Trabalhos de Seminário e Dissertação

Report
Trabalhos de Seminário
e Dissertação
Ciências da Comunicação / Comunicação Social
ISCSP-ULISBOA
Docente: Raquel Barbosa Ribeiro
Bem-vindos ao trabalho final do curso!
Tudo começa com o vosso sonho.
Que tema sempre quiseram estudar?
De que gostam no vosso curso?
Que área profissional gostariam de seguir?
Como poderá este trabalho contribuir para terem um bom CV e
arranjarem um bom emprego?
Sonhem
em
grande.
É grátis.
Regulamentos das disciplinas
Licenciatura
Opção por Artigo / Ensaio, Trabalho de Projecto ou Relatório de Estágio
Regras para Ciências da Comunicação
Mestrado
Opção por Dissertação, Trabalho de Projecto ou Relatório de Estágio
Temas
Lista de temas por professores
TEMAS SEMINARIO CC
Outros temas:
pedidos específicos dos centros de
investigação
Nota importante:
os orientadores de Mestrado têm de
ser doutorados
Registo dos alunos e dos seus temas
Documentos para os alunos preencherem
Licenciatura
Mestrado
É importante manterem estes registos actualizados!
Actividades
Calendarização prevista das aulas e trabalhos – ver blogue e/ou Moodle
Licenciatura
Mestrado
Explicação de métodos e exercícios práticos
Apresentações pelos alunos
Estado da arte dos grandes temas
Técnicas de recolha de dados
Visitas a bibliotecas e formações
Oradores convidados
Avaliação
Regras de avaliação
Orientador sugere a nota mas júri decide
Docentes da cadeira levam em consideração a avaliação contínua (Licenciatura) e a média
curricular e o CV do aluno (Mestrado)
Importância da presença nas aulas e nas actividades
A avaliação é feita em prova oral com júri
Avalia-se o trabalho escrito, a prestação do aluno na prova oral e a participação do aluno
nas aulas
Veja aqui as regras e conselhos para Licenciatura e Mestrado
Os prazos têm que ser cumpridos rigorosamente:
Licenciatura
Mestrado
Para melhorar a nota
Especialmente em Mestrado, recomenda-se ao aluno que:
faça a submissão de, pelo menos:
•
•
•
•
um artigo científico,
um capítulo de livro,
uma recensão,
ou outra produção científica, devidamente reconhecida,
participe em, pelo menos, um evento científico
•
•
•
conferência,
congresso,
seminário ou outros,
•na área do seu tema de investigação, em co-autoria com o orientador,
•até à data da defesa do trabalho final.
Formatos, conteúdos e
cronogramas
Licenciatura
Formato dos documentos
Folha A4; margens superior e inferior de 2,5 cm; margem esquerda 3,0 cm e margem direita 2,5 cm.
A capa deve conter os logótipos oficiais do ISCSP e da Universidade de Lisboa, bem como referir:
o título completo do trabalho; o nome do aluno e do(s) docente(s); a indicação da unidade curricular a que o trabalho se refere, o mês
de entrega e o ano lectivo em causa;
O texto deve ser justificado, tal como as notas de rodapé.
A fonte do texto pode ser Times New Roman, tamanho 12 ou Arial tamanho 11.
As notas de rodapé devem ter o mesmo tipo de letra do corpo do texto e com tamanho 10.
O espaçamento entre linhas no texto é de 1,5;
recomenda-se o avanço de primeira linha de 1,25 cm ou o espaçamento duplo entre parágrafos.
Os parágrafos não devem ser separados com linhas em branco.
Os cursos de CC adoptam a norma de referenciação da APA (sistema Autor-Data).
Projecto – 1º semestre
Artigo ou Ensaio
Projecto
(1º
Semestre)
Trabalho de Projecto
Relatório de estágio
CAPA
ÍNDICE GERAL
ÍNDICES DE ILUSTRAÇÕES
CAPA
ÍNDICE GERAL
ÍNDICES DE ILUSTRAÇÕES
CAPA
ÍNDICE GERAL
ÍNDICES DE ILUSTRAÇÕES
Apresentação, contextualização e
discussão do tema;
Apresentação, contextualização e
discussão do tema;
Apresentação, contextualização e
discussão do tema;
Operacionalização dos conceitos
operativos do trabalho;
Operacionalização dos conceitos
operativos do trabalho;
Contextualização teórica;
Apresentação e discussão do estado da Contextualização teórica;
arte, ou contextualização teórica;
Identificação do problema, diagnóstico
Descrição e justificação das opções
da situação e planeamento das opções
metodológicas assumidas;
metodológicas para o levantamento de
soluções alternativas;
Trabalho adicional, eventualmente já
desenvolvido.
Trabalho adicional, eventualmente já
desenvolvido.
BIBLIOGRAFIA
BIBLIOGRAFIA
EVENTUAIS APÊNDICES E ANEXOS
EVENTUAIS APÊNDICES E ANEXOS
Apresentação e contextualização da
instituição de acolhimento e da área de
actividades;
Descrição e discussão do plano de
actividades de estágio;
Trabalho adicional, eventualmente já
desenvolvido.
BIBLIOGRAFIA
EVENTUAIS APÊNDICES E ANEXOS
Calendário Licenciaturas – 1º semestre (1)
SETEMBRO-OUTUBRO: EXPLORAÇÃO CONCEPTUAL E MÉTODOS
Inventariem as teses sobre o tema. Leiam os principais.
Procurem os trabalhos académicos sobre o vosso tema (ou sobre o tema que abrange o vosso, na ausência de trabalhos
específicos), realizados no ISCSP, na UTL, no ISCTE, na FCSH, na Escola Superior de Comunicação Social, na Universidade de
Coimbra, na Universidade do Porto, na Universidade do Minho e noutras Universidades e Politécnicos nacionais.
Devem enviar aos orientadores a lista das referências bibliográficas encontradas e uma sinopse (1 parágrafo) sobre o que
tratam.
Identifiquem artigos e livros sobre o tema. Leiam os principais.
Devem enviar aos orientadores a lista das referências bibliográficas encontradas e uma sinopse (1 parágrafo) sobre o que tratam.
Em função desta informação, serão aconselhados sobre as leituras prioritárias e as dispensáveis.
Leiam um livro de métodos do princípio ao fim.
Pode ser o de Paula do Espírito Santo, o de Diogo Moreira, o de Quivy e Campenhoudt, o de Umberto Eco, o de Creswell, o de
Silverman...qualquer um que eu ache decente e que vocês achem interessante.
Até à 1ª semana de Outubro: ESCOLHAM UM TEMA E INSCREVAM-NO neste documento.
Até à 2ª semana de Outubro: CONSULTEM UM ORIENTADOR E INSCREVAM-NO neste documento. Confirmarei o vosso orientador nos
dias seguintes.
Calendário Licenciaturas – 1º semestre (2)
INÍCIO DE NOVEMBRO: PRÉ-PROJECTO
Até à 1ª semana de Novembro:
Coloquem a(s) vossa(s) pergunta(s) de partida e os principais objectivos/hipóteses a explorar, para
debatermos. Peçam opinião ao orientador.
Escrevam 1-2 páginas sobre os métodos e técnicas de recolha de dados que vos pareceram mais adequadas,
fundamentando-as com o que leram nesse livro. Enviem ao vosso orientador.
Depois retomem as vossas actividades de pesquisa e leitura.
APRESENTAÇÃO ORAL DO PRÉ-PROJECTO EM AULA (OBRIGATÓRIA)
1.
2.
3.
4.
Apresentação do tema.
Pergunta de partida (se aplicável).
Objectivos (e hipóteses, se aplicável).
Principais conceitos a definir.
Calendário Licenciaturas – 1º semestre (3)
MEADOS DE NOVEMBRO: DESENVOLVIMENTO DO PRÉ-PROJECTO
Enviem 5 a 10 páginas escritas ao orientador, com o desenvolvimento do que apresentaram na aula.
Preencham também as colunas correspondentes deste documento.
Deverão:
a) fazer uma Introdução, explicando qual o tema do trabalho, porque o escolheram e o que gostariam de
tratar/pesquisar/descobrir;
b) fazer o enquadramento teórico, mencionando que trabalhos já existem sobre o vosso tema - comecem por
Portugal e alarguem depois ao estrangeiro. Incluam livros, artigos e teses. Depois refiram e desenvolvam
(considerando o limite de páginas) as teorias ou correntes que se aplicam à interpretação do vosso tema. Se já
falaram com algum especialista sobre o vosso tema, apresentem os principais resultados dessa(s) entrevista(s);
c) em função do que já leram, deverão identificar e definir/operacionalizar os conceitos relevantes para o vosso
trabalho;
d) a seguir irão escolher o método, o objecto e a população em estudo e as técnicas de recolha de dados que irão
utilizar;
e) encerrem com a Bibliografia consultada.
Calendário Licenciaturas – 1º semestre (4)
DEZEMBRO: TRABALHO DO 1º SEMESTRE
Deverá ter até 15 páginas (idealmente menos, para que o 2º Semestre possa ter "espaço" para os resultados que
encontrarem).
Neste relatório, irão:
melhorar / desenvolver o que escreveram até ao ponto anterior,
analisar de forma crítica e sistemática a informação que já conseguiram recolher,
propor um desenho de pesquisa completo (amostra, questionário/guião, etapas e prazos de recolha, considerações éticas, etc.).
ENVIO DO PROJECTO PARA O ORIENTADOR E A DOCENTE DA DISCIPLINA
(1ª semana de Dezembro)
É OBRIGATÓRIO !
Seminário ou Estágio – 2º semestre
Artigo ou Ensaio
Seminário CAPA
ÍNDICE GERAL
ou
ÍNDICES DE ILUSTRAÇÕES
Apresentação, contextualização e
Estágio
discussão do tema;
(2º
Operacionalização dos conceitos
Semestre) operativos do trabalho;
Apresentação e discussão do estado
da arte, ou contextualização teórica;
Descrição e justificação das opções
metodológicas assumidas;
Trabalho de Projecto
Apresentação e discussão dos dados
recolhidos e dos resultados do
trabalho;
Discussão das limitações do trabalho
e do seu alcance teórico, teóricoprático e/ou prático;
Apresentação e discussão de futuros
sentidos de investigação do tema.
CAPA
ÍNDICE GERAL
ÍNDICES DE ILUSTRAÇÕES
Apresentação, contextualização e
discussão do tema;
Operacionalização dos conceitos
operativos do trabalho;
Contextualização teórica;
Identificação do problema, diagnóstico
da situação e planeamento das opções
metodológicas para o levantamento de
soluções alternativas.
Identificação e discussão de soluções
alternativas e escolha final, justificada e
fundamentada, conducente à resolução
do problema.
Discussão das limitações do trabalho e
do seu alcance prático;
Apresentação e discussão de futuros
sentidos de investigação do tema.
BIBLIOGRAFIA
EVENTUAIS APÊNDICES E ANEXOS
BIBLIOGRAFIA
EVENTUAIS APÊNDICES E ANEXOS
Relatório de estágio
CAPA
ÍNDICE GERAL
ÍNDICES DE ILUSTRAÇÕES
Apresentação, contextualização e discussão do tema;
Contextualização teórica;
Apresentação e contextualização da instituição de acolhimento e da
área de actividades;
Descrição e discussão do plano de actividades de estágio;
Interpretação e análise crítica das actividades desenvolvidas, à luz do
enquadramento teórico escolhido;
Apresentação e discussão dos dados recolhidos e dos resultados do
trabalho;
Discussão das limitações do trabalho e do seu alcance teórico-prático;
Apresentação e discussão de futuros sentidos de investigação e acção
do tema.
Certificado de estágio curricular e formulário preenchido pela
instituição de acolhimento, relativa à qualidade da prestação do
aluno.
BIBLIOGRAFIA
EVENTUAIS APÊNDICES E ANEXOS
Calendário Licenciaturas - 2º semestre
Para que o trabalho do 2º semestre corra de feição e possam terminar a disciplina a tempo e horas:
ATÉ À 1ª SEMANA DE MARÇO:
envio de guiões de entrevista/inquérito/grelhas de análise de conteúdo (quando aplicável) definitivos + desenho da pesquisa
completo (com a definição e selecção da amostra e a explicação dos procedimentos de pesquisa a adoptar - vejam o livro
de Creswell), ao orientador e à docente da disciplina, para correcção;
ATÉ À 1ª SEMANA DE ABRIL:
conclusão do trabalho de campo (entrevistas/inquéritos/análise de conteúdo);
ATÉ À 1ª SEMANA DE MAIO:
envio do trabalho final definitivo para o orientador e a docente da disciplina, para correcção.
PENÚLTIMA E ÚLTIMA AULAS:
apresentação oral do trabalho em aula.
Se conseguirem completar etapas antes das datas indicadas, óptimo, poderão passar logo para a etapa
seguinte.
Checklist dos trabalhos
•Tamanho e tipo de letra
•Limite de páginas
•Índice geral
•Índice de ilustrações (quadros, gráficos, figuras)
•Paginação
•Ilustrações legendadas, numeradas, legíveis e
comentadas no texto
•Correcção e clareza da redacção em língua
portuguesa (sem: chavões, linguagem oralizada,
advérbios, adjectivação, juízos de valor)
•Diversidade metodológica (utilização de várias
técnicas de recolha e análise de informação).
•Análise de dados completa, devidamente
ilustrada (quadros, gráficos) e comentada.
•Referenciação correcta, com as referências
bibliográficas indicadas ao longo do texto
•Bibliografia completa e ordenada alfabeticamente
no final
•Citações “em segunda mão” em número reduzido
(recomenda-se o máximo de 3 no total do
trabalho) e devidamente citadas (incluindo obra
de consulta e obra citada)
•Procedimentos metodológicos completos e
apresentados em capítulo próprio
•Utilização de fontes fidedignas – RECOMENDA-SE
PELO MENOS 3 ARTIGOS CIENTÍFICOS
•Contributo académico do trabalho
•Análise crítica
•Relacionamento dos conceitos
•Pertinência do estado da arte
Formatos, conteúdos e
cronogramas
Mestrado
Regras
Formulário de Resumo (.docx)
Formulário de Abstract (.docx)
Normas para Elaboração de Dissertação
Template de capa (.docx)
Declaração de Autorização Versão Final na Biblioteca
Tipos de trabalho final
Dissertação
Trabalho de projecto
Relatório de Estágio
Dissertação
1. A dissertação consiste num trabalho original de natureza científica,
susceptível de submissão para publicação em revista científica com
comité de selecção, sobre um tema ou tópico da área de conhecimento
do mestrado.
2. Pode integrar trabalhos previamente realizados, designadamente
trabalhos de natureza académica desenvolvidos no decurso da
componente curricular do curso conducente à obtenção do Grau de
Mestre.
3. A dimensão máxima da dissertação é de 20.000 palavras, não
contando com eventuais anexos e apêndices.
Trabalho de projecto
1. Entende-se por trabalho de projecto a concepção, o desenvolvimento e/ou a
avaliação de uma aplicação original que demonstre as competências adquiridas ao
longo do curso, mediante o desenvolvimento de diagnósticos, a apresentação de
possíveis estratégias de solução e/ou a sua avaliação.
2. O ponto de partida será a identificação de um problema concreto, diagnosticando
uma situação, através da escolha de métodos analíticos apropriados, procedendo ao
levantamento de soluções alternativas e fazendo uma escolha final justificada e
fundamentada, conducente à resolução do problema.
3. Sem prejuízo dos limites definidos no Regulamento Geral, a capacidade de análise,
interpretação e síntese devem ser especialmente valorizadas.
4. O júri para apreciação final do trabalho de projecto deve, sempre que possível,
conter um profissional da área, um especialista de reconhecido mérito profissional.
5. A dimensão máxima 25.000 palavras, não contando com eventuais anexos e
apêndices.
Relatório de estágio profissional
1. Entende-se por relatório de estágio um trabalho de descrição e análise científica e crítica sobre as
atividades desenvolvidas no âmbito de um estágio profissional efectuado numa instituição.
2. O estágio tem que implicar, obrigatoriamente, um mínimo de 800 horas de trabalho efectivo.
3. O relatório de estágio deve ter, sempre que possível, um co-orientador da instituição de
acolhimento, responsável por assegurar ao mestrando condições de aplicação dos conhecimentos e
competências adquiridos durante a parte curricular do curso de mestrado.
4. A instituição de acolhimento seleccionada tem de ser relevante para o domínio científico do curso.
5. O relatório de estágio tem de demonstrar os conhecimentos adquiridos e as competências
desenvolvidas no desempenho das funções inerentes ao estágio.
6. O relatório deverá conter:
a) Uma caracterização da instituição de acolhimento;
b) A descrição e análise crítica das tarefas desempenhadas, designadamente as que decorrem da participação em
projectos ou iniciativas da instituição. A análise critica referida contempla, obrigatoriamente, um enquadramento
teórico.
c) O trabalho desenvolvido pressupõe, obrigatoriamente, o levantamento de situações problemáticas e a identificação
e implementação de soluções para a sua resolução.
7. A dimensão máxima do relatório de estágio 25.000 palavras, não contando com eventuais anexos e
apêndices.
Projecto de Dissertação
Formatos
Critérios de avaliação de Dissertações de Mestrado
Etapas da pesquisa
Procedimento de investigação
Primeiras pesquisas
O que já está estudado sobre o “vosso” tema?
Leiam teses, sobretudo de Mestrado e de Doutoramento.
Comecem por ver no ISCSP.
Vejam depois outras faculdades que tenham cursos semelhantes.
Alarguem a pesquisa ao resto do país.
E, por fim, ao resto do mundo.
Tenham o cuidado de pesquisar em sítios fidedignos.
Primeiras consultas úteis (com hiperligações para fontes de informação):
http://www.iscsp.utl.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=167&Itemid=152
http://thesaurus.reitoria.utl.pt/
http://www.iscte-iul.pt/biblioteca.aspx
http://catalogolx.cm-lisboa.pt/
http://www.bnportugal.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=226&Itemid=54
http://scholar.google.pt/
http://www.b-on.pt/
Vamos fazer
umas aulas
práticas sobre
isto,
pesquisando
juntos.
Pergunta de partida
A pergunta de partida deve resumir o "click" mental que nos fez despertar o
interesse para o estudo.
Deve ser:
curta e fácil de perceber.
intelectualmente honesta e não preconceituosa.
NÃO DEVE ASSUMIR NEM SUGERIR UMA RESPOSTA!
Se já soubéssemos, não estaríamos a investigar!
Em vez de “Os homens gostam mais de ver futebol na TV do que as mulheres porque foram educados
dessa maneira?”,
será melhor perguntar “Os homens gostam mais de ver futebol na TV do que as mulheres? Porquê?
”ou “Em que difere a educação dos homens e das mulheres quanto às preferências televisivas?”
Façam a
pergunta aos
vossos amigos
e familiares. Se
eles não a
perceberem, é
mau sinal!
Questões decorrentes
Depois de formulada a pergunta de partida,
é possível apresentar questões decorrentes que se relacionam com os objectivos
específicos do trabalho.
Ex: para “como se caracteriza o espectador das séries de culto televisivas?”
poderemos ter questões decorrentes como:
quantas pessoas vêm séries de culto televisivas,
em que canais,
em que horários,
com que frequência,
que estilo de vida e características sócio-demográficas possuem;
o que caracteriza uma série televisiva de culto, ...
Estas questões orientam a elaboração dos guiões de questionários e
entrevistas.
Problemática
A problemática é a abordagem ou perspectiva teórica que o investigador decide
adoptar para tratar o problema definido na pergunta de partida.
Ex: “vamos perceber a importância do consumo para a distinção social, procurando
inspirações na teoria de Bourdieu”.
A problemática tem 3 momentos principais:
1. Exploração das leituras e das entrevistas:
Detecção de padrões e oportunidades de estudo.
2. Inventariação dos diferentes aspectos do problema colocados pela pergunta de
partida.
3. Explicitação do quadro conceptual que caracteriza a problemática.
Exploração das leituras e entrevistas
Exploração teórica
Vantagens dos artigos:
Se o tema o permitir, a seguir às teses, leiam artigos científicos.
São mais resumidos, mais actuais e mais multifacetados do que os livros.
Vão consultando outros autores em bola-de-neve, em função dos sugeridos pelo artigo.
Mas têm que ser mesmo artigos científicos!
Nada de sítios de internet ou blogues duvidosos. Usem fontes acreditadas, como Jstor, b-On ou Proquest. Peçam ajuda aos
professores e bibliotecários.
Dependendo da área de actividade e dos objectivos, poderá haver
vantagem em começar por ler livros (ex: trabalhos de projecto e
estágio):
Manuais, livros técnicos, guias de procedimentos…
que ajudem a compreender a profissão e as tarefas que lhe estão inerentes.
Tomem sempre
notas do que
lerem. Detectem
padrões. Resumam
o resultado das
vossas leituras por
temas.
Leituras, padrões e apontamentos
Agora, leiam.
Tentem perceber padrões no que têm vindo a ler: há aspectos abordados recorrentemente, por
muitos autores?
Há “agrupamentos de opinião” diferentes entre si?
Comecem a escrever o que acharam relevante nos trabalhos de outros autores.
Certifiquem-se de que pesquisaram o que há de mais recente sobre o tema.
Consultem o trabalho publicado pelo vosso orientador (teses, artigos, comunicações...) caso seja útil ao vosso
tema.
Tomem sempre
notas do que
lerem. Detectem
padrões. Resumam
o resultado das
vossas leituras por
temas.
Do sonho à realidade
“Professora, não encontrei nada sobre o meu tema!”
. Têm a certeza?
A teoria não vem num formato pronto-a-usar!
Se estiverem a estudar “a influência das telenovelas juvenis na forma como as mulheres são
encaradas pela sociedade”, terão que ler sobre mulheres, representações sociais, televisão,
públicos, audiências… e, por tentativas, irão aproximar-se do vosso tema.
Definam bem os termos de pesquisa e não “afunilem” demasiado no início.
Escolheram as palavras-chave certas? Procuraram em várias línguas? Usaram os
motores de busca recomendados?
Encontrar as
expressões de
pesquisa e
palavras-chave
certas pode exigir
várias tentativas (e
erros)
O estado da arte
O “estado da arte” é o resumo devidamente fundamentado do que há escrito, de
mais recente e importante, sobre um tema.

Geralmente, consta da Introdução e/ou do Enquadramento Teórico.
Ex:
“A teoria da acção racional aplicada ao consumo trata-o sobretudo como uma escolha individual e utilitária, na convicção de
que, estando o consumidor ciente das vantagens e constrangimentos inerentes às escolhas que estão à sua disposição, optará
pela que lhe possa trazer maior benefício. Remonta aos economistas clássicos e continua a ser defendida, ainda que sob forte
polémica, por alguns autores da Economia e da Sociologia (Becker, 2005; Voss e Abraham, 2002; Durlauf, 2001; Goldthorpe,
1998; Harsanyi, 1995; Coleman, 1986; Friedman e Hechter, 1988). Em torno desta abordagem, encontramos estudos
interessantes sobre a utilização do dinheiro, a poupança ou o investimento (Ingham, 2006; Redmond, 2001; Spilerman, 2000;
Zafirovksi, 2000; Ackerman, 1997; Ritzer, 1993; Lunt e Livingstone, 1992; Pritchard, Myers e Cassidy, 1989; Keynes, 1973;
Martineau, 1958).”
Tomem sempre notas
do que lerem.
Detectem padrões.
Resumam o resultado
das vossas leituras por
temas.
As fontes certas
São fontes adequadas:
Teses de Mestrado (algumas) e Doutoramento
Artigos científicos
Livros de autores e/ou editoras acreditados
Opiniões de especialistas acreditados, em entrevistas ou peças noticiosas
São fontes a usar com reservas e apenas como inspiração pontual, sem
direito a citação:
Teses de Licenciatura
Artigos não científicos, blogues, relatórios disponíveis na internet
Conteúdos comerciais e promocionais de pessoas e marcas
Aulas e apontamentos
Tomem sempre notas
do que lerem.
Detectem padrões.
Resumam o resultado
das vossas leituras por
temas.
A importância de bem citar
Sempre que referirmos um texto que foi escrito ou dito por alguém,
deveremos citar o respectivo autor.
Façam sempre citações correctamente (vejam os slides no final sobre isto).
Nãa escrevam parágrafos com informação factual ou opinativa, sem citar as fontes/autores.
Deverá ficar claro o que está a ser pensado ou escrito por nós e o que foi pensado ou escrito por outrem.
“Cada vez mais, nota-se que…”
“Autores como Silva (2000, p. 12) e Sousa (2009, p. 177-179) referem que..”
“A maioria das pessoas acha…”
“A maioria dos inquiridos pela TNS (2007) entende que…”
“Os portugueses gastam cada vez mais.”
“Os dados do INE (2009) revelam que…”
“O marketing é uma ciência e uma arte.”
“A definição de Marketing é, para Kotler…”
Circunscrever o tema
Posto isto, tentem detectar 2-3 tópicos de investigação favoritos e
começar a limitar a pesquisa.
ex: Gosto de publicidade.
Na publicidade, gosto sobretudo dos anúncios de imprensa.
Os meus preferidos são os das revistas de viagens.
Vou estudar a publicidade em revistas de viagens.
Especialistas
Podem, após as primeiras leituras, falar com especialistas sobre o
tema, para descobrir mais coisas sobre o mesmo e expandir as
possibilidades de estudo.
• Deverão construir um guião de entrevista para o efeito, que pedirão ao
orientador para aprovar.
• Marquem as entrevistas com (muita) antecedência.
Tomem sempre
notas do que
ouviram.
Originalidade
Tendo em conta o que já foi lido e ouvido, tentem agora identificar
uma área de investigação ainda pouco (ou nada) trabalhada, ou
uma nova abordagem ao tema (assim estarão a limitar ainda mais
a pesquisa).
Ex: os trabalhos que encontrei eram quase todos sobre revistas portuguesas. Mas eu gostaria de
fazer algo diferente. Gostaria, por exemplo, de saber se os anúncios nas revistas de viagens são
semelhantes em Portugal e em Espanha.
Filtro
Antes de tornarmos a problemática mais séria, coloquemos um
conjunto de questões práticas:
o tema é interessante?
o tema é exequível?
o tema é pertinente?
o tema é original?
Assumindo que sim, passemos então ao nosso projecto de pesquisa.
Revisão da pergunta de partida
Depois de elaborado o estado da arte, é natural e desejável que
queiramos ser mais específicos e concretos.
A pergunta de partida pode ser reformulada, mantendo os princípios da clareza e
da síntese:
"Os anúncios das revistas de viagens em Portugal e em Espanha serão das mesmas marcas?“ ou
"As revistas de viagens em Portugal e em Espanha anunciarão o mesmo tipo de produtos?“ ou
"O peso da publicidade será semelhante nas revistas de viagens de Portugal e de Espanha?“
Exemplos práticos
Má Formulação
O que torna algumas séries televisivas
em séries de culto e quem as vê?
Observações
Expressão linguística incorrecta, com
repetição de palavras. Confusa. Dupla.
Como distinguir leitores bem
informados de leitores ignorantes?
Utilização de adjectivação
Quais os critérios de qualificação de
desrespeitosa para um grupo a estudar, um leitor com capacidade crítica?
que emite juízo apriorístico de valor.
Escolha de verbo impreciso.
Existiu um grande aumento na
Utilização de adjectivos latos e
audiência de filmes infantis nos últimos indicativos de expectativa já existente.
dez anos?
Será que os sites de vendas online
salvaram o poder de compra dos
portugueses durante os anos da
troika?
Exemplo Correcto
Como se caracteriza o espectador das
séries de culto televisivas?
Qual a evolução sofrida nos números
de audiência de filmes infantis em
Portugal nos últimos dez anos?
Formulação coloquial, a nível vocabular De que forma se posicionaram no
e imprecisa a nível de questionamento. espaço televisivo os websites de
vendas online durante a intervenção
da troika?
Diferentes aspectos do problema
Inventariação dos diferentes aspectos do problema colocados pela
pergunta de partida.
o que poderia tratar-se relativamente a este tema, se os recursos fossem infinitos?
o que escolhemos tratar?
porquê?
quais as ramificações do tema que estamos a escolher e que tencionamos tratar?
Ex: será que o perfil do leitor das revistas de viagens é diferente em Portugal e Espanha?
Será que o mercado publicitário tem uma estrutura semelhante? Será que a imprensa é
um meio com mais peso num país do que noutro? ...
Quadro conceptual
É o momento que caracteriza a problemática através de
selecção dos conceitos principais e sua operacionalização
definição do objectivo geral do trabalho e dos objectivos específicos
formulação das hipóteses (se aplicável)
Conceitos e palavras-chave
•
Os termos, ou conceitos, que iremos usar deverão ser
•
definidos de forma clara e inequívoca,
•
utilizados de modo uniforme ao longo do trabalho.
•
•
•
Ex: publicidade, revista, revista de viagens, audiências, etc.
Um conceito não tem que ser retirado de um único autor, podendo resultar de um
“mix” que faça sentido.
Podemos consultar vários autores, comparar as suas definições e apresentar essa
discussão no trabalho, MAS…
•
Devemos optar.
•
•
Ex: “jovem” para alguns autores significa “estádio entre criança e adulto”, para outros “idades dos 12
aos 30 anos”, para outros “elemento com menos de 25 anos dependente do agregado familiar”, para
outros “um estado de espírito que se caracteriza pela despreocupação”, etc.
Mas qual é o conceito em que acreditamos e que nos é útil? Como é que ele nos vai ajudar a definir o
objecto, o universo e a amostra de estudo?
Abordagem
Quantitativa (ou positivista)
os fenómenos sociais são estudados como os fenómenos naturais,
procurando as suas causas em factos materiais anteriores, constantes e
exteriores ao fenómeno a estudar.
são formuladas hipóteses: proposições que prevêem uma relação entre dois
termos que podem ser conceitos ou fenómenos.
Compreensiva
os fenómenos sociais são estudados como produto da acção humana,
procurando-se o sentido dessa acção para os actores sociais.
Objecto de estudo
O objecto de estudo é “aquilo” que vamos estudar:
pessoas, objectos, fenómenos, comportamentos, relações…
Quanto mais concreto e definido, no espaço e no tempo, melhor.
Ex: revistas de viagens A e B em Portugal e C e D em Espanha, de Maio a Setembro de
2011.
Objectivos da pesquisa
Toda a pesquisa deve ter objectivos:
O que vamos querer obter em resultado da nossa pesquisa?
Ao longo do estudo, vamos procurar responder aos objectivos, através do método escolhido.
Os objectivos podem ser gerais e específicos:
O objectivo geral constitui o “para quê” do trabalho.
Os objectivos específicos são particularizações do objectivo geral.
A formulação linguística do objectivo implica iniciá-lo com um verbo,
sendo os mais comuns: compreender, analisar, verificar, evidenciar, desenvolver…
Outros verbos possíveis: listar, enumerar, estudar, observar, comparar, discutir, reflectir, etc.
Exs:
“Identificar os profissionais de RP em Portugal”.
“Averiguar se o aumento da escolaridade está associado a um maior consumo de livros”.
“Compreender as razões para não comprar online”.
Outros verbos possíveis: listar, enumerar, analisar, estudar, observar, comparar, discutir, reflectir, etc.
Exemplos práticos
MÁ FORMULAÇÃO
Compreender de que forma a
comunicação externa da UE
desempenha um papel importante na
comunicação estratégica política.
Desenvolver um plano estratégico de
comunicação adaptado às
necessidades da empresa,
nomeadamente na exploração de
novos mercados, através da aplicação
de ferramentas de comunicação.
OBSERVAÇÕES
Expressão linguística incorrecta, com
repetição de conceitos, uso de
expressões supérfluas (de que forma).
Juízo de valor (papel importante).
Confuso, disperso (mistura elementos
gerais e específicos) e demasiado
longo.
EXEMPLO CORRECTO
Analisar a importância da
comunicação política externa da UE.
Desenvolver um plano estratégico de
comunicação para a empresa X.
Exemplos práticos
PERGUNTA DE PARTIDA
Qual a importância da comunicação política externa da
UE?
OBJECTIVO GERAL
Analisar a importância da comunicação política externa da
UE.
Que plano estratégico de comunicação se adequa à
empresa X?
Desenvolver um plano estratégico de comunicação para a
empresa X.
Como se caracteriza o espectador das séries de culto
televisivas?
Caracterizar o espectador das séries televisivas de culto.
Hipóteses
Se o estudo for de natureza positivista, a literatura e os estudos já efectuados permitem-nos acreditar que há uma
forte probabilidade de algo vir a acontecer.
“A violência nos conteúdos televisivos conduz a um aumento da delinquência juvenil, como demonstraram Arlin (1995), Smith (2008) e Johnson e
Curtis (2010)”.
Podemos então estabelecer hipóteses, que teremos que testar, respeitando os critérios:
•
•
•
refutabilidade (poder ser confirmada, confirmada parcialmente ou rejeitada);
generalidade e
verificabilidade, permitindo que outros investigadores repitam o estudo, utilizando o mesmo modelo, e obtenham os mesmos resultados.
As hipóteses devem ser:
Afirmações, e não perguntas!
Sustentadas teoricamente. Não se inventa hipóteses sem ter lido nada que as indicie. Tem que se provar que seu leu!
Presumivelmente verdadeiras. Nenhum investigador quer estar errado.
Mutuamente exclusivas: se acreditamos que as mulheres vêem mais TV do que os homens, não vamos colocar noutra hipótese que
acreditamos que os homens vêem mais TV do que as mulheres…
Desenho da pesquisa
Métodos
Escolha das técnicas de recolha de dados (de acordo com o método escolhido)
População e amostra (de acordo com o método e as técnicas de recolha de dados)
Locais de investigação
Calendarização
Considerações éticas
Métodos
Avaliação das várias possibilidades
Escolha do método de acordo com o tema e a abordagem em causa
Justificação do método (o que se pode fazer escolhendo determinado método, quais as suas vantagens e desvantagens,
porque se optou por este)
Escolha das técnicas de recolha de dados (de acordo com o método)
Observação, entrevistas, inquéritos, reuniões de grupo, análise documental, análise de conteúdo, análise fílmica ....
Elaboração de guiões/inquéritos/grelhas de análise
Perguntas sistematizadas e ordenadas.
Amostra
De acordo com o método e as técnicas de recolha de dados:
Representativa ou não representativa?
O que se pode fazer escolhendo esta amostragem, quais as suas vantagens e desvantagens, porque
se optou por uma delas?
Quem deverá fazer parte da nossa amostra?
Porquê?
Quantas pessoas tencionamos incluir na nossa amostra?
Porquê?
Como vamos abordá-las e inquiri-las?
Através de amigos, na rua, em casa, ao telefone, por email...?
Quando?
Defesas orais Licenciatura
Defesas orais: regras
Ainda antes das defesas, certifiquem-se de que entregam todos os documentos a tempo e horas.
Podem e devem imprimir em frente e verso.
Assegurem que o índice começa na página 3.
Leiam as regras com cuidado. Os documentos entregues atrasados não serão aceites e a defesa não
terá ter lugar.
A defesa é uma prova oral com júri.
Júri: orientador + o regente da cadeira + o coordenador do curso.
•
•
•
•
•
Cada aluno terá 5 minutos para expor o resumo do seu trabalho.
Passados esses 5 minutos, haverá perguntas do júri, às quais deverão responder com calma. Esta 2ª parte costuma
demorar cerca de 10 minutos.
Podem levar apontamentos e devem levar o vosso trabalho impresso, porque será necessário consultá-lo caso haja
perguntas relativas a uma determinada página.
Não haverá lugar a suporte audiovisual (powerpoint e afins), por falta de tempo.
Ensaiem em casa a vossa exposição, várias vezes, falando alto e prestando atenção ao tempo.
Não é mesma coisa do que ler em silêncio, por isso, sigam o meu conselho.
Defesas orais: o que dizer
Contemplem na vossa exposição de 5 minutos:
No 1º Semestre:
•
O tema e o seu breve enquadramento teórico
•
Os objectivos do trabalho e as hipóteses (se as houver);
•
Métodos e técnicas de recolha de dados escolhidas
(“sobre este tema, consultei os autores x e y, que dizem z; as principais teorias sobre este assunto são a, b, c” – SEJAM MUITO
SINTÉTICOS AQUI, SE OS PROFESSORES QUISEREM SABER MAIS, DEPOIS PERGUNTAM);
(explicitando o nº de entrevistados/inquiridos/observados) – NÃO PRECISAM DE EXPLICAR PORQUE ESCOLHERAM ESTA ABORDAGEM, A
MENOS QUE SEJA MUITO INVULGAR; SE HOUVER DÚVIDAS DO JÚRI, ESTE TÓPICO É DESENVOLVIDO NAS PERGUNTAS E RESPOSTAS;
No 2º Semestre:
•
•
•
os principais resultados – ISTO É O QUE MAIS SE QUER OUVIR;
as limitações e pontos fortes da pesquisa; as pistas para futuras investigações;
digam se atingiram os objectivos e/ou confirmam ou refutam as hipóteses e porquê.
Defesas orais: conselhos
As perguntas do júri não são para “tramar” o aluno mas, pelo contrário, para lhe dar oportunidade de revelar
o melhor do seu trabalho.
E, por isso, a apresentação oral em si mesma tem peso na nota final.
Tentem que as respostas sejam breves - mas não monossilábicas.
Lembrem-se que há um limite horário para o total da prova e que os professores têm que ouvir dezenas de alunos num só
dia).
Evitem uma atitude de quem acha que é muito óbvio e não precisa de explicar…
…mas evitem também querer dar uma aula em 15 minutos.
Falem devagar – não se trata do muito que dizem mas sim do que o júri ouve.
Centrem-se em poucas boas ideias, em vez de quererem dizer tuuuuuudo.
Uma apresentação apelativa não é feita a correr nem vence o júri pelo cansaço!
Não desvalorizem o vosso trabalho, não chamem a atenção para os pontos fracos só por insegurança.
Do mesmo modo, mesmo que sejam profissionais experientes na matéria, não se comportem com negligência ou
arrogância.
A correcção e maturidade na expressão oral são elementos de avaliação.
Não descurem a postura. Com isto não me refiro apenas a vestuário, mas a todo o comportamento (atrasos, risinhos,
piadolas para os colegas, etc. – esqueçam!).
Durmam bem na noite anterior e não voltem a ler os apontamentos no dia da prova. Só vos cansa e baralha.
Defesas orais Mestrado
Defesas orais: regras
Ainda antes da defesa, certifique-se de que entrega todos os documentos a
tempo e horas.
Pode imprimir a tese em frente e verso.
Leia as regras com cuidado. Os documentos entregues atrasados não serão
aceites e a defesa não terá ter lugar.
Defesas orais: o que dizer
Tem que começar por cumprimentar os elementos do júri:
Um a um, pelos nomes e pela ordem em que aparecem no edital – começando sempre
com o inevitável “Prof. Doutor”,
agradecendo a apreciação que fizeram da sua tese.
•Se quiser agradecer brevemente a quem estiver presente na audiência
(familiares, amigos), pode fazê-lo.
•Depois faça a apresentação do seu trabalho.
• Enfatize os resultados e as conclusões.
•Tudo isto tem que demorar no máximo 20 minutos.
•
•
Quando praticar em casa, faça-o em voz alta, memorize os pontos principais e as 2-3 primeiras frases de abertura (a
partir daí o seu raciocínio flui melhor)
Tente não falar mais de 15 min., porque na situação real falamos sempre um pouco mais do que quando estamos a
praticar.
Defesas orais: quem fala e quando
Depois da sua apresentação, cada membro do júri intervirá – os arguentes falarão
até 10 min cada e o candidato tem igual tempo de resposta.
Na altura decidir-se-á (o Presidente delibera ou pergunta-lhe) se deve responder um a um, ou se deve
responder a todos no final.
O orientador costuma fazer apenas breves comentários, aos quais pode responder
de forma mais descontraída e fazer os seus agradecimentos.
Tome notas de todos os comentários.
Tente responder primeiro aqueles que forem mais importantes para causar boa impressão – nomeadamente, os que forem
mais fáceis de responder ou os que lhe parecerem mais injustos ou que importe clarificar prioritariamente.
Não tem que seguir a ordem “cronológica”.
Não é obrigado a responder a todos os comentários e alguns candidatos até optam por “esquecer-se” de alguns que
possam ser menos convenientes ou mais descabidos, mas faça a melhor gestão possível da sua imagem.
Responda sempre de forma calma, começando por agradecer os comentários que foram feitos pelo Prof.
Doutor tal.
Defesas orais: conselhos
É suposto que se defenda,
em vez de se “encolher” ou fazer mea culpa,
mas sempre com delicadeza, procurando explicar o que tinha em mente ou porque fez
essa opção.
Se lhe tiver sido apontado um erro puro e simples,
então limite-se a reconhecê-lo e a mostrar disponibilidade para corrigi-lo no
documento final a entregar à biblioteca e/ou em investigações futuras.

similar documents