FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO

Report
FILOSOFIA DA
EDUCAÇÃO
Docente: Edson Alencar Silva
Pressupostos filosóficos
sobre a Pedagogia
Progressista
- Tando as ideias marxistas quanto as ideas libertárias
apontam para a elaboração de um plano de lutas que têm
como pressuposto a transformação social e a
emancipação do homem;
Pressupostos filosóficos
sobre a Pedagogia
Progressista
- As divergências, no entanto, em como alcançar tais
metas, se põem da seguinte maneira. Se por um lado o
marxismo propõe uma luta em que, primeiramente o
grupo se sobrepõe ao indivíduo, que deverá após um
período ser emancipado totalmente. Por outro lado, as
ideias libertárias apontam para uma junção entre o social
e o indivídual, em que a emancipação deve ocorrer em
ambas as instâncias.
Filosofia Marxista
- A visão marxista dá ênfase aos aspectos sociais da educação e
busca a transformação e libertação social. Em termos da
definição da sua proposta de filosofia Marx diz o seguinte: “A
“libertação” é um ato histórico e não um ato de pensamento, é
ocasionada por condições históricas (...) (MARX&ENGELS,
2007, p.29)
- A tendência pedagógica marxista acredita que é somente pela
realidade que se pode alcançar uma prática pedagógica
libertadora, pois essa fundamenta-se no real, para se planejar o
que deve ser apreendido pelo sujeito;
• O marxismo está preocupado em mudar as coisas e não aceitálas como algo dado e natural, buscando a emancipação do ser
humano;
Filosofia Marxista
• O marxismo está preocupado em mudar as coisas e não
aceitá-las como algo dado e natural, buscando a
emancipação do ser humano;
• Nesse sentido, um filósofo marxista chamado Antônio
Gramsci propôs o conceito de hegemonia para entender
as relações de dominação na sociedade e na educação.
Hegemonia seria uma relação de forças que
intrísicamente guardaria uma ação pedagógica;
Filosofia Marxista
• Márcio Ferrari (2011), assegura que para Gramsci a hegemonia
é conquistada por uma luta de direções contrastantes, que
busca conquistar primeiro as mentes e depois o poder. Assim, o
papel da escola é buscar mediar o educando para a tomada de
consciência e posterior emancipação, passando pelo
autoconhecimento individual e o reconhecimento histórico;
• Essa visão mira justamente buscar a hegemonia pelo acesso
aos códigos dominantes, que poderiam ser iniciados pela
alfabetização e posteriormente o afastamento do senso comum.
Filosofia Anarquista
• A filosofia anarquista é antes de tudo uma atitude de
negação de toda e qualquer autoridade e afirmação de
liberdade;
• Essa abordagem filosófica não comporta a sua
doutrinação ou fixação, pois estaria ido contra o seu
fundamentó básico;
Filosofia Anarquista
• Segundo Silvio Gallo (S/D), devemos considerar o anarquismo
como um princípio gerador, que se pauta por quatro princíos
básicos:
Autonomia
social,
Autogestão
social,
Internacionalismo, Ação direta. Esses princípios norteam a
visão anarquista de mundo;
• Gallo revela que os anarquistas esforçaram-se em fazer uma
crítica do ensino tradicional. Diz o autor que “ A principal
acusação libertária diz respeito ao caráter ideológico da
educação: procuram mostrar que as escolas dedicam-se a
reproduzir a estrutura da sociedade de exploração e
dominação, ensinando os alunos a ocuparem seus lugares
sociais pré-determinados.”
Filosofia Anarquista
• A educação para os anarquistas tem um papel
preponderantemente político, pois essa poderia ser utilizada
para a transformação social;
• “Metodologicamente, a proposta anarquista de educação vai
procurar trabalhar com o princípio de liberdade, o que abre
duas vertentes de compreensão e de ação diferenciadas: uma
que entende que a educação deve ser feita através da liberdade
e outra que considera que a educação deva ser feita para a
liberdade; em outras palavras, uma toma a liberdade como
meio, a outra como fim” (GALLO, S/D).
ATIVIDADE - 1
• Em termos gerais, o que cada proposta pode apresentar à
prática pedagógica atual?
Pedagogia Progressista
• A Pedagogia Progressista é aquela, segundo Luckesi
(1995), que partindo da crítica das realidades sociais,
sustentam implicitamente as finalidades sóciopolíticas da
educação;
• A Pedagogia não tem como institucionalizar-se,
justamente por estarmos vivermos em um sistema
capitalista. Nesse sentido, ela se transforma em um
intrumento de luta.
Pedagogia Progressista
• Luckesi (1995) aponta que a Pedagogia Progressista temse manifestado em três frentes:
- A libertadora: mais conhecida como a pedagogia de
Paulo Freire;
- A libertária: que reúne os defensores da autogestão
pedagógica;
- A crítico-social dos conteúdos: que defende a primazia
dos conteúdos no seu confronto com a realidade social.
Pedagogia Progressista
• As duas primeiras abordagens tem em comum o
antiautoritarismo e procuram pautar as suas práticas na
luta progressiva contra esse elemento na prática escolar;
• Essas tendências dão maior valor para a experiência
vivida como processo de educação, tendo destaque a
aprendizagem em grupo de maneira igualitária;
• A prática dessa tendência requer o trabalho voltado para o
povo e, nesse sentido, aponta para uma educação não
formal ou popular;
Pedagogia Progressista
• Os conteúdos e pressupostos educacionais têm como base
a crítica-social, com o intuito de inserir
a ação
pedagógica na prática social concreta. Visa com isso não
manter o status quo, mas superá-lo;
• Com essa visão propõe inserir o educando no mundo
social de maneira que esse torne-se um indivíduo
autônomo, ativo, portador de um saber crítico;
Escola progressista libertadora
• A escola progressita libertadora propõe por meio do
ensino não-formal uma ação educacional que leve em
conta a realidade concreta em que educandos e
educadores estão mergulhados. É através da análise e
reflexão do meio que emerge os conteúdos a serem
aprendidos;
• Essa via aponta para a superação da realidade vivida e
transformação social, uma vez que não se pauta por
formalismos e subjetivismos como meta principal da
aprendizagem;
Escola progressista libertadora
• A pedagogia libertadora questiona a realidade concreta
das relações entre humanos e a natureza e entre humanos
e humanos, propondo uma visão crítica;
• Essa tendência abandona o conceito de conteúdos e
centra-se em desenvolver “temas geradores”, que surgem
das vivências, visando despertar uma nova forma de
relação com a experiência real;
Escola progressista libertadora
• Os conteúdos são elaborados e desenvolvidos pelos de
“dentro”, sendo considerados como uma invasão cultural algo
imposto de fora. Essa postura deflagra uma pedagogia
intimamente ligada a prática política, o que a impede – como
defendida por Paulo Freire – de se reduzir a uma prática
sitemática.
• O método de ensino pauta-se por uma relação horizontal entre
o educando e o educador; a relação é dialógica, sem perdas de
poder em ambos os lados. O educador passa a ser encarado
como animador que auxiliará o educando em seu processo de
aprendizagem.
Escola progressista libertadora
• O trabalho educativo transforma-se, nessa concepção, em
um trabalho de um grupo de discussão, em que ideias são
debatidas democráticamente, com a meta de promover
cidadania;
• A aprendizagem passa a ser direcionada à prática da
problematização das situações vividas permitindo ao
educando o esforço de compreensão da sua própria
realidade;
•
Escola progressista libertadora
• O educando é incentivado à trocas de ideias, buscando
sempre trocar experiências em torno da prática social;
• são propostos “situações-problema” para os educandos
que passam a procurar soluções em conjunto partindo da
sua realidade imediata e posteriormente tomando
distância dela para melhor entendê-la.
ATIVIDADE - 2
• A proposta de um ensino libertador foi desenvolvida por
Paulo Freire e implantada em países como Chile. Sendo
ele brasileiro nato, dedicou grande parte de sua vida em
implantar as suas ideias revolucionárias no Brasil. Na
opinião do grupo, o que impede, ainda hoje, que as ideias
paulofreireanas sejam postas em prática “massivamente”?
Escola progressista libertária
• A tendência pedagógica libertária propõe, assim como a
proposta libertadora, a transformação social. Porém, o seu
ponto de vista diverge centrando-se em dois pontos vista
internos;
• O primeiro ponto de vista aponta para uma abordagem
que pretende transformar a personalidade do indivíduo
por meio da prática autogestionária e libertária, que
consite em infiltrar-se nas “brechas” dadas pelo sistema e
introduzir o ideário libertário;
Escola progressista libertária
• O segundo ponto de vista parte também do princípio de
aproveitar as falhas do sistema e introduzir e criar grupos
com intuitos educativos, tais como, associações e escolas
autogestionárias;
• O papel político da educação é também aqui evidenciado
pela prática da aprendizagem. O educando é
impulsionado a entender que ele é produto do social e a
sua individualidade só pode se realizar plenamente por
meio do coletivo;
Escola progressista libertária
• Antes de mais nada a pedagogia libertária pretende-se
como uma forma de resistência ao autoritarismo e
controle das práticas pedagógicas do Estado que usa o seu
poder para manipular corações e mentes;
• No plano da ação pedagógica os conteúdos são
apresentados aos educandos, mas não são exigidos dos
educandos o seu domínio. São apenas um instrumento a
mais, pois o conhecimento deve ser retirado das
experiências vividas, ou seja, construído a partir da
prática cotidiana;
Escola progressista libertária
• O método de ensino é a autogestão não autoritária: o
incentivo à busca de respostas para através da sua livre
iniciativa, sendo colocado em suas mãos os intrumentos
tudo o que for possível para que este trilhe o seu próprio
caminho;
• A relação entre educador e educando pauta-se por uma
relação aberta, sem obricações e sem ameaças. O
educador é um mediador, conselheiro e um catalisador,
postanto-se à serviço do educando, sempre de maneira
horizantal;
Escola progressista libertária
• Enquanto propostra de aprendizagem, essa abordagem
propõe que as formas intitucionais existentes
compromentem o processo de construção do
conhecimento e crescimento pessoal dos indivíduos.
Portanto, o incentivo à uma educação informal, via grupo,
ganha tanto relevo. Somente o vivível, o experimentado é
tomado como na construção do conheciemento;
• Aqui a avaliação individual ou grupal não tem nenhum
valor, pois os saberes são produzidos direramente na
realidade vivenciada;
ATIVIDADE - 3
Enquanto proposta anti autoritária de ensino,
na opinião do grupo, como essa abordagem
poderia nos auxiliar os docentes em sua
prática cotidiana?
REFERÊNCIAS
•
GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. V1 – Rio de Janeiro - Civilização Brasileira.
•
MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã – São Paulo – Boitempo – 2007.
•
LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação – São Paulo – Cortez – 1995
•
•
Sites visitados: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/antonio-gramsci307895.shtml
http://www.cedap.assis.unesp.br/cantolibertario/textos/0113.html
•
Vídeos:
http://www.youtube.com/watch?v=vDNSgp4eQss (tião rocha-globo ciência)
http://www.youtube.com/watch?v=07O6SH4tVUE (tião rocha –cpcd)
http://www.youtube.com/watch?v=e9dPTkoOGiU (escola da ponte)

similar documents