pptx

Report
PMI 001/2013-CMTU
Desenvolvimento de estudos técnicos visando à gestão integrada dos serviços de
coleta, tratamento e processamento total de resíduos sólidos, por meio de
parceria público-privada no Município de Londrina
31/10/2013
PMI 001/2013-CMTU
O PROJETO LIXO ZERO se define como sendo um conjunto de leis,
programas, técnicas, ações, métodos e tecnologias que objetivam
conjuntamente coletar e destinar de forma ambientalmente
correta, socialmente justa e economicamente viável, 100% dos
resíduos produzidos pelo município.
•
•
•
•
•
•
•
Tratamento de 100% dos resíduos
Minimização dos rejeitos dispostos em aterro
Eficiência energética
Racionalidade no emprego de recursos públicos
Sustentabilidade ambiental / econômica
Educação Ambiental
Inclusão social
1. Estimativa da geração de RSU
1. Estimativa da geração de RSU
2. Concepção do Sistema
Coleta de
secos/úmidos
Estimativa da variação na gravimetria do RSU
COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA
organicos
papel/papelão
vidro
metais
plásticos
outros/inertes
2010 (1)
51,1%
13,1%
2,4%
2,9%
13,5%
17,0%
PROJEÇÕES
2024 (2)
2034 (3)
47,1%
20,6%
2,7%
3,0%
12,3%
14,5%
43,0%
28,0%
3,0%
3,0%
11,0%
12,0%
(1) Fonte IBGE, 2010
(2) Média entre 2010 e 2033
(3) Gravimetria observada em países de média renda, segundo Chalmin e Gaillochet (2009)
(4) Gravimetria observada em países de alta renda, segundo Chalmin e Gaillochet (2009)
2044 (4)
30,0%
33,0%
7,0%
7,0%
13,0%
10,0%
Coleta conteinerizada de secos/úmidos
1. A população pode dispor dos sacos de resíduos quando lhe
for mais conveniente, sem a necessidade de atender a um
horário fixo e à frequencia de passagem do veiculo coletor;
2. Acondicionamento mais higiênico dos residuos, devido à
estanqueidade dos contêineres;
3. Melhoria do aspecto visual das vias e logradouros;
4. Em dias de chuva os sacos com resíduos não serão carreados
para os bueiros, mantendo-os sempre limpos e livres de
entupimentos;
5. Nenhum contato direto dos garis coletores com os resíduos;
6. Redução do esforço físico dos garis coletores devido ao
sistema de basculamento automático dos containeres.
7. Maior produtividade
Coleta conteinerizada de secos/úmidos
FROTA DE CAMINHÕES DE COLETA
ano da concessão
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
23
23
23
24
24
25
25
31
32
28
numero de caminhões 15 m3 ( operando 2 turnos)
23
12
13
14
14
15
16
16
17
17
18
18
19
19
20
20
21
21
22
22
numero de caminhões 19 m3 ( operando 2 turnos)
0
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
5
26
27
27
28
28
28
29
29
30
30
36
37
33
total de caminhões
23
17
18
19
19
20
21
21
22
22
23
23
24
24
25
25
26
Coleta conteinerizada de secos/úmidos
DISTRIBUIÇÃO DOS CONTÊINERES
Resíduos/Tipo
2015
2016
2017
2018
2019
2020
2021
Não Recicláveis
1.500
1.800
1.800
1.800
1.800
300
300
Recicláveis
1.500
1.800
1.800
1.800
1.800
300
300
Total
3.000
3.600
3.600
3.600
3.600
600
600
3.000 contêineres para caminhão de carga lateral
15.600 contêineres para caminhão de carga traseira
• 2.400 litros para áreas com grande demanda de resíduos e para a área central da cidade
• 1.000 litros para o restante da cidade
Coleta conteinerizada de secos/úmidos
Coleta conteinerizada de secos/úmidos
6 contêineres ( 2,4 m3) - carga lateral, para áreas de grande afluxo
de pessoas
1. Melhoria do aspecto visual das vias, logradouros e praças por
remover o contêiner da visão das pessoas;
2. Harmonização urbanística proprcionando maior espaço para
circulação dos pedestres;
3. Melhoria no tráfego por remover o contêiner do leito da via.
Coleta de úmidos
Coleta conteinerizada de ÚMIDOS
• Os resíduos UMIDOS são encaminhados a TRANSBORDO;
Coleta
de secos ( seletiva)
Coleta conteinerizada de secos ( coleta seletiva)
(Kg/ hab x ano)
SITUAÇÃO DA COLETA SELETIVA (2008) – BRASIL
2008
municipios
até 50.000 hab
entre 50.000 e 100.000 hab
entre 100.000 e 300.000 hab
entre 300.000 e 500.000 hab
entre 500.000 e 1.000.000 hab
acima de 1.000.000 hab
no
municipios
Bra sil
5078
270
153
33
17
13
5.564
popula çã o
urba na
popula çã o
no. munic
a te ndida
com cole ta
por cole ta
se le tiva
se le tiva
59.286.643
18.944.577
25.995.943
12.299.014
11.324.963
32.098.706
159.949.846
736
115
88
26
16
13
994
8.592.944
8.068.987
14.951.915
9.690.132
10.658.788
32.098.706
84.061.472
% de municipios
no. munic
com cole ta
com cole ta
se le tiva e m
se le tiva e m
toda a á re a
toda a á re a
urba na
urba na (1)
77%
77%
77%
77%
77%
77%
567
89
68
20
12
10
765
no. munic
com cole ta
se le tiva
pa rcia l (2)
169
26
20
6
4
3
229
pop urba na
a te ndida com
cole ta se le tiva
e m toda a á re a
urba na (1)
6.616.567
6.213.120
11.512.974
7.461.402
8.207.267
24.716.004
64.727.333
re cicla ve is
pop urba na
cole ta dos e m
a te ndida com
indice de
municipios
cole ta
cole ta se le tiva com cole ta e m
se le tiva
( kg/ ha b x a no) toda a á re a
pa rcia l (2)
urba na
( t/ a no)
592.913
556.760
1.031.682
668.619
735.456
2.214.811
5.800.242
9,97
8,04
5,63
5,14
3,31
2,81
re cicla ve is
cole ta dos
em
municipios
com cole ta
pa rcia l
( t/ a no)
65.945
49.981
64.851
38.350
27.163
69.440
315.730
re cicla ve is
cole ta dos
( t/ a no)
5.909
4.479
5.811
3.437
2.434
6.223
28.293
71.854
54.460
70.663
41.786
29.597
75.663
344.023
(1) cons i derou-s e 100% da popul a çã o urba na s ervi da por col eta s el etiva nes s e ca s o
(2) cons i derou-s e 30% da popul a çã o urba na s ervi da por col eta s el etiva nes s e ca s o
( PNSB 2008)
( MMA 2010)
quantidade de residuos coletados ( t/dia)
quantidade de residuos coletados ( t/ano)
% de reciclaveis no residuo coletado
quantidade de reciclados nos residuos ( t/ano)
quantidade de recicláveis desviados dos aterros sanitários
% de reciclados desviados dos aterros sanitários
indice de coleta seletiva BRASIL
183.482
66.970.748
31,9%
21.363.668
344.023
t/dia
t/ano
t/ano
t/ano
1,6%
2,15
kg/ hab x ano
Fonte : SNIS 2000 e 2008
52 % DA POPULAÇÃO URBANA SERVIDA POR COLETA SELETIVA
1,6% DOS RECICLÁVEIS DESVIADOS DOS ATERROS
ÍNDICE DE COLETA SELETIVA( BRASIL) EM 2008 : 2,15 Kg/ hab x ano
Coleta conteinerizada de secos ( coleta seletiva)
890 t/mês de
recicláveis
21 kg/ hab x ano
!
Coleta Seletiva em algumas cidades brasileiras
Fonte: Pesquisa Ciclosoft (CEMPRE, 2013).
Coleta conteinerizada de secos ( coleta seletiva)
LONDRINA É UMA DAS CIDADES
MODÊLO DO BRASIL EM
TERMOS DE COLETA SELETIVA !!
ESPANHA
SANTO ANDRÉ
GOIANIA
CURITIBA
PORTUGAL
PORTO ALEGRE
LONDRINA
S. JOSE DOS CAMPOS
FRANÇA
Contudo é preciso melhorar muito
mais para se atender as metas do
PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS
SÓLIDOS
ITALIA
UK
HOLANDA
NORUEGA
BELGICA
AUSTRIA
DINAMARCA
SUECIA
IRLANDA
ALEMANHA
USA
0
50
100
150
INDICE DE RECICLAGEM ( Kg/ hab x ano)
200
250
LONDRINA 2012 = 30 t/dia = 21 kg/ hab x ano
Recicláveis dispostos em aterro em 2012 =
55 t/dia
129 t/dia
68 t/dia
44 kg/ hab x ano
75 t/dia
77 t/dia
47 kg/ hab x ano 47 kg/ hab x ano
59 kg/ hab x ano
64 kg/ hab x ano 65 kg/ hab x ano
68 kg/ hab x ano 69 kg/ hab x ano
70 kg/ hab x ano
100 t/dia
78 kg/ hab x ano 87 kg/ hab x ano 96 kg/ hab x ano 107 kg/ hab x ano
116 t/dia
134 t/dia
153 t/dia
175 t/dia
38 kg/ hab x ano
64 t/dia
43 kg/ hab x ano
Coleta conteinerizada de secos ( coleta seletiva)
TAL MELHORA SÓ SERÁ POSSIVEL COM
APORTE MACIÇO DE TECNOLOGIA,
EFICIÊNCIA OPERACIONAL E GRANDE
INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL
ESPANHA
SANTO ANDRÉ
GOIANIA
CURITIBA
PORTUGAL
LONDRINA 2012
PORTO ALEGRE
S. JOSE DOS CAMPOS
FRANÇA
ITALIA
UK
HOLANDA
LONDRINA 2031
NORUEGA
BELGICA
AUSTRIA
DINAMARCA
SUECIA
IRLANDA
ALEMANHA
USA
0
50
100
150
INDICE DE RECICLAGEM ( Kg/ hab x ano)
200
250
Coleta conteinerizada de secos ( coleta seletiva)
• Concessionará faz a coleta conteinerizada dos resíduos secos ( coleta
seletiva ) associada a coleta de recicláveis depositados , pela população,
em ECOPONTOS;
• Os resíduos secos , coletados porta a porta e nos ECOPONTOS, são
encaminhados a DUAS (2) centrais de triagem, operadas por
cooperativas de catadores;
• Receita dos reciclados obtidos nas usinas destinada inteiramente aos
cooperados;
1. Busca de maior eficiência operacional , menores custos/t e
atendimento de metas de reciclagem extremamente ambiciosas
2. Vinculação das ações executivas da coleta seletiva aos planos de
educação ambiental elaborados pela empresa
3. Permite foco dos catadores na separação dos materiais e sua
gestão, potencializando a produção ($) com menor esforço físico
Coleta conteinerizada de secos ( coleta seletiva)
Coleta conteinerizada de secos ( ECOPONTOS)
Coleta conteinerizada de secos ( ECOPONTOS)
OITO ecopontos
2. Concepção do Sistema
Usinas de
Triagem
Usinas de Triagem
• DUAS ( 2) usinas fornecidas pela concessionaria e operadas pelos
catadores;
• Treinamento, manutenção e conservação por conta da concessionária
• Receita da venda dos recicláveis para as cooperativas
• Rejeitos das usinas encaminhados, pela concessionaria, a TRANSBORDO;
Usinas de Triagem
• Entrada de 75 t/dia por usina em 2015 - 50 t/dia ( de recicláveis)
• Entrada de 100 t/dia por usina em 2023 - 67 t/dia ( de recicláveis)
• Entrada de 130 t/dia por usina em 2043 - 88 t/dia ( de recicláveis )
Benefícios das soluções propostas
Art. 36. No âmbito da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, cabe
ao titular dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos,.. :
I - adotar procedimentos para reaproveitar os resíduos sólidos reutilizáveis e recicláveis
oriundos dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos;
.......
§ 1o Para o cumprimento do disposto nos incisos I a IV do caput, o titular dos serviços
públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos priorizará a organização e o
funcionamento de cooperativas ou de outras formas de associação de catadores de materiais
reutilizáveis e recicláveis formadas por pessoas físicas de baixa renda, bem como sua
contratação.
Lei Federal no. 12.305 - Política Nacional de Resíduos Sólidos
Aumento da abrangência e eficácia da coleta seletiva e da reciclagem
SUPERAÇÃO DAS METAS ESTABELECIDAS NO PLANO NACIONAL DE
RESIDUOS SÓLIDOS
Priorização do uso da mão de obra das cooperativas de catadores na
reciclagem ( inclusão social)
2. Concepção do Sistema
Transbordo
Transbordo
• Os resíduos UMIDOS são encaminhados a TRANSBORDO;
• Os rejeitos das duas usinas de triagem são coletados , pela
concessionária e encaminhados a TRANSBORDO;
Área total do terreno : 3.000 m²
• 1ª fase : 520 m² de área coberta e capacidade de armazenamento de
até 1.000 m³ de resíduos, atenderá as demandas até o ano de 2020.
• 2ª fase : 700 m² de área coberta e sua capacidade de armazenamento
será de até 1.400 m³, atendendo às demandas até o ano de 2033.
• 3ª fase: 815 m² de área coberta e com capacidade de armazenamento
de até 1.630 m³.
Transbordo
Transbordo
2. Concepção do Sistema
ECOPARQUE
•
•
•
•
•
•
Usina de Compostagem
Usina de trituração de podas de árvores
Usina de fabricação de Briquetes ( rejeitos da compostagem + podas)
Usina de fabricação de madeira plástica ( rejeitos da coleta seletiva)
Usina de reciclagem de RCC
Aterro de rejeitos
ECOPARQUE
composto
orgânicos
TRANSBORDO
Limpeza Orgânicos
Rejeitos não
orgânicos
Resíduos
úmidos
TRANSBORDO
Rejeitos das
usinas
de triagem
Madeira plástica
Compostagem
Rejeitos
Compostagem
+
PODAS
% papel e
papelão
Briquetes
Aterro rejeitos
Rejeitos
Compost
ECOPARQUE
Compostagem
Compostagem
RESÍDUOS
RECEBIMENTO
NA ORGANOSOLVI
MONTAGEM DAS
LEIRAS
(NA USINA DE COMPOSTAGEM)
BIODEGRADAÇÃO
EM 4 ETAPAS
CONTROLE DE QUALIDADE
E BENEFICIAMENTO
MOVIMENTAÇÃO
DAS LEIRAS
ADUBO
ORGÂNICO
APLICAÇÃO DO
BIO EXTRATO
Compostagem
Etapas do tratamento com bioextrato
HUMIFICAÇÃO
Etapa que provoca a decomposição da matéria orgânica
sem que haja putrefação.
NITRIFICAÇÃO
Etapa de catalização de nitrogênio do ar para fixá-lo à
matéria orgânica, auxiliando também no processo de
Humificação.
SOLUBILIZAÇÃO
ESTERILIZAÇÃO
Processo que permite a disponibilização de minerais
existentes na matéria orgânica, deixando-os
mineralizados, ou seja, prontamente assimiláveis pelas
plantas.
Etapa onde há a geração de calor, promovendo
temperaturas elevadas que extirpam completamente
todos e quaisquer patógenos.
Compostagem
Compostagem
Compostagem
Compostagem
Pátio de compostagem
COBERTO /
IMPERMEABILIZADO
Compostagem
Matéria Orgânica disposta em aterro em 2012 =
62 t/dia
100 t/dia
82 t/dia
103 t/dia
140 t/dia
185 t/dia
53 t/dia composto 74 t/dia composto 98 t/dia composto
47 t/dia perda agua 66 t/dia perda agua 87 t/dia perda agua
113 t/dia
236 t/dia
205 t/dia
123 t/dia
293 t/dia
125 t/dia composto 156 t/dia composto
111 t/dia perda agua 138 t/dia perda agua
Compostagem
100 km ao redor de Londrina
área de café plantada
( hectares)
45.533
área de cana plantada
( hectares)
202.301
MERCADO POTENCIAL TOTAL =
área total plantada
( hectares)
247.834
consumo potencial
( ton/ano)
495.668
1.358 t/dia
• 53 t/dia em 2015
• 156 t/dia em 2043
Benefícios das soluções propostas
ATENDIMENTO À POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS
Art. 36. No âmbito da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, cabe
ao titular dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos,.. :
I - ....;
II - ...;
III -.....;
IV -.....;
V - implantar sistema de compostagem para resíduos sólidos orgânicos e articular com os
agentes econômicos e sociais formas de utilização do composto produzido;
Lei Federal no. 12.305 - Política Nacional de Resíduos Sólidos
Implantação de compostagem
Valorização dos Rejeitos
• Usina de fabricação de Briquetes ( rejeitos da compostagem + podas)
• Usina de fabricação de madeira plástica ( rejeitos da coleta seletiva)
Briquetes
Compactação a elevadas pressões, com elevação da temperatura do
processo da ordem de 100 ºC que promove a "plastificação" da lignina,
substância que atua como elemento aglomerante das partículas,
eliminando a necessidade de colas, resinas, etc..
•
•
•
•
•
•
•
Alto poder calorífico;
Regularidade térmica;
Menor geração de cinza e fumaça;
Menos poluente que outros tipos de combustível (carvão,
óleo, etc.);
Redução do custo na geração de energia;
Espaço de armazenagem reduzido, possibilitando assim a
manutenção de estoques reguladores e de emergência;
Produto industrializado, disponível o ano todo.
Briquetes
Todas as indústrias que usam caldeira no seu processo
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Frigoríficos;
Siderúrgicas;
Matadouros e Abatedouros;
Fábrica de Laticínios;
Curtumes;
Fábrica de Tecido;
Tinturarias;
Lavanderias Industriais;
Cervejarias;
Recauchutadoras;
Cerâmicas;
Indústrias de celulose;
Indústrias de refrigerantes;
Saunas e piscinas térmicas;
Madeira Plástica
•
•
•
•
•
Limpeza simples e fácil
Elimina o desmatamento
Não absorve umidade
Pode ser parafusada, serrada, pregada, furada , pintada
Imune a pragas e a roedores
Aterro de Rejeitos
Aterro de Rejeitos
Aterro de Rejeitos
Aterro de Rejeitos
Tratamento de efluentes
Aterro de Rejeitos
Tratamento de efluentes
Aterro de Rejeitos
Cobertura das lagoas de percolado
Aterro de Rejeitos
• Minimização dos rejeitos depositados em aterro
Benefícios das soluções propostas
ATENDIMENTO À POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS
Art. 36. No âmbito da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, cabe
ao titular dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos,.. :
I - ... ;
II - .... ;
III -.....;
IV -.....;
V - .... ;
VI - dar disposição final ambientalmente adequada aos resíduos e rejeitos oriundos dos
serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos.
Lei Federal no. 12.305 - Política Nacional de Resíduos Sólidos
Art. 54. A disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, observado o disposto no
§ 1o do art. 9o, deverá ser implantada em até 4 (quatro) anos após a data de publicação desta
Lei.
Lei Federal no. 12.305 -Política Nacional de Resíduos Sólidos
Somente rejeitos sendo depositados em aterro
Benefícios das soluções propostas
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
OBJETIVOS GERAIS
• Sensibilizar a população sobre a importância da implementação da coleta seletiva e
das práticas do consumo sustentável com vistas a atingir as metas de reciclagem
estipuladas ;
• Sensibilizar a comunidade escolar sobre a importância da implementação da coleta
seletiva, da reciclagem e do consumo sustentável
OBJETIVOS ESPECIFICOS
• Aprofundar a visão teórica e conceitual dos temas sobre resíduos sólidos através de
palestras, oficinas, teatro, mutirões e informações em cadernos de apoio tanto nas
escolas como na comunidade de entorno das mesmas;
• Divulgar e orientar a população sobre a constituição dos resíduos, sua importância e
seus impactos ao meio ambiente;
• Divulgar e orientar a população sobre a forma como devem ser acondicionados os
resíduos para coleta seletiva;
• Divulgar e orientar a população sobre consumo sustentável com vistas a minimização
da geração de resíduos;
• Praticar a coleta seletiva no ambiente escolar/acadêmico em geral;
• Praticar a coleta seletiva nos equipamentos públicos, comércios e afins.
Benefícios das soluções propostas
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
• Projeto Escola :
capacitação destinada aos docentes, coordenadores
pedagógicos e diretores para que os mesmos possam aprofundar os conceitos
teóricos das questões ambientais, estendendo seus conhecimentos aos alunos
por meio de atividades pedagógicas.
• Projeto Comunidade : a sensibilização ambiental será realizada por meio de
palestras ministradas aos moradores do entorno das escolas atendidas pelo
projeto.
• Projeto Cidade : A sociedade em geral será contemplada por meio das
campanhas que serão realizadas através dos meios de comunicação como
rádio, TV e jornal; dos materiais informativos contidos nos “Kits” que serão
distribuídos em pontos estratégicos da cidade, como por exemplo, parques e
praças; nos cartazes, outdoor e demais materiais distribuídos e afixados nos
principais pontos do município.
Benefícios das soluções propostas
UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS TESTADAS E CONSAGRADAS
• Somente adoção de tecnologias consagradas e comprovadas local e
mundialmente;
• A importância do projeto, seu efeito multiplicador em termos da
realidade brasileira e a preocupação com o uso adequado dos recursos
financeiros advindos do munícipe não permitem, a nosso ver, que sejam
feitas experimentações tecnológicas, devendo-se obter soluções já
consagradas e testadas em escala industrial.
Custos internacionais x Brasil
480,17
88,01
Fonte : Gestão da Limpeza Urbana- Um investimento para o futuro das cidades
Price Waterhouse e Coopers/ SELUR/ABLP (2010)
Melhor gerenciamento dos resíduos
Maior custo
Maior ganho social/ ambiental/ econômico para a
sociedade e para o planeta ...
a REVITA se dispõe a ajudar a sociedade
londrinense a dar esse salto de qualidade
aportando...
• Experiência técnica e operacional comprovada
• Garantia de atualização tecnológica permanente
• Viabilização de captação de recursos em volume superior ao
que seria possível com os mecanismos tradicionais
• Transferência ao setor privado dos riscos de construção e
operação
• Estrutura e capacidade gerencial para fazer frente às
necessidades dos serviços
OBRIGADO !
Engo. Eleusis Bruder Di Creddo
[email protected]

similar documents