O que é Câncer de Próstata?

Report
Tudo sobre
Câncer de Próstata
www.oncoguia.org.br
O que é Câncer de Próstata?
A próstata é uma glândula do sistema genital
masculino.
Localiza-se
próxima
à
bexiga
cercando a uretra na sua porção inicial. As
secreções
prostáticas
são
o
maior
componente do líquido seminal ou esperma.
O câncer de próstata é o mais comum em
homens com mais de 50 anos de idade depois
do câncer de pele. Esse tipo de câncer
geralmente apresenta crescimento lento e
pode não causar grandes danos. Porém,
alguns casos de câncer de próstata são mais
agressivos e podem se espalhar para outros
órgãos
caso
tratamento.
www.oncoguia.org.br
o
paciente
não
procure
Sintomas do Câncer de Próstata
Em estágios iniciais, o homem geralmente não sente nada. Conforme o tumor cresce,
os sintomas que podem aparecer são:
•Vontade frequente de urinar, especialmente durante a noite
•Dificuldade para urinar
•Fluxo urinário fraco ou interrompido
•Dor ou sensação de queimação ao urinar ou ejacular
•Sangue na urina ou no sêmen
Vale dizer que estes sintomas não significam a existência de câncer. O câncer de
próstata somente é diagnosticado por meio de exames clínicos, laboratoriais e
biópsia.
www.oncoguia.org.br
Hiperplasia da Próstata ou Câncer de Próstata?
A próstata pode aumentar de tamanho conforme o
homem vai ficando mais velho, podendo, às vezes,
pressionar a bexiga ou a uretra , o que pode causar
sintomas parecidos com os do câncer de próstata.
Esse alargamento da próstata é conhecido como
Hiperplasia benigna, não se trata de câncer e pode
ser tratado caso os sintomas se tornem muito
incômodos. Outro problema que pode apresentar
sintomas parecidos com os do câncer de próstata
pode estar relacionado com a prostatite, uma
inflamação ou infecção que pode causar alguns
sintomas importantes como dor e febre.
www.oncoguia.org.br
Fatores de risco que você NÃO PODE controlar
Envelhecer é o fator de risco mais importante para o aparecimento do câncer de
próstata. O risco aumenta principalmente depois dos 50 anos de idade.
Estudos sugerem que depois dos 70 anos de idade uma grande proporção dos
homens desenvolverão câncer de próstata, mesmo sem sintomas evidentes.
Histórico familiar aumenta o risco de desenvolver câncer de próstata: ter pai ou
irmão com a doença em idade inferior aos 60 anos pode dobrar o risco de um
homem.
www.oncoguia.org.br
Fatores de risco que você PODE controlar
A alimentação parece ter um papel importante para o
desenvolvimento (ou não) do câncer de próstata. A
doença é muito mais comum em países onde carne
vermelha e alimentos ricos em gordura são
consumidos com frequência.
A ligação entre alimentação e desenvolvimento do
câncer não é clara. Porém, acredita-se que o
consumo de carne vermelha pode aumentar a
produção de hormônios masculinos e isso pode levar
ao aparecimento do câncer de próstata.
Uma dieta pobre em frutas e vegetais também pode
ser prejudicial e favorecer o aparecimento desse tipo
de câncer.
www.oncoguia.org.br
Mitos sobre o Câncer de Próstata
Listamos aqui algumas coisas que NÃO causam câncer de próstata:
•Vida sexual ativa,
•Vasectomia,
•Masturbação.
•Hiperplasia prostática também não significa que o risco para o câncer de próstata
é maior.
Pesquisadores ainda estão estudando se o consumo de bebidas alcoólicas,
doenças sexualmente transmissíveis ou prostatite influenciam no aparecimento do
câncer de próstata.
www.oncoguia.org.br
É possível detectar o Câncer de Próstata em estágio inicial?
É muito importante consultar com seu médico e conversar sobre realizar exames de
rastreamento. O que se aconselha é que os exames de rastreamento comecem:
•Entre os 45 e 50 anos para homens dentro do padrão normal de risco.
•Aos 40 para homens com histórico familiar (pai ou irmão com câncer de próstata)
Recomenda-se que o primeiro exame de sangue para medir o PSA (proteína produzida pelas
células da próstata) seja feito aos 40 ou 50 anos. É importante lembrar que exames de
rastreamento podem detectar cânceres de crescimento tão lento que. Em se tratando de um
paciente idoso, tratamentos não serão, necessariamente, indicados. Tratamentos para o
câncer de próstata podem ter efeitos colaterais importantes para o homem.
No momento, não existem evidências de que o rastreamento para o câncer de próstata na
população inteira acima de 50 anos reduza a mortalidade pela doença. Desta forma, o
Instituto Nacional de Câncer não recomenda o rastreamento para o câncer de próstata
www.oncoguia.org.br
Toque retal e PSA
O seu médico provavelmente irá fazer o toque retal com a finalidade de procurar
massas ou detectar regiões mais duras na próstata. Um exame de sangue também
é necessário para medir a presença de PSA no sangue (o PSA é produzido pelas
células da próstata).
Um nível elevado de PSA no sangue pode indicar que a pessoa esteja com câncer
na próstata. No entanto, há outras condições que podem aumentar o PSA, de
modo que seu aumento nem sempre indica câncer.
É possível ainda que, mesmo com um nível de PSA normal, seja detectado o
câncer de próstata.
www.oncoguia.org.br
Resultados do PSA
Um nível de PSA considerado normal deve estar abaixo de 4 nanogramas por
milímetro (ng/ml) de sangue. Um PSA com valores acima de 10 ng/ml sugere alto
risco de câncer na próstata. Porém, é preciso ressaltar que:
•Homens podem ser diagnosticados com câncer de próstata mesmo que apresentem
PSA menor que 4 ng/ml
•Inflamação na próstata (prostatite) ou hiperplasia prostática podem aumentar o nível
de PSA no sangue; outros exames devem ser realizados para determinar ou não o
diagnóstico.
•Alguns remédios para hiperplasia prostática podem diminuir o nível de PSA no
sangue (mesmo com a presença de um câncer de próstata).
•Se o valor de PSA no sangue ou o exame de toque derem anormais, o médico
provavelmente solicitará exames adicionais.
www.oncoguia.org.br
Biópsia
Se o exame físico (de toque) ou o PSA apontarem anormalidades, o médico
solicitará que seja realizada uma biópsia.
A biópsia é um procedimento em que são retirados fragmentos de tecido do
tumor para serem examinados procurando células malignas.
A biópsia é o exame que identifica células cancerígenas, portanto é o exame
que dá o diagnóstico da doença.
www.oncoguia.org.br
Biópsia e Graduação de Gleason
O Sistema de Graduação de Gleason é utilizado para avaliar ou "graduar" as células
de câncer de próstata obtidas através de biópsia por agulha.
Um médico patologista irá buscar células que apresentem anormalidades e também irá
analisar os tecidos retirados na biópsia a partir da Escala de Gleason, dividida em 5
níveis.
Os diferentes níveis determinados pela Escala de Gleason ajudam a identificar as
chances do câncer se espalhar ou não. Eles variam entre 2, tipo menos agressivo, até
10, tipo muito agressivo.
Identificar a agressividade do tumor é extremamente importante uma vez que contribui
para a definição do tratamento mais adequado.
www.oncoguia.org.br
Outros exames…
Alguns homens precisam de testes adicionais para confirmar se o câncer está
localizado só na próstata ou existem metástases (se espalhou) para outras
partes do corpo.
Os exames podem incluir ultrassom, tomografia, ressonância magnética e
cintilografia óssea para determinar se existem metástases nos ossos.
www.oncoguia.org.br
Estadiamento
O estadiamento mostra qual o estágio em que a doença se encontra e ajuda a
determinar o melhor tratamento:
•Estágio I: O câncer é pequeno e encontra-se apenas na próstata
•Estágio II: O câncer já é um pouco maior, porém se encontra apenas na próstata.
•Estágio III: O câncer já encontra-se na parte externa da próstata e próximo à
vesícula seminal
•Estágio IV: O câncer já alcançou o sistema linfático, órgãos ou tecidos próximos,
como a bexiga ou o reto ou mesmo órgãos distantes, como ossos e pulmões.
www.oncoguia.org.br
As chances de cura
A boa notícia é que o câncer de próstata geralmente apresenta crescimento
lento e 9 entre 10 casos são diagnosticados em estágios iniciais, quando
pacientes fazem rastreamento.
Normalmente, a grande maioria dos pacientes diagnosticados com câncer
localizado apenas na próstata têm expectativas de vida muito boas.
Quando o câncer já apresenta metástase (ou seja, quando já espalhou-se por
outras partes do corpo) o cenário é um pouco mais complicado, mas ainda assim
o tratamento consegue proporcionar muitos anos de vida na grande maioria dos
casos.
www.oncoguia.org.br
Tratamento versus Observação
Para pacientes idosos e com câncer em estágios muito inicias, recomenda-se
frequentemente observar vigilantemente.
A escolha do melhor tratamento é determinada pela biópsia, pelo PSA no sangue e pela
Escala de Gleason. O médico irá sugerir exames de controle periódicos.
Os tratamentos – que podem causar problemas relacionadas à sexualidade e
problemas urinários – podem não ser necessários caso o câncer seja inicial e pouco
agressivo.
O início do tratamento pode ser adiado para homens com idade mais avançada ou de
saúde frágil. Tratamentos mais agressivos são recomendados para homens mais novos
ou para aqueles que possuem um estadiamento intermediário da doença.
www.oncoguia.org.br
Tratamento: Radioterapia
A Radioterapia pode ser usada como primeira opção de tratamento curativo ou
após a cirurgia da próstata. Também pode contribuir para aliviar as dores nos
ossos provocadas pela disseminação do câncer pelo corpo.
Esse tratamento pode apresentar os seguintes efeitos colaterais: fadiga,
problemas urinários, diarreia entre outros.
www.oncoguia.org.br
Tratamento: Cirurgia
Remover a próstata é um tratamento utilizado para eliminar o tumor quando ele
está confinado na próstata.
Se as células cancerígenas já estiverem localizadas no sistema linfático, a
remoção da próstata pode não ser a melhor opção pois pode deixar para trás
alguma doença microscópica.
Após a cirurgia podem apresentar-se alterações na função urinária e erétil
decorrentes do procedimento.
www.oncoguia.org.br
Tratamento: Hormonioterapia
A hormonioterapia pode deter ou diminuir o processo de crescimento do câncer,
mas como tratamento isolado não consegue eliminar o câncer (deve ser
associado a outros tratamentos).
O tratamento visa deter a produção de testosterona e outros hormônios
masculinos, chamados andrógenos.
Entre os efeitos colaterais desse tratamento, estão: ondas de calor, crescimento
do tecido mamário, ganho de peso e impotência sexual.
www.oncoguia.org.br
Tratamento: Quimioterapia
A quimioterapia é um tratamento sistêmico, ou seja, ataca não apenas a células
cancerígenas, mas as saudáveis também, e por isso o paciente pode
apresentar efeitos colaterais como: queda dos cabelos e feridas na boca. Outros
efeitos colaterais incluem: náusea, vomito e fadiga.
Esse tratamento é recomendado para tratar cânceres em estágio avançado ou
que não mais respondem à hormonioterapia. O medicamento administrado é,
geralmente, endovenoso, e o tratamento pode durar muitos meses, se a doença
estiver respondendo.
www.oncoguia.org.br
Tratamento: Crioterapia
A crioterapia congela e mata as células cancerígenas da próstata. Esse método
não é muito utilizado pois os benefícios a longo prazo ainda não estão bem
definidos.
É um tratamento menos invasivo se comparado à cirurgia e o processo de
recuperação também é mais rápido.
A crioterapia tem indicações bastante limitadas e somente deve ser feita em
centros com expertise, ainda raros no Brasil.
www.oncoguia.org.br
Tratamento: Vacina
A vacina não está disponível no Brasil. Trata-se de tratamento em que sangue
do paciente é colocado em contato com determinadas proteínas de câncer de
próstata em um laboratório e depois reinfundido no paciente.
Este tratamento não é curativo, mas pode prolongar a sobrevida de pacientes
que já esgotaram o tratamento hormonal.
Seu custo e dificuldade em sintetizar a vacina personalizada impedem sua
aplicabilidade ampla no mundo.
www.oncoguia.org.br
Esperança para casos avançados
Seu médico continuará monitorando os níveis de PSA no sangue e poderá pedir
outros exames depois que o tratamento para o câncer de próstata terminar. Se o
câncer se espalhar por outras partes do corpo um tratamento adicional
provavelmente será recomendado.
Adotar hábitos de vida saudáveis também são importantes para ter qualidade de
vida após o tratamento do câncer.
www.oncoguia.org.br
Lidando com a Disfunção Erétil
A Disfunção Erétil é um dos efeitos colaterais dos tratamentos para câncer de
próstata.
Geralmente, a ereção tende a melhorar nos 2 anos após a cirurgia. As chances
de melhora são maiores em homens mais novos.
Remédios e tratamentos para disfunção erétil também podem contribuir para
recuperar funções perdidas.
www.oncoguia.org.br
Dieta saudável
Para aqueles que passaram por um câncer a adoção de hábitos alimentares
saudáveis pode contribuir para melhorar sua qualidade de vida. Veja nossas dicas:
• Consumir frutas e vegetais regularmente
• Consumir grãos
• Limitar ou eliminar o consumo de carne processada (cachorro quente, bacon,
outros)
• Limitar consumo de gordura
• Limitar o consumo de álcool a 1-2 drinques por dia (isso se você beber)
Comidas ricas em Ácido Fólico podem ter ação positiva contra o câncer de
próstata (espinafre, suco de laranja, lentilhas). Estudos mostram que o licopeno,
substância antioxidante encontrada no tomate, também é benéfico para a saúde!
www.oncoguia.org.br

similar documents