da apresentação em PowerPoint

Report
OBJETIVOS, MANEJO E
PRIMEIROS RESULTADOS
AGRO-ECONÔMICOS DA
INTEGRAÇÃO LAVOURAPECUÁRIA-FLORESTA
•Flávio Jesus Wruck
•Eng.º Agr.º, M. Sc. Fitotecnia,
Pesquisador - Embrapa Arroz e Feijão
Lucas do Rio Verde, (MT), 07 de maio de 2010
INTEGRAÇÃO LAVOURA
PECUÁRIA FLORESTA (ILPF)
É um conjunto de tecnologias estratégicas que
integra sistemas de produção agrícola, pecuário
e florestal, em dimensão espacial e/ou
temporal, buscando efeitos sinérgicos entre os
componentes do agroecossistema para a
sustentabilidade da unidade de produção
(empresa rural), contemplando sua adequação
ambiental e a valorização do capital natural.
URTs DE iLPF NO MATO GROSSO - 2010
URT IMPLANTADAS/CONDUZIDAS
2009: ILPF (85 ha) – FAZ. GAMADA,
NOVA CANAA DO NORTE
URT EM ESTUDO (2010)
AÇÕES DE T & T SOBRE ILPF DA
EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO NO MT
PÓLO MÉDIO NORTE
2005: ILP (100 ha) – FAZ. DONA
ISABINA, SANTA CARMEM
2007: ILP (110 ha) – FAZ.
CERTEZA, QUERENCIA
2007: ILP (100 ha) – FAZ. TRES
PASSOS, CANARANA
2008: ILPF (4 ha) – FAZ.
GAUCHA, NOVA XAVANTINA
2010: IPF (55 ha) – FAZ. DA MATA, ALTA
ARAGUAIA
META PARA MATO GROSSO:
Implantar / Conduzir 04 URTs;
2010: ILPF (20 ha) – CAMPO
EXPERIMENTAL DO IFET, CACERES
STATUS: 05 URTs (03 P/ 2010)
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2010/02/08/AR2010020800005.html
http://news.google.com/news/search?pz=1&cf=all&ned=us&hl=en&q="flavio+wruck"&cf=all&scoring=d
URT iLPF – NOVA CANAÃ DO
NORTE (MT)
• PROJETOS VINCULADOS:
• Transferência de Tecnologias para Integração Lavoura-Pecuária-Floresta - iLPF
• Integração Lavoura-Pecuária: Uma proposta de produção sustentável para a Região
do Cerrado e áreas de influência – PRODESILP
• GRUPO GESTOR TÉCNICO:
• Flávio Jesus Wruck, Eng. Agrônomo, M. Sci – Pesquisador EMBRAPA ARROZ E
FEIJÃO
• Tarcísio Cobucci, Eng. Agrônomo, D. Sci – Pesquisador EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO
• Anderson Lange, Eng. Agrônomo, D. Sci – Professor UFMT / Campus de Sinop
• Rubens Marques Rondon Neto, Eng. Florestal, D. Sci – Professor UNEMAT / Campus
de Alta Floresta
• Ostenildo Campos, Eng. Florestal, D. Sci – Professor UNEMAT / Campus de Alta
Floresta
• Eduardo Massashi Kuranishi, Eng. Agrônomo – Consultor e Proprietário da PLANTE
BEM
• Daniel Wolf, Adm. de Empresas – Gerente e Proprietário da FAZENDA GAMADA
URT iLPF – NOVA CANAÃ DO
NORTE (MT)
Objetivo: Estudar 10 configurações de SILPF 
sustentabilidade (econômico, técnico, social e
ambiental);
Local: Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT;
Bioma: Amazônico (80% reserva legal);
Pluviometria: favorável (~ 2.000 mm/ano com
período seco nos meses de julho e agosto);
Solo: Latossolo Vermelho-Amarelo distroférrico,
textura média; baixa fertilidade natural;
HISTÓRICO DA ÁREA:
Aberta a mais de 10 anos  lavoura (arroz e soja) 
pecuária (B. brizanta cv Xaraés) nos últimos dois anos em
solo não degradado fisicamente (apenas quimicamente) 
viabilizou arroz em SPD.
PLANTIO DAS ESPÉCIES FLORESTAIS E
CULTIVO DO ARROZ NO SPD:
- dessecação sequencial em dez/2008;
- espécies florestais: uso de sub-solador com 3 hastes (0,5m)
e plantio manual;
- arroz: SPD com plantadeira de soja (0,45 m);
- operações simultâneas realizadas em 11 e 12/01/2009;
TRATAMENTOS
(CONFIGURAÇÕES DO ILPF):
TRAT.
SISTEMA
CONFIGURAÇÃO
ÁREA
01.
iLPF
Faixa de 200m de largura com povoamento de eucalípto (Eucalyptus
uro-grandis), intercalada a cada 20m por plantas de mógno, em linhas
únicas de 250m de comprimento separadas entre si por 20m e com
distância entre plantas de 2m (20m x 2m).
05 ha
02.
iLPF
Faixa de 200m de largura com povoamento de pinho cuibano,
intercalada a cada 20m por plantas de mógno, em linhas únicas de
250m de comprimento separadas entre si por 20m e com distância
entre plantas de 2m (20m x 2m).
05 ha
03.
iLPF
Faixa de 200m de largura com povoamento puro de eucalípto
(Eucalyptus uro-grandis) distribuídos em sub-faixas compostas por
duas linhas de 250m de comprimento separadas entre si por 3m, com
distância entre plantas de 2m e distancia entre sub-faixas de 20m
[20m / (3m x 2m)].
05 ha
04.
iLPF
Faixa de 200m de largura com povoamento puro de pinho cuibano
distribuídos em sub-faixas composta por duas linhas de 250m de
comprimento separadas entre si por 3m, com distância entre plantas
de 2m e distancia entre sub-faixas de 20m [20m / (3m x 2m)].
05 ha
05.
iLPF
Faixa de 200m de largura com povoamento puro de eucalípto
(Eucalyptus uro-grandis) distribuídos em sub-faixas composta por três
linhas de 250m de comprimento separadas entre si por 3m, com
distância entre plantas de 2m e distância entre sub-faixas de 20m
[20m / (3m x 2m)].
05 ha
06.
iLPF
Faixa de 200m de largura com povoamento puro de pinho cuibano
distribuídos em sub-faixas composta por três linhas de 250m de
comprimento separadas entre si por 3m, com distância entre plantas
de 2m e distância entre sub-faixas de 20m [20m / (3m x 2m)].
05 ha
TRATAMENTOS
(CONFIGURAÇÕES DO ILPF):
07.
iLPF
Faixa de 200m de largura com
povoamento puro de teca distribuída
em sub -faixas composta por três linhas de 250m de comprimento
separadas entre si por 3m, com distância entre plantas de 3m e
distancia entre sub-faixas de 20m [20m / (3m x 3m) ].
05 ha
08.
iLPF
Faixa de 200m de largura com povoamento puro de pau
-de-balsa
três linhas de 250m de
distribuída em sub -faixas composta por
comprimento separadas entre si por 3m, com distância entre plantas
de 3m e distancia entre sub -faixas d e 20m [20m / (3m x 3m)].
05 ha
09.
iLPF
Povoamento de eucalípto
(Eucalyptus uro -grandis) numa faixa
de
150m de largura composta por 37 linhas de 250m de comprimento
separadas entre si por 4m, com distância entre plantas de
3m (4m x
3m) consorci ado com forrageiras (gramíneas e leguminosas)
e
alternando com outra faixa de
150m de largura exclusiva de lavoura
(graníferas no verão e consórcios no inverno) .
15 ha
10.
iLPF
Povoamento de varjão numa faixa de 150m composta por 30 linhas de
250m de comprimento separadas entre si por 5m, com distância entre
plantas de 5m (5m x 5m) consorciado com forrageiras (gramíneas e
leguminosas) e alternando com outra faixa de
150m exclusiva de
lavoura (graníferas no verão e consórcios no inverno).
15 ha
11.
Lavoura
Lavoura tradicional predominante na região (testemunha)
05 ha
12.
Pecuária
Pecuária tradicional predominante na região (testemunha)
05 ha
13.
Floresta
Silvicult ura tradicional predominante na região (testemunha )
05 ha
85ha
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 1: 1 linha de E. uro-grandis a cada 20m (2 x 20)m (5 ha)
2m
Tratamento 1: 1 linha de E. uro-grandis a cada 20m (2 x 20)m – 250 pts/ha
Foto: nov/2009
20m
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 2: 1 linha de Pinho Cuiabano a cada 20m (2 x 20)m (5 ha)
20m
Tratamento 2: 1 linha de Pinho Cuiabano a cada 20m (2 x 20)m – 250 pts/ha
Foto: 15/12/2009 (11 meses)
2m
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 3: 2 linhas de E. uro-grandis a cada 20m [20 x (3 x2)]m (5 ha)
3m
Tratamento 3: 2 linhas de E. uro-grandis a cada 20m [20 x (3 x2)]m – 435 pts/ha
Foto: nov/2009.
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 4: 2 linhas de Pinho Cuiabano a cada 20m [20 x (3 x2)]m (5 ha)
3m
Tratamento 4: 2 linhas de Pinho Cuiabano a cada 20m [20 x (3 x2)]m – 435 pts/ha
Foto: nov/2009.
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 5: 3 linhas de E. uro-grandis a cada 20m [20 x (3 x2)]m (5 ha)
Tratamento 5: 3 linhas de E. uro-grandis a cada 20m [20 x (3 x2)]m – 577 pts/ha
Foto: out/2009.
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 6: 3 linhas de Pinho Cuiabano a cada 20m [20 x (3 x2)]m (5 ha)
3m
3m
2m
Tratamento 6: 3 linhas de Pinho Cuiabano a cada 20m [20 x (3 x2)]m – 577 pts/ha
Foto: out/2009.
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 7: 3 linhas de Teca a cada 20m [20 x (3 x 3)]m (5 ha)
20m
3m
3m
Tratamento 7: 3 linhas de Teca a cada 20m [20 x (3 x 3)]m – 385 pts/ha
Foto: 15/12/2009 (11 meses)
3m
2m
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Tratamento 8: 3 linhas de Pau d’Balsa a cada 20m [20 x (3 x 3)]m (5 ha)
20m
3m
3m
Tratamento 8: 3 linhas de Pau d’Balsa a cada 20m [20 x (3 x 3)]m
Foto: 15/12/2009 (11 meses)
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
ESTRATÉGIA PARA AS CONFIGURAÇÕES 1 A 8:
- 3 anos iniciais = (lavoura + floresta)  após 3o ano
= (pecuária + floresta)  7 a 20 anos;
- Lavoura: 1º ano = arroz + B. brizantha cv marandu
(rebrote); 2º ano = soja precoce + arroz precoce; 3º
ano = soja precoce + (arroz precoce ou consórcio
milho com forrageira (Brachiaria spp ou Panicum
spp)); 4º ano = consórcio milho com forrageira
(Brachiaria spp ou Panicum spp);
ESTRATÉGIA PARA AS CONFIGURAÇÕES 1 A 8:
- Pecuária: corte / recria e engorda; cruzamento
industrial da Rúbia galega x Nelore (F1) com venda
direta para Carrefour (agregação de valor);
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Trat. 9: Lavoura (150m) // E. uro-grandis (4 x 3)m + forrageira (150m) (15 ha)
150m
Trat. 9: Lavoura (150m) // E. uro-grandis (4 x 3)m – 833 pts/ha + forrageira (150m)
Foto: out/2009.
SILPF – Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT
Trat. 10: Lavoura (150m) // Varjão (4 x 3)m + forrageira (150m) (15 ha)
Trat. 10: Lavoura (150m) // Varjão (4 x 3)m – 833 pts/ha + forrageira (150m)
Foto: out/2009.
ESTRATÉGIA PARA AS CONFIGURAÇÕES 9 e 10:
- Faixa da floresta: solteira nos 2 anos iniciais 
(pecuária/braquiária + floresta) após 3o ano;
-Faixa da Lavoura: 1º ano = arroz + B. brizantha cv
marandu (rebrote); 2º ano = soja precoce + arroz
precoce (feijão-safrinha); 3º ano em diante = soja
precoce + granífera (milho / milheto / sorgo / arroz)
com forrageira (Brachiaria ruziziensis);
-Manejo do rebanho: período chuvoso (floresta) 
seco (floresta e consórcio de safrinha);
RESULTADOS TÉCNICO E
ECONÔMICO DO 1O ANO
AGRÍCOLA (2009-10):
BRS MONARCA, NO SPD, COM 50 DAE
BRS MONARCA, NO SPD, COM 50 DAE
Problemas com a colheita??
Nenhum!!
Problemas com a
produtividade do arroz??
BRS MONARCA
Produtividade: 60 scs/ha
Inteiros: 61%
Engenho: 72%
Receita: R$ 2.040,00 (R$ 34,00/sc)
Obs.: área útil de lavoura
Resultados – Econômicos 2008-09
Custo da implantação do eucalipto dentro do SILPF, no ano
agrícola 2008-09. Nova Canaã do Norte - MT, 2009.
INSUMOS
Adubo de Plantio (01-18-18) + micro
Herbicida Dessecante Glifosato (Agripec)
Mudas Eucalypto
SUB-TOTAL
SERVIÇOS
Aplic. Herbicida Dessecante (90-110 cv)
Subsolagem (120-145 cv)
Plantio Manual H/Dia
Transporte interno de insumos (70-90 cv)
Limpeza Manual (Coroamento)
SUB-TOTAL
TOTAL
QUANT/HA
UN
0,33
3,50
1.666,66
0,150
0,900
35,700
0,010
79,000
-
R$
ton
lts
un
UNITÁRIO
1.328,00
10,80
0,40
TOTAL/HA
440,90
37,80
666,66
1.145,36
hr
hr
hr
hr
hr
hr
59,88
84,70
3,75
51,81
3,75
-
8,98
76,23
133,88
0,52
296,25
515,86
1.661,22
R$/Metro
0,1323
0,0113
0,2000
0,3436
0,0027
0,0229
0,0402
0,0002
0,0889
0,1548
0,4984
Wruck & Cobucci, 2009. (Dados não publicados)
Resultados – Econômicos 2008-09
Custo da implantação do eucalipto dentro do SILPF, no ano
agrícola 2008-09. Nova Canaã do Norte - MT, 2009.
INSUMOS
Plantas
Adubo de Plantio (01-18-18) + micro
Herbicida Dessecante Glifosato (Agripec)
Mudas Eucalypto
SUB-TOTAL
SERVIÇOS
Aplic. Herbicida Dessecante (90-110 cv)
Subsolagem (120-145 cv)
Plantio Manual H/Dia
Transporte interno de insumos (70-90 cv)
Limpeza Manual (Coroamento)
SUB-TOTAL
TOTAL
1 linha X 20 M2 Linhas X 20M 3 linhas X 20M
250
434,75
576,9
500 M Linear 869,5 M Linear 1153,8 M Linear
66,1351
115,0089
152,6133
5,6701
9,8602
13,0842
100,0006
173,9010
230,7614
171,8057
298,7701
396,4589
1,3473
2,3430
3,1091
11,4346
19,8848
26,3865
20,0815
34,9216
46,3400
0,0777
0,1351
0,1793
44,4379
77,2776
102,5450
77,3790
134,5621
178,5599
249,1848
433,3323
575,0187
Wruck & Cobucci, 2009. (Dados não publicados)
Wruck & Cobucci, 2009. (Dados não publicados)
Resultados – Econômicos 2008-09
Custo da lavoura de arroz dentro do SILPF, no ano agrícola
2008-09. Nova Canaã do Norte - MT, 2009.
INSUMOS
Adubo de Plantio (01-18-18) + micro
Herbicida Dessecante Glifosato (Agripec)
Herbicida Dessecante 2,4 D (DMA)
Micronutriente Max Zinco
Enrraizador Trat. Semente Booster
Fungicida Trat. Semente vitaváx
Inseticida trat. Semente Standak
Micronutriente Broadacre Zn
Semente de arroz (BRS Monarca)
SUB-TOTAL
SERVIÇOS
Aplic. Herbicida Dessecante (90-110 cv)
Plantio e Adubação (120-145 cv)
Gradagem Aradora 1x (110-140 cv)
Gradagem Niveladora 2x (90-110)
Transporte interno de insumos (70-90 cv)
Tratamento de sementes
SUB-TOTAL
SUB-TOTAL - A
QUANT/H
UN
A
0,37 ton
3,50
lts
lts
lts
0,050
kg
0,12
lts
0,10
lts
0,50
lts
50,00
kg
0,150
0,400
0,030
0,200
hr
hr
hr
hr
hr
hr
VALOR / Ha (R$)
UNITÁRIO
TOTAL
1.328,00
491,36
10,80
37,80
12,06
4,00
116,38
5,82
22,96
2,76
265,50
26,55
55,17
27,59
1,35
67,50
659,37
59,88
84,70
84,70
84,68
51,81
3,25
8,98
33,88
1,55
0,65
45,07
704,44
VALOR TOTAL
23.437,87
1.803,06
277,57
131,42
1.266,44
1.315,80
3.219,75
31.451,91
428,44
1.616,08
74,14
31,01
2.149,66
33.601,57
Wruck & Cobucci, 2009. (Dados não publicados)
Resultados – Econômicos 2008-09
Custo da lavoura de arroz dentro do SILPF, no ano agrícola 2008-09. Nova
QUANT/H
VALOR / HA
Canaã do Norte - MT, 2009.
TRATOS CULTURAIS
UN
A
UNITÁRIO
TOTAL
INSUMOS
Wruck & Cobucci, 2009.
(Dados não publicados)
Cobertura Ureia
Herbicida Pós 30,7 Ha- Aura
Herbicida Pós 1ª aplicacao- Clincher
Herbicida Pós - Ally
Herbicida Pós 2ª aplicacao 17 Ha -Clincher
Oleo Mineral
Fungicida - Bim x1
Oleo Vegetal
Fungicida - Domark
Inseticida - Metafós - 1x / Metamidofós
Inseticida - Dissulfan - 1x / Dissulfan
Inseticida - Comanche
SUB-TOTAL
SERVIÇOS
Aplicação de cobertura x2 (90-110 cv)
Aplicação de fungicida x1 (90-110 cv)
Aplicaçã de inseticida -(90-110 cv)
Aplicação terrestre de herbicida x2 (90-110 cv)
Aplicação terrestre de Foliar (70-90 cv)
transporte interno x 1
Braçal temporário 01 H/Dia
SUB-TOTAL
SUB-TOTAL - B
0,13
0,50
1,20
0,004
1,00
0,75
0,25
0,75
0,40
0,50
0,80
0,08
ton
lts
lts
kg
lts
lts
kg
lts
lts
lts
lts
lts
848,00
23,42
79,16
1.550,00
79,16
3,78
110,00
4,10
28,80
10,40
8,61
14,80
110,24
11,71
94,99
6,20
79,16
2,84
27,50
3,08
11,52
5,20
6,89
1,18
360,50
0,15
0,10
0,13
0,03
0,03
hr
hr
hr
hr
hr
hr
hr
48,65
51,44
51,44
59,88
51,44
48,56
3,25
14,60
5,14
23,35
1,46
0,10
44,55
405,05
Resultados – Econômicos 2008-09
Custo da lavoura de arroz dentro do SILPF, no ano agrícola
2008-09. Nova Canaã do Norte - MT, 2009.
COLHEITA
Colheita mecanizada (150 cv)
Transporte interno colheita
Secagem (7,00%)
SUB-TOTAL - C
TOTAL A+B+C
QUANT/H
UN
A
0,400
hr
0,20
sc
5,00% %
VALOR / HA
UNITÁRIO
TOTAL
149,48
59,79
60,00
12,00
2.040,00
102,00
173,79
1.283,28
Wruck & Cobucci, 2009. (Dados não publicados)
Resultados – Econômicos 2008-09
Estimativa de produção do eucalipto dento do SILPF, em
função da sua configuração. Nova Canaã do Norte - MT,
2009.
Os cálculos em hectares. Dois regimes de manejo: a) Corte Final aos 7 anos e b) Desbaste de 33% aos 4 e Corte Final aos 7 anos
Tratamento
01. Eucal. / linha única
02. Pin. Cuib / linha única
03. Eucal. / linha dupla
04 Pin. Cuib / linha dupla
05. Eucal. / linha tripla
06. Pin. Cuib / linha tripla
07. Teça. / linha tripla
08. Pau-de-balsa / lin tripla
09. Eucal.-lavoura / faixas
10. Varjão-lavoura / faixas
11. Floresta
Plantas
250
400
525
1. CF 7 anos
(168 m3 - 50%
Serraria e 50%
energia)
Teca*
Mogno
Pau-de-balsa
Jatobá
2. D. 33% aos 4 anos (20 m3 energia) CF 7 anos ( 145 m3 - 60% Serraria e 40% energia)
20
1. CF 7 anos (198 m3 - 50% Serraria e20
50% energia)
2. D. 33% aos 4 anos (28 m3 energia) CF 7 anos ( 162 m3 - 60% Serraria e 40% energia)
1. CF 7 anos (221 m3 - 50% Serraria e 50% energia)
2. D. 33% aos 4 anos (36 m3 energia) CF 7 anos ( 173 m3 - 60% Serraria e 40% energia)
525
417
1666
1. CF 7 anos (140 m3 - 30% Serraria e 70% energia)
349- 40% Serraria e 60% energia)
2. D. 33% aos 4 anos (26 m3 energia) CF 7 anos ( 106 m3
1. CF 7 anos (280 m3 - 30% Serraria e 70% energia)
2. D. 33% aos 4 anos (52 m3 energia) CF 7 anos (212 m3 - 40% Serraria e 60% energia)
CF: Colheita Final
D: Desbaste
Fonte: Sis-Eucalipto / Embrapa Floresta Oliveira (2009)
Resultados – Econômicos 2008-09
Custo total (R$ ha-1) do SILPF, em função da sua
configuração, no ano agrícola 2008-09 (implantação). Nova
Canaã do Norte - MT, 2009.
Tratamento Redução área
Custo (R$/ha)
(configuração) de Arroz (%) Eucalipto Euc. /ano* Arroz
1 LinhaX20M
10,00
249,18
35,60
1154,95
2 linhas X20M
21,73
433,33
61,90
1004,20
3 linhasX20M
30,76
575,02
82,15
888,54
Arroz Solteiro
0,00
0,00
0,00
1283,00
Euc. (3X2)
1660,95
237,28
0,00
* Amortização 7 anos
Wruck & Cobucci, 2009. (Dados não publicados)
Total
1190,55
1066,11
970,69
1283,00
237,28
Resultados – Econômicos 2008-09
Margem líquida (R$ ha-1) do SILPF, em função da sua
configuração, no ano agrícola 2008-09 (implantação). Nova
Canaã do Norte - MT, 2009.
Tratamentos
Redução área
Produtividade
Receita Bruta (R$/ha)
3
de Arroz (%) Eucalipto (m )/ano* Arroz (sc/ha) Eucalipto** Arroz *** Total
1 LinhaX20M
10,00
24,0
54,0
480,0
1836,0
2316,0
2 linhas X20M
21,73
28,2
47,0
564,0
1596,7
2160,7
3 linhasX20M
30,76
31,5
41,5
630,0
1412,5
2042,5
Arroz Solteiro
0,00
60,0
0,0
2040,0
2040,0
Euc. (3X2)
40,0
0,0
800,0
0,0
800,0
* Produtividade estimada Fonte: Sis-Eucalipto / Embrapa
** R$ 20,00/m3 (energia) Floresta Oliveira (2009)
*** R$ 34,00/SC
Margem Líquida
R$/ha
%
1125,4
149
1028,5
136
973,1
129
757,0
100
562,7
74
1 linha x 20m  R$ 1.125,40 (49%)
Wruck & Cobucci, 2009. (Dados não publicados)
Resultados – Econômicos 2009-10
Margem líquida (R$ ha-1) do SILPF, em função da sua
configuração, no ano agrícola 2009-10 (implantação). Nova
Canaã do Norte - MT, 2010.
Tratamentos Redução área
Produtividade
Receita Bruta (R$/ha)
3
de Soja (%) Eucalipto (m)/ano*Soja (sc/ha) Eucalipto**Soja *** Total
1 LinhaX20M
10,00
24,0
53,9
720,0
1276,56 1996,56
2 linhas X20M
21,73
28,2
46,2
846,0
1110,18 1956,18
3 linhasX20M
30,76
31,5
40,9
945,0
982,10 1927,10
Soja Solteira
0,00
59,1
0,0
1418,40 1418,40
Euc. (3X2)
40,0
0,0
1200,0
0,0
1200,0
* Produtividade estimadaFonte: Sis-Eucalipto / Embrapa
3
** R$ 30,00/m (energia) Floresta Oliveira (2009)
*** R$ 24,00/SC
Margem Líquida
R$/ha
%
772,12
765,37
786,88
151,81
100
827,00
3 linhas x [3x2]x20m  R$ 786,88
Wruck & Cobucci, 2010. (Dados não publicados)
Resultados Fitotécnicos
1a AVALIAÇÃO DAS ESPÉCIES FLORESTAIS (05/07/09)
URT ILPF - FAZENDA GAMADA, NOVA CANAÃ (MT)
1º TRATAMENTO
PLANTA
Eucaliptus urograndis
Mogno
EXCELENTE
%
212
22,2%
26
25,5%
BOM
501
33
%
52,5%
32,4%
MÉDIO
137
26
%
14,4%
25,5%
RUIM
54
12
%
MORTA %
5,7%
51
5,3%
11,8%
5
4,9%
TOTAL
955
102
2º TRATAMENTO
Eucaliptus urograndis
267
14,5%
1.130
61,5%
275
15,0%
81
4,4%
86
4,7%
1.839
3º TRATAMENTO
Eucaliptus urograndis
256
9,0%
1.720
60,7%
472
16,7%
144
5,1%
240
8,5%
2.832
4º TRATAMENTO
Teca
368
26,0%
461
32,6%
358
25,3%
156
11,0%
72
5,1%
1.450
5º TRATAMENTO
Pinho cuiabano
Mogno
342
36
37,2%
33,3%
344
37
37,4%
34,3%
135
21
14,7%
19,4%
54
10
5,9%
9,3%
45
4
4,9%
3,7%
920
108
6º TRATAMENTO
Pinho cuiabano
421
22,9%
863
47,0%
320
17,4%
88
4,8%
144
7,8%
1.836
7º TRATAMENTO
Pinho cuiabano
482
17,2%
1.357
48,4%
619
22,1%
176
6,3%
168
6,0%
2.802
8º TRATAMENTO
Pau-de-balsa
324
22,3%
687
47,4%
354
24,4%
68
4,7%
17
1,2%
1.450
TOTAL DE PLANTAS
14.294
Resultados Fitotécnicos
2a AVALIAÇÃO DAS ESPÉCIES FLORESTAIS (23/07/09)
2
1,8A
1,56AB
1,46B
ALTURA (m)
1,75A
1,73A
1,36B
1,06C
1,04C
1
0,71D
0,3E
0
varjao
puro
euctriplo
teca
tripla
pinho
triplo
euc- euc puro eucsimples
duplo
pau
balsa
triplo
pinhpduplo
pinho
simples
TRATAMENTOS
23/07/2009
Figura 1. Altura de espécies florestais submetidas a diferentes configurações dentro do
sistema de integração lavoura-pecuária-floresta. Plantio em fev/março de 2009. Médias
antecedidas pela mesma letra maiúscula não diferem entre si pelo teste de Tukey, em
nível de 5% de probabilidade.
Resultados Fitotécnicos
2a AVALIAÇÃO DAS ESPÉCIES FLORESTAIS (23/07/09)
5
3,85A
DIAMETRO (cm)
4
3
2,48BC
2
1
1,91D
1,97D
2,1CD
euctriplo
teca
tripla
pinho
triplo
2,71B
2,81B
2,82B
2,91B
pau
balsa
triplo
pinhpduplo
0,69E
0
varjao
puro
euc- euc puro eucduplo
simples
pinho
simples
TRATAMENTOS
23/07/2009
Figura 2. Diâmetro de colmo de espécies florestais submetidas a diferentes configurações
dentro do sistema de integração lavoura-pecuária-floresta. Plantio em fev/março de 2009.
Médias antecedidas pela mesma letra maiúscula não diferem entre si pelo teste de Tukey,
em nível de 5% de probabilidade
PRINCIPAIS DESAFIOS:
- controle de plantas daninhas no sistema
- controle de pragas (bicho serrador??)
- controle de pragas (maritacas ??)
- folhas rendilhadas em eucalipto;
PROBLEMAS DE IMPLATAÇÃO
• FAIXA DA FLORESTA NO TRATAMENTO 9:
• Espaçamento (4x3) m insuficiente (833 plantas/ha);
• Sugestão atual: (5x4)m (500 plantas/ha) ou (6x3)m (555
plantas/ha) ou (6x4) m (416 plantas/ha);
PROBLEMAS DE IMPLATAÇÃO
20m
• ESPAÇAMENTO ENTRE RENQUES NOS
TRATAMENTO DE 1 A 8:
• Espaçamento de 20 m insuficiente (18m + 1m +1m);
• Sugestão atual: 18m + 2m +2m;
PROBLEMAS DE IMPLATAÇÃO
3m
• ESPAÇAMENTO ENTRE LINHAS NOS
TRATAMENTOS DE 3 AO 8:
• Espaçamento de 3 m insuficiente;
• Sugestão atual: 4m (melhor controle de plantas daninhas);
PRINCIPAIS ENTRAVES NA
IMPLANTAÇÃO E EXPANSÃO
DA ILPF:
Quebra de paradígma;
Profissionais qualificados;
Complexidade;
Falta de produtos para o sistema;
Trabalho e planejamento;
Falta de recursos para investimento.
Paraná
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
Porfírio, 2007
•Pastagem + Eucalipto + Boi
Bovinocultura de corte (cria, recria e engorda)
Cruzamento industrial (produção de novilho precoce)
Boi Verde (produzido exclusivamente à pasto)
Foto:Votorantim Metais
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
Paracatu-MG
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
Foto:Votorantim Metais
Vazante-MG
Alto Araguaia (MT)
400ha – Solo arenoso
Pres. Prudente (SP)
50ha – Solo arenoso
PARCEIRO PRIVADO NO PROJETO DE
TT-ILPF NO BRASIL:
PARCEIROS LOCAIS EM NOVA CANAÃ
DO NORTE (MT):
URT Nova Canaã do Norte, MT.
MUITO OBRIGADO!
Flávio Jesus Wruck
Pesquisador Embrapa Arroz e Feijão
[email protected]
(66) 3532-6287

similar documents