Au o (s)

Report
Extração de ouro por cianetação ouro fino/livre
ROM: 2g/t Auo(s)
Cianetação: pilas o agitación
[Au(CN)2]-(aq)
Adsorção no CA
[CA-[Au(CN)2]-](s)
Dessorção do CA
[Au(CN)2]-(aq)
Eletrólise
Auo(s)
Fusão
Auo(s)
Lixiviação com agitação: T e p ambiente
Tanques de lixiviação com agitação mecânica e espessadores.
Lixiviação com agitação: tanques de reação
ArO2
Ar
O2
Pás agitadoras duplas
Tanque com agitação mecânica
3
Lix-agitação: T e p ambiente
Tanques de lixiviação por agitação - local fechado.
Lix-agitação: T e p ambiente
Tanques de lixiviação tipo pachuca – agitação pneumática
Lixiviação com agitação: tanques de reação
Tanque pachuca com agitação
pneumática. Injeção: ar ou ar
enriquecido com oxigênio.
6
Lix-agitação: T e p ambiente
Tanques de
lixiviação tipo
pachuca, com
agitação
pneumática.
Observar cobertura.
Lix-agitação: T e p ambiente
Tanques de lixiviação – cinética de lixiviação baixa devido às
condições ambientais.
Lix-agitação: T e p ambiente
Durante os meses de inverno produção é quase “zero”.
Lix-percolação: pilhas
Teste piloto de lixiviação em pilhas.
Lix-percolação: pilhas
Teste piloto de lixiviação em pilhas.
Lix-percolação: pilhas
Teste piloto de lixiviação em pilhas – Lixívia rica em Au ???
Lix-percolação: pilhas
Sistema de distribuição de
solução de ácido sulfúrico,
por gotejamento, para
lixiviação em pilhas de
minério de cobre.
Observar a granulometria
do minério.
Lix-percolação: pilhas – condições atmosféricas
Sistema de lixiviação em pilhas - EUA
Lix-percolação: pilhas – condições atmosféricas
Sistema antigo para distribuição de solução de cianeto em pilhas.
Lix-percolação: pilhas.
Impermeabilização de
uma bacia para estocagem
de solução cianetada, que
é a solução rica contendo
o ouro dissolvido na forma
de íon aurocianeto
[Au(CN)2]-(aq).
OBS: Au forma 2 íons:
Au+1  auroso
Au+3  aurico
Lix-percolação: pilhas – condições atmosféricas.
Confecção da bacia para estocar a lixívia rica recolhida na base das
pilhas.
Lix-percolação: pilhas
Sistema com diversas
bacias para estocagem de
lixívia rica e para
estocagem de polpa ou
solução exaurida em ouro.
OBS:
lixívia rica  contém o
ouro dissolvido na forma
Au(CN)2-(aq).
lixívia pobre/exaurida 
não contém mais ouro
dissolvido.
Lix-percolação: pilhas
Lagoa ou bacia de
estocagem contendo
lixívia rica. A bacia está
recoberta com uma rede
para evitar o pouso de
aves bem como a entrada
de pequenos animais.
Adsorção do Au no CA: T e p ambiente
Tanques de adsorção com agitação mecânica:
nos tanques, além do ouro cianetado, tem
carvão ativado.
Adsorção do Au no CA: T e p ambiente
Tanques de adsorção com agitação mecânica: nos
tanques, além do ouro cianetado, tem carvão ativado.
Carregamento do ouro no CA
Agora o ouro cianetado está adsorvido no carvão
ativado. A partir desta etapa não temos mais polpa.
Descarregamento do ouro do CA
Fundo do tanque de CA (slide
anterior).
Descarregando CA rico em Au na
coluna de eluição.
Nesta coluna vamos retirar o ouro
do CA para uma solução nova de
cianeto de sódio e soda.
Esta solução nova, contendo
apenas Au dissolvido em solução
de cianeto será enviada para a
etapa de eletrólise.
Recuperação do metal-eletrólise
Célula eletrolítica, modelo antigo, para eletrorecuperação de ouro. A tampa está no solo.
Recuperação do metal-eletrólise
Célula eletrolítica nova, para eletro-recuperação de ouro.
A tampa é acoplada à caixa.
Recuperação do metal-eletrólise
Célula eletrolítica nova, para eletro-recuperação de ouro.
Abertura da tampa.
Recuperação do metal-eletrólise
Célula eletrolítica nova, para eletro-recuperação de ouro.
Interior da célula: cátodos e ânodos.
Recuperação do metal-eletrólise
No cátodo (C) ocorre a redução do Au(I) a Auo sólido
Recuperação do metal-eletrólise
Célula eletrolítica para eletro-recuperação de ouro.
Recuperação
do metal
Cátodo primário de ouro (eletro-produção). Quando o cátodo é feito
de material barato todo ele pode ser fundido para produção das
barras (Doré).
Recuperação
do metal
Lavagem do cátodo primário de ouro (eletro-obtenção). A lama
filtrada ou seca é encaminhada à fundição para produção de barras
(Doré) ou de ânodos para posterior eletro-refino.
Recuperação
do metal
Lama carregada
em ouro, obtida
após lavagem do
cátodo primário, é
posta para secar
em bandejas.
A lama seca será a
carga da fundição.
Fusão do metal
Forno convencional
Temperatura > 1200 oC
Fundentes e formadores
de escória mais usados
na fundição de ouro.
- Bórax
- Sílica
- Carbonatos
Fusão do metal
Fundição para
obtenção das barras
de Doré.
Tamanho padrão das
Barras de Doré - LME:
Mínimo: 350 oz (~ 11 kg)
Máximo: 430 oz (~ 13 kg)
Fusão do metal
Vertendo o bullion em
formas de Doré.
Material recolhido no
cadinho ao pé da forma
é todo re-processado,
pois além da escória,
contém ouro.
Fusão do metal
Outro tipo de forno de fundição para obtenção das barras de
Doré.
Fusão do metal
Forno de fundição de Yanacocha – 3,02x106 oz em 2004
Fusão do metal
Forno de fundição de Yanacocha – 3,02x106 oz em 2004
Fusão do metal
Vertendo bullion de ouro para fazer a barra de Doré.
Fusão do metal
Fundição de ouro – observar a forma ao pé do forno.
Fusão do metal.
Vertendo bullion do
forno na forma para a
obtenção da barra de
Doré.
Fusão do metal
Limpeza da barra de ouro. Todas as rebarbas serão reprocessadas.
Fusão do metal
ACABOU ?? NÃO
Só falta:
•
Estampar;
•
Embrulhar;
•
Colocar na caixa
apropriada;
•
Transportar;
•
Vender e
•
RECEBER OS $$$ !!
Transporte do metal
Estampagem em uma
barra de ouro.
Transporte do metal.
Embalagem das barra para
transporte.
Tipos de Doré
Doré de prata e ouro - observar diferença de cor.
La Coipa, localizada no
alto da cordilheira
andina, produz o bullion
mostrado na foto
anterior.
Já foi maior mina
produtora de prata do
mundo.
Entretanto, o $$ vem
mesmo é do pouco ouro
contido no bullion.
Controle de qualidade
Ensaio a fogo para determinação de ouro – copelação.
Controle de teores
Absorção atômica – determinação de ouro.
APÓS REFINO!!
Produtos finais de uma refinaria: ouro em barras, em pó ou
pelotas.
Fluxograma industrial simplificado

similar documents