- Grupo Ideal

Report
www.grupoidealbr.com.br
Aula 2 – Avaliação Nutricional
Definição
• É a medida do tamanho corporal e de suas
proporções, sendo um dos indicadores diretos
do estado nutricional do indivíduo.
Avaliação Física - Antropometria
• Vantagem: O mais simples e econômico dos métodos não
invasivos praticável a qualquer tipo de paciente/cliente.
• Desvantagem: Método indireto sobre os valores de
resultados (sem correlação com outros dados).
Utilidades
• Ao nascer: Diagnóstico de má-nutrição fetal
previsão do risco metabólico precoce.
• Período neonatal e lactente: Avaliação do estado
nutricional (estimativa da composição corporal),
podendo ser previsto risco metabólico futuro.
Medidas, Índices e Indicadores:
• Existem diferenças significantes nas 3 palavras
que são relevantes no diagnostico nutricional,
sendo:
• Medidas antropométricas: dimensões de peso,
estatura e outras proporções corporais;
• Índices : são as combinações ocorrentes entre
duas ou mais medidas antropométricas. Eles nos
mostram diferentes meios de avaliar o que reflete
a um tempo ou a um processo os mais utilizados
são P/I, P/A, A/I, IMC.
• Indicadores: permitem o diagnóstico nutricional. É
utilizado para representar ou medir aspectos não
sujeitos à observação direta. O indicador inclui apenas
um aspecto, por exemplo, a desnutrição ou a
obesidade.
• Exemplo: indicadores de saúde em uma coletividade.
Diferentes tipos de medidas
Diretas
Calculadas
Peso
IMC
Altura
% gordura
Perímetro
Braquial
Adequações
Pregas
cutâneas
C/Q
Medidas Diretas:
• O peso é a soma de todos os componentes
corporais (água, gordura, ossos, músculos) e
reflete o equilíbrio protéico energético do
indivíduo.
Diferentes tipos de peso
• Peso atual – É o peso averiguado no momento;
• Peso usual – É o peso utilizado como referência;
• Peso ideal ou desejável ou teórico – é o peso
definido de acordo com alguns parâmetros, tais
como idade, biótipo, sexo e altura;
• Estimativa de peso - quando não houver
possibilidade de pesar o indivíduo, pode-se
estimá-lo.
*somente utilizado quando não houver como realizar a aferição do peso.
• Peso ajustado ou Peso Ideal – é utilizado um
calculo quanto o indivíduo não esta dentro da
“normalidade”.
Altura
• Estatura: é a medição em pé de crianças maiores de dois
anos até a idade adulta. Utiliza-se o estadiômetro.
• Comprimento: é a medição em decúbito dorsal (deitado,
de ventre para cima), utilizado para crianças até dois anos
de idade (mesmo que esta já fique em pé). Utiliza-se o
infantômetro.
• Pode-se estimar a altura do individuo por dois
métodos:
• Altura do Joelho:
• Pela Envergadura ou Hemi-envergadura:
Como aferir o peso e a altura
Peso em Crianças:
Fonte: Cartilha SISVAN, 2010.
Em Adultos:
Fonte: Cartilha SISVAN, 2010.
Altura em Crianças:
Fonte: Cartilha SISVAN, 2010.
Em Adultos:
Fonte: Cartilha SISVAN, 2010.
Idade:
• Criança: menor de 10 anos de idade
• Adolescente: maior ou igual a 10 anos e menor que 20 anos de idade;
• Adulto: maior ou igual a 20 anos e menor que 60 anos de idade;
• Idoso: maior ou igual a 60 anos de idade
• Gestante: mulher com idade maior que 10 anos e menor que 60 anos de
idade
Padronização de faixa etária:
• As informações disponíveis nas curvas de crescimento são em meses. A
regra de aproximação que deve ser seguida para as idades não exatas é:
- Fração de idade até 15 dias: aproxima-se a idade para baixo, isto é, o último
mês completado.
- Fração de idade igual ou superior a 16 dias: aproxima-se a idade para cima,
isto é, para o próximo mês a ser completado.
• EXEMPLO: Eduardo nasceu em 09/07/2004 e Isabela em 06/11/2007. Eles
foram a um EAS para uma consulta de rotina no dia 22/01/2008. Quais as
idades que devem ser procuradas nos gráficos de crescimento infantil da
Caderneta de Saúde da Criança para fazer o diagnóstico nutricional?
- Eduardo: 3 anos, 6 meses e 13 dias = 3 anos e 6 meses
- Isabela: 2 meses e 16 dias = 3 meses
Circunferências
• São medidas de crescimento e podem indicar o
estado nutricional e o padrão de gordura corporal,
com exceção da circunferência cefálica, que indica o
crescimento cerebral.
• As principais medidas são:
• Circunferência da cintura (CC)
• Circunferência do quadril (CQ)
• Circunferência abdominal (CA)
• Circunferência do braço (CB)
Perímetro cefálico
• Faz-se até o primeiro ano de vida, porém
existe gráfico ponderando até o 5º ano de
vida.
Técnicas de aferir circunferência:
a) Circunferência do braço:
• Flexionar o braço a ser avaliado formando um ângulo de 90 graus.
• Localizar o ponto médio entre o acrômio e o olecrano.
• Solicitar ao indivíduo que fique com o braço estendido ao longo do corpo
com a palma da mão voltada para a coxa.
• Contornar o braço com fita flexível no ponto marcado de forma ajustada
evitando compressão da pele ou folga.
b) Circunferência da cintura:
• Indivíduo em pé, usando fita métrica não elástica.
• A fita deve circundar o indivíduo na linha natural da cintura,
na região mais estreita entre o tórax e o quadril,
geralmente no ponto médio entre a crista ilíaca e a última
costela.
c) Circunferência do quadril:
• A fita deverá circundar o quadril na região de
maior perímetro entre a cintura e a coxa, com
o indivíduo usando roupas finas.
Pregas cutâneas
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Existem nove pregas que são consideradas:
PCB;
PCT;
PCAbd;
PCSI;
PCSE;
PCPeitoral;
PCCoxa
PCPanturrilha;
PCMA.
• A espessura da dobra cutânea reflete a
espessura
da
pele
e
tecido
adiposo
subcutâneo em locais específicos do corpo.
Calculadas
• IMC – Índice de Massa Corporal:
• É a relação entre o peso e a altura ao
quadrado.
• Vantagens & Desvantagens.
Ministério da Saúde - Adultos
Ministério da Saúde - Adolescentes
Ministério da Saúde – Idoso <60 anos
Ministério da Saúde - Gestantes
• Calculo da Semana Gestacional:
Quando necessário, arredonde a semana gestacional da seguinte
forma: 1, 2, 3 dias – considere o número de semanas completas e 4,
5, 6 dias – considere a semana seguinte.
Exemplo: Gestante com 12 semanas e 2 dias = 12 semanas
Gestante com 12 semanas e 5 dias = 13 semanas
Calcula-se o IMC
normalmente
e
encontra
o
resultado na tabela
referência.
Ministério da Saúde - Crianças
Relações para avaliação de crianças
Até 10 anos de idade.
P/I
•
Expressa a relação entre a massa corporal e a idade cronológica da criança.
•
É o índice utilizado para a avaliação do estado nutricional, contemplado na
Caderneta de Saúde da Criança, principalmente para avaliação do baixo peso.
•
Essa avaliação é muito adequada para o acompanhamento do ganho de peso e
reflete a situação global da criança; porém, não diferencia o comprometimento
nutricional atual ou agudo dos pregressos ou crônicos. Por isso, é importante
complementar a avaliação com outro índice antropométrico.
P/E
• Este índice dispensa a informação da idade;
expressa a harmonia entre as dimensões de
massa corporal e estatura. É utilizado tanto para
identificar o emagrecimento da criança, como o
excesso de peso.
E/I
• Expressa o crescimento linear da criança. É o índice
que melhor indica o efeito cumulativo de situações
adversas sobre o crescimento da criança. É considerado
o indicador mais sensível para aferir a qualidade de
vida de uma população. Trata-se de um índice incluído
recentemente na Caderneta de Saúde da Criança.
IMC Percentil
• É calculado o IMC da crianças como o do
Adulto e colocado no gráfico da curva.
Pontos de corte
Fonte: SISVAN, 2011.
IMC percentil - Criança
IMC percentil - Adolescente
Relação Cintura / Quadril
Desnutrição e pontos de corte
Exames
•
•
•
•
Os Principais objetivos dos exames são;
Confirma;
Estabelecer e;
Contemplar o diagnostico clínico.
Exames que interferem na AN:
•
•
•
•
•
•
•
•
Hemograma completo;
Albumina Sérica;
Glicose em jejum e pós-prandial;
Hemoglobina Glicada;
Lipidograma;
Exames de Urina;
Transferrina e Ferritina;
Proteína transportadora de Retinol – Crianças*;
Valores de referência:
Bioimpedância
• É atualmente um dos métodos mais utilizados para a avaliação da
composição corporal na prática clínica, pois é um método não
invasivo, indolor, livre de radiação, rápido, seguro e relativamente
econômico. Os aparelhos de bioimpedância podem ser classificados
quanto ao tipo de frequência utilizada ou à região do corpo
submetida ao exame.
Exercícios
•
Em 2007 a OMS propôs um referencial para ser utilizado na avaliação nutricional
de crianças e adolescentes entre 5 e 19 anos de idade, que contempla gráficos de:
a) peso para idade apenas até 10 anos.
b) peso para idade apenas até 12 anos.
c) peso para idade até 19 anos.
d) estatura para idade apenas até 10 anos.
e) estatura para idade apenas até 12 anos.
•
Existe uma relação direta entre os estágios de maturação sexual e o crescimento e
desenvolvimento físico que são fundamentais na avaliação nutricional do
adolescente. No que se refere ao sexo feminino pode-se dizer que:
a) geralmente o estirão de crescimento inicia-se no estágio M3 de Tanner.
b) a menarca ocorre geralmente em M4 e coincide com a fase de aceleração de
crescimento estatural.
c) a menarca ocorre após o pico de velocidade de crescimento, na fase de
desaceleração do estirão pubertário.
d) a desnutrição secundária às doenças crônicas acelera o início da puberdade.
e) a classificação do estágio de desenvolvimento mamário, depende do tamanho das
mamas e não de suas características.
• Em relação aos métodos de avaliação nutricional, assinale a alternativa correta.
a) A bioimpedância elétrica é um método rápido e não invasivo que se baseia no princípio de que os
componentes corporais oferecem uma resistência diferenciada à passagem da corrente elétrica.
Enquanto os tecidos magros apresentam alta resistência à passagem da corrente elétrica, a gordura
e o osso apresentam baixa resistência.
b) O exame físico é um método simples e permite identificar vários estágios da deficiência de
micronutrientes.
c) A história dietética é um método rápido de avaliação do consumo alimentar que apresenta como
vantagem a possibilidade de gerar resultados padronizados.
d) A concentração de albumina sérica, apesar de muito utilizada na prática clínica para avaliação do
estado nutricional, pode estar alterada em virtude de doenças hepáticas e de inflamação.
e) A circunferência muscular do braço avalia a reserva de tecido muscular e é obtida a partir dos valores
da circunferência do braço e da prega cutânea bicipital.
• Acerca dos indicadores antropométricos e bioquímicos do estado
nutricional
de
adultos,
julgue
os
itens
subsequentes.
A espessura das dobras cutâneas indica a quantidade de gordura
localizada na região subcutânea de um ou mais segmentos do corpo.
• Certo
• Errado
• Acerca dos indicadores antropométricos e bioquímicos do estado
nutricional de adultos, julgue os itens subsequentes. Os valores
aumentados de LDL-colesterol e de triglicerídios representam
diagnóstico diferencial de obesidade.
• Certo
• Errado
• Dentro das orientações nutricionais quanto às
recomendações energéticas e ganho de peso para uma
gestante, deve ser primariamente avaliado(a):
a) IMC pré-gestacional;
b) presença de alergias alimentares;
c) consumo de frutas e hortaliças;
d) ausência de carboidratos simples na dieta;
e) restrição de proteínas de baixo valor biológico.
Referências:
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Antropometria: como pesar e medir. Centro
Colaborador em Alimentação e Nutrição – Região Sudeste/ENSP/FIOCRUZ
CUPPARI, L. Guia de Nutrição: nutrição clínica no adulto. São Paulo: Atheneu, 2002.
DUARTE, AC.; CASTELLANI, FR. Semiologia Nutricional. Rio de Janeiro: Ed. Axcel books do Brasil Ltda. 2002.
FAGIOLLI, D.; NASSER, L.A. Educação Nutricional na infância e adolescência. São Paulo: Ed. RCN. 2006
FISBERG, R; SLATER, B; MARCHIONI, D.M.L; MARTINI, L A. Inquéritos alimentares: métodos e bases científicos.
São
Paulo: Ed. Manole. 2005.
GUEDES, DP; GUEDES, JERP. Controle do peso corporal: composição corporal, atividade física e nutrição.
Londrina: Midiograf, 1998.
HEYWARD, W; STOLARCZYK, LM. Avaliação da composição corporal aplicada. São Paulo: Ed. Manole. 2000.
KATCH, FI.; MCARDLE, WD. Nutrição, exercício e saúde. 4 ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1996.
MARTINS, C. Avaliação do estado nutricional e diagnóstico. Curitiba: Ed. Nutroclínica, vol.I, 2008.
SHILLS, M.E.; OLSON, J.A.; SHIKE, M. ROSS, A.C. Tratado de Nutrição Moderna na Saúde e na Doença. São Paulo:
Manole, 2003
VÍTOLO, M.R. Nutrição: da gestação à adolescência. São Paulo: Atheneu, 2002.
WAITZBERG, D.L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. Rio de Janeiro: Atheneu, 2001.

similar documents