursinho Primeiro de Maio

Report
Respiração
Apostila 2
Página 26
Homeostase e trocas gasosas
C6H12O6 + O2 → CO2 +H2O + energia
 Acúmulo de gás carbônico no meio
intracelular é perigoso, devido as
alterações no pH.
 Organismos anaeróbios podem viver na
completa ausência de oxigênio.
Homeostase e trocas gasosas
 Nas células, respiração = obter energia química
contida em substâncias orgânicas.
Nos animais, respiração = obter oxigênio e liberar
gás carbônico.
 Pigmentos respiratórios como hemoglobina e
hemocianina = transporte de oxigênio dos órgãos
respiratórios para os tecidos.
 Superfícies respiratórias são áreas sujeitas à
lesões e evaporação.
 Sistema respiratório é adequado ao ambiente.
Homeostase e trocas gasosas
 Nos vertebrados:
- anfíbios: pulmões lisos, oxigenação
completada pela respiração cutânea.
- répteis: pulmões segmentados e não tem
respiração cutânea.
- mamíferos: pulmão com grande área
interna e com unidades de troca gasosa –
alvéolos.
- aves: pulmões não possuem alvéolos, mas
parabronquíolos.
Sistema respiratório humano
 Entrada e saída do ar pelas narinas, que se
comunicam com as cavidades nasais.
 No interior das cavidades há as conchas nasais
que turbilhonam o ar.
 O epitélio mucociliar tem células produtoras de
muco e cílios.
 Os cílios batem em direção à faringe, levando o
muco = mecanismo de defesa.
 Também há anticorpos, macrófagos, a tosse e o
espirro como mecanismos de defesa.
 Estes mecanismos = ar filtrado.
Sistema respiratório humano
 O ar também é aquecido e umidificado.
 A traquéia bifurca-se e origina os dois brônquios
principais que penetrarão nos pulmões.
 Progressivamente há a ramificação em bronquíolos
que se abrem nos sacos alveolares, formados pelos
alvéolos.
 Pulmões – consistência esponjosa e coloração
avermelhada, revestidos externamente pela pleura.
 Pulmão direito é dividido em três lobos, o esquerdo
em dois.
 As trocas gasosas ocorrem nos alvéolos pulmonares,
por difusão (sem gasto de energia).
Biomecânica e controle da respiração
 Brânquias nos peixes – eficientes, graças aos
movimentos sincronizados entre boca e
opérculo.
Biomecânica e controle da respiração
 Em anfíbios = o esvaziamento e enchimento
dos pulmões se dá através do relaxamento e
tensão da glote.
Biomecânica e controle da respiração
 Em répteis, aves e mamíferos – os pulmões enchem
e esvaziam por modificações do volume torácico.
Biomecânica e controle da respiração
 Entre as costelas – músculos intercostais.
1. Inspiração
Aumento do volume, diminui a pressão
torácica, forçando a entrada de ar .
2. Expiração
A elasticidade dos pulmões e do tórax,
força a diminuição do volume torácico,
aumentando a pressão interna = ar será
eliminado dos pulmões.
 Somente os mamíferos tem diafragma.
Biomecânica e controle da respiração
Biomecânica e controle da respiração
Controle da respiração
- Volume de ar renovado por minuto :
Volume-minuto respiratório= frequência respiratória
volume trocado em cada ciclo
Na medula oblonga (ou bulbo) há o centro
respiratório.
 Do CR partem nervos responsáveis pela
contração dos músculos respiratórios.

Biomecânica e controle da respiração
 Respiração é ainda um controlador do pH
sanguíneo.
 O aumento da concentração de CO2 no sangue,
provoca a liberação de íons H+.
 Quando o pH está muito ácido, o CR é excitado,
aumentando a freqüência respiratória.
 Quando o pH está acima do normal, o CR é
deprimido, diminuindo a frequência respiratória.
 Os quimiorreceptores do CR são muito sensíveis
ao pH sanguíneo.

similar documents