- GEAC-UFV

Report
DVT-UFV
2010
Cardiologia
MV. Daniel Galante Brezinski – Graduado: IESES,FACASTELO
Especializando em Clínica Médica e Cirurgia de Pequenos Animais
UFV.
Eletrocardiografia (ECG)

É o registro gráfico da atividade elétrica cardíaca
captada por eletrodos na superfície corpórea.
Um paciente hígido pode ter
um ECG alterado e um cardiopata
pode ter um ECG normal.
Indicações para realização de eletrocardiografia
Arritmias
Distúrbios de condução
Distúrbios de excitação
Monitoração de terapias medicamentosas
Distúrbios eletrolíticos
Hipóxia, isquemia de miocárdio
Efusão pericárdica
Indício indireto de aumento de câmaras cardíacas
História da
Eletrocardiografia
Augustus Waller (1887)
Eletroscópio capilar com eletrodos precordiais
Willeim Einthoven (1903)
Galvanômetro de corda (P. Nobel Medicina e Fisiologia em 1924)
Permitiu o emprego de eletrodos periféricos
Derivações bipolares dos membros ( I, II ,III )
Triângulo equilátero - centro elétrico do coração
Nomenclatura das ondas P, QRS, T
História da
Eletrocardiografia
Wilson (1934)
Central terminal de potencial zero
Desenvolvimento das derivações “unipolares”derivações V (precordiais).
American Heart Association - Cardiac Society of Great
Britain and Ireland 1938
Padronização das derivações precordiais V1-6
Kossan e Johnson 1935
Derivações Vr, Vl ,Vr
Golberger (1942)
Derivações aVR, aVL, aVF
Anatomia
Condução Elétrica
DII
Bomba Cardíaca
Eletrocardiografia
 História
Século xx
Willem Einthoven
Vetor Cardíaco
Direita
Esquerda
Vetor Cardíaco
º
Deflexão
Positiva
Vetor Cardíaco
º
Isoelétrica ( nula,
pequena OU bifásica)
Vetor Cardíaco
º
Deflexão
Negativa
Diferencial de Potencial
Eletrocardiógrafo
 Galvanômetro Eletrocardiográfico
 Calibração = 1mV
 Sensibilidade:



½ N = 0,5 mV
N = 1 mV
2 N = 2 mV
 Velocidade = 25 mm/s ou 50 mm/s
2
1
1/2
Derivações
Planos Frontais
Derivações Bipolares:
I,II,III (3 derivações de Einthoven)
Derivações unipolares aumentadas:
aVR, aVL e aVF.
Derivações
Derivações Bipolares
DI
DII
DIII
Unipolares aumentas
Conhecendo o Papel Milimetrado
 Termossensível
 Divisão entre quadros e quadrinhos.
 Quadro: 5mm x 5mm, contém 25 quadrinhos
 Quadrinho: 1 mm X 1mm
 Na altura: Representa voltagem (mV)
 No comprimento: Representa tempo (segundos)
1 quadrinho: 0,1 mV , 0,04 s
1 quadro= 0,5 mV , 0,2 s
25 mm/s
1 quadrinho: 0,1 mV , 0,02 s
1 quadro= 0,5 mV , 0,1 s
50 mm/s
1 intervalo: 15 quadros, a 50 mm/s = 1,5 segundos
15 quadros, a 25 mm/s = 3 segundos
2 intervalos: 30 quadros, a 25 mm/s = 6 s
30 quadros, a 50 mm/s = 3 s
Posicionamento do Paciente
e Fixação dos Eletrodos
 Animal em decúbito lateral.
 Mesa isolada (borracha)
 Evitar aparelhos eletrônicos não devidamente
aterrados no recinto do exame.
 Longe das paredes.
 Fixação dos eletrodos: Cardioclípes, agulhas
hipodérmicas, terminais do tipo jacaré, eletrodos
descartáveis auto-adesivos
Posicionamento e fixação dos
eletrodos
1 mV
0,1 mV
0,1 s
0,02 s
Velocidade: 50 mm/s.
Considerações
 Será usado como base o eletrocardiograma registrado
em derivação II, no plano frontal.
DII
Formação das Ondas
Formação
das ondas
eletrocardiográfica
Ondas e complexos
R
p
q
R
t
s
t
p
q
s
Onda p
 Registro da atividade elétrica da despolarização atrial.
 Cão: milivolt = Máximo: 0,4 mv
Segundos = Máximo: 0,04 s (raças pequenas)
0,05 s (raças gigantes)
Geralmente + em DII
p
Complexo QRS
 Refere-se a atividade elétrica da despolarização
ventricular, correlacionado a contração ventricular.
 São geradas 3 ondas, formando um complexo. Os
diferentes sentidos de despolarizações explicam as
deflexões de diferentes polaridades.
R
q
s
Complexo QRS
 Onda q (1ª fase de despolarização ventricular)
 Ativação Septal. É a primeira deflexão negativa após a
onda p.
Ativação septal
Complexo QRS
 Onda R (2ª fase de despolarização ventricular)
 Positiva em DII.
Condução : Endocárdio para epicárdio
Ativação do ápice e paredes livres
Complexo QRS
 Onda s (3ª fase de despolarização ventricular)
 A despolarização se move no sentido oposto ao eletrodo
explorador (+).
Ativação das paredes livres da região basal
E ativação do septo
QRS
 Cão: Tempo = Máximo: o,05 s (raças pequenas)
Máximo: 0,06 s (raças gigantes)
Amplitude de onda R= Máxima: 2,5mV (raças pequenas)
Máxima: 3,0mV (raças gigantes)
Não válido para cães magros, com tórax profundo e com
menos de 2 nos de idades
Onda T
 Representa a repolarização ventricular.
 Não deve ultrapassar 25% da amplitude da onda R.


Pode ser positiva, negativa ou bifásica.
A onda t normal é levemente assimétrica
Interpretação do Traçado
Eletrocardiográfico
 Ritmo
 Frequência Cardíaca
 Mensuração das ondas, segmentos e intervalos
 Eixo elétrico médio
RÍTMO
 É sinusal?
 Identificar ondas P

Morfologia e regularidade
 Existe correlação entre ondas p e complexos QRS
 1 onda p / complexo qRs e 1 complexo qRs / 1 onda p
 PR constante
 Identificar complexo qRs:
 Configuração, uniformidade e regularidade
 Ritmo
 Regular
 Regularmente Irregular
 Irregular
FC
Em 25 mm/s
Ritmo irregular
Estabelecer a Frequência Cardíaca
1 Intervalo: 15 quadros, a 50 mm/s = 1,5 segundos
2 intervalos: 30 quadros, a 50 mm/s = 3 segundos
Nº de R . 20 = frequência cardíaca, BPM
Ritmo regular
Estabelecer a Frequência Cardíaca
Intervalo entre 2 ondas R
3000/Nº de quarinhos = FC
Ritmo regular
Estabelecer a Frequência Cardíaca
Intervalo entre 2 ondas R
600/ Nº de quadros = FC
Mensuração das ondas, segmentos
e intervalos
Exemplo: Mensuração da onda P
0,3 mV
0,06s.
Eixo elétrico Médio
Eixo elétrico Médio
Eixo elétrico Médio
Com uma derivação em isoeletricidade
Eixo elétrico Médio
Observação de traçados ECG
Sinus rhythm
Ritmo sinusal normal
Bradicardia sinusal
Taquicardia sinusal
Arritmia sinusal
Marcapasso migratório
Ritmo sinusal Normal
Ritmo Sinusal Normal
Bradicardia Sinusal
Taquicardia Sinusal
Arritmia sinusal respiratória
Marcapasso migratório
Arritmias Juncionais
Ritmo Juncional (atrioventricular)
Complexo juncional prematuro
Taquicardia juncional
Ritmo juncional de escape
Complexo juncional prematuro
Taquicardia juncional
Ritmo juncional de escape
 Semelhante aos complexos prematuros, porém ocorre
de forma compensatória a uma longa pausa de
estímulos sinusais.
Anormalidades na formação do impulso
Supraventriculares
Sinus arrest (parada atrial)
Complexo atrial prematuro (APCs)
Taquicardia atrial
Flutter atrial
Vibrilação atrial
Sinus Arrest
APCs
(Complexos atriais prematuros)
Taquicardia Atrial
Flutter atrial
Fibrilação atrial
Arritimias ventriculares
 Complexo ventricular Prematuro (VPCs)
 Taquicardia ventricular
 Flutter ventricular
 Fibrilação ventricular
 Assistolia ventricular
 Ritmo de escape ventricular
VPCs
Taquicardia ventricular Paroxística
Taquicardia Ventricular sustentada
Taquicardia Ventricular sustentada
Flutter ventricular
Fibrilação Ventricular
Ritmo de escape ventricular
 Possuem aspecto semelhante aos VPCs, porém
ocorrem em compensação a algum distúrbio, e
possuem um ritmo menor do que aquele sinusal ou
juncional.
Assistolia Ventricular
Distúrbios de Condução
 Bloqueio sinoatrial
 Silencio atrial
 bav
Bloqueio atrioventricular
 Bloqueio AV Primeiro Grau
Bloqueio atrioventricular
 Bloqueio AV segundo grau, tipo Mobitz I, Fenômeno weekenbec
Bloqueio atrioventricular

Bloqueio AV segundo grau, tipo Mobitz II.
Bloqueio atrioventricular
 Bloqueio AV terceiro grau. Completo e
permanente.
Parada Cardiocirculatória
 Fibrilação
 Assistolia
 Dissociação Eletromecânica
Fibrilação Ventricular
Fibrilação Ventricular
 A Fibrilação é uma atividade caótica dos átrios e ventrículos.
Como as despolarizações são desordenadas, não formam
um vetor cardíaco definido, formando um traçado
desordenado.

As setas representam um
disparo elétrico para que
outras células se despolarizem
funcionam como marcapassos,
como focos ectópicos.
 Os estímulos para a despolarização cardíaca partem de
vários focos ectópicos, causando contrações desordenadas,
não produzindo adequado débito crdíaco
Fibrilação
Assistolia

similar documents