Diapositivo 1 - Escola Secundária de Sampaio

Report
Avaliação Externa 2012
01.FEV.12
Escola Secundária de Sampaio
Por uma escola inclusiva de qualidade
Caracterização da Escola
Resultados
Prestação do Serviço Educativo
Liderança e Gestão
Caraterização da Escola
•
•
•
•
•
•
População escolar 2011/2012
Caraterização dos alunos
Contexto social dos Pais e EE
Oferta Formativa
Pessoal docente em 2011/2012
Pessoal não docente em 2011/2012
População escolar em 2011/2012
493
258
1123
237
3º CICLO
SECUNDÁRIO
REGULAR
135
SECUNDÁRIO
PROFISSIONAL
EFA NOTURNO
Caracterização dos alunos
3ºCICLO
ALUNOS COM
ASE
78
31%
SECUNDÁRIO
REGULAR
141
28%
SECUNDÁRIO
PROFISSIONAL
91
39%
TOTAL
310
31%
ALUNOS COM
NEE
11
7
1
19
ALUNOS
ESTRANGEIROS
10
39
24
73
Caraterização da Escola
Contexto social dos Pais e E.E.
Contexto social
Profissões de nível
intermédio e super.
Habilitações de
nível superior
Habilitações de
nível sec. ou sup.
Computador e
internet em casa
3º CICLO
29,6%
21,3%
48%
90%
SECUNDÁRIO
26,2%
16%
36%
89%
Oferta Formativa
3ºCICLO
SECUNDÁRIO
REGULAR
REGULAR
PIEF
10 TURMAS
1 TURMA
TOTAL
41
TURMAS
DIURNAS
CIÊNCIAS
ECONOMIA
HUMANIDADS
ARTES VISUAIS
10 TURMAS
2 TURMAS
5 TURMAS
3 TURMAS
SECUNDÁRIO
PROFISSIONAL
INFORMÁTICA
GESTÃO
MARKETING
TURISMO
DESPORTO
3 TURMAS
2 TURMAS
3 TURMAS
2 TURMAS
1 TURMA
SECUNDÁRIO EFA
NOTURNO
ESCOLAR
GESTÃO
INFORMÁTICA
A. EDUCATIVA
1 TURMA
3 TURMAS
2 TURMAS
2 TURMAS
8 TURMAS
NOTURNAS
Caraterização da Escola
Pessoal docente em 2011-2012
Antig/Idade
20 a 29 anos
30 a 39 anos
40 a 49 anos
50 a 59 anos
60 ou mais
TOTAL
< 4 anos
1
8
1
1
0
11
5 a 9 anos
0
8
1
1
0
10
10 a 19 anos
0
14
22
3
0
39
20 a 29 anos
0
0
21
23
1
45
> 30 anos
0
0
1
15
0
16
TOTAL
1
30
46
43
1
121
Docentes do quadro 99/82%
Docentes contratados 22/18%
Pessoal não docente em 2011-2012
Antig/Idade
20 a 29 anos
30 a 39 anos
40 a 49 anos
50 a 59 anos
60 ou mais
TOTAL
< 4 anos
0
2
2
0
0
4
5 a 9 anos
0
1
1
0
0
2
10 a 19 anos
0
1
9
5
2
17
20 a 29 anos
0
0
3
11
0
14
> 30 anos
0
0
0
3
0
3
TOTAL
0
4
15
19
2
40
Assistentes operacionais 28
Caraterização da Escola
Assistentes administrativos 12
1. Resultados
1.1. Resultados Académicos
1.2. Resultados Sociais
1.3. Reconhecimento da Comunidade
1.1. Resultados Académicos
• Evolução dos resultados internos contextualizados
EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE TRANSIÇÃO/CONCLUSÃO
7ºANO
1. Resultados
8ºANO
9ºANO
1.1. Resultados Académicos
• Evolução dos resultados internos contextualizados
EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE TRANSIÇÃO/CONCLUSÃO
10ºANO
1. Resultados
11ºANO
12ºANO
1.1. Resultados Académicos
• Evolução dos resultados externos contextualizados
PERCENTAGEM DE POSITIVAS NOS EXAMES DO 9ºANO
Língua Portuguesa
1. Resultados
Matemática
1.1. Resultados Académicos
• Evolução dos resultados externos contextualizados
MÉDIAS OBTIDAS NOS EXAMES DO 11ºANO
BIOL. GEOL.
1. Resultados
FIS. QUI. A
GEOM. DESC.A
MACS
1.1. Resultados Académicos
• Evolução dos resultados externos contextualizados
MÉDIAS OBTIDAS NOS EXAMES DO 12ºANO
PORTUGÊS
MATEMÁTICA A
1. Resultados
HISTÓRIA A
DESENHO A
1.1. Resultados Académicos
• Resultados externos contextualizados
Ranking da Escola
SIC/Expresso
2009
2010
2011
DISTRITO
Ensino Básico
320 (1300)
359 (1295)
245 (1291)
2º lugar
140 (504)
104 (485)
124 (478)
5º lugar
Ensino Secundário
1. Resultados
1.1. Resultados Académicos
• Qualidade do sucesso
2007
2008
2009
2010
2011
CI
13,0
12,6
13,0
13,3
12,8
CE
9,8
10,9
11,0
11,4
11,0
CI-CE
3,2
1,7
2,0
1,9
1,8
DIFERENÇA ENTRE CI/CE POR DISCIPLINA EM 2011
1. Resultados
1.1. Resultados Académicos
• Abandono e desistência
PERCENTAGEM DE ABANDONO E DESISTÊNCIA
1. Resultados
1.2. Resultados Sociais
Participação na vida da escola e assunção de responsabilidades
• Participação dos pais e alunos nos órgãos e estruturas da Escola
• Participação dos pais e alunos em atividades organizadas pela Escola
• Ação de melhoria nº3
Cumprimento de regras e disciplina
• Conjunto de normas de conduta afixado em todas as salas de aula
• Atuação da direção de forma assertiva mas com firmesa e em curto espaço de tempo
• Gabinete de apoio à disciplina
• Ação de melhoria nº2 que inclui formação de docentes
Formas de solidariedade
• Participação dos alunos e professores nas campanhas do Banco Alimentar
• Participação dos alunos e professores em campanhas de solidariedade para várias instituições
• Parceria com Rotary Club para ações de voluntariado
1. Resultados
1.2. Resultados Sociais
• Impacto da escolaridade no percurso dos alunos
ENTRADAS NO ENSINO SUPERIOR POR OPÇÃO
PERCURSO DOS ALUNOS APÓS CONCLUIREM CURSOS PROFISSIONAIS
1. Resultados
1.3. Reconhecimento da comunidade
• Grau de satisfação da comunidade educativa
QUESTIONÁRIOS DA IGE
60.00%
ALUNOS
50.00%
40.00%
PAIS/ EE
30.00%
DOCENTES
20.00%
NÃO
DOCENTES
10.00%
0.00%
CONCORDO
TOTALMENTE
CONCORDO
1. Resultados
NÃO CONCORDO
NEM DISCORDO
DISCORDO
DISCORDO
TOTALMENTE
1.3. Reconhecimento da comunidade
• Grau de satisfação da comunidade educativa
100
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0
QUESTIONÁRIOS CAF II
E.A.A.
Docentes
Não docentes
1. Resultados
1.3. Reconhecimento da comunidade
•
Grau de satisfação da comunidade educativa
QUESTIONÁRIOS CAF II
100
80
ALUNOS
PAIS/EE
60
40
20
0
7ºANO
•
8ºANO
9ºANO
10ºANO
11ºANO
12ºANO
EFAS
MÉDIA
Formas de valorização do sucesso dos alunos
– Quadro de valor, mérito e excelência
– Momentos solenes de entrega de diplomas
•
Contributo da Escola para o desenvolvimento da comunidade envolvente
– Oferta formativa diversificada designadamente em regime pós laboral
– Participação do diretor em várias estruturas concelhias
– Cedência das instalações da escola para formação
1. Resultados
2. Prestação do Serviço Educativo
2.1. Planeamento e Articulação
2.2. Práticas de Ensino
2.3. Monitorização e avaliação das aprendizagens
2.1. Planeamento e articulação
Gestão articulada do currículo
• Articulação curricular vertical pelos Grupos Disciplinares
• Articulação curricular horizontal pelos Conselhos de Turma
• Conselhos de Curso e diretores dos cursos profissionais
• Enriquecimento curricular através dos projetos PIS, Desporto Escolar e outros
Contextualização do currículo e abertura ao meio
• Oferta educativa diversificada de acordo com as opções dos alunos
• A abertura dos cursos profissionais em função do tecido empresarial
• UFCD e EFA de acordo com necessidades identificadas pelo CNO
• Múltiplas atividades que visam valorizar o património local
Trabalho cooperativo entre docentes
• Condições horárias para a realização de encontros formais
• Atribuição de uma hora da componente não letiva
• Distribuição de serviço de modo a privilegiar equipas de ano
2. Prestação do Serviço Educativo
2.2. Práticas de ensino
Práticas de ensino
• Adequação dos currículos e dos instrumentos de avaliação
• Apoios pedagógicos acrescidos e sala de estudo
• Reforço da carga horária nas disciplinas com exame nacional
Adequação dos
apoios aos alunos
com NEE
• Professor do ensino especial e psicóloga da escola
• Técnicos no âmbito do Centro de Recursos para a Inclusão ( CRI)
Exigência e incentivo à
melhoria dos
desempenhos
• Definição anual de metas de resultados
• Estrutura intermédia do NAI
• Reflexão periódica pelos Grupos Disciplinares sobre os resultados
obtidos
Metodologias ativas e
experimentais no ensino e
nas aprendizagens
• Valorização do trabalho laboratorial e experimental
• Uso das TIC em contexto de sala de aula
• Mobilização da Plataforma Moodle
2. Prestação do Serviço Educativo
2.2. Práticas de ensino
Valorização da dimensão
artística
• Oferta do curso de Artes Visuais
• Clube de teatro
• Várias atividades de valorização das artes, concursos etc
Rendibilização dos
recursos educativos e do
tempo dedicado às
aprendizagens
• Valorização dos recursos existentes na BE/CRE
• Regulamentação das atividades de enriquecimento curricular com
prejuízo de aulas
• Reintrodução do 2º toque e rigor no cumprimento dos horários)
Acompanhamento e
supervisão da prática letiva
• Coordenadores e subcoordenadores de departamento
• Plataforma Moodle como base de dados
• Supervisão da prática letiva apenas no âmbito da ADD
2. Prestação do Serviço Educativo
2.3. Monitorização e avaliação das aprendizagens
•
Diversificação das formas de avaliação
– Utilização das várias modalidades de avaliação designadamente a formativa
– Diversificação dos instrumentos de avaliação
– Testes, relatórios, ensaios, portefólios, apresentações orais etc
•
Aferição dos critérios e dos instrumentos de avaliação
– Elaborados pelos grupos disciplinares e monitorizados pelo CP
– Elaboração de testes iguais ou com a mesma matriz
– Adesão ao projeto dos testes intermédios do GAVE
•
•
Eficácia das medidas de apoio educativo
Ano
7º
Nº alunos com APA ou A. Móvel
27
Transitaram de ano
27
Eficácia
100%
8º
23
23
100%
9º
34
26
76%
Prevenção da desistência e do abandono
– Criação de turmas CEF e Cursos Profissionais
– Projeto EPIS, turma PIEF
2. Prestação do Serviço Educativo
3. Liderança e Gestão
3.1. Liderança
3.2. Gestão
3.3. Autoavaliação e melhoria
3.1. Liderança
Visão estratégica e fomento do
sentido de pertença e de
identificação com a Escola
Valorização das estruturas
intermédias
• Promove-se a necessidade de vestir a camisola da Escola
• Comemora-se na Escola datas importantes com momentos de convívio
• São atribuídos pela Escola prémios aos alunos em momentos solenes
• Delegação formal de competências nas várias estruturas
• Delegação formal de competências nos elementos da direção
• Delegação formal de competências nos chefes e coordenadores
Desenvolvimento de projetos,
parcerias e soluções inovadoras
• Projeto do centro de recursos educativos e formação de Sesimbra
• Projeto do centro recursos para a inclusão com a Cercizimbra
• Parcerias com várias instituições, CMS, Centro de Saúde, Rotary Club,
Empresas etc
Motivação das pessoas e gestão
de conflitos
• Exercício de uma gestão de proximidade em que se privilegia o diálogo
e a negociação.
Mobilização dos recursos da
comunidade educativa
• Mobilizamos vários recursos como os serviços da CMS, Bombeiros,
Proteção civil, Biblioteca Municipal, Sesimbra FM, Jornal de Sesimbra.
Temos tido também vários projetos financiados.
3. Liderança e Gestão
3.2. Gestão
Critérios e práticas de
organização e afetação dos
recursos e distribuição de serviço
• Docentes: privilegia-se a cont. pedagógica e a formação de equipas de ano
• Pessoal não docente: privilegia-se as comp. específicas e alguma rotatividade
• Tem-se em conta a competência e a aceitação das pessoas na atrib. de cargos
Critérios de constituição dos
grupos e das turmas, de
elaboração dos horários
• Tem-se em conta as opções dos alunos e procura-se que fiquem com alguns
colegas anteriores
• Procura-se formar turmas heterogéneas e não turmas de bons e maus alunos
• Elaboram-se horários desencontrados por ano de escolaridade
Avaliação do desempenho e
gestão das competências dos
trabalhadores
• No caso dos docentes processo decorreu com normalidade embora tenha
gerado mau estar
• No caso do pessoal não docente o processo está estabilizado não tendo
gerado conflitos
Promoção do desenvolvimento
profissional
• Estrutura intermédia apenas com competências na formação contínua
• Valorização do trabalho cooperativo entre docentes para o desenvolvimento
profissional
Eficácia dos circuitos de
informação e comunicação
interna e externa
• E-mail institucional, Plataforma Moodle, Site, Página no Facebook, Sesimbra
FM e Jornal
3. Liderança e Gestão
3.3. Autoavaliação e melhoria
Coerência entre a autoavaliação
e a ação para melhoria
• Processo de autoavaliação interna assumido pela comunidade com
naturalidade
• Identificação das áreas a melhorar e constituição de equipas para a sua
implementação
Utilização dos resultados da
avaliação externa na elaboração
dos planos de melhoria
• Foram implementadas algumas medidas como o QVME e a elaboração anual
de PFE
Envolvimento e participação da
comunidade educativa na
autoavaliação
• Foram incluídas na equipa de autoavaliação, alunos, pais, funcionários e
amigo crítico
• Foram apresentados os resultados à comunidade e envolveram-se pessoas
nas AM
Continuidade e abrangência da
autoavaliação
• Os resultados são monitorizados em todos os períodos letivos e no final do
ano
• Os ciclos de AI têm decorrido em períodos de 2 anos e envolvem os 9
critérios da CAF
Impacto da autoavaliação no
planeamento, na organização e
nas práticas profissionais
• Está assumido pela comunidade como necessário o processo de
autoavaliação para a melhoria dos resultados
• Está criada uma estrutura intermédia para tratar exclusivamente do processo
de autoavaliação
3. Liderança e Gestão
3.3. Autoavaliação e melhoria
3. Liderança e Gestão
3.3. Autoavaliação e melhoria
3. Liderança e Gestão
Avaliação Externa 2012
01.FEV.12
Escola Secundária de Sampaio
Por uma escola inclusiva de qualidade

similar documents