Slide 1 - Instituto Giramundo Mutuando

Report
Informativo
Número 1 | Abril de 2012 | Botucatu/SP
[email protected]
Extensão Rural Agroecológica no âmbito da Articulação Paulista de Agroecologia:
unidades de referência, formação de formador, redes de apoio técnico e de consumo e
mecanismos participativos de garantia da qualidade orgânica
Sabemos que a crise ambiental e social em que
vivemos é fruto, entre outros fatores, do uso do
conhecimento científico no favorecimento de indústrias
químicas e de tecnologia. Os agrotóxicos, o desmatamento,
a emissão de gases poluentes decorre, em certa medida, do
desenvolvimento e aplicação de tecnologias difundidas
dentro das universidades e centros de pesquisa. O crescente
número de famintos e os desequilíbrios ambientais poderiam
ser evitados caso houvesse o entendimento das
universidades, centros de pesquisa, assistência técnica e
extensão rural da importância de se trabalhar a natureza a
favor da produção agrícola e não como algo que se deve
combater, controlar e adaptar.
Um processo que tornou as o processo de produção
agropecuário dependente de insumos químicos e de
maquinário pesado, que contribuiu para expulsar do campo a
grande maioria dos agricultores familiares. As consequências
ambientais da RV foram ainda mais contundentes; enormes
quantidades de água e do solo foram contaminadas, houve
uma perda incalculável de biodiversidade e imensas áreas
de florestas e biomas naturais destruídos. Atribui-se ainda à
RV as migrações populacionais aos grandes centros e a
crescente violência das cidades.
Este projeto visa promover, a diversificação da
produção, a organização para a
comercialização, a participação das famílias
agricultoras junto a mecanismos participativos
de garantia da qualidade orgânica, o
envolvimento de organizações em redes de
apoio técnico e de consumo e promover o
intercâmbio destas experiências com outras
famílias agricultoras visando fomentar o uso
de tecnologias de produção, beneficiamento e
comercialização adaptadas à agricultura
familiar.
Com relação à abrangência desse Projeto, ele se
da nos municípios de Botucatu, Embu e Itapeva,
respectivamente nos territórios da Baixada
Serrana, zona rural próxima a áreas urbanas e no
Assentamento Rural Pirituba II. Irá atuar no âmbito
da região sudeste brasileira, por meio do
Intercâmbio entre organizações de apoio técnico e
universidades vinculados à Articulação Paulista de
Agroecologia
Tal “modernização” promoveu um aumento na
produção agrícola brasileira, a ponto de tornar o Brasil, na
década de setenta do século passado, em um grande
exportador de grãos. Por outro lado, a adoção de tais
políticas resultou na intensificação do êxodo rural e no
empobrecimento das famílias agricultoras que resistiram
neste processo. Verifica-se ainda, uma linha decrescente na
produtividade, sinal da exaustão de solos quimificados por
monocultivos intensivos.
O
Instituto
Giramundo
Mutuando
vem
desenvolvendo, desde julho de 2001, trabalho participativo
de formação da identidade do profissional de Extensão Rural
Agroecológica junto a estudantes das Ciências Agrárias da
Universidade Estadual Paulista – UNESP de Botucatu, entre
outras universidades.
A partir de 2004 o Instituto vem se dedicando ao
desenvolvimento do Programa de Extensão Rural
Agroecológica de Botucatu e Região – PROGERA. Este
Programa tem como objetivo fundamental desenvolver e
empoderar a Agricultura Familiar na região de Botucatu, com
base nos princípios da Agroecologia e das Metodologias
Participativas, criando condições que favoreçam a
recuperação ambiental de áreas degradadas e a Transição
Agroecológica em pequenas propriedades da região.
Realização
:
Financiamento:
Atividades de planejamento de Sistema
Agroflorestal com participação de
agricultores, técnicos e estudantes na
propriedade da família Mira
Apoio:
Prefeitura Municipal de Botucatu
Subsecretaria de Agricultura
Algumas atividades desenvolvidas:
Intercambios
O Projeto visa promover, com o auxílio das
metodologias
participativas,
a
diversificação
da
produção,
a
organização para a comercialização, a
participação das famílias agricultoras junto
a mecanismos participativos de garantia
da qualidade orgânica, o envolvimento de
organizações em redes de apoio técnico e
de consumo e, principalmente, promover o
intercâmbio destas experiências com
outras
famílias
agricultoras
visando
fomentar o uso de tecnologias de
produção e comercialização adaptadas à
agricultura familiar.
Intercambio Coletivo de mulheresna empresa Centroflora em
Botucatu
Diagnósticos
Formações
Para a identificação dos problemas e
potenciais relativos às propriedades envolvidas
para melhoria da produção a fim de que se
tornem referências a outros agricultores como
na Feira organizada pela sociedade civil
Sociedade Ecológica Amigos do Embu.
Atividades de formação que respondam
às demandas identificadas para as
famílias
agricultoras
envolvidas
ampliando a participação para outras
famílias da mesma região e realizar
atividade de formação de formadores
em Tecnologias de base ecológica;
Monitoramento com indicadores de
sustentabilidade a partir dos princípios da
Economia Ecológica; Mecanismos
participativos
de garantia da
qualidade
orgânica e
Agroindustrialização familiar.
Eventos – Fórum de Agroecologia
Aconteceu entre os dias 9 a 11 de Novembro, o II Fórum
Paulista de Agroecologia e o VI Encontro da Articulação
Paulista de Agroecologia (APA), na Universidade Federal
de São Carlos (UFSCar), campus de Sorocaba com a
meta de divulgar e ampliar a importância do uso de
tecnologias
de
base
ecológica
na
produção
agropecuária, os mecanismos de conformidade
orgânica, os indicadores de sustentabilidade, a
diversificação e organização para a comercialização e
os princípios da PNATER junto às Universidade e centros
de pesquisa a fim de fortalecer a formação de novos
profissionais bem como aproximar a pesquisa formal das
unidades de referência.

similar documents