power_point psicopatologia.

Report
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - Departamento de Ciências Humanas e Sociais
Ano letivo 2012/2013
Licenciatura em Psicologia – 3.º ano, 1.º semestre
Psicopatologia do Adulto - Docente: José Carlos Gomes da Costa
erturbações
sicóticas
Ana F. Pinheiro, 38826 – Bruna F. Magalhães, 38834 – Joana S. Carvalho, 38847 Maria C. Azevedo, 38849 – Soraia F. Oliveira, 38863
DEFINIÇÃO
Alteração da
perceção do
mundo e da
capacidade de
identificar a
realidade
(Braconnier, 2000)
Psicose
Falta de Controlo
de si mesmo
relativamente a
pensamentos,
emoções e
impulsos
(Braconnier, 2000)
Não reconhecimento da realidade como pertencente ao próprio
indivíduo;
Realidade como ocorrência externa (Braconnier, 2000).
ORIGEM
Psicose
Indivíduo
Realidade
- Descontrolo do Ego e do Superego face às exigências do Id (Freud)
Contra-correntes:
- Doenças do Ego em que a libido se revela insuficiente (Federn)
- Mundo psicótico como sendo povoado por objetos perigosos (Kapsambelis)
- Indiferenciação entre o Ego e o objeto.
(Braconnier, 2000)
TIPOS


Perturbação Esquizofreniforme

Perturbação Esquizoafetiva


Esquizofrenia
Perturbação Delirante

Perturbação Psicótica Breve

Perturbação Psicótica Partilhada
Perturbação Psicótica Secundária a um Estado Físico Geral

Perturbação Psicótica Induzida por Substâncias

Perturbação Psicótica Sem Outra Especificação
(DSM-IV,2006)
ESQUIZOFRENIA
Sintomatologia principal
Ideias delirantes
Alucinações
Discurso e comportamento desorganizado
Embotamento afetivo
Avolição
(DSM-IV, 2006)
ESQUIZOFRENIA
Critérios de diagnóstico
Critério A
Dois ou mais sintomas presentes durante um mês 
Critério B
Disfunção social/ocupacional
Critério C
Sintomas persistem durante 6 meses
Critérios D, E e F
(DSM-IV,2006)
Exclusão de outros diagnósticos
ESQUIZOFRENIA
Classificação / Manifestações
- Paranóide
- Desorganizada
- Catatónica
- Indiferenciada
- Residual
Determinada pela sintomatologia no momento da avaliação
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO ESQUIZOFRENIFORME
Esquizofrenia
Não implica necessariamente a existência de alterações sociais/ocupacionais
Não ultrapassa os 6 meses de duração
Maior prevalência nos países em desenvolvimento
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO ESQUIZOAFETIVA
Sintomatologia principal
Baixo rendimento ocupacional/social
Dificuldades no auto-cuidado
Risco acrescido de suicídio
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO ESQUIZOAFETIVA
Critérios de diagnóstico
Critério A
Ininterrupção da doença com existência de
episódios de depressão major e mania +
existência do critério A da Esquizofrenia
Critério B
Existência de ideias delirantes ou alucinações
sem alterações do humor
Critério C
Co-existência de sintomatologia de perturbações
do humor
Critério D
Exclusão de outros diagnósticos
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO DELIRANTE
Critérios de diagnóstico
Critério A
Existência de ideias delirantes não bizarras
Critério B
Inexistência do critério A da Esquizofrenia
Critérios C e D
Exclusão de outros diagnósticos
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO PSICÓTICA BREVE
Critérios de diagnóstico
Critério A
Existência súbita de ideias delirantes, alucinações,
discurso e comportamento desorganizado
Critério B
Duração de 1 dia a 1 mês
Critérios C
Exclusão de outros diagnósticos
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO PSICÓTICA BREVE
Stress
Perturbação
Psicótica Breve
com Fator de Stress
Marcado
Perturbação
Psicótica Breve
sem Fator de Stress
Marcado
Perturbação
Psicótica Breve
com início no PósParto
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO PSICÓTICA PARTILHADA
Critérios de diagnóstico
Critério A
Existência de ideias delirantes em indivíduos próximos
de outros que apresentam esta patologia
Critério B
Ideia delirante partilhada semelhante e reversível
Critérios C
Exclusão de outros diagnósticos
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO PSICÓTICA SECUNDÁRIA A
UM ESTADO FÍSICO GERAL
Critérios de diagnóstico
Critério A
Ideias delirantes resultantes de estados físicos
Critério B
Diagnóstico comprovado por anamnese, exames
físicos e testes laboratoriais
Critérios C
Exclusão do stress como origem
Critérios D
Exclusão do diagnóstico de delírio
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO PSICÓTICA INDUZIDA POR
SUBSTÂNCIAS
Critérios de diagnóstico
Critério A
Existência de ideias delirantes e alucinações
Critério B
Sintomas resultantes do consumo de drogas,
medicamentos ou tóxicos
Critérios C
Exclusão de Perturbação Não Induzida por Substâncias
Critérios D
Exclusão do diagnóstico de delírio
(DSM-IV,2006)
PERTURBAÇÃO PSICÓTICA SEM OUTRA
ESPECIFICAÇÃO
Caracteriza-se pela sintomatologia psicótica que não
se insere em nenhuma outra especificação, quando
as informações sobre o quadro sintomático são
escassas ou quando existem informações
contraditórias.
(DSM-IV,2006)
TRATAMENTO
2.ª Fase: Intervenções psicossociais
1.ª Fase: Tratamento farmacológico
(Perturbação Psicótica)
Prevenção: Tratamento farmacológico e psicossocial
(Ruiloba,2011)
TRATAMENTO
Tratamento farmacológico:
Tratamento não farmacológico:
- Antipsicóticos
- Reabilitação cognitiva
(risperidona, clozapina
vs
butirofenonas, fenotiazinas
- Terapia familiar
- Psicoterapia individual
- Psicoeducação
- Antidepressivos
- Treino das habilidades sociais
(Ruiloba, 2011)
REFLEXÃO FINAL
- Personalidade prévia bem
adaptada
Fatores de prognóstico positivo
- Boa integração social
- Adequado suporte
familiar
- Surgimento na meia idade
(Vieira,2005)
REFLEXÃO FINAL
Papel do Psicólogo
Aconselhamento farmacológico;
Mobilização de um sistema de apoio ao doente;
Esclarecer e clarificar dúvidas sobre a patologia;
Prevenir o desenvolvimento da patologia;
Intervenção e terapia psicológica.
(Vieira,2005)
VÍDEO
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
American Psychiatric Association (2006). DSM-IV-TR, Manual de Diagnóstico e Estatística das
Perturbações Mentais (Rev. ed.). Lisboa: Climepsi.
Bergeret, J., Bécache, A., Boulanger, J., Charrier, P., Dubor, P., Houser, M., & Lustin, J. (2004).
Estrutura Psicótica. In Dubor, P. (eds), Psicologia patológica. Teórica e clínica (pp 191-213).
Lisboa: Climepsi Editores.
Braconnier, A. (2000). Neurose e Psicose. In Braconnier, A. (eds), Psicologia Dinâmica e Psicanálise
(pp 127-132). Lisboa: Climepsi Editores.
Ruiloba, J. (2011). Esquizofrenia. In Bernardo, M, & Bioque, M. (Eds.), Introduccíon a la
psicopatologia y la psiquiatria (pp 208-215). Barcelona: Elsevier Masson.
Vieira, R. (2005). Síndromes esquizofreniformes e esquizofrénicas. In Cordeiro, J. (3ª edição),
Manual de psiquiatria clínica (pp. 646-648). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

similar documents