Cultivo de Solanáceas – Julio Soraggi

Report
Cultivo de Solanáceas
Biodinâmicas
Palestrante: Júlio César Soraggi
Consultor da ABD
Associação Biodinâmica
Origem
Beringela: originária da Índia, Birmânia e China, sendo seu
cultivo antiqüíssimo. Foi introduzida pelos árabes na
Europa, durante a Idade Média.
Jiló: originária da Índia ou da África; no Brasil, foi
introduzida por escravos.
Pimentão: É tipicamente de origem americana, ocorrendo
formas silvestres desde o sul dos Estados Unidos até o
Norte do Chile. Antes da colonização espanhola, o
pimentão já era cultivado pelos indígenas.
Clima e cultivares
Berinjela: A berinjela é planta tipicamente tropical, e
uma das culturas mais exigentes em temperatura,
sendo favorecida pelo calor. Devido a sua origem, a
berinjela se adapta melhor aos climas tropicais e
subtropcais, com temperaturas entre 18º e 26ºC, não
suportando frio excessivo e geadas.
Variedades
•
•
•
•
Ciça: híbrido resistente à antracnose e ácaro nos
frutos, excelente padrão comercial, alta produtividade.
Diamante Negro: híbrido com bom padrão comercial e
produtividade
Napoli: híbrido com bom padrão comercial e
produvidade.
Outros cultivares utilizados são: baronesa, comprida,
nagaoka, ônix, ryoma ( conserva) e super F-100.
Produção de mudas
•
•
•
•
Semeio: preferencialmente em dia de fruto e na lua crescente.
Substrato: 7 a 10 litros de húmus de minhoca ou composto
biodinâmico peneirado, 3 litros de vermiculita ou casca de arroz
queimada, 100 gramas de cinzas, 100 gramas de torta de
mamona, 100 gramas de farinho de osso ou yoorin ( termofosfato)
e 10 gramas de trichoderma.
Usar bandejas de 128 células
Transplante: As sementes de berinjela apresentam germinação
mais demorada em relação ás outras espécies, ocorrendo aos 1025 dias após a semeadura, e vão para o campo de 40 a 60 dias
após a semeadura. ( quando as mudas atingirem de 10 a 15 cm)
Preparo de solo e plantio
• A berinjela prefere solos areno-argilosos, bem
drenados e com ph entre 5,5 e 6,0. Em caso de
necessidade , pode- se realizar o preparo mecânico
ou, preferencialmente, optar pelo plantio direto em
covas aberta sobre a palhada.
• O plantio é efetuado no início da primavera, na
maioria das regiões. Entretanto, em regiões baixas e
com inverno suave, pode-se plantar ao longo do
ano. Não tolera geada
• Espaçamento: 1.2 m a 1,5 m entre linhas e 80cm
entre plantas.
• Adubação de plantio: 1 kg de composto+ 50 g de
bokashi por planta
Tratos culturais
•
•
Irrigação: é uma cultura que apresenta boa resistência a
seca e, portanto, as irrigações podem ser dispensadas
nos plantios de primavera-verão. Atenção especial deve
ser dada para o excesso de água no solo, pois essa
espécie não tolera umidade excessiva.
Uso de cobertura morta: a cultura da berinjela pode ser
muito beneficiada pelo uso de cobertura morta no solo,
mantendo a temperatura em níveis mais baixos, retendo
umidade e ativando e vida do solo, proporcionando
melhor sanidade das plantas.
•
Capinas: as capinas podem ser realizadas manualmente,
lateralmente ás plantas, mantendo-se uma faixa de
mato nativo nas entre linhas de plantio. A conservação
do mato entre as plantas, promove a proteção do solo e
o abrigo de inimigos naturais de pragas na área de
plantio.
Tutoramento e desbrota:
As plantas devem ser conduzidas com duas hastes,
retirando os brotos até a forquilha da primeira flor. A
primeira flor deve ser eliminada, porque forma frutos muito
grandes que tiram o vigor da planta e reduz seu potencial
produtivo
A partir da primeira forquilha, só é necessário a
desbrota se houver formação excessiva de brotos
laterais..
Um trato cultural peculiar da berinjela é a
retirada das pétalas da flor, aderidas ao fruto em
formação. Evita-se assim, que o fruto apresente o local
manchado, destoando da coloração escura.
• Fazer as podas e desbrotas na lua minguante
Adubação de cobertura: A adubação de cobertura
deverá ser realizada após a identificação da sua
necessidade depois de uma avaliação a campo. Aplicar
100 g de bokashi ou 500 g de composto por planta. (
fazer adubação na lua minguante)
Aplicação de preparados biodinâmicos
•
•
Preparado 500 chifre- esterco: Aplicar no final da tarde,
antes ou logo após o transplante das mudas. Favorece o
desenvolvimento radicular e ativa a vida do solo trabalhando
a polaridade terrestre.( aplicar na lua minguante)
Preparado chifre- sílica: Aplicar ao amanhecer do dia antes
da floração e durante a frutificação. Favorece as
propriedades organolépticas, ajuda na resistência a doenças,
além de ser essencial para estruturação externa da planta.
Este preparado trabalha a polaridade cósmica da planta. (
aplicar nas luas claras: crescente e cheia)
Fladem: aplicar sobre o solo após uma capina e roçada.
Obs: Quem faz compostagem usar os preparados de
composto.
Principais doenças causadas por
fungos em solanáceas
Principais doenças causadas por
bactérias em solanáceas
Principais doenças causadas por vírus
em solanáceas
Principais pragas e doenças da
berinjela.
•
pinta preta, atracnose, seca dos ramos e as viroses
que são transmitidas pelos mosca branca, pulgões e
trips, portanto para controlar as viroses, controle
desses vetores.
• A queda de flores e frutinhos pode ocorrer sob
baixas temperaturas. Estas também podem originar
frutos deformados e coloridos desigualmente. (
problemas fisiológicos)
Principais pragas da berinjela: vaquinhas, pulgões,
mosca branca, trips e ácaros. Pulgões, mosca branca e
trips são responsáveis pela transmissão de viroses.
Controle da pragas e doenças da
berinjela
• Doenças fúngicas: calda bordaleza 100 gramas em
20 litros de água
Rockssil 60 a 80 gramas em 20 litros de água
• Vaquinha: plantar cucurbitáceas atrativas e aplicar
nozódios
• Pulgão: aplicar cinzas (200gramas em 20litros de
água)
• Ácaro: Enxofre molhável (Kumulus – 60 g) + Extrato
de pimenta do reino (200 ml) + Extrato de alho (200
ml) / 20 litros de água ou 30 g de enxogre+60g de
cal hidratada em 20 litros de água.
Colheita: A colheita de berinjela é realizada cerca de
100 dias após o transplante, quando os frutos estão
brilhantes e com cerca de 18 a 20 cm de comprimento.
A média de produção e de 3 a 6kg por planta.
Cultivo biodinâmico do Pimentão
Climas e cultivares: A planta é de origem tropical,
desenvolvendo-se e produzindo melhor sob
temperaturas relativamente elevadas ou amenas,
sendo intolerante a baixas temperaturas e à geada. A
termoperiodicidade diária – uma diferença em torno
de 6 ° C entre as temperaturas diurnas e noturnas –
beneficia a cultura.
• Amarelo: Amanda (cônico): Híbrido ideal para
cultivo em estufa, com estaqueamento. O fruto
pode ser colhido verde ou amarelo.
• Luana (block): Híbrido ótimo para condução em
ambiente protegido, ciclo precoce e ótimo
pegamento de frutos. Fruto de coloração amarelo
intenso. Alta tolerância ao rachamento de frutos.
•
Verde: Magali R (cônico): Cultivar líder em padrão de
mercado, plantas vigorosas e produtivas, sua rusticidade
permite adaptação a diferentes locais e formas de
cultivo. O fruto pode ser colhido verde ou vermelho
escuro, possui resistência ao vírus Y da batata e vírus do
mosaico do tomateiro.
Vermelho: Nice: Fruto de excelente uniformidade de
formato e tamanho, muito homogênea e de paredes
grossas. Resistência ao Tm2.
Rubia R (cônico): Cultivar de frutos com formato
retangular, pode ser colhido verde ou vermelho. Ideal para
plantio em estufa. Resistente ao vírus Y da batata e ao vírus
do mosaico do tomateiro
Observação: Os materiais genéticos que têm
apresentado melhor padrão de fruto no cultivo
orgânico, apesar de sua elevada exigência em
nutrientes têm sido os híbridos, especialmente o
Magali e Magali R.
•
•
•
Produção de mudas: seguir recomendação da berinjela.
Deve colocar 2 sementes por célula. As mudas estarão
prontas para serem transplantadas quando estiverem
com 15 cm de altura e de 6 a 8 folhas definitivas.(30 a
45 dias após a semaedura)
Plantio e espaçamento: As covas devem ser irrigadas
antes do transplante das mudas, dispensando a
irrigação no primeiro dia. Não enterrar muito a muda e
evitar fazer amontoa para evitar o problema da
podridão do colo. O espaçamento varia de 1,5 x 1,0m1,0x0,5m- 1,20x0,60m.
Tratos culturais: As plantas devem ser conduzidas com
duas hastes, retirando os brotos até a forquilha da
primeira flor. A primeira flor deve ser eliminada,
porque forma frutos muito grandes que tiram o vigor
da planta e reduz seu potencial produtivo.
A partir da primeira forquilha, só é necessário
desbrota se houver formação excessiva de brotos
laterais.
Pode-se fazer estaqueamento com bambu, a fim
de não deixar os galhos quebrarem permitindo colheita
longa quando a planta está bem nutrida.
• Capina: semelhante a da berinjela.
• Adubação de cobertura: 500g de composto+ 100g
de cinzas ou 100g de bokashi por planta
• Observação: fazer a desbrota na lua minguante
Principais pragas e doenças do
Pimentão
Pragas: lagarta da rosca- A lagarta rosca é responsável
pelo corte de plântulas recém transplantadas e assim a
ocorrência de falhas no plantio. Para o controle, coroe
as plantas com 10g de calcário de conchas, e no dia do
transplante e uma semana após, faça uma pulverização
com: Dipel – 60 g em uma bomba de 20 litros.
vaquinha, pulgão
anteriores
Micro - ácaros
e
ácaros:
seguir recomendações
Os ponteiros das plantas ficam engruvinhados e
avermelhados, prejudicando o desenvolvimento de folhas e
frutos.
Normalmente ocorre em condições de clima seco e em
condições de deficiência de nitrogênio, pode-se
inicialmente reduzir seu ataque com a irrigação por
aspersão, para elevar a umidade do ar.
Em seguida fazer adubação de cobertura nitrogenada (torta
de mamona, cama de frango, bokashi
Principais doenças da cultura do
pimentão
• Podridão do colo ( murcha de phytophtora)
Caracteriza-se pela podridão escura do colo, ao redor do caule e ao nível do
solo; há podridão de raízes; e ocorre murcha repentina da planta. Os meios
de controle são:
Uso de cultivares resistentes;
Utilizar sementes sadias;
Utilizar trichoderma no substrato;
Manter a mesma profundidade após o transplante das mudas;
Controlar a irrigação e a drenagem
Pulverizar o colo da muda, após o transplante com 100 gramas de
trichoderma/20 litros de água.
Rotação de culturas
Antracnose (Colletotrichum)
Cercosporiose (Cercospora)
A Antracnose e a Cercosporiose são doenças que ocorrem
em condições de umidade elevada e temperatura amena a
quente. Ocorrem danos em toda parte aérea da planta. Os
meios de controle são:
Utilização de sementes sadias
Rotação de culturas
Cultivo protegido
Irrigação por gotejamento
Equilíbrio nutricional da planta e Pulverização de:
Calda Bordaleza (100 g)+
Enxofre molhável (Kumulus – 60 g)/ 20 litros de água
Víros: Entre as viroses mais comuns temos o Mosaico,
causada pelo vírus Y da batata, para a qual temos
várias cultivares resistentes.
As viroses são transmitidas pelos mosca branca,
pulgões e trips, portanto para controlar as viroses,
controle desses vetores, com os tratamentos já
indicados anteriormente.
Problemas fisiológicos
•
Queda de flores e frutos: A queda de flores e frutinhos pode ocorrer sob
baixas temperaturas. Estas também podem originar frutos deformados e
coloridos desigualmente.
• Podridão apical: É causada pela deficiência localizada de Cálcio no tecido
da extremidade apical dos frutos. Dessa forma, medidas preventivas
objetivando aumentar a concentração de Cálcio no solo e sua
disponibilidade para a planta deve ser adotada. Entre elas temos:
Fazer a correção do solo com calcário antes do plantio;
Fazer adubação equilibrada;
Manter um teor adequado de água junto às raízes, controlando a irrigação;
Medidas curativas consistem em fazer pulverização foliar com 30
gramas/bomba de Quelato de Cálcio dirigido aos frutos.
Colheita: A colheita do pimentão verde se inicia aos
105 a 130 dias da semeadura, e os pimentões coloridos
125 a 150 dias após a semeadura. Fazer a colheita no
final do dia.
Média de produção: Pimentão verde: 4,5 a 6 kg/m²
Pimentões coloridos: 6 kg/m²

similar documents