Slide 1

Report
FASES DA MATÉRIA
Hêda Míriam
 Sólido

Líquido

Gás
FASE SÓLIDA
 As partículas estão muito próximas umas das
outras o que demonstra ser alta a força de
coesão entre seus constituintes ( moléculas
ou íons).A força de coesão é maior que a
força de repulsão.
Em consequência da forte força de coesão
entre suas partículas, estas só apresentam
movimento de vibração mantendo assim uma
distância média entre elas fixa. Apresentam
uma forma fixa de arrumação das partículas
denominada estrutura cristalina.
 As partículas também apresentam baixa
energia cinética média, o que confere à fase
sólida alta organização, forma e volume
fixos.
 Denominam-se sólidos amorfos aqueles que
não apresentam estrutura cristalina e são
denominados.
Exemplo: vidro
FASE LÍQUIDA
 Apresenta força de coesão intermediária
entre a da fase gasosa e da fase sólida. Há
um equilíbrio entre a força de coesão e a de
repulsão.
 O mesmo ocorre com a energia cinética
média das partículas e esta depende
somente da temperatura assim como nos
gases.
 Cada líquido tem uma temperatura acima da
qual a energia cinética média das partículas
é tão alta que a força de coesão não mais
consegue mantê-las juntas no estado líquido.
 Esta temperatura é denominada de
temperatura crítica.
 Os líquidos têm duas propriedades
importantes:
1. Tensão superficial – é a força que evita a
expansão da superfície de um líquido.
 As moléculas no interior do líquido não
apresentam um força resultante como
resultado das forças atrativas das moléculas
vizinhas.
 O mesmo não ocorre com as moléculas da
superfície do líquido, já que não apresentam
moléculas acima e por isso apresentam
uma força resultante diferente de zero e com
sentido para dentro do líquido.
Surge então, na molécula da superfície, uma
reação igual, em módulo , porém com
sentido para fora do líquido.
É a tensão superficial que permite aos insetos
se manterem na superfície do líquido sem
afundarem.
Já que a tensão superficial depende da força
de coesão entre as moléculas, qualquer fator
que interfira na força de coesão, por
conseqüência, vai também interferir na
tensão superficial .
A temperatura é um desses fatores. O
aumento de temperatura diminui a força de
coesão entre as moléculas e por isso vai
diminuir a tensão superficial dos líquidos.
 A tendência de um líquido “ molhar” ou se
espalhar sobre uma superfície está
diretamente ligada à tensão superficial.
Quanto menor a tensão superficial de um
líquido, mais facilmente esse líquido se
espalhará numa superfície.
 A superfície curva ( menisco ), que um líquido
forma quando colocado em um recipiente
cilíndrico e de pequeno diâmetro ( capilar ),
depende da tensão superficial.
 No efeito de capilaridade estão envolvidas a
força de coesão entre as moléculas do
líquido e a força de adesão entre as
moléculas do líquido e a superfície.
 Tanto na acetona como na água a força de
adesão é maior que a força de coesão,
enquanto que,no mercúrio , a força de
coesão é maior que a força de adesão.
 Na fase líquida, as moléculas apresentam
movimento de vibração e movimento de
rotação ( têm forma variável ) .Por não terem
movimento de translação, apresentam
volume fixo.
 A pressão de vapor é uma outra propriedade
dos líquidos que está relacionada com a
força de coesão entre as moléculas.
Mede-se pressão de vapor quando um
líquido encontra-se em equilíbrio de fases
com o seu vapor.
Ela depende da temperatura e independe da
quantidade do líquido.
 Um aumento na temperatura diminui a força
de coesão e consequentemente aumenta a
pressão de vapor.
FASE GASOSA
 As moléculas encontram-se bastante
afastadas umas das outras e a força de
coesão é muito menor do que a força de
repulsão.
 Num gás ideal as forças atrativas e
repulsivas são desprezíveis.
 As moléculas têm alta energia cinética
média, o que torna a fase gasosa a de
maior desorganização. Nessa fase, as
moléculas apresentam movimento de
vibração, rotação ( têm forma variável ) e de
translação ( têm volume variável ).
Diagrama de fases
Diagrama de fases da Água
 Ponto A - gelo
 De A
B:
fornecimento de calor até
fundir ( no ponto B). A
temperatura se mantém
constante até o fim da
fusão.Tem-se o equilíbrio de
fases ( sólido
líquido
 De B
C :fornecimento
de calor a água líquida.
 De C
D: com o
fornecimento de calor , a
temperatura da água continua
aumentando até atingir o ponto
D, onde se dá a ebulição.
D
E : tem-se
fornecimento de
calor ao vapor que
vai aumentando a
temperatura.
E
F : mantémse constante a
temperatura e
reduz-se a pressão
no vapor.
 F
G : mantêm-se a
baixa pressão e reduz-se a
temperatura do vapor.
 G
H : mantém-se a
temperatura e aumenta-se a
pressão sobre o vapor até H,
onde se dá a re-sublimação.
Tem-se o equilíbrio de fases:
vapor
sólido
 O ponto T é chamado ponto
triplo. Nele se dá o equilíbrio
entre as três fases da
matéria.
TEORIA CINÉTICA DOS GASES
Esta teoria justifica o comportamento de um
gás ideal.
1. As partículas constituintes de um gás
encontram-se afastadas umas das outras
agindo independentemente.
 2. O volume dos constituintes de um gás é
desprezível comparado ao volume total no
qual o gás está contido.
3. As partículas se movimentam de forma
contínua e desordenada em todas as
direções e sentidos. Esse movimento é
sempre retilíneo embora a trajetória das
partículas pode ser curvilínea.
4. As partículas chocam-se continuamente
entre si e com as paredes do recipiente que
as contêm .Desse último, surge a pressão do
gás.
 Pressão é a relação entre a força normal
exercida numa dada superfície e a área
dessa superfície.
 Unidades de pressão:
1 atm =76 cm de Hg = 760 mmHg =
760 torr = 100 kPa( k N/m2) = 1 bar
 5. O choque entre as partículas é do tipo
elástico, isto é, a energia é a mesma antes
e depois do choque.
 5. O choque entre as partículas é do tipo
elástico, isto é, a energia é a mesma antes
e depois do choque.
 6. A energia cinética média de um gás é
proporcional à temperatura
absoluta.Portanto, numa mesma
temperatura, gases diferentes terão a mesma
em energia cinética média.
 (Deduzir a lei de Graham)
Sistema Internacional de Unidades
 Propriedades de estado de um gás:
 1. Volume
2.Pressão é a relação entre a força normal
exercida numa dada superfície e a área
dessa superfície.
Exercícios
1. Calcule a pressão ( em pascals e atmosferas)
exercida por uma massa de 1,0 kg que pressiona a
superfície da Terra através de um alfinete cuja área
é de 1,0 x 10-2 mm2 .
 2. Faça as transformações:
 a)
10 atm para psi
 b) 700,0 mm de Hg para bar
 3. Temperatura : é a propriedade que indica
o sentido do fluxo de energia através de uma
parede rígida e termicamente condutora.
 Tipos de fronteiras que podem separar dois
corpos: diatérmica e adiabática.
 Fronteira diatérmica( termicamente
condutora) :se uma mudança de estado é
observada quando dois corpos com
temperaturas diferentes são postos em
contato.
 Fronteiras adiabáticas( termicamente
isolantes) : não mudança de estado quando
dois corpos , mesmo de diferentes
temperaturas, são colocados em contato.
 Unidades de temperatura : grau Celsius e
Kelvin .
T/K = t/oC + 273,15
 4.Quantidade de matéria (mol):
 Mol é a quantidade de matéria de um sistema
que contém tantas entidades elementares
quanto são os átomos contidos em 0,012
quilograma de carbono-12; seu símbolo é
"mol".[1]
 1 mol de átomos
6,02 x 1023 átomos
 1 mol de moléculas
6,02 x 1023 moléculas

( Rever o princípio de Avogadro)
Leis dos gases
 Todas mantêm massa constante e mais uma
outra propriedade.
 1ª Lei ( das transformações isotérmicas) : de
Boyle
“ À temperatura constante , uma massa fixa de
gás ideal, tem seu volume inversamente
proporcional à pressão”.
 PV = K
ou
 2ª Lei( das transformações isobáricas ) de
Charles e Gay-Lussac:
“ Para uma massa fixa de gás ( ideal), mantida
constante a pressão, o volume ocupado é
diretamente proporcional à temperatura”.
 3ª lei (das transformações isovolumétricas ou
isocóricas ou isométricas) de Charles e GayLussac
“ Para uma massa fixa de um gás ( ideal ),
mantida a volume constante, a pressão exercida
pelo gás é diretamente proporcional
à temperatura absoluta.”
Equação geral dos gases
 Vem da junção das leis dos gases.
 A equação geral dos gases só pode ser
aplicada para uma mesma massa de gás.
 Para massas variáveis, usa-se a equação
de Estado de um gás ou de Clapeyron:
PV/T = nR ou PV= nRT ou PV=m/MRT
PM = d(g/l) RT
onde R é a constante geral dos gases.

similar documents