Qual é o teu stress? - Universidade do Porto

Report
STRESS
NO TRABALHO
Medicina Preventiva I
FACULDADE MEDICINA UNIVERSIDADE PORTO
ÁGUAS DE VALONGO | DEZEMBRO 2011
1
2
O QUE É O STRESS?
STRESS NO TRABALHO
STRESS
‘stringere’
‘strictus’
Esticar
Esticado
Deformar
Tenso
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
3
COMO PODE SER
[1] ?
STRESS
NO TRABALHO
DEFINIDO
página
Resposta natural a eventos que afectam o
nosso bem-estar de algum modo.
É o que nos permite protegermo-nos, através
de processos rápidos e automáticos, em
situações de perigo.
Mantém os nossos níveis de atenção e de
energia e permite que ultrapassemos os
desafios diários.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
4
COMO PODE SER
[1] ?
STRESS
NO TRABALHO
DEFINIDO
MAS…
A partir de um determinado ponto, o stress
deixa de ser benéfico para passar a
prejudicar a nossa saúde, afectar o nosso
humor, a produtividade, as nossas relações
pessoais e a nossa qualidade de vida.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
5
NOTAS INTRODUTÓRIAS
página
STRESS NO TRABALHO
STRESS
RESPOSTA
VULNERABILIDADE
Causas diversas;
Dependente do indivíduo;
Diferenças entre grupos;
Condições de trabalho.
Dependente da circunstância.
Efeitos psicológicos derivados dos
desequilíbrios entre os géneros.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
6
ADAPTAÇÃO AO STRESS
página
STRESS NO TRABALHO
FASE DE
EXAUSTÃO
Activação do córtex da
glândula suprarrenal.
FASE DE
RESISTEÊNCIA
FASE DE
ALARME
Activação simpática e
da medula da glândula
suprarrenal.
Stranks, 2005
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
Reactivação terminal
do sistema nervoso
vegetativo e da medula
da glândula
suprarrenal.
7
ADAPTAÇÃO AO STRESS
STRESS NO TRABALHO
DISTRESS
EUSTRESS
Respostas mal adaptativas e
Respostas adaptativas e
desgastantes;
dinamizadoras;
Com consequências potencialmente
Oportunidade de desenvolvimento
negativas para a saúde.
pessoal[2].
[2] Serra, 1999
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
8
SÍNDROME
GERAL DE ADAPTAÇÃO
página
STRESS NO TRABALHO
stressor
stressor
INDIVÍDUO
stressor
stressor
síndrome geral de adaptação
boa adaptação
maior susceptibilidade
stressor
má adaptação
Adaptado de
Selye, 1936
maior resistência
stressor
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
9
‘WORK-RELATED
STRESS NO TRABALHO
STRESS’
Consequência do desequilíbrio entre as exigências do trabalho e as capacidades do trabalhador;
Padrão de uma reacção a componentes adversos do trabalho.
A habilidade para gerir o stress no local de trabalho pode fazer a diferença entre o êxito e o
insucesso no trabalho.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
1
0
ESTUDOS EM
STRESS NO TRABALHO
TRABALHADORES
KIVIMAKI Et AL. | 2003
Trabalhadores com elevada tensão no trabalho com risco 2,2 vezes superior de
mortalidade cardiovascular em relação aos seus colegas com um menor nível
de exigência.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
1
1
ESTUDOS EM
STRESS NO TRABALHO
TRABALHADORES
BHATTACHATJEE ET AL. | 2000
Mulheres expostas a um nível médio ou elevado de agentes stressantes e que
apresentavam determinados traços de personalidade referiam mais sintomas do
que aquelas que não apresentavam os mesmos traços de personalidade .
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
1
2
ESTUDOS EM
STRESS NO TRABALHO
TRABALHADORES
ESTRYN-BEHAR ET AL. | 1990
O stress relacionado com o trabalho por turnos, a sobrecarga mental e a falta de
tempo para execução de tarefas causa perturbações no sono.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
1
3
ESTUDOS EM
STRESS NO TRABALHO
TRABALHADORES
SMEDLEY ET AL. | 2003
Enfermeiros que referiram sentir stress apresentaram um risco aumentado de
aparecimento de dores musculares a nível do pescoço e membros superiores.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
14
FACTORES DE RISCO
STRESS NO TRABALHO
Comunicação insuficiente;
Pouca entreajuda;
Ambiguidade e conflito de papéis;
Exploração incompleta das potencialidades do trabalhador;
Insegurança quanto ao futuro no trabalho, evolução na carreira e o próprio salário;
Aumento da pressão para intensificar expectativas sem satisfação com o trabalho;
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
15
FACTORES DE RISCO
STRESS NO TRABALHO
Dificuldades em conciliar os papéis profissional e familiar;
Disponibilidade limitada de horas de lazer;
Trabalho por turnos e trabalho nocturno;
Relações interpessoais no grupo de trabalho;
Relações interpessoais com a supervisão;
Pressão para trabalhar constantemente ao melhor nível.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
ASPECTOS MODERADORES
DA RESPOSTA
STRESS NO TRABALHO
PSICOLÓGICOS
FÍSICOS
FASES DA VIDA
DEMOGRÁFICOS & PROFISSIONAIS
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
16
página
17
CONSEQUÊNCIAS DO
STRESS NO TRABALHO
STRESS
SINTOMAS FÍSICOS, EMOCIoNAIS, INTELECTUAIS E
COMPORTAMENTAIS
DISFUNÇÃO E DESCONFORTO ASSOCIADO
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
18
CONSEQUÊNCIAS DO
STRESS NO TRABALHO
STRESS
Alterações na função perceptivo-cognitiva, emocional e comportamental;
Redução de actividades extralaborais;
Dieta desequilibrada e consumo de álcool e tabaco;
Alterações de memória e atenção;
Deterioração das relações interpessoais.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
19
CONSEQUÊNCIAS DO
STRESS NO TRABALHO
STRESS
Alterações cardiovasculares e respiratórias;
Alterações na resposta hormonal;
Alterações comportamentais;
A curto prazo: estimulação do sistema imunitário;
A longo prazo: inibição do sistema imunitário.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
20
REACÇÕES PSICOLÓGICAS
STRESS NO TRABALHO
PREOCUPAÇÃO,
NERVOSISMO E
FRUSTRAÇÃO
DISTANCIAMENTO
AFECTIVO
IRRITAÇÃO E IMPACIÊNCIA
FALTA DE
CONCENTRAÇÃO E
DESINTERESSE
TRISTEZA, CHOROS E
DESESPERO
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
21
página
REACÇÕES FÍSICAS
STRESS NO TRABALHO
FALTA DE APETITE,
PROBLEMAS DIGESTIVOS E
OBESIDADE
ALTERAÇÕES NO DESEJO
SEXUAL
DOENÇAS
CARDIOVASCULARES
DORES NO CORPO,
TENSÃO MUSCULAR
HIPERTENSÃO ARTERIAL
FALTA DE SONO,
PESADELOS E FADIGA
PROBLEMAS DE PELE
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
22
AVALIAÇÃO
STRESS NO TRABALHO
AMBIENTE DE TRABALHO
ELEMENTOS STRESSORES
ALTERAÇÕES PSICO-FISIO-SOCIAIS
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
23
AVALIAÇÃO
STRESS NO TRABALHO
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
Classificação dos eventos como irrelevantes, positivos ou ameaçadores.
AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA
Ocorre quando um acontecimento é considerado ameaçador e consiste na análise dos recursos disponíveis
para enfrentar essa situação.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
24
DÊ PRIORIDADE A SI MESMO
STRESS NO TRABALHO
Quando fica mais tenso?
É demasiado exigente?
Tem-se sentido diferente, deprimido ou doente?
Quais são as suas expectativas?
Quais são as suas reacções?
Existe um nível óptimo de stress para cada pessoa, defina o seu!
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
25
CONTROLA O SEU STRESS?
STRESS NO TRABALHO
Quando se sente agitado sabe o que o acalma e o que o poderá relaxar?
Consegue rapidamente afastar a sua fúria?
Pede auxílio aos seus colegas ou família para se acalmar e sentir melhor?
Quando chega a casa sente-se relaxado?
Sabe como melhorar a sua energia e boa disposição?
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
página
26
página
PREVENÇÃO
STRESS NO TRABALHO
Técnicas de
grupos de
partilha
Promoção da
saúde
Alerta para
problemas
específicos
INTERVENÇÃO NA
EMPRESA
Programas de
assistência ao
trabalhador
Controlo da
exposição aos
factores de
risco
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
27
página
RESUMO
STRESS NO TRABALHO
PREVENÇÃO PRIMÁRIA –
EVITAR
PREVENÇÃO SECUNDÁRIA DETECTAR
PREVENÇÃO TERCIÁRIA TRATAR
Educação e promoção da saúde na
Monitorização constante da
Grupos de apoio ou de discussão;
comunidade.
quantidade e dos efeitos do ‘stress’
Psicoterapia;
em si próprio
Técnicas de relaxamento;
Apoio médico.
Faculdade Medicina da Universidade do PortoDezembro 2011
COMO VENCER
O STRESS ?
1. Identifique o stress
2. Retire/modifique o
que o está a prejudicar
3. Defina as suas
prioridades
4. Organize o seu dia
5. Aprenda a dizer ‘não’
6. Não se preocupe com o
que não pode alterar
7. Crie um bom ambiente
de trabalho
8. Aprenda a relaxar
9. Tenha vida social
10. Melhore a sua vida
sexual
NÃO existe receita para
combater o stress!
EXISTEM formas de o
evitar. EXISTEM formas
de lidar com ele.
Nos momentos de
maior pressão, não
deixe os nervos
vencer. Respire fundo,
pondere os seus actos
e… SORRIA!

similar documents