in História social da infância no Brasil

Report
Aspectos da
infância no
Brasil
Docente: Edson Alencar
Silva
Apresentação do curso
A constituição histórica do conceito de
infância;

História do atendimento da infância no
Brasil;

Breve história do processo de
institucionalização do escolar;

Apresentação do curso
A socialização da criança no contexto da
modernidade;




A questão da violência contra o menor;
Infância e cidadania;
Infância e cultura.
Avaliação
Produção de paper individual (mín. 3 pgs; máx. 5pgs –
trabalhos com um número inferior ou superior serão
descartados);

O tema é livre e deve ser trabalhado dentro da
bibliografia indicada;

Normas ABNT;

Capa, contracapa, resumo, palavras-chave, introdução,
desenvolvimento e conclusão;

Entrega até dia 30/05/13, via internet, no endereço:
[email protected];

O trabalho deve estar em formato word.

Como formatar o texto





Elementos pré-textuais:
Capa; resumo; palavras-chave
Elementos textuais:
Introdução, desenvolvimento e conclusão
Referências, bibliografia
CAPA
As informações devem aparecer conforme
citado abaixo:
a)nome da instituição (opcional);
b)nome do autor;
c)título;
d)subtítulo (quando houver);
e)local (cidade) da instituição;
f)ano de entrega do trabalho.

Resumo
Deve
conter
Informações
básicas
apresentadas no texto do trabalho:
objetivos
e
métodos;
resultados
e
conclusões do trabalho. Usar frases precisas
e informativas de 150 a 500 palavras. Evitar
termos redundantes, palavras negativas e
símbolos, dar preferência ao uso da 3ª
pessoa e verbo na voz ativa, evitar
adjetivos.

PALAVRAS-CHAVE
São palavras que remetam diretamente ao
tema e ao objeto de estudo

Elementos textuais
Possuem três divisões importantes:
introdução, desenvolvimento e conclusão;
Introdução: Parte inicial do texto, na qual
devem constar:
A delimitação do assunto tratado;
Objetivos da pesquisa;
Outros elementos necessários para situar o
tema do trabalho.



Elementos textuais
Desenvolvimento: Parte principal do texto,
que contém a exposição
Ordenada pormenorizada do assunto.
Divide-se em seções e subseções, que
variam em função da abordagem do tema
e do método.

Elementos textuais
Conclusão: Parte final do texto na qual se
apresentam conclusões ou considerações
finais:
correspondentes
aos
objetivos
ou
hipóteses. Os desdobramentos relativos à
importância,
projeção,
repercussão,
encaminhamento e outros, são opcionais.

Referências
Conjunto padronizado de elementos
descritivos, retirados de documentos, que
permitem suas identificações individuais

Como citar bibliografia
No corpo do texto: (SOBRENOME, ano, pg) –
ex: (
BORDIEU, 2007, p.10);
Nas referências:
SOBRENOME, nome – título da obra –
editora –
ano da publicação

Ex: BOURDIEU, Pierre. A economia das
trocas simbólicas. São Paulo: Editora
Perspectiva, 2007.

ATIVIDADE 1
Em grupo, discutam o que se entende por
infância, apontando quais as principais
características desse conceito.

A constituição histórica do
conceito de infância
Antes do século XVI, as crianças eram
concebidas como seres desprovidos de
autonomia;

Até o século XII, as crianças ao nascerem
eram
vistas
como
“uma
coisinha
engraçadinha”, e não se dava muita
atenção à elas. Se morressem, logo eram
substituídas por outras (ARIÈS, 1981);

A constituição histórica do
conceito de infância
As crianças só conseguiam algum respeito a partir
do momento em que pudessem representar, ou
imitar os adultos, ou seja, quando se transformavam
em pequenos adultos;

O tratamento que se dispensava às crianças era
desigual. Enquanto os meninos eram saudados com
grandes alaridos de bons agouros e certeza de
relacionamentos saudáveis, as meninas eram
recebidas com desconfiança e sinônimo de algum
pecado cometido.

A constituição histórica do
conceito de infância
Nessa época (sec.XII) não havia a
concepção de infância, as crianças eram
geralmente obscurecidas, sendo uma figura
marginal em um mundo de adultos
(CALDEIRA, S/D, p.3 apud HEYWOOD, 2004);

No século XIII, as crianças passaram a
serem
vistas
necessitadas
de
direcionamento racional, uma vez que
eram tidas como desprovidas de razão. Elas
eram concebidas como páginas em
branco a serem preenchidas;

A constituição histórica do
conceito de infância
Foi somente a partir do século XVI que as
crianças passaram a ser tratadas de
maneira diferente, necessitando de algum
preparo para a entrada na vida adulta. É
nessa época que surge a escola como a
concebemos hoje (HEYWOOD, 2004);

Os pais passaram a se interessar pela vida
dos filhos e a família passou a ser
organizada em torno da vida da criança.
Isso fez com que ela (a criança) saísse de
vez do anonimato (ARIÈS, 1981);

A constituição histórica do
conceito de infância
O paradigma da infância muda, a criança
é passa a não ser vista mais como um
adulto imperfeito, mas sim como um sujeito
histórico, digno de ser estudado per se;

A ideia de infância nasce, portanto, junto
com o sentimento de infância;

A constituição histórica do
conceito de infância
Dizer que nasce um sentimento não é o
mesmo que dizer que a criança era
neglicenciada, abandonada, etc., mas sim
que ele surge como consciência da
particularidade da infância (ARIÈS, 1981);

A constituição histórica do
conceito de infância
“A infância passa a ser “visível” quando o
trabalho deixa de ser domiciliar e as
famílias, ao se deslocarem e dispersarem,
não conseguem mais administrar o
desenvolvimento dos filhos pequenos. É
então que as crianças transformam-se em
“menores”,
e como tal rapidamente
congregam
as
características
de
abandonados e deliquentes (LEITE, 2003,
p.20).”

ATIVIDADE 2
Se hoje em dia ainda reinasse a
concepção de que a criança é um adulto
imperfeito, quais seriam as consequências
para a nossa sociedade?

História do atendimento da
infância no Brasil

A roda dos expostos:
A roda dos expostos surgiu na Europa na
idade média. Com o descobrimento o
modelo foi exportado para o Brasil pela
coroa portuguesa;

Fixou-se em três cidades: Salvador, Rio de
Janeiro e Recife;

História do atendimento da
infância no Brasil
A roda dos expostos era totalmente
gerenciada por entidades eclesiais, que ao
estabelcer esse sistema garantia o
anonimato do expositor e uma esperança
de vida para a criança exposta, já que era
aplicado o batismo como meio de
salvação da alma da criança (MARCILIO,
2003);

História do atendimento da
infância no Brasil
No Brasil funcionou de 1726 até 1950,
cumprindo o importante papel de ser a
única instituição de atendimento à infância
durante mais de um século e meio
(MARCILIO, 2003);

Predominantemente durante o século XVIII
e pelo menos meados do XIX, a maioria das
crianças abandonadas eram brancas. Isso
deve-se ao fato de que os negros eram
tidos como mercadorias e, desse modo,
guardavam seu valor monetário.

História do atendimento da
infância no Brasil
Com a libertação dos escravos e a
proclamação da República esse quadro se
inverte e passam a predominar uma
população de crianças negras, seja
abandonadas ou perambulando pelas
ruas;

História do atendimento da
infância no Brasil

As entidades assistenciais:
No século XX, surgiram uma infinidade de
entidades assintenciais preocupadas em
atender a uma demanda crescente de
crianças abandonadas;

História do atendimento da
infância no Brasil
A maioria dessa entidades eram oriundas
da igreja católica e se dedicavam a duas
modalidades educativas: educação moral
e e e preparação para o trabalho;

Nesse período, predominou a luta tanto
sindical quanto da igreja católica pelos
direitos das crianças. Essas mobilizações
resultaram eram pressões no governo pela
criação de políticas públicas voltadas às
crianças (códigos jurídicos-médicos)

História do atendimento da
infância no Brasil
É nesse interim que surge o termo menor,
criado para designar claramente as outras
infâncias desse período. Menor seria aquele
indivíduo oriundo de classes populares, por
ser desvalido passou a ser classificado e
enquadrado judicialmente sob esse termo,
dando a vaga ideia de inimputabilidade;

História do atendimento da
infância no Brasil
Essa noção de menor e outras infâncias
perpassa todo o século XX e serve tão
somente para apontar a separação rentre
as várias infâncias no país. Esse termo só foi
desmantelado a partir de 1988 com a
promulgação da constituição brasileira;

ATIVIDADE 3
A partir do que foi exposto, discutam entre
si e apresentem à sala um panorama sobre
a concepção de infância no contexto
brasileiro nos dias de hoje, apontando quais
as características e peculiaridades mais
expressivas.

Referências
ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e
da família. Rio de Janeiro: Zahar Editores,
1981.

CALDEIRA, Laura Bianca. O conceito de
infância no decorrer da história. Disponível
em
http://
http://200.189.113.123/diaadia/diadia/arqui
vos/File/conteudo/artigos_teses/Pedagogia
/o_conceito_de_infancia_no_decorrer_da_
historia.pdf. Acessado em 30/03/2012.


similar documents