002_GRS-2_Conceitos

Report
Gestão de Responsabilidade Social II
RESPONSABILIDADE
SOCIAL EMPRESARIAL
RSE
Prof. Luciel Henrique de Oliveira
luciel.oliveira@facamp.com.br
1
RESPONSABILIDADE SOCIAL
EMPRESARIAL
Somatória
da conduta ética e responsável
adotada por uma empresa em toda sua rede de
relações, necessariamente incluindo: clientes,
consumidores,
fornecedores,
funcionários,
acionistas, governo, comunidade e meio ambiente
(todos os “stakeholders”, ou seja, públicos de
interesse).
2
CLIENTES
FORNECEDORES
COLABORADORES
ORGANIZAÇÃO ½ AMBIENTE
ACIONISTA
COMUNIDADE
GOVERNO
3
CLIENTE
FORNECEDORES
FUNCIONÁRIOS
ORGANIZAÇÃO ½ AMBIENTE
ACIONISTA
COMUNIDADE
GOVERNO
?
4
GESTÃO DA RESP. SOCIAL
EMPRESARIAL
A forma de gestão que se define pela relação ética
e transparente da empresa com todos os públicos
com os quais ela se relaciona...
...
e
pelo
estabelecimento
de
metas
organizacionais
compatíveis
com
o
desenvolvimento sustentável da sociedade,
...preservando
recursos ambientais e culturais
para gerações futuras, respeitando a diversidade e
promovendo a redução das desigualdades sociais.
5
RSE:PONTOS CHAVE

Alinhar as metas organizacionais com:

Postura ética nos negócios, de forma irrestrita;

O desenvolvimento sustentável da sociedade,
através da preservação dos recursos ambientais
e culturais para gerações futuras;

Respeito a diversidade e promoção da redução
das desigualdades sociais.
6
RESPONSABILIDADE
SOCIAL EMPRESARIAL
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO EMPRESARIAL
BALANÇO SOCIAL / ou
RELATÓRIO de SUSTENTABILIDADE
EMPRESARIAL
MARKETING
SOCIAL
7
RESPONSABILIDADE
SOCIAL EMPRESARIAL
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO EMPRESARIAL
BALANÇO SOCIAL / ou
RELATÓRIO de SUSTENTABILIDADE
EMPRESARIAL
Ações
sociais
MARKETING
SOCIAL
8
RESPONSABILIDADE
SOCIAL EMPRESARIAL
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO EMPRESARIAL
ações
sociais
avaliação
registro
BALANÇO SOCIAL / ou
RELATÓRIO de SUSTENTABILIDADE
EMPRESARIAL
MARKETING
SOCIAL
9
RESPONSABILIDADE
SOCIAL EMPRESARIAL
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO EMPRESARIAL
ações
sociais
avaliação
registro
BALANÇO SOCIAL
MARKETING
EMPRESARIAL
SOCIAL
divulgação
10
AÇÃO SOCIAL
Qualquer atividade planejada, fomentada,
operacionalizada
ou
parceirizada
pelas
empresas,
de
forma
voluntária,
para
atenderem
aos
seus
colaboradores
e
familiares – ação social interna -, ou a
comunidade em geral localizada em qualquer
parte do mundo – ação social externa.
11
COLABORADOR
Todas as pessoas que
participam de qualquer
atividade ou evento de uma
empresa, sendo funcionários /
empregados da mesma ou de
empresas terceirizadas.
12
CONSUMIDOR / CLIENTE
•Ambos podem ser pessoas jurídicas ou pessoas
físicas.
•A diferenciação se dá pelo ato de comprar e
consumir, ou seja, quem compra é cliente, quem
utiliza o produto ou serviço é consumidor.
•Nada impede que seja o mesmo ente, ou seja,
quem compra é quem consome.
13
INVESTIMENTO
EMPRESARIAL
SOCIAL PRIVADO
14
INVESTIMENTO EMPRESARIAL
SOCIAL PRIVADO
É o uso planejado, monitorado e
voluntário de recursos privados,
proveniente de pessoas físicas ou
jurídicas, em projetos sociais de
interesse público.
15
INVESTIMENTO EMPRESARIAL
SOCIAL PRIVADO
 Não é uma mera doação.
 O investimento se difere da doação pelo
fato de que o ato de investir implica em
buscar retorno, qualificar o local onde vamos
colocar os recursos sob aspectos de
confiança, transparência, capacidade de
alocação e utilização eficaz, etc.
 Já o ato de doar encerra-se em si mesmo...
16
 A expressão: “projeto social de interesse
público”,
não
se
limita
nas
ações
exclusivamente da área social.
 O campo de investimento é bastante
abrangente atingindo as áreas de saúde,
educação,
cultura,
meio
ambiente,
segurança alimentar e defesa de direitos,
entre outras.
17
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO EMPRESARIAL
Investimento planejado, monitorado e voluntário em
projeto(s) social(is) de interesse público de recursos
provenientes de pessoas jurídicas (empresas),
independe do tipo de capital e forma de atuação
econômica, ou seja, oriundos de empresas de serviço,
comércio ou indústria com capital nacional ou
estrangeiro, de controle privado, público ou misto.
18
INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO
EMPRESARIAL
Independe do tipo de capital e forma
de atuação econômica , ou seja, são
empresas de serviço, comércio ou
indústria com capital nacional ou
estrangeiro, de origem privada,
pública ou mista.
19
PARADOXO
Empresas de capital nacional
público, podem realizar....
...Investimento Social Privado
20
Recapitulando...
1. O investimento social privado é uma das várias
facetas da responsabilidade social.
2. Empresas cada vez mais têm investido recursos
em projetos sociais e há uma maior demanda
por resultados concretos.
3. O investimento social privado é o uso voluntário
e planejado de recursos privados em projetos de
interesse público.
4. O investimento social privado não deve ser
confundido com assistencialismo.
21
Recapitulando...
5. Como qualquer investimento, as pessoas físicas ou
jurídicas que financiam projetos de cunho social têm
o intuito de aferir os resultados alcançados.
6. Assim, há preocupação em se gerar um retorno
positivo à sociedade, de forma que o monitoramento
das atividades desempenhadas seja constante e
envolva uma equipe de profissionais, tais como
assistentes sociais, pedagogos e educadores.
7. Isto leva ao crescimento e maior profissionalização
do ''terceiro setor'' frente às dificuldades dos setores
público e privado no combate às mazelas sociais do
país.
22
CLASSIFICAÇÃO
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO INTERNO.
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO EXTERNO.
23
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO INTERNO
 Investimento que resulta em ações
voltadas
para
o
público
INTERNO,
(colaboradores
e
seus
familiares),
exclusivamente àquelas realizadas de
forma espontânea pela empresa.
Não fazem parte:
 obrigações legais, contribuições para
entidades de classe, cumprimento de
normas
trabalhistas,
conquistas
por
categorias, dissídios coletivos...etc.
24
RESULTADOS OBTIDOS
1. Satisfações pessoais ao empresário, colaborador e
familiares;
2. Melhorar o ambiente de trabalho e a motivação,
aumentando a produtividade pela redução do
absenteísmo e melhoria nos indicadores de qualidade;
3. Ajudar a empresa atrair e manter bons funcionários
(talentos);
4. Quando os funcionários residem de forma concentrada
num mesmo bairro, a empresa desenvolve uma
imagem positiva nacomunidade;
5. Ganhos na imagem institucional da Empresa junto aos
seus stakeholders.
25
Principais pontos que pautam ações
sociais internas são pertinentes às
relações diretas entre o capital e o
trabalho
• Benefícios na área de saúde: ginástica laboral, assistência médica,
odontológica e psicológica;
• Segurança e conforto no ambiente de trabalho: ergonometria,
luminosidade, ventilação, climatização, controle de barulho, análise
de risco, constituição de CIPA (comissão interna de prevenção de
acidentes), fornecimento de equipamentos de proteção, brigadas de
incêndio, rampas para deficientes físicos, banheiros adequados, etc.;
• Benefícios previdenciários: seguro de vida,
complementar, seguro educação para os filhos, etc.;
aposentadoria
• Benefícios na área de lazer: espaços físicos para confraternizações,
quadras poli - esportivas, academias de ginástica, salas de
relaxamento, salas de leitura, etc.;
26
Principais pontos que pautam ações
sociais internas são pertinentes às
relações diretas entre o capital e o
trabalho
• Benefícios para o desenvolvimento
financeiro para cursos, seminários, etc.;
profissional:
auxílio
• Recrutamento Interno: prioridade aos funcionários já existentes
para ocupação de vagas em nível gerencial e diretoria;
• Benefícios para a família: auxílio creche, auxílio nas despesas de
educação dos filhos, fornecimento de auxílio alimentação como
cestas básicas, etc.;
• Distribuição de
colaboradores;
parte
dos
lucros
aos
funcionários
• Respeito à privacidade das pessoas.
27
/
CUIDADOS AO IMPLANTAR O I.S.P.
INTERNO
1.
Implantar o I.S.P.E. Interno sem contemplar todos os
direitos legais dos funcionários;
2.
Exclusões
sexo...);
3.
Não possuir vagas para deficientes (PPD);
4.
Política salarial “desajustada” do mercado;
5.
Falta de participação dos funcionários nas decisões;
6.
Não ter a prática de análise de resultados (indicadores);
7.
Não haver monitoramento do grau de motivação interna;
8.
Clareza na condução de “crises” internas ou externas;
9.
Ter no “mínimo” um pequeno código de ética para a
organização.
Sociais
na
estrutura
organizacional
(raça,
28
INVESTIMENTO SOCIAL
PRIVADO EXTERNO
 Investimento que resulta em ações
voltadas para o público EXTERNO, ou seja,
que beneficie a comunidade de forma
geral.
 As mais comuns são ações filantrópicas
pontuais,
projetos
comunitários
em
recursos sociais já existentes, e vários
tipos de apoio a projetos/programas de
instituições sociais sem fim lucrativo
(terceiro setor).
29
TIPOS DE I.S.P.EXTERNO
 Doação de dinheiro;
 Investimento de Recursos Financeiros;
 Doação de produtos e/ou serviços produzidos
pela empresa;
 Investimento através de fornecimento gratuito
de produtos e/ou serviços produzidos pela
empresa;
cont.
30
TIPOS DE I.S.P.EXTERNO
 Sensibilização dos funcionários para o
trabalho voluntário;
 Sensibilização e dispensa dos funcionários
para o trabalho voluntário;
 Realização de campanhas de arrecadação
(alimentos, roupas...os mais comuns!);
 Desenvolvimento e implantação de
projeto/programa social próprio.
31
ASPECTOS DO I.S.P.E.
 Ações assistencialistas ainda são a
grande
maioria,
pulverizando
os
investimentos e perdendo o foco;
 Projetos
para
o
desenvolvimento
humano/da cidadania, ainda são poucos
conhecidos pelas empresas;
 Os investimentos em arte e cultura são
motivados pelo incentivo fiscal os
sociais não.
CONT...
32
60
50
40
30
20
10
0
Assist
Social
Segurança Educação
Alimentar
Saude
arnaldorezende@uol.com.br
Esporte
33
70
60
50
40
30
20
10
0
Criança
Família
Mulheres
arnaldorezende@uol.com.br
34
ASPECTOS DO I.S.P.E.
 As alterações nos tipos de ações sociais externas,
relativas ao porte das empresas, acompanham o
grau de dificuldade executiva e o volume de
recurso necessário a ser investido, na proporção
direta do tamanho da empresa,
 Logo... Dificilmente se vê ações sociais de
proporções
muito
grandes
realizadas
por
empresas pequenas, mas o inverso, infelizmente
é verdadeiro.
35
ASPECTOS DO I.S.P.E.
 Para efeito de imagem e posicionamento da
empresa junto aos públicos com que se relaciona
de forma mais distante, as ações geradas por
Investimento Social Privado Empresarial Externo
são as que mais retornos proporcionam.
 As ações internas possuem a conotação de
obrigação, enquanto as externas livram-se deste
estereótipo, se caracterizando como uma espécie
de altruísmo empresarial.
36
ASPECTOS DO I.S.P.E.
 Uma prática comum atualmente é de grandes
empresas criarem e tornarem-se mantenedoras
de instituições, com personalidades jurídicas de
associação ou fundação, muitas vezes chamadas
de instituto, inclusive com o mesmo nome da
empresa mantenedora, para serem seus agentes
operadores dos Investimentos Sociais Privados
Empresariais Externos.
 Exemplos: Fundação Boticário, Fundação Roberto
Marinho, Instituto Camargo Correa, Fundação
Telefônica, Fundação Itaú Social, Fundação
Bradesco...
37
Fatores
de
decisão
para
Investimento Social Privado
Empresarial Externo
1. Melhorar a Imagem Institucional da Empresa perante seus
stakeholdrs;
2. Possuir um diferencial relativo ao mercado, ou não permitir
que seu concorrente tenha, em relação à Responsabilidade
Social Empresarial;
3. Melhorar e manter um relacionamento saudável com a
comunidade de seu entorno;
4. Melhorar e manter um relacionamento saudável com o poder
público local;
5. Atrair e manter talentos em seus quadros de colaboradores;
6. Redução dos custos financeiros na tomada de capital
emprestado;
7. Altruísmo dos sócios.
38
Principais benefícios I S P E
1. Gerar satisfações pessoais ao empresário, funcionários,
familiares e a comunidade do local da ação social externa;
2. Melhorar o ambiente de trabalho e a motivação, aumentando
a produtividade através da melhoria nos indicadores de
qualidade;
3. Torna-se mais saudável a relação da empresa com os
funcionários, fornecedores, clientes, consumidores, a
comunidade e o poder público.
4. Ajudar a empresa a atrair e manter bons funcionários
(talentos);
5. Auxiliar na redução do absenteísmo;
6. Servir como exemplo de uma empresa socialmente
responsável, fomentando outras iniciativas, por parte das
demais empresas concorrentes, vizinhas, ou ambas.
7. Agregar valor a imagem institucional da Empresa.
39
CUIDADOS P/ IMPLANTAR O
I.S.P.EXTERNO
1.
Implantar o I.S.P. Externo sem contemplar
todos os direitos legais dos funcionários;
2.
Bom
3.
Exclusões Sociais na estrutura organizacional
(raça,sexo...);
4.
Acessibilidade para deficientes (PPD);
5.
Política salarial “desajustada”;
ótimo ambiente interno;
40
CUIDADOS P/ IMPLANTAR O
I.S.P.EXTERNO
6. Ter lisura nas questões trabalhistas e
tributárias;
7. Ter um bom comportamento em relação ao
meio ambiente;
8. Monitoramento dos investimentos;
9. Análise de resultados (indicadores);
10. Ter no “mínimo” um pequeno código de
ética para a organização;
11.Contemplar no planejamento e orçamento.
41
Como
iniciar?
42
Macro-estratégia
A excelência ética vindo
antes, ou no máximo,
junto com a excelência
profissional.
43
Macro-estratégia
Criar um ambiente
organizacional holístico
de Responsabilidade
Social “dentro” da
Organização.
44
COMO IMPLEMENTAR?
A Responsabilidade Social
Organizacional estrutura-se no
binômio espaço e tempo, pautando-se
pelos desafios sociais atuais e
projetados em localidades de
intervenção, diretas ou articuladas.
45
COMO IMPLEMENTAR
1. Definir : foco e diretrizes (estratégico);
2. Pesquisa de necessidade x previsão de impacto
social/ambiental/econômico;
3. Plano tático / operacional, com orçamento;
4. Sistema de avaliação/monitoramento;
5. Desenvolvimento de Parceria Operacional.
46
PARCERIA OPERACIONAL
• O Termo de Parceria-Contrato deverá ter:
1) O objeto, com especificação detalhada do
programa de trabalho;
2) As metas e resultados previstos com prazos
de execução e cronograma de desembolso;
3) Os critérios objetivos de avaliação de
desempenho com indicadores de resultado;
47
PARCERIA OPERACIONAL
4) A previsão de receitas e despesas detalhadas por
categorias contábeis segundo as NBC – Normas
Brasileiras
de
Contabilidade-,
contendo
as
remunerações e benefícios de pessoal a serem
pagos com recursos do Termo de Parceria;
5) A obrigação de prestação de contas ao término de
cada exercício, incluindo: comparativo de metas
versus resultados e orçamento previsto versus
realizado;
6) A permissão para publicação pela empresa do
resultado do termo de parceria, bem como do
demonstrativo da sua execução física e financeira.
48
RESULTADO?
 O impacto da gestão de R S E na
sociedade em geral é incomensurável,
pois
as
ações
do
dia-a-dia
das
Organizações sendo balizadas por uma
política de Responsabilidade Social “forte”
poderão alterar todo o cenário de uma
cidade, de um estado e até mesmo de
um país.
49
SE os empresários comprometerem-se com a
Resp. Social Empresarial...
Não é difícil imaginar hipoteticamente um país
onde todas as empresas e pessoas realizem um
pacto de conduta onde:
 os tributos são pagos – não há sonegação-;
 o meio-ambiente
recuperado;
além
de
preservado
é
 todos os fornecedores são rastreados de forma
a não permitir a utilização de mão de obra
infantil, escrava, etc;
50
SE os empresários comprometerem-se com
a Resp. Social Empresarial...
 cujos funcionários acessem todos os direitos
contemplados nos contratos de trabalho e dissídios
coletivos, e que além disto participem dos lucros;
 que os clientes e consumidores tenham facilidade
de comunicação com a empresa e de forma
espontânea sejam respeitados na abrangência do
Código de Defesa do Consumidor;
51
SE os empresários comprometerem-se
com a Resp. Social Empresarial...
 onde os sócios tenham tratamentos adequados e
similares, independente de serem minoritários ou
majoritários;
 que a comunidade sinta-se integrada com as
empresas e vice-versa;
 pois bem, certamente esta seria uma nação com
uma qualidade de vida, um alto IDH (Índice de
Desenvolvimento Humano)...
52
Será possível conseguir?
O que falta para isso?
O que você pode fazer?
Sonho que se sonha só
É só um sonho que se sonha só
Mas sonho que se sonha junto é realidade.
53
Referências importantes
•
Grupo de Instituições, Fundações e Empresas (GIFE) - baseia sua atuação
no fortalecimento do terceiro setor (especialmente das organizações
sociais de origem empresarial) no desenvolvimento de políticas públicas e
nas ações de seus associados, que vêm criando e aperfeiçoando suas
práticas e tecnologia de investimento social privado.
• http://www.gife.org.br
•
Banco de Tecnologias Sociais - Programa voltado para a disseminação de
tecnologias de baixo custo e fácil aplicação para problemas sociais nas
áreas de alimentação, demanda de água, renda, energia, saúde, educação
e meio ambiente. O Banco é uma base de dados contendo informações
sobre tecnologias cadastradas através do Prêmio Fundação Banco do
Brasil de Tecnologia Social que, em sua primeira edição, certificou 128
''soluções sociais''.
•
•
http://www.tecnologiasocial.org.br
Council on Foundations (COF) - referência internacional no tocante aos
requisitos mínimos para fundações. Oferece respostas práticas para
empresas interessadas em montar fundações filantrópicas, além de
organizar eventos e seminários sobre o tema.
•
http://www.cof.org/
Referências importantes
• http://www.ideiasustentavel.com.br
• http://www.fundacaosalvadorarena.org.br
• http:// www.ethos.org.br
• http://www.responsabilidadesocial.com
• Ashoka Empreendedores Sociais - www.ashoka.org.br
• http://www.sesi.org.br
Exemplos de relatórios corporativos
• Rio Tinto Mineração - Como toda empresa extrativa, mineradoras
têm interessantes casos de impacto sócio-ambiental. O relatório
sócio-ambiental da Rio Tinto é interessante referência no tocante
a “corporate reports”.
• Petrobrás - A Petrobrás foi uma
brasileiras a divulgar seu Balanço
empresa, e pelo teor das atividades
relatório engloba interessantes pontos
das primeiras empresas
Social. Pela dimensão da
desempenhadas por ela, o
temáticos.
• Shell - A Shell foi intensamente criticada nos anos 80 por sua
performance em assuntos sociais. Hoje, após uma guinada
estratégica, tornou-se exemplo em produção sócio-ambiental.
“People, Planet and Profits” é um interessante exemplo de
material informativo.
56

similar documents