Logística Reversa???

Report
Logística Reversa na Sustentabilidade
Renato Binoto
14/11/2012
Instrutor:
• Renato Binoto é Mestre em Engenharia Urbana – UFSCar,
Tecnólogo em Logística com ênfase em Transportes – FATEC Jaú,
possui treinamento em Gerência de Projetos – Práticas Alinhadas
ao PMI (Project Management Institute) – SENAC- São Carlos. Atua
e possui experiência em Projetos de otimização de processos
logísticos, Supply Chain Management, Ferramentas da qualidade,
Logística Reversa , Gestão da Cadeia de Suprimentos Integrada a
Tecnologia da Informação. Executa Treinamentos Corporativos,
possui Vivência em congressos , simpósios
e palestras.
Associado do CIESP Araraquara, Palestrante do SENAC-São Carlos
Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade SãoFrancisco Campinas, Docente de MBA do IPOG Goiânia, ISIEInstituto de Sustentabilidade Inovação e ensino, ministrando
aulas em modais de transportes, logística Empresarial e
Reversa. É educador da Plataforma Liderança Sustentável, e
Integrante da Rede Conesus (Conexões e Sustentabilidade).
Qual e Diferença entre
informação e Conhecimento
VISÃO HOLÍSTICA
• Aconteceu comigo em sala de aula!
Qual a quantidade de
Empresa/
Mundo água necessária, para
depende
se produzir um quilo
de ?
de pão?
A palavra hólos veio do grego e significa inteiro; composto.
 Geração de resíduos
Sólidos descontrolado
 Falta de Responsabilidade
empresarial com o
ambiente
 Falta de canal revervo e
infraestrutura
Acesso ao fim do mundo para todos
 Falta
conscientização
semdedistinções
permanente
Mundo de
Hoje é
Assim?
Consumismo
Eu não abraço árvores
Vamos deixar de lado
a problemática política
do país para
andamento do curso
ok?
Independente da
polemica e existência
ou não do AQUECIMENTO
GLOBAL, chegamos a um
cenário consumista, que
se não diminuirmos a
geração de resíduos
sólidos não teremos
mais qualidade e
condições de vida.
Equilíbrio
O que é Sustentabilidade???
O que é Sustentabilidade???
Para onde está indo a maioria dos
nossos resíduos sólidos gerados?
Que
mundo
devemos
escolher?
Como
jogar
lixo fora,
se não
existe fora?
Obra representa a quantidade de
resíduos plásticos jogados pelo
homem a cada 15 segundos. Foto:
Na tentativa de conscientizar sobre
Divulgação
os problemas
causados pelo
De uma distância, parece uma
ilha paradisíaca
no
de plástico no mar, o
meio de uma deslumbrantelançamento
azul
do
mar.
Mas, se
Museu de Design de Zurique, Suiça,
aproximar e você logo vê que
essa
localizada
a o
lançou
no ilha
último
dia 4 de julho
programa
Out To
- The Plastic
poucos quilômetros no Oceano
Pacífico
é Sea
realmente
Garbage Project.
ilha no Pacífico
um dump - literalmente. Thilafushi foi criado para
resolver o problema de uma crescente montanhas de
lixo nas Maldivas, e agora contém milhares de
toneladas de resíduos sólidos repleto de substâncias
químicas tóxicas, incluindo mercúrio, cádmio,
chumbo e amianto.
http://waves.terra.com.br/surf/noticia/ate-onde-vai-o-lixo/53660
Reuso ou
Reutilização
Desmanche
Incineração
Canibalismo
Canais de
Revalorização
Doação
Remanufatura
Recondicionamento
Caridade
Venda
Mercado
Secundário
Reciclagem
Logística Reversa
Se o resíduo é nosso, a responsabilidade também!!!
Falta de Infraestrutura Reversa
Reciclagem
Reuso
Cooperativismo
Nosso maior problema ambiental é social!!!
Sejamos bem vindos a era do comodismo
 Sacolinha plástica exemplo clássico
 Livramento rápido do resíduo
 Não destinamos de forma adequada, nos
livramos de nossos resíduos
Destinação e não separação
Simples porém não existe
O que é logística???
O que a teoria nos ensina ?
Fluxo de Produtos
Fonte
Primária
Fornecedores
Fábrica
Distribuidor
Varejista
Fluxo de Demanda
Fluxo de Informações
Logística de
Abastecimento
Logística
Interna
Logística de
Distribuição
Logística Integrada
Cliente
Final
O termo
“ciclo de vida”
refere-se à maioria
actividades no decurso
da vida do
Crescimento
Desordenado
Versus das
Conscientização
Permanente
produto desde a sua fabricação, utilização, manutenção, e deposição final; incluindo
aquisição de matéria-prima necessária para a fabricação do produto.
HISTORIA
Crescimento Desordenado Versus Conscientização Permanente
HISTORIA
Desequilíbrio entre
as quantidades
descartadas e as
reaproveitadas,
gerando um enorme
crescimento de
produtos de pósconsumo
Aumento da
descartabilidade
dos produtos em
geral, não
Aumento da
encontrando
velocidade de
canais de
descarte dos
distribuição
produtos de
reversos de pósutilidade após seu consumo
Cadeia
primeiro uso
devidamente
Como
criare Conscientização
permantente
e coleta seletiva nestes cenários?
produtiva
o
estruturados
e
consumo
Trânsito, descontrolado
poluição e enchentes sãoorganizados
alguns dos problemas que resultam do crescimento
decurso
da da
vidacidade.
do produto
a sua
utilização,
manutenção,
e deposição
final;
explosivo
Masdesde
a falta
defabricação,
planejamento
é que
fez a cidade
crescer do
jeito
incluindo
errado aquisição de matéria-prima necessária para a fabricação do produto.
É importante destacar:
RESPONSABILIDADE
PÓS-CONSUMO
Os bens de pós-consumo não precisam
necessariamente retornar à cadeia de origem ou
aos elos anteriores da cadeia de negócios.
Processo pelo qual o material pós-consumo poderá ser coletado, selecionado e entregue na
indústria de revalorização (KUDRJAWZEW, 2001)
Esses produtos podem seguir adiante, sendo
Papel da logística no retorno de produtos, redução na fonte, reciclagem, substituição de
enviados
matérias
primas
secundárias
ou
materiais,
reuso de como
materiais, disposição
de resíduos,
reforma,
reparação e remanufatura...”.
STOCK (1998)
componentes a outras indústrias, onde se inicia o
processo de produção de um novo produto em uma
nova cadeia de suprimentos.
Logística Reversa???
ESTRUTURA DO MODELO LÓGÍSTICO

Colaboração no nível tático:
trocas de informações
importantes para a melhora do
desempenho logístico e
redução dos custos logísticos;
•
Em qual ponto da cadeia
logística se inicia o canal
Gestão
do
reverso?
Colaboração no nível interpessoal: estabelecer a confiança
entre pessoas. Este grupo também
engloba ações operacionais e
culturais entre os parceiros.
Capital Humano
Contratos
estabelecidos em
cada elo da cadeia
ECR
VMi
Cultura
organizacional
Única
Fornecedor
Fornecedor
Fornecedor
3º Camada
2º Camada
1º Camada
Inbound
Mapeamento da cadeia
logística
Governança
Industria
Varejista
Cliente Final
Outbound

Administração
de conflitos
Hierarquia Horizontal
entre os integrantes da
cadeia de suprimentos
Distribuição

Colaboração estratégica:
compartilhamento de estoques e
programação da produção;
Compartilhamento reverso para a
coleta de resíduos gerados
Criar redes de
colaboraçãoMáxima Logística
PRINCÍPIOS DA
SUSTENTABILIDADE
Quais desses princípios existem no seu trabalho?
O CONCEITO DO TRIPLE BOTTON LINE
Logisticamente insustentável
JOHN ELKINTON
Cenário Reverso - Viabilidade
Volume
Custo
Estratégia
Infraestrutura
Fornecedores sustentáveis
Porta a Porta – Veículos coletores percorrem as
residências em dias e horários específicos que não
coincidam com a coleta normal de lixo. Os
moradores colocam os recicláveis nas calçadas,
acondicionados em contêineres distintos;
Combinadas
Convencionais
PEV (Postos de Entrega Voluntária) - Utiliza
contêineres ou pequenos depósitos, colocados em
pontos físicos no município, onde o cidadão,
espontaneamente, deposita os recicláveis;
PICs - Outra modalidade de coleta é a PICs,
Programa Interno de Coleta Seletiva, que é
realizado em instituições públicas e privadas, em
parceria com associações de catadores.
Postos de Troca – Troca do material a ser reciclado
por algum bem.
Grandes Geradores – Coleta combinado por
cooperativa ou terceiros em estabelecimentos que
geram grande volume de residuos. Roteiro de coleta
especifica.
Coleta seletiva é o termo utilizado para o recolhimento dos materiais que são possíveis de
serem reciclados, previamente separados na fonte geradora
Estratégia logística
Viabilidade de coleta
Volume?
Conscientização Permanente
Reprocesso
Controle do Ciclo de vida do produto
Questão fiscal do Subproduto
Paga-se novamente o transporte do resíduo coletado
Tributos ao reprocesso do resíduo a subproduto.
Subproduto retorna a indústria como matéria-prima
ESTRUTURA DO MODELO LÓGÍSTICO

Colaboração no nível tático:
trocas de informações
importantes para a melhora do
desempenho logístico e
redução dos custos logísticos;
•
Em qual ponto da cadeia
logística se inicia o canal
Gestão
do
reverso?
Colaboração no nível interpessoal: estabelecer a confiança
entre pessoas. Este grupo também
engloba ações operacionais e
culturais entre os parceiros.
Capital Humano
Contratos
estabelecidos em
cada elo da cadeia
ECR
VMi
Cultura
organizacional
Única
Fornecedor
Fornecedor
Fornecedor
3º Camada
2º Camada
1º Camada
Inbound
Mapeamento da cadeia
logística
Governança
Industria
Varejista
Cliente Final
Outbound

Administração
de conflitos
Hierarquia Horizontal
entre os integrantes da
cadeia de suprimentos
Distribuição

Colaboração estratégica:
compartilhamento de estoques e
programação da produção;
Compartilhamento reverso para a
coleta de resíduos gerados
Criar redes de
colaboraçãoMáxima Logística
Cenário Inicial de responsabilidade das empresas nestes setores
Maior
Problema
Por que será que coletamos e reciclamos
apenas 4% das possibilidades de produtos?
Realidade das Cooperativas de
São Carlos
PRENSA DE MATERIAL TETRA PACK
DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS NO GALPÃO
BANCADAS PARA TRIAGEM DE RESÍDUOS
MOVIMENTAÇÃO DE COOPERADOS E
RESÍDUOS SÓLIDOS COLETADOS
“Catador de Material Reciclável é profissão
reconhecida pelo Ministério do Trabalho e
Emprego”.
O Ministério do Trabalho e Emprego com o
auxílio de uma equipe técnica formada por
catadores, em discussão sobre as novas
ocupações que surgiram no mercado
brasileiro, regulamentaram a categoria dos
catadores de materiais recicláveis.
Tempo
Atende e
Entrega
Atende e não
Entrega
Não
Atende
Tempo Médio
1,55
0,77
1,37
Desvio Padrão
0,43
0,70
0,38
Residências
Edifícios Residenciais
Tempo Médio
3,93
0,0
-
Desvio Padrão
2,18
0,0
-
PROBLEMAS DA CADEIA REVERSA
O fim do cooperativismo
• 10 anos?
• 20 anos?
A PNRS incentiva o cooperativismo tirando o
agente coletor da informalidade
Política Nacional de Resíduos sólidos Europeia
Sociedade
Governo
Empresa
Responsabilidade
estendida
Política Nacional de Resíduos sólidos Brasileira
Sociedade
Gargalos de infraestrutura e
cultura
Empresa
Responsabilidade
Compartilhada
Sistema de Coleta em Barcelona
Lei Federal nº 12.305, de 02/08/2010
Decreto Federal nº 7.404, de 23/12/2010
Portaria MMA nº 113, de 08/04/2011
Portaria MMA nº 177, de 30/04/2011
Etc... (instrumentos legais e normativos federais, estaduais e municipais)
• Sujeito: pessoas físicas ou jurídicas, de direito
público ou privado, responsáveis, direta ou
indiretamente, pela geração de resíduos
sólidos e as que desenvolvam ações
relacionadas ao gerenciamento de resíduos
sólidos.
Resíduos Sólidos: material, substância, objeto ou bem
descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a
cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está
obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem
como gases e líquidos cujas particularidades tornem inviável o
seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos
d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou
economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia
disponível;
Rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as
possibilidades de tratamento e recuperação por processos
tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não
apresentem outra possibilidade que não a disposição final
ambientalmente adequada;
Instrumentos PNRS
• Planos de resíduos sólidos;
• Coleta seletiva, os sistemas de logística reversa e outras ferramentas
relacionadas à implementação da responsabilidade compartilhada;
• Incentivo à criação e ao desenvolvimento de cooperativas ou de outras
formas de associação de catadores de materiais recicláveis;
• Cooperação técnica e financeira entre os setores público e privado para o
desenvolvimento de pesquisas de novos produtos, métodos, processos e
tecnologias de gestão, reciclagem, reutilização e disposição final;
• Incentivos fiscais, financeiros e creditícios;
• Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos;
• Acordos setoriais;
• Termos de compromisso e os termos de ajustamento de conduta;
RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E
INSTRUMENTOS DA PNRS
• criação de canais reversos para
artigo 30 da PNRS
equacionar a necessidade de
fabricantes,
gerenciamento dos resíduos e
atacadistas,
para isso há a necessidade
premente da constituição de
varejistas,
acordos
setoriais,
visando
importadores,
tornar a gestão dos resíduos
Poder Público e
sólidos e a implementação da
consumidores finais. logística reversa de forma viável
economicamente
sustentável.
e
também
Plano Nacional de Resíduos Sólidos
Plano Estadual de
Resíduos Sólidos
Plano Municipal de
Resíduos Sólidos
• Responsabilidade Administrativa
• Art. 61. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou
possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade
de animais ou a destruição significativa da biodiversidade:
• Multa de R$ 5.000,00 a R$ 50.000.000,00.
• Art. 62. Incorre nas mesmas multas do art. 61 quem:
• IX - lançar resíduos sólidos ou rejeitos em praias, no mar ou quaisquer recursos
hídricos;
• X - lançar resíduos sólidos ou rejeitos in natura a céu aberto, excetuados os
resíduos de mineração;
• XI - queimar resíduos sólidos ou rejeitos a céu aberto ou em recipientes,
instalações e equipamentos não licenciados para a atividade;
• XII - descumprir obrigação prevista no sistema de logística reversa implantado
nos termos da Lei no 12.305, de 2010, consoante as responsabilidades
específicas estabelecidas para o referido sistema;
• Responsabilidade Penal
• Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que
resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que
provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa
da flora:
• § 2º Se o crime:
• V - ocorrer por lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos,
ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as
exigências estabelecidas em leis ou regulamentos:
• Pena - reclusão, de um a cinco anos.
• § 3º Incorre nas mesmas penas previstas no parágrafo anterior
quem deixar de adotar, quando assim o exigir a autoridade
competente, medidas de precaução em caso de risco de dano
ambiental grave ou irreversível.
Educação???
Versus
Ministérios!?
Fiscalização
Controle
do ciclo de
vida do
produto
Produção Verde
e Logística
Descomplicada
Conscientização
permanente
Infraestrutura
Sustentabilidade
Responsabilidade
Compartilhada
Investimento
publico e Privado
Tecnologia e
Acordos
Setoriais
A logística
reversa se inicia
na fabricação
do produto e
não na geração
do resíduo
"Se você quer transformar o MUNDO, experimente
primeiro promover o seu aperfeiçoamento pessoal e
realizar inovações no seu próprio interior."
Dalai Lama
Obrigado
Devemos salvar a raça humana e não o planeta!!!

similar documents